Paulo José

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde Agosto de 2012) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Paulo José
Paulo José em outubro de 2011.
Nome completo Paulo José Gómez de Sousa
Nascimento 20 de março de 1937 (77 anos)
Lavras do Sul, RS
 Brasil
Ocupação Ator
Cônjuge Dina Sfat (1965 - 1980)
Atividade 1955 - hoje
IMDb: (inglês)

Paulo José Gómez de Sousa (Lavras do Sul, 20 de março de 1937) é um ator e diretor brasileiro.

Foi casado com Dina Sfat, com quem teve três filhas, as atrizes Bel Kutner, Ana Kutner e Clara; com a atriz Beth Caruso, com quem teve um filho, Paulo Caruso; e com Zezé Polessa.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Começou a fazer teatro em 1955, em Porto Alegre, onde ajudou a criar o Teatro de Equipe, juntamente com Paulo César Pereio, Lilian Lemmertz, Ítala Nandi e Fernando Peixoto, entre outros. Em 1954, atuou na sua primeira peça: O Muro, de Jean Paul Sartre/Lineu Dias. Entre inúmeros trabalhos no teatro, destacam-se: Os Fuzis da Senhora Carrar, de Brecht; A Mandrágora, de Maquiavel ; O Filho do Cão, de Gianfrancesco Guarnieri e no qual foi também diretor; e Tartufo de Molière. Dirigiu e atuou na montagem carioca de Arena conta Zumbi. Esteve durante algum tempo afastado dos palcos, tendo regressado em outubro de 2009, para participar em Um Navio no Espaço ou Ana Cristina Cesar.

No Rio de Janeiro, Paulo José formou, junto com Gianfrancesco Guarnieri, Augusto Boal, Juca de Oliveira, Paulo Cotrim e Flávio Império, o grupo que adquiriu o Teatro de Arena, criado por José Renato em 1962.

No cinema estreou em 1965, com o O Padre e a Moça. Protagonizou várias comédias cariocas como Todas as Mulheres do Mundo e Edu, Coração de Ouro, dirigidos por Domingos de Oliveira, e O Homem Nu, todas essas contracenando com Leila Diniz. Também estrelou Como Vai, Vai Bem?, ao lado de Flavio Migliaccio, com quem depois formaria a dupla cômica Shazzan e Xerife que apareceria na década de 1970 em programas da TV Globo. Ainda na década de 1960, estrelou Macunaíma, ao lado de Grande Otelo e Dina Sfat.

Em 1992, foi-lhe diagnosticada a doença de Parkinson[1] .

Além de ser um dos mais ativos e talentosos atores brasileiros dos últimos 50 anos, com presença destacada no cinema, teatro e televisão, e de ter dirigido vários espetáculos de teatro, Paulo José é também diretor de televisão, com trabalhos marcantes como as minisséries: O Tempo e o Vento, de 1985; Agosto, de 1993; e Incidente em Antares, de 1994.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Na televisão[editar | editar código-fonte]

No cinema[editar | editar código-fonte]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Paulo José

Referências

  1. Entrevista com Paulo José
  2. teledramaturgia.com.br. Em Família (elenco) - Teledramaturgia. Visitado em 11 de janeiro de 2014.
  3. Cinemateca Brasileira Todas as Mulheres do Mundo [em linha]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

Paulo José (em inglês) no Internet Movie Database

Precedido por
Leonardo Villar
por A Hora e a Vez de Augusto Matraga
Troféu Candango de Melhor Ator
por Todas as Mulheres do Mundo
1966
por Edu, Coração de Ouro
1967

Sucedido por
Joel Barcellos
por Jardim de Guerra
Precedido por
Milton Gonçalves
por A Rainha Diaba
Troféu Candango de Melhor Ator
por O Rei da Noite

1976
Sucedido por
Lima Duarte
por O Crime do Zé Bigorna