Glândula

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Uma glândula é um órgão, constituído de tecido epitelial, cuja utilidade é secretar algumas substâncias com uma função predeterminada. Esta substância pode ser secretada dentro do sistema circulatório (endócrina) ou fora dele (exócrina). Uma glândula pode conter os dois tipos de função ao mesmo tempo. O pâncreas, por exemplo, contém as duas funções. O pâncreas endócrino é responsável pela produção de insulina e o pâncreas exócrino é responsável pela produção de enzimas digestivas (lipase e amilase) responsáveis por ajudar na digestão das proteínas.

O tecido adiposo é a maior glândula endócrina do organismo humano, como ficou provado há pouco tempo. A liberação de diversas substâncias pelos adipócitos (células de gordura) foram reconhecidas, tomando o lugar do fígado, anteriormente detentor deste título.

Classificação[editar | editar código-fonte]

As glândulas podem ser classificadas segundo muitos critérios. Dentre os mais importantes pode-se citar:

  • Quanto ao número de células;
  • Quanto a natureza de sua secreção;
  • Quanto a forma da glândula;
  • Quanto ao seu mecanismo de secreção;

Quanto ao número de células[editar | editar código-fonte]

Nesse critério, as glândulas são classificadas em:

  • Unicelulares: Possuem apenas uma célula, uma porção secretora. Como exemplo temos a célula caliciforme.
  • Pluricelulares: Possuem mais de uma célula, sendo portanto, a maioria das glândulas do corpo humano. É como exemplo, o pâncreas e o fígado.

Quanto a natureza de sua secreção[editar | editar código-fonte]

Pode dividir quanto a esse requisito em glândulas:

  • Mucosas: Secretam muco. O muco é uma secreção mais densa, de alta viscosidade.
  • Serosa: Secretam substâncias serosas, que é algo mais fluído, com grande quantidade de proteínas.
  • Mucosserosa ou Mista: Quando secretam muco e substâncias serosas.

Quanto a forma da glândula[editar | editar código-fonte]

Podem ser diferentes nomes de acordo com a sua disposição espacial. Por isso, possuem diferentes nomes. São esses nomes como: tubular simples, ácinal simples (como os ácinos pancreáticos) e túbulo-ácinal.

Quanto ao seu mecanismo de secreção[editar | editar código-fonte]

Essa forma é a mais importante de classificação. As glândulas secretam diferentes quantidades de fluido no seu local-alvo. Por isso, devido tanto a essa diferença de quantidade, quanto a constituição desse fluido, dividiu-se as glândulas em 3 tipos:

  • Apócrina: Uma porção pequena do pólo apical é liberada juntamente com o produto de secreção. Pode ser a glândula mamária.
  • Merócrina: Liberam por exocitose, sem liberar nenhum conteúdo citoplasmático próprio. É a glândula parótida.
  • Holócrinas: A célula amadurece, morre e torna-se o produto de secreção. Como exemplo, é a glândula sebácea.

Links internos[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Junqueira, L.C.; Carneiro, José. Histologia básica: texto /atlas. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2004. p.448
  • Wheater, Paul Richard; Young, Barbara;Heath, John W.. Wheater Histologia funcional:texto e atlas em cores. [Wheater's FunctionalHistology. A Text and Colour Atlas]. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001. 415 p. il.