Ecstasy

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Fevereiro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Wikcionário
O Wikcionário possui o verbete êxtase.
Estrutura química de Ecstasy
MDMA animation.gif
Nome IUPAC (sistemática)
(RS)-1-(benzo[d][1,3]dioxol-5-yl)-N-methylpropan-2-amine
Identificadores
CAS 42542-10-9
66142-89-0 69610-10-2 81262-70-6
ATC  ?
PubChem 1615
Informação química
Fórmula molecular C11H15NO2 
Massa molar 193,25 g/mol
SMILES CC(NC)CC1=CC=C(OCO2)C2=C1
Farmacocinética
Biodisponibilidade  ?
Metabolismo Hepático, CYP extensively involved
Meia-vida A meia-vida do MDMA depende da dose, aumentando em doses maiores, mas com cerca de 6–10 horas em doses de 40–125 mg
Excreção Renal
Considerações terapêuticas
Administração Oral
DL50  ?

A metilenodioximetanfetamina (MDMA), XTC, ADAM, MDM, pílula do amor[1] mais conhecida por ecstasy, é uma droga moderna sintetizada (feita em laboratório), cujo efeito na fisiologia humana é a diminuição da reabsorção da serotonina, dopamina e noradrenalina no cérebro, onde estas substâncias ficarão em maior contato entre as sinapses, causando euforia, sensação de bem-estar, alterações da percepção sensorial do consumidor e grande perda de líquidos, pertencente a família das anfetaminas. As alterações ao nível do tacto promovem o contacto físico, embora não tenha propriedades afrodisíacas, como se pensa, apenas aumenta o desejo incapacitando as condições fisiológicas para o ato sexual do indivíduo.[2] O ecstasy ganhou notoriedade e perfusão com o desenvolvimento da moda tecno e das festas rave.[3]

É vendido sob a forma de comprimidos e ocasionalmente em cápsulas. A dose de cada comprimido consumida é variável, podendo chegar de poucos miligramas a mais de 200 mg, muitas vezes misturadas a cafeína, amido, detergentes e outras drogas.[4]

História[editar | editar código-fonte]

O registro da patente do MDMA (metileniodioxioximetanfetamina) foi pedido em 24 de Dezembro de 1912 pela empresa farmacêutica Merck, após ter sido sintetizada para a empresa, pelo químico alemão Anton Köllisch em Darmstadt nesse mesmo ano. [5] [6] Foi desenvolvido inicialmente para militares, pois combatia o sono e a fome. A patente foi aceita em 1914, e quando Anton Köllisch morreu em 1916, este ainda não sabia do impacto que o MDMA teria.

Experiência[editar | editar código-fonte]

Dependendo da quantidade ingerida, o MDMA demora tipicamente 30 minutos[1] a surtir efeito. Ao contrário de outros psicoactivos, o efeito do MDMA é muito rápido: muitas vezes quando o consumidor percebe que os efeitos estão a surgir, já se encontram muito próximos do "pico". A quantidade de MDMA em cada comprimido varia, em média, entre 30 e 100 miligramas, dependendo da pureza da sua composição e da tolerância do consumidor.

A duração do efeito é de cerca de 4 a 8 horas, quando ingerido oralmente. Existe, porém, um período de tempo acrescido associado ao declínio dos efeitos primários em que o consumidor tem a percepção da persistência dos efeitos, embora não possam ser considerados a verdadeira experiência, isto é, os efeitos primários. Neste período, ocorrem frequentemente insônias (devido ao estado de agitação), comichão, reações musculares como espasmos involuntários, espasmos do maxilar, dor de cabeça, visão turva, movimentos descontrolados de vários membros, principalmente nos braços e pernas, quando ingerido em doses grandes.

Durante o período de intensidade do ecstasy podem surgir circunstâncias perigosas: náuseas, desidratação, hipertermia, hiponatrémia, hipertensão. Estes sintomas são frequentemente ignorados pelo consumidor devido ao estado de despreocupação e bem-estar provocados pela droga, o que pode ocasionar exaustão, convulsões e mesmo a morte. Assim, tornou-se frequente ver os consumidores em todos os tipos de festas e comemorações dotados de garrafas de água ou bebidas energéticas. Quando ingerido com bebidas alcoólicas, pode ocasionar um choque cardio-respiratório, levando ao óbito.

Em termos de efeitos secundários, alguns indivíduos registam períodos depressivos; outros, podem detectar a ocorrência de erupções cutâneas (espinhas) no rosto, nos dias subsequentes ao uso.

Também pode acarretar perda de memória total para utilizadores muito frequentes a longo prazo, perda de eficácia do cérebro e uma maior necessidade de energia desse órgão[7] ; Imediatamente à sensação dos efeitos primários, prevalece também a falta de apetite, o que deve ser activamente combatido para repor a energia gasta durante o uso.

Cápsulas de MDMA


Referências

  1. a b OGA, Seizi. Fundamentos de Toxicologia. São Paulo: Atheneu, 1996
  2. Conselho Pontifício Para A Pastoral Da Saúde. Droga e toxicodependência - O desafio de uma intervenção global. [S.l.: s.n.]. p. 70.
  3. Conselho Pontifício Para A Pastoral Da Saúde. Droga e toxicodependência - O desafio de uma intervenção global. [S.l.: s.n.]. p. 67.
  4. Conselho Pontifício Para A Pastoral Da Saúde. Droga e toxicodependência - O desafio de uma intervenção global. [S.l.: s.n.]. p. 68.
  5. Freudenmann, R.W. et al. (2006). The origin of MDMA (ecstasy)também conhecido como chocolate em barra revisited: the true story reconstructed from the original documents. Addiction 101, 1241-1245. PMID 16911722 PDF (artigo em inglês)
  6. Benzenhöfer, U. and Passie, T. (2006). The early history of "Ecstasy". Nervenarzt 77, 95-99. PMID 16397805 PDF (artigo em alemão)
  7. Ecstasy leva a perda da eficácia do cérebro. Ciência Hoje (25 de maio de 2011). Página visitada em 26 de maio de 2011.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]