Cannabis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaCannabis
Cânhamo comum

Cânhamo comum
Estado de conservação
Status iucn3.1 LC pt.svg
Pouco preocupante
Classificação científica
Reino: Plantae
Clado: Angiospérmicas
Clado: Eudicotiledóneas
Clado: Rosídeas
Ordem: Rosales
Família: Cannabaceae
Género: Cannabis
L. 1753
Variedades

Cannabis é um gênero de angiospermas que inclui três variedades diferentes: Cannabis sativa, Cannabis indica e Cannabis ruderalis.[1] Estes três táxons são nativos do Centro e do Sul da Ásia.[2] A Cannabis tem sido muito utilizada para a fabricação de fibras (cânhamo), para sementes e óleos de sementes, para fins medicinais e como droga recreativa. Os produtos industriais de cânhamo são feitos a partir de plantas de Cannabis selecionadas para produzir uma grande quantidade de fibras. Para cumprir a Convenção de Narcóticos da ONU, algumas cepas de cannabis foram criadas para produzir níveis mínimos de THC, o principal constituinte psicoativo responsável pelo "barato" associado com a maconha, que consiste em flores secas de plantas de cannabis criadas de forma selecionada para produzir altos níveis de THC e de outros canabinoides psicoativos. Diversos produto derivados, incluindo extratos de haxixe, são também produzidos a partir da planta.[3]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A palavra cannabis vem do grego κάνναβις (kánnabis)) (cannabis em latim),[4] que é originário de palavras das citas ou do trácio.[5] O termo está relacionado com a palavra persa kanab.[5] Em hebraico moderno, קַנַּבּוֹס qannabōs é usado, mas מַעֲלֶה עָשָׁן maʿăleh ʿāšān (portador de fumo) é o termo antigo. O termo qunnabtu do acadiano antigo e qunnabu do neo-assírio e neo-babilônico eram os termos usados ​​para se referir à planta e que significa "uma maneira de produzir fumaça".[6] [7] [8]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Cannabis é uma erva anual, dioica e angiospérmica. As folhas são compostas em forma de palmeira ou digitadas, com folíolos serrilhados.[9] O primeiro par de folhas geralmente têm um folíolo único, que cresce gradualmente até um máximo de cerca de treze folíolos por folha (normalmente sete ou nove), dependendo da variedade e das condições de crescimento. No topo de uma planta angiosperma, a quantidade diminui de novo para um folíolo único por folha. Os pares de folhas inferiores geralmente ocorrem em um arranjo de folhas opostas e os pares de folhas superiores em um arranjo alternativo na haste principal de uma planta madura.

Inferior da folha de Cannabis sativa, mostrando um diagnóstico de venação.

As folhas têm um padrão de venação peculiar que permite que pessoas mal familiarizados com a planta possam distinguir uma folha de uma das espécies de Cannabis, que têm folhas confusamente similares (ver ilustração). Como é comum em folhas dentadas, cada uma tem uma veia central serrilhada estendendo-se até a ponta. Este padrão de venação varia ligeiramente entre as variedades, mas, em geral, é posível observar folhas de cannabis superficialmente semelhantes sem dificuldade e sem equipamento especial. Pequenas amostras de plantas de cannabis também podem ser identificadas com precisão pelo exame microscópico de células da folha e de características semelhantes, mas que exigem conhecimentos e equipamentos especiais.[10]

A Cannabis normalmente tem flores imperfeitas, com estames "masculinos" e pistilos "femininos" que ocorrem em plantas separadas.[11] Não é incomum, no entanto, que plantas individuais possam suportar tanto flores masculinas e femininas.[12] "Há muito tempo os chineses classificaram a planta Cannabis como dioica"[13] e o dicionário Erya (século 3 a.C.) define xi 枲 como "Cannabis macho" e fu 莩 (ou ju 苴) como "Cannabis fêmea".[14]

Cannabis crescendo como erva daninha no pé do Dhaulagiri, Himalaia.

Todas as cepas conhecidas de Cannabis são polinizadas pelo vento[15] e o fruto é um aquênio.[16] A maioria das cepas de Cannabis são plantas de dias curtos,[15] com a possível exceção da C. sativa subsp. sativa var. spontanea (= C. ruderalis), que é comumente descrita como possuidoras de "auto-floração" e podem ser plantas neutras em relação ao dia.

A Cannabis, como muitos outros organismos, é diploide, com um complemento cromossômico de 2n = 20, embora certos indivíduos poliploides já terem sido artificialmente produzidos.[17] A primeira seqüência do genoma da Cannabis, que é estimada em 820 megabases de tamanho, foi publicado em 2011 por uma equipe de cientistas canadenses.[18] Acredita-se que a planta originou-se no noroeste regiões montanhosas do Himalaia. Ela também é conhecida como cânhamo, embora este termo seja usado frequentemente para se referir apenas às variedades de Cannabis cultivadas para uso industrial e não em drogas recreativas. As plantas de Cannabis produzem um grupo de substâncias químicas chamadas canabinoides, que produzem efeitos físicos e mentais quando consumidos.

Canabinoides, terpenoides e outros compostos são secretados por tricomas glandulares que ocorrem mais abundantemente sobre os cálices florais e brácteas das plantas femininas.[19] Como uma droga que geralmente vem em forma de botões de flores secas (maconha), resina (haxixe) ou vários extratos conhecidos coletivamente como o óleo de haxixe.[3] No início do século XX, tornou-se ilegal na maior parte do mundo cultivar ou possuir maconha para venda ou uso pessoal.

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

Folhas de Cannabis sativa, aspecto dorsal.

O gênero Cannabis já foi anteriormente classificado dentro das famílias Urtiga (Urticaceae) ou Morus (Moraceae) e mais tarde junto com o gênero dos lúpulos (Humulus), em uma família separada, a do cânhamo (Cannabaceae stricto sensu).[20] Recentes estudos filogenéticos baseados na análise de uma área restrita de cpDNA e do sequenciamento genético sugerem fortemente que a Cannabaceae surgiu de dentro da família anterior Celtidaceae e que as duas famílias devem ser fundidas para formar uma única família monofilética, a Cannabaceae lato sensu.[21] [22]

Vários tipos de Cannabis têm sido descritos e classificados de diversas formas como espécies, subespécies ou variedades:[23]

  • plantas cultivadas para a produção de fibras e de sementes, descritas como de baixa toxicidade ou de fibra.
  • plantas cultivadas para a produção de drogas, descritas como de alta toxicidade ou tipos de droga.
  • escapadas e formas hibridizadas, ou a forma selvagem de qualquer um dos tipos acima.

As plantas Cannabis produzem uma família única de compostos terpeno-fenólicos chamados canabinoides, que produzem os "baratos" experimentados por usuários de maconha. Os dois canabinoides geralmente produzidos em maior abundância são o canabidiol (CBD) e/ou Δ9-tetrahidrocanabinol (THC), mas apenas o THC é psicoativo. Desde os anos 1970, as plantas Cannabis foram classificadas por seu fenótipo químico ou "quimiotipo", com base na quantidade total de THC produzida e na relação THC/CBD.[24] Embora a produção global de canabinoides seja influenciada por fatores ambientais, a relação de THC/CBD é determinada geneticamente e permanece fixa durante toda a vida de uma planta.[25] Plantas que não são usadas como drogas produzem níveis relativamente baixos de THC e altos níveis de CBD, enquanto as plantas voltadas para o uso como drogas produzem altos níveis de níveis de THC e baixos de CBD . Quando as plantas destes dois quimiotipos têm sua polinização cruzada, as plantas da primeira geração (F1) tem um quimiotipo filial intermediário e produzem quantidades semelhantes de CBD e THC. As plantas femininas deste quimiotipo podem produzir THC suficiente para ser utilizado para a produção de drogas.[24] [26]

Tipos de cannabis.

Se os tipos de Cannabis voltadas para uso como droga ou para outros usos, cultivados e selvagens, constituem uma única espécie altamente variável ou se o gênero é politípico com mais de uma espécie, tem sido tema de discussão há mais de dois séculos. Esta é uma questão controversa, porque não há uma definição universalmente aceita de espécie.[27] Um critério amplamente aplicado para o reconhecimento de espécies é que elas são "grupos de populações que efetiva ou potencialmente se cruzam naturalmente e que são reprodutivamente isolados de outros grupos".[28] As populações que são fisiologicamente capazes de cruzar, mas morfologicamente ou geneticamente divergentes e isoladas pela geografia ou ecologia, às vezes são considerados espécies distintas.[28] Barreiras fisiológicas para a reprodução não são conhecidas por ocorrer dentro do gênero Cannabis e as plantas de origens muito divergentes são interférteis.[17] No entanto, as barreiras físicas para a troca de genes (como a cordilheira do Himalaia) podem ter habilitado conjuntos de genes divergentes de Cannabis antes do início da intervenção humana, resultando em especiação.[29] Ainda permanece controverso se existe divergência morfológica e genética suficiente dentro do gênero como resultado do isolamento geográfico ou ecológico que justifique o reconhecimento de mais de uma espécie dentro dessa classe de plantas.[30] [31] [32]

Diferença entre Cannabis indica e Cannabis sativa[editar | editar código-fonte]

A Cannabis indica pode ter uma relação CBD/THC de 4 a 5 vezes maior que a Cannabis sativa. As cepas de cannabis com índices de CBD/THC relativamente altos são menos propensas a induzir à ansiedade, do que ao contrário. Isto pode acontecer devido a efeitos antagonistas do CBD nos receptores de canabinoides, em comparação ao efeito do THC agonista parcial. O CBD também é um agonista do receptor 5-HT1A, o que também pode contribuir para um possível efeito ansiolítico.[33] Isto provavelmente significa que as altas concentrações de CBD encontrados na Cannabis indica uma significativa mitigação do efeito ansiogênico do THC.[33] Os efeitos da sativa são bastante conhecidos por suas altas cerebral, portanto utilizada durante o dia como maconha medicinal, enquanto os efeitos da indica são conhecidos por seus resultados sedativos e, portanto, é mais utilizada preferencialmente durante à noite como medicamento.[33]

Primeiras classificações[editar | editar código-fonte]

O gênero Cannabis foi classificado utilizando o "moderno" sistema taxonômico de nomenclatura de Carolus Linnaeus de 1753, que desenvolveu o sistema que ainda está em uso para a nomeação de espécies.[34] Ele considerou que o gênero era monotípico, tendo apenas uma única espécie que deu o nome de Cannabis sativa L. (L. significa Linnaeus e indica a autoridade sob o primeiro nome da espécie). Linnaeus estava familiarizado com o cânhamo europeu, que era amplamente cultivado na época. Em 1785, observou o biólogo evolucionista Jean-Baptiste de Lamarck publicou uma descrição de uma segunda espécie de maconha, que ele chamou de Cannabis indica Lam.[35] Lamarck baseou a sua descrição da espécie recém-nomeada em amostras de plantas coletadas na Índia. Ele descreveu a C. indica como tendo menor qualidade de fibra do que a C. sativa, mas um maior potencial como inebriante. Espécies adicionais de Cannabis foram propostas no século XIX, incluindo estirpes da China e do Vietnã (Indochina) das quais foram atribuídos os nomes Cannabis chinensis Delile, and Cannabis gigantea Delile ex Vilmorin.[36] No entanto, muitos taxonomistas classificaram essas espécies putativos como difíceis de distinguir de outras. No início do século XX, o conceito de uma única espécie ainda era amplamente aceito, exceto na União Soviética, onde a cannabis continuou a ser um ativo objeto de estudo taxonômico. O nome Cannabis indica foi listada em várias farmacopeias e foi amplamente utilizado para designar a Cannabis adequada para a fabricação de medicamentos.[37]

Uso[editar | editar código-fonte]

Produto Composição Teor de delta9 - THC Modo de uso
Maconha (Brasil), Kif (Marrocos), Dagga (África do sul), Marijuana,grass (EUA) Vegetal em sua totalidade 1 a 3% Fumo através de cigarros. Cada cigarro contém em média 0,5 a 1,0 g da erva
Hash oil ou óleo de Cannabis Extraido com solventes orgânicos ou destilação. até 60% Fumo através de cigarros. Geralmente misturado com a própria erva ou com tabaco.
Haxixe, Charas (Índia) Resina seca da inflorescência. 1,4 a 18,8% Cachimbos
Sinsemilla, Seedless marijuana (Califórnia, EUA) Plantas floridas femininas que não tiveram polinização Cerca de 5% Fumada
Ganja (Índia) Resina composta por folhas e inflorscências. Aproximadamente 3% Adicionada a doces ou bebidas, também é fumada
Bhang Folhas secas e inflorescências de plantas sem cultivo Igual à maconha Bebida na forma de decocção
Skunk Cruzamento da Cannabis Sativa e Cannabis Indica Por volta de 25% a 30% Fumada

Uso medicinal[editar | editar código-fonte]

A Cannabis possui efeito antiemético, podendo ser usado no alívio do enjoo e depressão relacionados com o câncer. Pode também ser usada como analgésico. Alguns estudos mostram que é capaz de reduzir significativamente a pressão intraocular e o fluxo lacrimal em pacientes com glaucoma, embora o efeito seja de pouca duração.

Uso comercial[editar | editar código-fonte]

A Cannabis e outras plantas da mesma família produzem uma fibra extremamente forte que é usada na fabricação de linhas e papel. De suas sementes extrai-se um óleo que pode ser usado como combustível. Além disso, existe o uso medicinal ja que o psicoativo tetrahidrocanabinol possui propriedades variadas.

Atualmente se tem o conhecimento de que o uso do cânhamo na produção de produtos industrializados em geral, é alternativa ecológica emergente. Muitas empresas estão em busca de produtos mais ecológicos e menos poluentes, encontrando na Cannabis uma importante ferramenta para a mudança de cenário. Conforme estudo realizado pela indústria de papel conseguiu provar que em uma mesma área e em um mesmo período de tempo, é possível produzir até 3 vezes mais papel de cannabis do que na área de produção de papel de árvores. Também se tem conhecimento de indústrias de fraldas para bebês, que gostariam de produzir fraldas mais ecológicas no Brasil, porém o setor da indústria é impedido de tal atitude ecológica devido as leis contra o cânhamo no Brasil.

Referências

  1. a b c Cannabis sativa information from NPGS/GRIN. www.ars-grin.gov. Página visitada em 13 de novembro de 2012.
  2. A. ElSohly, Mahmoud. Marijuana and the Cannabinoids. [S.l.]: Humana Press, 2007. 322 p. p. 8. ISBN 1-58829-456-0 Página visitada em 12 de novembro de 2012.
  3. a b Erowid. 2006. Cannabis Basics. Acessado em 12 de novembro de 2012
  4. "cannabis" OED Online. July 2009. Oxford University Press. 2009. http://dictionary.oed.com/cgi/entry/50032466
  5. a b Online Etymology Dictionary. Etymonline.com. Página visitada em 12 de novembro de 2012.
  6. Rubin, Vera D.. Cannabis and Culture. [S.l.]: Campus Verlag, 1976. ISBN 3-593-37442-0 p. 305.
  7. Cannabis and Culture. [S.l.]: Mouton, 1976. p. 305. ISBN 90-279-7669-4
  8. A Concise Dictionary of Akkadian. [S.l.]: Harrassowitz Verlag, 1999. vol. 5. ISBN 3-447-04
  9. Leaf Terminology (Part 1). Waynesword.palomar.edu. Página visitada em 12 de novembro de 2012.
  10. Watt, John Mitchell; Breyer-Brandwijk, Maria Gerdina: The Medicinal and Poisonous Plants of Southern and Eastern Africa 2nd ed Pub. E & S Livingstone 1962
  11. Lebel-Hardenack, S. and S. R. Grant. 1997. Genetics of sex determination in flowering plants. Trends in Plant Science 2(4): 130–136.
  12. Cristiana Moliterni, V. M., L. Cattivelli, P. Ranalli. and G. Mandolino. 2005. The sexual differentiation of Cannabis sativa L.: A morphological and molecular study. Euphytica 140(1-2): 95-106. Retrieved on 25 February 2007
  13. Li Hui-Lin (1973). "The Origin and Use of Cannabis in Eastern Asia: Linguistic-Cultural Implications", Economic Botany 28.3:293-301, p. 294.
  14. 13/99 and 13/133. In addition, 13/98 defined fen 蕡 "Cannabis inflorescence" and 13/159 bo 薜 "wild Cannabis".
  15. a b Clarke, Robert C. 1991. Marijuana Botany, 2nd ed. Ron Publishing, California. ISBN 0-914171-78-X
  16. Small, E. 1975. Morphological variation of achenes of Cannabis. Canadian Journal of Botany 53(10): 978-987.
  17. a b Small, E. 1972. Interfertility and chromosomal uniformity in Cannabis. Canadian Journal of Botany 50(9): 1947–1949.
  18. van Bakel et al. 2011. The draft genome and transcriptome of Cannabis sativa. Genome Biology 2011, 12: R102. http://genomebiology.com/2011/12/10/R102
  19. Mahlberg, Paul G. and Eun Soo Kim. 2001. THC (tetrahyrdocannabinol) accumulation in glands of Cannabis (Cannabaceae). The Hemp Report 3(17). Retrieved on 23 February 2007
  20. Schultes, R. E., A. Hofmann, and C. Rätsch. 2001. The nectar of delight. In: Plants of the Gods 2nd ed., Healing Arts Press, Rochester, Vermont, pp. 92–101. ISBN 0-89281-979-0
  21. Song, B.-H., Wang, X.-Q., Li, F.-Z., and Hong, D.-Y. 2001. Further evidence for paraphyly of the Celtidaceae from the chloroplast gene matK. Plant Systematics and Evolution 228(1-2): 107-115.
  22. Sytsma, K. J., Morawetz, J., Pires, J. C., Nepokroeff, M., Conti, E., Zjhra, M., Hall, J. C., and Chase, M. W. 2002. Urticalean Rosids: circumscription, Rosid ancestry, and phylogenetics based on rbcL, trnL-F, and ndh-F sequences. American Journal of Botany 89(9): 1531–1546.
  23. Small, Ernest. 1975. American law and the species problem in Cannabis: Science and semantics. Bulletin on Narcotics 27(3): 1-20. Acessado em 13 de novembro de 2012.
  24. a b Small, E. and H. D. Beckstead. 1973. Common cannabinoid phenotypes in 350 stocks of Cannabis. Lloydia 36: 144–165.
  25. Etienne P. M. de Meijer, M. Bagatta, A. Carboni, P. Crucitti, V. M. Cristiana Moliterni, P. Ranalli, and G. Mandolino. 2003. The Inheritance of Chemical Phenotype in Cannabis sativa L. Genetics 163(1): 335-346. Retrieved on 23 February 2007
  26. Hillig, Karl W. and Paul G. Mahlberg. 2004. A chemotaxonomic analysis of cannabinoid variation in Cannabis (Cannabaceae). American Journal of Botany 91(6): 966-975. Retrieved 22 February 2007.
  27. Small, E. 1979. Fundamental aspects of the species problem in biology. In: The Species Problem in Cannabis, vol. 1: Science. Corpus Information Services, Toronto, Canada, pp. 5–63. ISBN 0-919217-11-7
  28. a b Rieger, R., A. Michaelis, and M. M. Green. 1991. Glossary of Genetics, 5th ed. Springer-Verlag, pp. 458–459. ISBN 0-387-52054-6
  29. Hillig, Karl W. 2005. Genetic evidence for speciation in Cannabis (Cannabaceae). Genetic Resources and Crop Evolution 52(2): 161-180. Retrieved on 23 February 2007
  30. Small, E. 1975. On toadstool soup and legal species of marihuana. Plant Science Bulletin 21(3): 34-39. Retrieved on 23 February 2007
  31. Emboden, W. A. 1981. The genus Cannabis and the correct use of taxonomic categories. Journal of Psychoactive Drugs 13: 15–21.
  32. Schultes, R. E., and A. Hofmann. 1980. Botany and Chemistry of Hallucinogens. C. C. Thomas, Springfield, Illinois, pp. 82–116. ISBN 0-398-03863-5
  33. a b c J. E. Joy, S. J. Watson, Jr., and J. A. Benson, Jr.. Marijuana and Medicine: Assessing The Science Base. Washington, D.C.: National Academy of Sciences Press, 1999. ISBN 0-585-05800-8
  34. Linnaeus, C. 1753. Species Plantarum 2: 1027. Salvius, Stockholm. [Facsimile edition, 1957–1959. Ray Society, London, U.K.]
  35. de Lamarck, J.B. 1785. Encyclopédie Méthodique de Botanique, vol. 1, pt. 2. Paris, France, pp. 694–695
  36. Small, E. and A. Cronquist. 1976. A practical and natural taxonomy for Cannabis. Taxon 25(4): 405–435.
  37. Winek, C. L. 1977. Some historical aspects of marijuana. Clinical Toxicology 10(2): 243-253.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Cannabis
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Cannabis