O Dono do Mundo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O Dono do Mundo
Informação geral
Formato Telenovela
Gênero
Duração 50 minutos aproximadamente
Criador(es) Gilberto Braga
País de origem  Brasil
Idioma original Português
Produção
Diretor(es) Dennis Carvalho (direção geral)
Ricardo Waddington
Mauro Mendonça Filho
Ivan Zettel
Elenco Antônio Fagundes
Glória Pires
Malu Mader
Fernanda Montenegro
ver mais
Tema de abertura "Querida", Tom Jobim
Exibição
Emissora de
televisão original
Brasil Rede Globo
Formato de exibição 480i (SDTV)
Transmissão original 20 de maio de 1991 - 04 de janeiro de 1992
N.º de episódios 197 capítulos (original)
197 capítulos (Canal Viva)
Cronologia
Último
Último
Meu Bem, Meu Mal
Pedra Sobre Pedra
Próximo
Próximo

O Dono do Mundo é uma telenovela brasileira, produzida e exibida pela Rede Globo, no seu horário das 20 horas, de 20 de maio de 1991 a 4 de janeiro de 1992, em 197 capítulos,[1] [2] substituindo Meu Bem, Meu Mal e sendo substituida por Pedra Sobre Pedra.[3]

Foi escrita por Gilberto Braga com co-autoria de Leonor Bassères, Ricardo Linhares, Sérgio Marques e Ângela Carneiro e dirigida por Dennis Carvalho, Ricardo Waddington, Mauro Mendonça Filho e Ivan Zettel.[1] [2]

Apresentou Antônio Fagundes como protagonista título. Ainda contou com Fernanda Montenegro, Malu Mader, Nathália Timberg, Kadu Moliterno, Stênio Garcia, Ângelo Antônio, Letícia Sabatella e Glória Pires nos papéis principais.[1] [2]

O Canal Viva fez uma enquete para o público escolher a próxima reprise de novela, para substituir Rainha da Sucata, e O Dono do Mundo ficou em 2º lugar, a vencedora foi Água Viva de 1980.

Será exibida na íntegra pelo Canal Viva a partir de 27 de outubro de 2014, de segunda à sábado, substituindo Dancin' Days à 00h00 com reprise à 13h30.[4] [5]

Enredo[editar | editar código-fonte]

O antiético cirurgião plástico Felipe Barreto, casado por interesse com Stella, filha do rico empresário Herculano Maciel, sente uma forte atração por Márcia, uma simplória professora, tímida e suburbana, noiva de Walter, um funcionário de sua clínica. Essa fascinação aumenta quando ele descobre que a garota é virgem. Durante o casamento de Márcia, Felipe aposta uma caixa de champanhe com Júlio, gerente da clínica, dizendo que fará amor com a moça antes do noivo. A fim de alcançar seu objetivo, ele oferece uma viagem ao Canadá para o casal. No estrangeiro, arma para que Walter se distancie e seduz Márcia quando a mesma o procura. Com efeito, a moça, antes de sua noite de núpcias, acaba se rendendo a Felipe, o que faz com que sua vida desmorone: Walter, ao descobrir a traição, comete o suicídio. Márcia consequentemente passa a sofrer inúmeras dificuldades até ser expulsa de casa pela própria família. Começa então a se dedicar somente à vingança contra o médico.

Ao mesmo tempo vemos o drama de Thaís, vizinha de Márcia, moça simples que, para ascender na vida, decide se prostituir, contando para isso com a ajuda de Olga Portela, uma sofisticada cafetina, mulher que sabe os segredos do passado de Felipe e de sua família.

Produção[editar | editar código-fonte]

Em O Dono do Mundo, pela primeira na teledramaturgia brasileira, foi descartado o usual processo de gravar as externas em frente a uma fachada, e as internas, em estúdio. A emissora construiu uma casa totalmente cenográfica. A mesma tecnologia utilizada para a construção das cidades cenográficas foi aplicada na montagem da casa, cenário dos personagens Lucas e Ester.[6] Cada capítulo de O Dono do Mundo custa 30 000 dólares em média, ou três vezes mais que os de Carrossel, novela mexicana exibida pelo concorrente SBT no mesmo horário.[7]

Escolha do elenco[editar | editar código-fonte]

Inicialmente, o papel de Guilherme, o Beija-Flor, foi escrito por Gilberto Braga para Felipe Camargo, com quem tinha trabalho em Anos Dourados, mas o ator na época enfrentava problemas no casamento e não fez a novela, que foi entregue para Ângelo Antônio, que faria par com Letícia Sabatella, com quem se casou pouco tempo depois,[3] ambos fazendo sua estreia na Rede Globo.[8] A novela também marca a estreia de Paulo Gorgulho na TV Globo, no papel de Otávio, o ator vinha do sucesso na novela Pantanal apresentada pela Rede Manchete.[8] Antônio Fagundes fazia seu primeiro vilão, escrito para ele,[8] que na mesma época estava também no ar no seriado Mundo da Lua, exibido pela TV Cultura e por um período na Rede Globo.[9] Fernanda Montenegro viveu a cafetina Olga, voltou a contracenar com Nathalia Timberg, com quem trabalhava desde 1956, quando ambas se revezavam nos papéis principais dos antigos teleteatros.[8] A personagem Stela, segundo sua intérprete Glória Pires, teve inspiração na personagem de Mimi Rogers no filme Perigo na Noite de Ridley Scott. A atriz chegou ao fim da novela grávida de sua segunda filha.[8] Aos 63 anos, Odete Lara participou de sua primeira novela, como a personagem Ester, em quem Felipe faz uma cirurgia plástica malsucedida logo no início da trama. Gilberto Braga já havia convidado a atriz para atuar em Vale Tudo, como a vilã Odete Roitman, mas ela não aceitou o papel.[8] Foi o primeiro trabalho de Paulo Goulart em uma novela de Gilberto Braga. Também era a primeira vez em que trabalhou com Dennis Carvalho e com Antônio Fagundes, que interpretou seu filho na trama.[8] A roteirista Fernanda Young fez uma participação interpretando Jurema, empregada da personagem de Glória Pires.[8]

Roteiro[editar | editar código-fonte]

"O público é estranho. Gostava de Thaís, uma prostituta de boate, e adorava Olga, a cafetina (...) No entanto, odiava a heroína. Passei oito meses tentando fazer com que gostassem dela

Gilberto Braga[3]

Gilberto Braga pretendia incentivar discussões sobre ética que começava com uma aposta sexual, onde Felipe Barreto, um cirurgião plástico, aposta com Júlio, o seu administrador da clínica de cirurgia plástica e amigo, que conseguirá levar para a cama a professora Márcia, noiva virgem de seu funcionário Walter. Felipe vence a aposta ao oferecer de presente ao casal a lua-de-mel no Canadá, indo viajar junto, alegando negócios no país. O cirurgião consegue afastar Walter do hotel e seduz Márcia, que posteriormente buscará vingança.[10] [11] Na cena em que Márcia agride Felipe com um bisturi e vai parar na cadeia, foi uma das alterações no roteiro inseridas por Gilberto Braga para que o público ficasse do lado de Márcia. A degração moral somada ao charme de Felipe faziam com que os espectadores não se indignassem com as suas armações, o que inválidava a trama principal, a vingança de Márcia.[3] Para ajudar na reformação da trama, foi convidado Silvio de Abreu para ajudar a equipe a modificar o perfil de alguns personagens e dar maior agilidade ao texto.[3] O nome do personagem Beija-Flor foi uma homenagem ao cantor Cazuza, autor da música-tema do personagem, Codinome Beija-Flor, interpretada por Luiz Melodia. Entre as roupas do figurino do personagem, estava uma camiseta da Sociedade Viva Cazuza.[8]

Abertura[editar | editar código-fonte]

Produzida por Hans Donner, mostrava a sobreposição de imagens de mulheres sensuais sobre o globo em uma famosa sequência do filme O Grande Ditador de Charles Chaplin. A abertura custou alguns dólares à Globo devido a problemas com direitos de exibição da cena do filme.[3]

Repercussão[editar | editar código-fonte]

A reação do público frente ao enredo principal foi negativa. Pesquisas de opinião foram feitas, onde os telespectadores apontavam que não aceitavam as vitórias de Felipe Barreto e não acreditavam que uma jovem bem formada e vivendo no Rio de Janeiro da década de 1990 como Márcia fosse seduzida tão facilmente pelo cirurgião. Os autores não imaginavam que virgindade feminina era considerado um tabu no país no início dos anos 90.[3] . O público também não aceitou o fato de Márcia entregar a sua virgindade a outro homem, e não com seu marido, na sua plena lua de mel, o que fez com que os telespectadores não torcessem pela vingança de Márcia contra o cirurgião plástico. Segundo Gilberto Braga, além da novela ter uma heroína impolular e um vilão que era admirado, ele acha que pesou a mão na crítica social, o que não obteve bom resultado.[8] Próximo do final, Felipe se revela um verdadeiro canalha, a Golden Cross, que se aproveitou da fase em que o personagem era bom para o utilizar como "garoto propaganda", mudou seu anúncio da sua campanha publicitária, por outro em que Antônio Fagundes se distanciava do personagem, lembrando que a vida não é novela.[8] O público, porém, torcia pelo casal de personagens Taís e Beija-Flor,[8] este último, graças ao seu carisma, foi tão grande com o público que o perfil do personagem foi modificado ao longo da história. Ele deixou de se envolver com marginais e de fazer surfe ferroviário, tornando-se uma pessoa honesta e íntegra. Suas ações inspiraram uma campanha sobre ética promovida pela Associação Brasileira de Marketing.[8] Na versão internacional houve uma reformulação na cena em que Márcia bate à porta do quarto de Felipe e se entrega a ele, atitude criticada pelo público no Brasil. Na nova cena, ouve-se a voz da atriz Malu Mader, e, em seguida, as imagens que aparecem mostram a personagem já na cama com o médico.[8]

Outro problema enfrentado pela novela foi a baixa audiência. A mexicana Carrossel, apresentada pelo SBT e concorrente no horário, que tornou-se um grande sucesso.[3] [7] A produção teve que fazer modificações para ganhar público novamente, que aos poucos, os autores conseguiram reconquistar o público.[8]

Fora da telenovela, a Globo recebeu reclamações de diversos cirurgiões, criticando a falta de ética de Felipe Barreto.[8] O Conselho Regional de Profissionais de Relações Públicas do Rio de Janeiro também se manifestou contra a personagem Vanda, interpretada por Lucinha Lins, que plantava notas falsas em colunas sociais. A novela sofreu reclamações do município fluminense de Barra Mansa, o então prefeito da cidade, citada na novela, incentivou a população a enviar cartas de protesto a Gilberto Braga e à Rede Globo que considerou que a cidade era retratada como um local acometido por verminoses e dengue.[8] [3]

Legado[editar | editar código-fonte]

Felipe Barreto foi citado na novela A Próxima Vítima, de Silvio de Abreu, exibida pela Globo em 1995: é ele quem faz uma cirurgia plástica em Isabela, personagem de Cláudia Ohana.[8]

Exibição internacional[editar | editar código-fonte]

O Dono do Mundo foi vendida para vários países, entre eles Bolívia, Canadá, Chile, Estados Unidos, Paraguai, Portugal, Turquia e Venezuela.[8]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ator Personagem
Antônio Fagundes Felipe Barreto
Glória Pires Stella Maciel Barreto
Malu Mader Márcia
Fernanda Montenegro Olga Portela
Kadu Moliterno Rodolfo
Nathália Timberg Constância Eugênia Barreto
Stênio Garcia Herculano Maciel
Ângelo Antônio Beija-Flor (Guilherme)
Letícia Sabatella Taís
Hugo Carvana Lucas
Tadeu Aguiar Walter
Paulo Goulart Altair Barreto
Paulo Gorgulho Otávio
Ana Rosa Nanci
Daniel Dantas Júlio
Maria Padilha Karen
Antônio Calloni William
Odete Lara Ester
Cláudio Corrêa e Castro Vicente
Beatriz Lyra Almerinda
Daniella Perez Yara Maciel
Marcelo Serrado Humberto
Susana Ribeiro Isabel
Alexia Dechamps Liliane
Antônio Grassi Darci
Betty Gofman Gilda
Tássia Camargo Terezinha
Jacqueline Laurence Zoraide
Jorge Pontual Xará (Alfredo)
Tuca Andrada Ladislau
Jonathan Nogueira Paulinho
Fernanda Young Jurema
Betty Erthal Aracy
Nildo Parente Alceu

Trilha Sonora[editar | editar código-fonte]

Nacional[editar | editar código-fonte]

O Dono do Mundo Nacional
Trilha sonora
Lançamento 1991
Gênero(s) Vários
Gravadora(s) Som Livre

Capa: Glória Pires

N.º Título Música Personagem Duração
1. "Querida" (part. Quarteto em Cy) Tom Jobim Abertura 2:37
2. "Eu Sei (Na Mira)"   Marisa Monte Yara 2:41
3. "Codinome Beija-Flor"   Luiz Melodia Beija-Flor 3:44
4. "Una Mujer"   João Gilberto Felipe Barreto 3:41
5. "Cidade Maravilhosa"   Caetano Veloso Locação: Rio de Janeiro 2:02
6. "Super-Herói"   Roberto Carlos Rodolfo 5:26
7. "Dono do Mundo"   Nova Era Felipe e Márcia 3:46
8. "Amor Quente"   Leda Badaró Humberto 4:07
9. "Solidão"   Gal Costa Márcia 3:26
10. "Sábios Costumam Mentir"   João Bosco Otávio 3:42
11. "Acontecimentos"   Marina Lima Taís 4:05
12. "Logrador"   Orlando Morais Stella 4:33
13. "Serena"   Nova Era Gilda 2:20
14. "Coração de Gelo"   Edmon Herculano 4:43
15. "Rap da Rapa (Enquanto Isso, Em Algum Lugar…)"   Ademir Lemos Locação: Subúrbio do Rio 4:46

Internacional[editar | editar código-fonte]

O Dono do Mundo Internacional
Trilha sonora de Vários Artistas
Lançamento 1991
Gênero(s) Vários
Formato(s) CD, LP, K7
Gravadora(s) Som Livre

Capa: Ângelo Antônio

N.º Título Música Personagem Duração
1. "Unforgettable" (part. Nat King Cole) Natalie Cole Rodolfo e Stella 3:27
2. "I've Been Thinking About You"   Londonbeat Geral 4:40
3. "I Love You"   Vanilla Ice Geral 3:46
4. "Sadeness"   Enigma Geral 4:13
5. "Unconditional Love"   Suzanna Hoffs Yara 3:48
6. "Pretty Baby (Sweet Lady)"   Jeff Rubin Geral 3:20
7. "Morning Dew"   Byron Prescott Geral 2:46
8. "Cry For Help"   Rick Astley Otávio e Márcia 4:48
9. "Gonna Make You Sweat (Everybody Dance Now)"   C & C Music Factory Geral 4:03
10. "You Are Everything"   Rod Stewart Júlio e Terezinha 3:42
11. "Only Time Will Tell"   Nelson Beija-Flor 3:52
12. "What's a Woman"   Vaya Con Dios Taís 3:31
13. "The Day That Love Died"   Revoc Geral 4:00
14. "Spring Love"   The Cover Girls Geral 3:31

Prêmios[editar | editar código-fonte]

APCA (1991):

Troféu Imprensa (1991):

Referências

  1. a b c O Dono do Mundo - Ficha técnica Veja Globo.com. Visitado em 25 de junho de 2014.
  2. a b c Nilson Xavier. O Dono do Mundo Teledramaturgia. Visitado em 25 de junho de 2014.
  3. a b c d e f g h i Nilson Xavier. O Dono do Mundo - Bastidores Teledramaturgia. Visitado em 25 de junho de 2014.
  4. O Dono do Mundo é a próxima novela do VIVA Matérias - Mais da TV - Canal Viva (02 de setembro de 2014). Visitado em 02 de setembro de 2014.
  5. Clara Passi (02 de setembro de 2014). 'O dono do mundo' sucederá a 'Dancin' Days' no Viva O Globo. Visitado em 02 de setembro de 2014.
  6. O Dono do Mundo - Cenografia e produção de arte Memória Globo Globo.com. Visitado em 25 de junho de 2014.
  7. a b Carrossel mexicano Veja Editora Abril (12 de junho de 1991). Visitado em 25 de junho de 2014.
  8. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s O Dono do Mundo - Curiosidades Memória Globo Globo.com. Visitado em 25 de junho de 2014.
  9. Mundo da Lua - Bastidores Veja Editora Abril. Visitado em 25 de junho de 2014.
  10. Nilson Xavier. O Dono do Mundo - Sinopse Teledramaturgia. Visitado em 25 de junho de 2014.
  11. O Dono do Mundo - Trama principal Memória Globo Globo.com. Visitado em 25 de junho de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]