Selva de Pedra (1986)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto.
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Selva de Pedra
Informação geral
Formato Telenovela
Duração 45 min. aproximadamente
Criador(es) Regina Braga
Eloy Araújo baseado na obra de Janete Clair
País de origem Brasil
Idioma original Português
Produção
Diretor(es) Walter Avancini
Elenco Tony Ramos
Fernanda Torres
Christiane Torloni
José Mayer
Miguel Falabella
(Ver mais)
Tema de abertura "Rock and Roll Lullaby" - Freesounds
Transmissão original 24 de fevereiro de 198622 de agosto de 1986
N.º de episódios 155
Cronologia
Último
Último
Roque Santeiro
Roda de Fogo
Próximo
Próximo
Programas relacionados Selva de Pedra (1972)
Um Lugar ao Sol

Selva de Pedra foi uma telenovela brasileira produzida pela Rede Globo e exibida no horário das 20 horas, entre 24 de fevereiro e 22 de agosto de 1986, em 155 capítulos, substituindo Roque Santeiro e sendo substituída por Roda de Fogo.

É uma regravação da telenovela homônima de Janete Clair, exibida pela Rede Globo em 1972 e foi escrita por Regina Braga e Eloy Araújo com direção de Wálter Avancini, Dennis Carvalho, Ricardo Waddington e José Carlos Pieri, com Dennis Carvalho na direção geral.

Essa nova versão apresenta Tony Ramos, Fernanda Torres, José Mayer, Sebastião Vasconcelos, Maria Zilda, Miguel Falabella e Christiane Torloni nos papéis principais.

Enredo[editar | editar código-fonte]

A trama tem início na cidade de Duas Barras, no interior do estado do Rio de Janeiro. Cristiano Vilhena, filho de um pobre pregador evangélico, se envolve numa briga com mau-caráter Gastão Neves, que acaba morto no ocorrido. A briga é testemunhada pela artista plástica Simone Marques, que sabendo da inocência de Cristiano, o encoberta e acaba se envolvendo amorosamente com ele. Decidido a mudar de vida, Cristiano vai para o Rio de Janeiro trabalhar para o seu tio Aristides Vilhena, e Simone, pensando no seu futuro como artista plástica, vai junto com ele. Chegando lá eles se casam e vão morar na Pensão Palácio, que é administrada pela divertida Fanny.Nessa pensão, conhecem Miro, um cara de caráter totalmente duvidoso.

No âmbito do novo mundo em que vive, Cristiano conhece Fernanda, uma das acionistas do estaleiro do seu tio e noiva do seu primo Caio. A cada dia que se passa, ele se vê cada vez mais envolvido por ela. Completamente dividido entre Simone e Fernanda, Cristiano sofre pressão do vilão Miro, para terminar de uma vez seu relacionamento com Simone, nem que isso custe a própria vida dela. Pois para Miro, o casamento de Cristiano e Fernanda lhe proporcionaria a chance de ser um dos grandes acionistas do estaleiro. Fernanda então deixa Caio para se casar com Cristiano. Enquanto isso Miro planeja a morte de Simone. Ao persegui-lá numa rodovia, Simone sofre um grave acidente e é dada como morta. Ao saber da notícia, Cristiano fica arrasado, e com remorso, não consegue se casar com Fernanda, deixando-a no altar. Ela jura vingança à Cristiano e passa a atrapalhá-lo em todos os seus negócios no estaleiro.

Um tempo depois, Simone que sobrevivera ao acidente, retorna usando o nome de Rosana Reis, sua falecida irmã. Em uma festa, Cristiano a reconhece, mas ela o despreza e o culpa pelo acidente que sofreu. Enquanto isso, Cristiano continua sendo procurado pela morte de Gastão Neves, e só Simone pode livrá-lo da culpa.

Produção[editar | editar código-fonte]

A abertura foi uma das mais criativas já produzidas pela equipe do artista gráfico Hans Donner. Nela, vários prédios brotavam de um chão árido, como se fossem plantas - reproduzindo uma "selva" de pedra e concreto -, e refletiam personagens da trama em suas vidraças. No final, vistos de cima, formavam o rosto de Tony Ramos. Para tal, foram feitas maquetes dos prédios cobertas por espelhos, dando a impressão de modernos prédios envidraçados. A gravação foi feita em estúdio, e as paredes foram pintadas com nuvens, para compor o fundo. As maquetes, cobertas de argila, saíam da terra manipuladas pela equipe. Foi desenhado um esboço do rosto de Tony Ramos, sobre o qual foram colocados prédios de plástico de três tonalidades diferentes.[1]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Tony Ramos interpretou o protagonista Cristiano Vilhena.
Christiane Torloni interpretou a antagonista Fernanda Arruda Campos.
Miguel Falabella interpretou o antagonista Miro.
Ator Personagem
Tony Ramos Cristiano Vilhena
Fernanda Torres Simone Marques Vilhena / Rosana Reis
Christiane Torloni Fernanda Arruda Campos
José Mayer Caio Vilhena
Walmor Chagas Aristides Vilhena (Tide)
Sebastião Vasconcelos Sebastião Vilhena (Sessé)
Nicette Bruno Fanny
Stênio Garcia Mestre Pedro
Yara Lins Berenice
Miguel Falabella Miro (Argemiro Tavares)
Maria Zilda Laura Vilhena
Iara Jamra Diva Vilhena
Otávio Augusto Jorge Moreno
Rogério Márcico Chico (Francisco Marques)
Beth Goulart Cíntia Vilhena
Reinaldo Gonzaga Marcelo
Marilena Ansaldi Viví (Vivian Arruda)
Juliana Carneiro da Cunha Walkíria
Deborah Evelyn Flávia
André Di Mauro Guido
Tássia Camargo Joana / Jane
Márcia Rodrigues Madame Katsuki
Sura Berditchevsky Kátia
Ângela Figueiredo Beatriz
Odilon Wagner Joseph
Tânia Loureiro Olga
Neuza Caribé Zelinha (Joselina Vilhena)
André Valli Pipoca
Aracy Cardoso Irene
Paulo Hesse Isaac
Lisa Vieira Clarice
Ênio Santos José Neves
Anilza Leoni Sofia Neves (Ex-vedete)
Stepan Nercessian José (José Ambrósio)
Henri Pagnoncelli Horácio
Íris Bruzzi Dona Maria Amélia (Ex-vedete)
Glória Christal Teresinha
Jacyra Silva Marlene
Sebastião Lemos Pepe
Neuza Borges Creusa
Paulo Pinheiro Vitório
Betty Goffman Monique
Guilherme Fontes Júnior
Othon Bastos Delegado Orestes
Narjara Turetta Lena (Madalena Ribeiro)
Raul Gazola Oswaldo
Vicente Barcellos Sérgio
Suzana Faini Dra. Ana
Miguel Rosemberg Poli
David Massena Tonico
Marcelo Ibrahim Gastão Neves
Nélia Paula Lúcia Rangel (Ex-vedete)
Lutero Luiz Padre Jaime
Francisco Dantas Bartolomeu Perez
Roberto Bataglin César
Maria Alves Araci
Jonas Bloch Werner
André Di Mauro Guido
Paulo Villaça Juiz Carlos Almeida Balbino
Adriano Reys Mauro Pillar
Paulo Gonçalves Nando Pápi
Virgínia Lane Nina (Ex-vedete)
Irma Alvarez Sônia (Ex-vedete)
Diana Morel Jandira Sampaio (Ex-vedete)

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.


  • Selva de Pedra de 1986 é um dos maiores recordes de audiência da história das telenovelas, mas que até hoje não teve uma reprise.
  • Esta versão, exibida em 1986, apesar do sucesso e da audiência, todavia, era interessante ver a história atualizada, mesmo que não tivesse passado tanto tempo, 14 anos, e o seu enredo marcante, ainda estar na lembrança de muitas pessoas.
  • A Censura Federal proibiu algumas cenas e diálogos e recomendou moderação nas cenas de amor. Havia sequências que sugeriam lesbianismo entre as personagens de Beth Goulart e Christiane Torloni (Cíntia Vilhena e Fernanda Arruda Campos), o que provocou reações negativas nos telespectadores, fazendo com que a emissora e os autores reformulassem as cenas.[1]
  • O palavreado de Miro, personagem de Miguel Falabella, virou mania na época: "Quem é ruim da cabeça e doente do pé num faz nhenhém"; "governador da vila" (coração); "pururuca do brejo" (mulher feia); "Num vô cum teus córno" (Não simpatizo com você).
  • Devido ao sucesso, por sua atuação na minissérie Grande Sertão: Veredas, Bruna Lombardi, foi a primeira opção para o papel da vilã Fernanda, e Christiane Torloni, devido ao sucesso de sua personagem Jô Penteado na telenovela A Gata Comeu, foi a primeira opção para o papel da protagonista Simone. No entanto, Bruna acabou reservada para a telenovela seguinte: Roda de Fogo, e Christiane acabou ficando com a vilã Fernanda.
  • Alguns personagens da primeira versão foram substituídos por outros nesta versão, como o Dr. Feliciano D'Avilla, personagem de Urbano Lóes, que foi advogado de Cristiano, na versão original, passou a ser a Dra. Ana, personagem de Suzana Faini, nesta versão. Também foram trocados os nomes de alguns personagens entre uma versão e outra: em 1972, o namorado de Walkíria (Neuza Amaral) chamava-se Sérgio (Eliano de Souza), nesta versão, o personagem passou a se chamar César (Roberto Bataglin). Na primeira versão, Diva (Dorinha Duval) se casou no final com Sales (Francisco Milani) que, na nova versão, se chamava Horácio (Henri Pagnocelli).
  • Suzana Faini que interpretou Ana, a advogada de Cristiano, já havia participado da primeira versão como Olga, a secretária de Caio. O ator Francisco Dantas, também voltou para fazer uma participação especial nesta versão, como Perez, ex-empresário de Fanny, na versão original de 1972, o ator interpretou Neves, o pai do rapaz morto por Cristiano.
  • O ator Marcelo Ibrahim, que interpretou o playboy Gastão Neves, no início da telenovela, morreu pouco antes do seu desfecho, em 3 de julho de 1986, uma quinta-feira, de complicações da AIDS, aos 24 anos. Sua participação já estava concluída no período de sua morte.
  • A música Demais, tema de Simone, personagem de Fernanda Torres, é uma versão em português da música Yes, It Is, composta por John Lennon e Paul McCartney, e foi um dos maiores sucessos radiofônicos de 1986, graças à popularidade da telenovela, alavancando a carreira solo de Verônica Sabino que, na época, havia saído recentemente do grupo vocal Céu da Boca.
  • A atriz Sílvia Bandeira, escolhida por Wálter Avancini, gravou durante quase um mês como Laura; mas Daniel Filho, substituiu ela por Maria Zilda, quando faltavam poucos dias para a estréia. Maria Zilda assumiu o papel e, em dois dias, gravou cerca de cem cenas referentes aos vinte primeiros capítulos. "Na época, as pessoas diziam que eu tinha sido demitida. Mas era mentira, eu estava envaidecida de ter sido chamada pelo Avancini, mas entendi que o Daniel quisesse a escolhida dele", disse Sílvia. "Claro que é uma decepção para o ator que estuda, se prepara e grava. Mas são águas passadas…".
  • Em 2006, com a grande audiência conquistada pela segunda reprise de A Viagem, também protagonizada por Christiane Torloni, no Vale a Pena Ver de Novo. Muitos cogitaram uma reprise de Selva de Pedra. Mas, como é de costume, a Rede Globo preferiu uma telenovela mais recente, Chocolate com Pimenta. Muitos ficaram indignados e ameaçaram boicotar a audiência do horário. Mas, com o passar do tempo, acabaram se acostumando.

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Nesta versão, o tema de abertura era uma versão instrumental do sucesso Rock and Roll Lullaby, feita especialmente para a novela.[1]

Trilha sonora nacional[editar | editar código-fonte]

Selva de Pedra Nacional
Trilha sonora de vários intérpretes
Lançamento 1986
Gênero(s) Vários
Formato(s) Vinil
Gravadora(s) Som Livre
Cronologia de vários intérpretes
Último
Último
-
Selva de Pedra Internacional
Próximo
Próximo

Capa: Logotipo da novela

Trilha sonora internacional[editar | editar código-fonte]

Selva de Pedra Internacional
Trilha sonora de vários intérpretes
Lançamento 1986
Gênero(s) Vários
Formato(s) Vinil
Gravadora(s) Som Livre
Cronologia de vários intérpretes
Último
Último
Selva de Pedra Nacional
-
Próximo
Próximo

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]