Othon Bastos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde março de 2013). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes fiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde Abril de 2013) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes fiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes fiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Othon Bastos
Em 2005, durante o Festival de Gramado.
Nome completo Othon José de Almeida Bastos
Nascimento 23 de maio de 1933 (81 anos)
Tucano, Bahia
Nacionalidade  brasileiro
Ocupação Ator
Cônjuge Martha Overbeck
IMDb: (inglês)


Othon José de Almeida Bastos (Tucano, 23 de maio de 1933) é um ator brasileiro.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Othon fixou residência no Rio de Janeiro ainda jovem, após a morte de seus pais, para estudar em colégio interno. Ingressou no grupo teatral mantido por Paschoal Carlos Magno, atuando primeiramente como assistente de cenografia, de iluminação e de sonoplastia e, a partir de 1951, como ator.

Em 1956/1957 estudou teatro em Londres. De volta ao Brasil foi trabalhar na TV Tupi. Em 1962 participou de três filmes, o premiado O pagador de promessas, de Anselmo Duarte, Tocaia no asfalto, de Roberto Pires, e Sol sobre a lama, de Alex Viany.

Foi dirigido por Glauber Rocha em Deus e o diabo na terra do sol e O dragão da maldade contra o santo guerreiro. Em 1970 foi o vencedor do prêmio de melhor ator no Festival de Brasília por sua atuação em Os deuses e os mortos, de Ruy Guerra,[2] e em 1973 levou o prêmio de melhor ator no Festival de Gramado por seu papel em São Bernardo, de Leon Hirszman.

Sobre o clássico Deus e o diabo na terra do sol, segundo Othon Bastos, no roteiro havia um flashback do cangaceiro Corisco, seu personagem. Então Othon fez sua sugestão brechtiana: "Por que não fazer Corisco narrando a própria história e não um flashback?". Glauber aceitou, o que merece elogios do intérprete ainda hoje: "Glauber, que na época tinha seus 22, 23 anos, e fazia seu primeiro grande filme, teve a coragem e a generosidade de aceitar essa experiência".

No teatro, fez, entre outras peças, As três irmãs, de Tchekhov, Um bonde chamado desejo, de Tennessee Williams e o Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna. Encenou Castro Alves pede passagem, de Gianfrancesco Guarnieri, Murro em Ponta de Faca, de Augusto Boal, Calabar – O Elogio da Traição, de Chico Buarque e Ruy Guerra. Chegou a ter sua própria companhia de teatro, em sociedade com sua mulher, a atriz Martha Overbeck.

Othon Bastos é um ator recordista em participações na TV, já tendo participado de mais de 80 produções entre novelas, séries, minisséries e casos especiais nas diversas emissoras pela qual já passou.

O cineasta Sérgio Resende, diretor do filme "Mauá: o imperador e o rei", afirmou que Othon Bastos seria o maior ator brasileiro de todos os tempos[carece de fontes?]. No filme, Othon dá vida ao personagem Visconde de Feitosa, atuação que lhe rendeu a indicação ao prêmio de melhor ator no Grande Prêmio Cinema Brasil.

No cinema Othon Bastos já acumula cerca de 80 filmes.

Nos anos 90, dois filmes nacionais que tiveram sua participação concorreram ao Óscar de melhor filme estrangeiro: O Que É Isso, Companheiro?, de Bruno Barreto, e Central do Brasil, de Walter Salles.

Em 2010, Othon Bastos participou do seriado Na Forma da Lei, de Antônio Calmon, e da telenovela Escrito nas Estrelas, de Elizabeth Jhin.

Em 2011 Othon Bastos está no elenco do filme Heleno, contracenando novamente com Rodrigo Santoro, com quem não atuava desde Bicho de Sete Cabeças, de Laís Bodanzky.

Também em 2011 Othon Bastos é escalado para diversas produções do cinema nacional, entre elas: Ponto Final do diretor Marcelo Taranto, O Gerente, de Paulo César Saraceni, Vazio Coração do diretor Alberto Araújo, e o filme de estreia como diretor, do ator José Wilker, Giovanni Improtta.

De 1 a 13 de fevereiro de 2011 foi realizada uma retrospectiva sobre a obra de Othon Bastos, pelo Centro Cultural do Banco do Brasil em Brasília, intitulada "O Cinema de Othon Bastos", com curadoria de Davi Kolb. Foram exibidos 13 clássicos do cinema nacional que contribuiram para imortalizar a carreira do ator baiano, entre eles o filme de estréia do ator filmado em 1962, Sol Sobre a Lama, do diretor Alex Viany. O próprio Othon participou, já na noite de abertura, de um debate no CCBB, ao lado do curador e do cineasta Vladimir Carvalho.

Em maio de 2011 Othon Bastos viveu o bicheiro Agenor Improtta, primo de Giovanni Improtta na série Lara com Z, da Rede Globo, de autoria de Aguinaldo Silva e dirigida por Wolf Maya.

Em 2012 o ator foi escalado para viver "Lexor", um espírito de luz, na novela da Rede Globo Amor Eterno Amor, de Elizabeth Jhin.

No 17º Prêmio Contigo! de Cinema Nacional, ocorrido em 17 de setembro de 2012, no Teatro Tom Jobim, Othon Bastos foi homenageado por seus 50 anos de carreira, com um prêmio especial da revista Contigo! e do canal MGM.[3]

Em 2013 Othon Bastos está no elenco do Telefilme Didi, O Peregrino, ao lado de Renato Aragão e Monique Alfradique, que vai ao ar como especial de fim de ano na Rede Globo.[4]

Também em 2013 chega aos cinemas o filme Vazio Coração, do diretor Alberto Araújo, com Othon Bastos no elenco.[5]

No mesmo ano Othon Bastos filma em Brasília O Último Cine Drive-In, primeiro longa metragem do diretor Iberê Carvalho, no qual interpreta o personagem Almeida.[6]

Em 2014 Othon Bastos pode ser visto novamente na Rede Vida de televisão, na reprise da novela Os Imigrantes, de Benedito Ruy Barbosa, na qual interpretou um dos protagonistas, o português Antônio Pereira.[7]

O ator também foi um dos homenageados no Anápolis Festival de Cinema, que aconteceu entre os dias 18 e 25 de maio de 2014, por sua significativa colaboração para a consolidação da sétima arte no Brasil.[8]

No mesmo ano, Othon integra o elenco da telenovela Império, da Rede Globo, escrita por Aguinaldo Silva, na qual interpreta Silviano.[9]

Durante as comemorações dos 50 anos do filme Deus e o diabo na terra do sol no Parque Lage na zona sul do Rio de Janeiro em 16 de Agosto de 2014, Othon Bastos fora surpreendido quando soube da inclusão do seu nome no dossiê militar produzido pelo Serviço Nacional de Informações (SNI), no qual o ator foi mencionado como o preferido do cineasta Glauber Rocha e ainda citado por seu conhecido envolvimento político e ideológico.[10] [11]

Além de seu trabalho como ator, Othon Bastos também atuou como locutor em muitos documentários e programas de televisão.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Teatro[editar | editar código-fonte]

  • 1951 - Terra Queimada, de Aristóteles Soares;
  • 1954 - Lampião, de Rachel de Queiroz;
  • 1954 - A Noiva do Véu Negro, de Leone Vasconcellos;
  • 1955 - Phaedra, de Jean Racine;
  • 1958 - As Três Irmãs, de Anton Tchekhov;
  • 1959 - Um Bonde Chamado Desejo, de Tennessee Williams;
  • 1959 - O Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna;
  • 1966 - O Pelicano, de Strindberg, montagem de José Augusto;[34]
  • 1968 - Galileu Galilei, de Bertolt Brecht;
  • 1969 - Na Selva das Cidades, Brecht;
  • 1971 - Castro Alves Pede Passagem, direção de Gianfrancesco Guarnieri;
  • 1971 - Pequenos Assassinatos, direção de Osmar Rodrigues Cruz;
  • 1972 - Frei Caneca, com Othon Bastos, Oswaldo D'ávila e Edson Santanna;
  • 1973 - Um Grito Parado no Ar, encenação de Fernando Peixoto;
  • 1974 - Caminho de Volta, de Consuelo de Castro;
  • 1976 - Ponto de Partida, texto de Gianfrancesco Guarnieri;
  • 1977 - Mortos Sem Sepultura, de Sartre;
  • 1978 - Murro em Ponta de Faca, de Augusto Boal, numa direção de Paulo José;
  • 1980 - Calabar, de Chico Buarque e Ruy Guerra;
  • 1983 - Os Colunáveis, direção de José Renato;[35]
  • 1984 - Dueto para um Só, de Tom Kempinski, com o diretor Antônio Mercado;
  • 1996 - A Maracutaia, com direção de Miguel Falabella;[36]
  • 2004 - Presença de Guedes;
  • 2007 - O Manifesto, com Othon Bastos e Eva Wilma.

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

  • Prêmio de melhor ator, no "Festival de Cinema do Ceará", por sua atuação no filme de curta metragem "O Número", em 2004.
  • Indicação ao Prêmio Nacional Jorge Amado, Literatura e Arte, edição de 2003.
  • Prêmio Qualidade Brasil SP, na categoria de melhor ator coadjuvante por sua atuação na novela Esperança de Benedito Ruy Barbosa em 2002.
  • Indicação ao Grande Prêmio Cinema Brasil, na categoria de melhor ator, por Mauá - O imperador e o rei (1999).
  • Prêmio na categoria de melhor ator coadjuvante, no Grande Prêmio Cinema Brasil, por Bicho de sete cabeças (1999).
  • Prêmio Air France na categoria de melhor ator por sua atuação no filme São Bernardo; 1973.
  • Kikito de Ouro na categoria de melhor ator, no Festival de Gramado, por São Bernardo (1971).
  • Troféu Candango na categoria de melhor ator, no Festival de Brasília, por Os deuses e os mortos (1970).[2]
  • Prêmio de melhor ator pelo Molière e Associação Brasileira de Críticos Teatrais, ABCT, por sua atuação no espetáculo "Um Grito Parado no Ar", encenação de Fernando Peixoto de 1973.
  • Kikito de Cristal - homenagem pela carreira, primeiro da história.[37]

Referências

  1. Bastos, Othon (1933), Biografia Enciclopédia Itaú Cultural, Tetro (28 de julho de 2011). Visitado em 22 de março de 2012.
  2. a b c Cinemateca Brasileira, Os Deuses e os Mortos [em linha]
  3. Cunha, Roberto (18/9/2012). O Palhaço faz a festa no Prêmio Contigo! de Cinema Nacional Adoro Cinema. Visitado em 30/11/2012.
  4. http://natelinha.ne10.uol.com.br/noticias/2013/11/06/renato-aragao-o-didi-volta-a-globo-com-telefilme-em-dezembro-67854.php
  5. http://www.adorocinema.com/filmes/filme-22338/
  6. http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/diversao-e-arte/2013/06/04/interna_diversao_arte,369459/longa-de-ibere-carvalho-aborda-relacoes-familiares-em-torno-do-drive-in.shtml
  7. http://www.teledossie.com.br/os-imigrantes-a-saga-dos-tres-antonios-e-a-ascensao-de-um-novelista/
  8. http://anapolisfestivaldecinema.com.br/2014/noticias/-inscricoes-para-mostras-curta-anapolis-e-curta-centro-oeste-terminam-dia-30-de-abril
  9. http://www.mundonovelas.com.br/2014/06/imperio-e-titulo-definitivo-de-nova.html
  10. http://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2014-08/comissao-da-verdade-suspeita-que-ditadura-planejava-morte-de
  11. http://oglobo.globo.com/rio/ancelmo/posts/2014/08/15/glauber-rocha-era-espionado-pelo-regime-militar-546255.asp
  12. Cinemateca Brasileira, Sol sobre a Lama [em linha]
  13. Cinemateca Brasileira, Tocaia no Asfalto [em linha]
  14. http://ocinemadeothonbastos.com.br/textos.html
  15. http://ocinemadeothonbastos.com.br/textos.html
  16. http://www.cinemenu.com.br/artistas/othon-bastos
  17. http://tancredo-neves.org.br/index.php?option=com_content&view=category&layout=blog&id=40&Itemid=123
  18. https://www.ufmg.br/online/arquivos/002753.shtml
  19. http://www.cultura.rj.gov.br/materias/contracena
  20. http://www.interfilmes.com/filme_v1_131978_Contracena-(Contracena).html#Elenco
  21. http://redeglobo.globo.com/globouniversidade/noticia/2013/05/geneton-moraes-exibira-documentario-sobre-joel-silveira-em-universidades.html
  22. http://auroradecinema.wordpress.com/2013/11/11/murilo-rosa-e-othon-bastos-protagonizam-vazio-coracao/
  23. http://www.adorocinema.com/filmes/filme-231376/
  24. http://www.tudosobretv.com.br/histortv/tv70.htm
  25. http://www.teledossie.com.br/cleyde-yaconis-parte-ii-as-pequenas-alegrias-da-refinada-camponesa/
  26. http://canalviva.globo.com/programas/delegacia-de-mulheres/materias/adriana-esteves-faz-participacao-especial.html
  27. http://www1.folha.uol.com.br/fsp/1996/6/16/tv_folha/18.html
  28. http://www1.folha.uol.com.br/fsp/1996/4/04/ilustrada/9.html
  29. http://memoriaglobo.globo.com/Memoriaglobo/0,27723,GYN0-5273-278627,00.html
  30. http://tvg.globo.com/programas/especiais-fim-de-ano/Didi-O-Peregrino/noticia/2013/11/viva-renato-aragao-eterno-didi-encara-altas-aventuras-em-telefilme.html
  31. http://www.teledramaturgia.com.br/tele/joiararaq.asp
  32. http://www.ebc.com.br/cidadania/2014/03/50-anos-do-golpe-tv-brasil-estreia-duas-serie-ineditas
  33. http://imperionovela.com.br/elenco-personagens/elenco-personagens-imperio/
  34. http://terramagazine.terra.com.br/blogdoandresetaro/blog/2011/02/01/othon-bastos-o-eterno-corisco/
  35. http://www.terra.com.br/diversao/johnherbert/carreira_teatro.htm
  36. http://www1.folha.uol.com.br/fsp/1996/1/27/ilustrada/23.html
  37. Márcio Luiz (16 de agosto de 2013). Othon Bastos é o 1º ator a receber o Kikito de Cristal em Gramado G1. Visitado em 17 de agosto de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Grande Otelo
por Macunaíma
Troféu Candango de Melhor Ator
por Os Deuses e os Mortos

1970
Sucedido por
Carlos Kroeber
por A Casa Assassinada
Precedido por
Carlos Kroeber
por A Casa Assassinada
Kikito de Melhor Ator
por São Bernardo

1974
Sucedido por
Eliezer Gomes
por O Anjo da Noite