Janete Clair

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Janete Clair
Nacionalidade  brasileira
Data de nascimento 25 de abril de 1925
Local de nascimento Minas Gerais Conquista, MG
Data de falecimento 16 de novembro de 1983 (58 anos)
Local de falecimento Rio de Janeiro Rio de Janeiro, RJ, Brasil
Ocupação escritora, novelista, teatróloga
Cônjuge Dias Gomes

Janete Clair, nome artístico de Jenete Stocco Emmer Dias Gomes (Conquista, 25 de abril de 1925[1]Rio de Janeiro, 16 de novembro de 1983), foi uma célebre escritora brasileira, autora de folhetins para rádio e televisão. O sobrenome Dias Gomes vem do marido, o também escritor Alfredo de Freitas Dias Gomes.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Janete Clair nasceu Jenete Stoco Emmer[2] , filha do libanês Salim Emmer. Depois de passar uma infância tranquila em Conquista, no Triângulo Mineiro, no vale do Rio Grande, próxima a Uberaba, em Minas Gerais, o talento de Janete para a vida artística começou a despontar quando a família se mudou para Franca, em São Paulo. Na Rádio Herz, a principal emissora da cidade, Janete fazia sucesso interpretando canções em árabe e francês. Aos quatorze anos, precisou interromper temporariamente a vida artística e se dedicou a trabalhar como datilógrafa para ajudar na renda da família. Depois, já na capital São Paulo fez estágio num laboratório como bacteriologista e aos vinte anos passou num teste para ser locutora e rádio atriz da Rádio Tupi. Adotou o sobrenome artístico Clair, inspirada na música "Clair de Lune" de Claude Debussy por sugestão de Otávio Gabus Mendes. Nessa época, trabalhando na rádio, conheceu e se apaixonou por seu futuro marido, o dramaturgo Dias Gomes.

Nos anos 50, já casada e incentivada pelo marido, passou a escrever radionovelas e teve grande sucesso com Perdão, Meu Filho (Rádio Nacional, 1956). Com Dias, Jenete teve os filhos Guilherme, Alfredo, Denise e Marcos Plínio, este falecido ainda criança com dois anos e meio, fato que a fez sofrer demasiadamente.

Na década de 1960 iniciou a produção para a televisão, com as telenovelas O Acusador e Paixão Proibida, ambas pela TV Tupi. Em 1967, recebeu a incumbência de alterar a trama da telenovela Anastácia, a Mulher sem Destino, da Rede Globo, para reduzir drasticamente as despesas de produção. Ela, então, inseriu na história um terremoto que matou mais da metade dos personagens e destruiu a maior parte dos cenários. Depois disso, ficou em definitivo na Rede Globo, onde escreveu telenovelas como Sangue e Areia, Passo dos Ventos, Rosa Rebelde e Véu de Noiva.

Nos anos 70 escreveu algumas das telenovelas de maior sucesso da história televisiva nacional, como Irmãos Coragem (1970), Selva de Pedra (1972) e Pecado Capital (1975), período este em que passou a ser chamada de "a maga das oito", por garantir índices de audiência estratosféricos nas telenovelas exibidas neste horário, sendo, em muitas, indiscutivelmente imbatível. Em 1978, parou o Brasil com a telenovela O Astro, em torno do mistério "Quem matou Salomão Hayala?" , personagem então interpretado por Dionísio Azevedo. Janete Clair se tornou a maior autora popular da história da televisão do Brasil, a única a alcançar 100 pontos de audiência.

Morreu precocemente, vitimada por um câncer no intestino, enquanto escrevia a telenovela Eu Prometo, que deixou inacabada. Esta acabou sendo concluída pela colaboradora Glória Perez, que viria a tornar-se reconhecida e respeitada novelista, e pelo seu viúvo Dias Gomes.

Janete hoje é tida como símbolo de carisma, simplicidade e talento. Suas histórias ainda povoam a mente dos brasileiros, e permitiu de modo ímpar, evidentemente junto com trabalhos de autores como Walter George Durst, Ivani Ribeiro, Cassiano Gabus Mendes e Lauro César Muniz, dentre outros, a popularização da novela como produto de cultura massificada e acessível à praticamente - senão à toda - população.

Com a participação de historiadores, parentes, amigos, admiradores e do poder público está sendo preparado o "Festival Janete Clair" que deverá acontecer todos os anos na semana do dia 25 de Abril na cidade natalícia de Janete, Conquista, interior de Minas Gerais.

Carreira no rádio[editar | editar código-fonte]

  • 1944 - Teatrinho das Cinco Horas - Rádio Difusora de S. Paulo
  • 1948 - Rumos Opostos - Rádio América de São Paulo
  • 1950 - Pausa para Meditação - Rádio América de São Paulo
  • 1952 - Ana Karenina - Rádio Clube do Rio de Janeiro
  • 1956 à 1969 - Perdão Meu Filho, Alba Valéria, Amar Até Morrer, A Canção do Fugitivo, A Canção do Rio, O Canto do Cisne, Concerto de Outono, A Deusa do Rio, Ela se chamava Esperança, Uma Escada para o Céu, A Estrada do Pecado, Um Estranho na Terra de Ninguém, A Família Borges, A Imagem de Rosana, Inocente Pecadora, Uma Mulher contra o mundo Inteiro, A Mulher Marcada, Noite Sem Fim, A Noiva das Trevas, Nuvem de Fogo, O Orgulho de Mara, Pérolas de Fogo, Poema de um Homem Só, Rosa Malena, O Sorriso da Imagem de Pedra, Sublime Pecadora, A Sultana do Grande Lago, A Taça do Pecado, Vende-se um Véu de Noiva e outras.

Carreira na televisão[editar | editar código-fonte]

No Brasil[editar | editar código-fonte]

Telenovelas
Ano Trabalho Emissora Escalação Parceiros Titulares
1963 Nuvem de Fogo TV Rio autora principal
1963 Vesperal Troll TV Tupi autora principal
1964 O Acusador TV Tupi autora principal
1965 Estrada do Pecado TV Itacolomi autora principal
1966 Vesperal Troll TV Tupi autora principal
1966 O Porto dos Sete Destinos TV Rio autora principal
1966 Show Sem Limites TV Rio autora principal
1967 Paixão Proibida TV Tupi autora principal
1967 Anastácia, a Mulher sem Destino Rede Globo autora substituta Emiliano Queiróz
1967
1968
Sangue e Areia Rede Globo autora principal
1968
1969
Passo dos Ventos Rede Globo autora principal
1969 Rosa Rebelde Rede Globo autora principal
1969 Os acorrentados TV Rio/Record autora principal
1969
1970
Véu de Noiva Rede Globo autora principal
1970
1971
Irmãos Coragem Rede Globo autora principal
1971
1972
O Homem Que Deve Morrer Rede Globo autora principal
1972
1973
Selva de Pedra Rede Globo autora principal
1972 Meu Primeiro Baile Rede Globo (Caso Especial) autora principal
1973
1974
O Semideus Rede Globo autora principal
1974 Fogo sobre Terra Rede Globo autora principal
1974 Corrida do Ouro Rede Globo supervisão de texto
1975
1976
Bravo! Rede Globo autora principal (até o capítulo 106) Gilberto Braga
1975
1976
Pecado Capital Rede Globo autora principal
1975 Caso Especial Rede Globo alguns episódios
1976
1977
Duas Vidas Rede Globo autora principal
1977
1978
O Astro Rede Globo autora principal
1979 Pai Herói Rede Globo autora principal
1980
1981
Coração Alado Rede Globo autora principal
1981 Jogo da Vida Rede Globo argumento
1982 Sétimo Sentido Rede Globo autora principal
1983
1984
Eu Prometo Rede Globo autora principal finalizada por Glória Perez
1986 Selva de Pedra Rede Globo autora da história original remake escrito por Eloy Araújo e Regina Braga
1987 Direito de Amar Rede Globo autora da história original radionovela adaptada por Walter Negrão
1995 Irmãos Coragem Rede Globo autora da história original remake escrito por Dias Gomes e Marcílio Moraes
1998 Pecado Capital Rede Globo autora da história original remake escrito por Glória Perez
2009 Vende-se um Véu de Noiva SBT autora da história original radionovela adaptada por Íris Abravanel
2011 O Astro Rede Globo autora da história original remake escrito por Alcides Nogueira e Geraldo Carneiro

No exterior[editar | editar código-fonte]

Telesistema Mexicano (México)
Televisa San Angél (México)
TV Panamericana (Peru)
TV Universidad Católica (Chile)
TV Nacional (Chile)

Referências

  1. Janete Clair: uma conquistense ilustre. Prefeitura de Conquista (25/4/2011). Página visitada em 13/11/2013. "Se estivesse viva, Janete Clair estaria completando hoje 86 anos de idade. Ginette Stocco Emer, nasceu em Conquista, Minas Gerais, em 25 de abril de 1924."
  2. Janete Clair - trajetória. Memória Globo. Página visitada em 15/07/2014. "Assim entendeu o escrivão ao ouvir a pronúncia de Salim Emmer, o pai de Janete."