Paraíso (2009)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Paraíso
Paradise City (Título Internacional)[1]
Informação geral
Formato Telenovela
Criador(es) Benedito Ruy Barbosa
Edmara Barbosa[2]
País de origem  Brasil
Idioma original Português brasileiro
Produção
Diretor(es) Rogério Gomes
Elenco ver "Elenco"
Tema de abertura "Deus e Eu no Sertão" - Victor & Léo[3]
Exibição
Emissora de
televisão original
Brasil Rede Globo
Formato de exibição 480i (SDTV)
Transmissão original 16 de março - 2 de outubro de 2009[4]
N.º de episódios 173[5]
Cronologia
Último
Último
Negócio da China
Cama de Gato
Próximo
Próximo

Paraíso é uma telenovela brasileira produzida e exibida pela Rede Globo como "novela das seis" entre 16 de março e 2 de outubro de 2009, substituindo Negócio da China e sendo substituída por Cama de Gato.

Escrita por Benedito Ruy Barbosa e adaptada por Edmara Barbosa com a colaboração de Edilene Barbosa, com direção geral de Rogério Gomes; direção de André Felipe Binder, Pedro Vasconcelos e Paulo Ghelli e direção de núcleo de Rogério Gomes

Apresenta Eriberto Leão, Nathalia Dill, Vanessa Giácomo, Alexandre Nero, Fernanda Paes Leme, Daniel, Bia Seidl, Leopoldo Pacheco, Soraya Ravenle, Carlos Vereza, Cristiana Oliveira, Guilherme Berenguer, Juliana Boller, Guilherme Winter, Reginaldo Faria, Mauro Mendonça e Cássia Kis Magro nos papéis principais.

Produção[editar | editar código-fonte]

A novela se passa no estado do Mato Grosso, nas cidades de Poconé (Pantanal), Chapada dos Guimarães e Nobres. Foram utilizadas fazendas de gado e cenas de rodeio nas cidades próximas, como também áreas de interesse turístico na região.[6] [7] [8]

Benedito Ruy Barbosa investe na temática rural brasileira retratando a vida nas fazendas, a peonada que está na lida, as viagens de comitivas e a moda de viola. O texto traz enfoques políticos, aborda a questão agrária, alerta sobre os desmatamentos e mostra a chegada do progresso à pequena e pacata Paraíso, uma cidade do interior. As histórias são entremeadas pelos romances, pelas quermesses da igreja, pelas fofocas das moças da cidade e pelos "causos" que ganham ânimo no balcão do bar. "Lavei a alma escrevendo Paraíso e espero que tenha o mesmo sucesso da primeira versão", diz Benedito.[9]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Emblem-question.svg
Esta seção pode conter texto de natureza não enciclopédica. (desde março de 2015)
Justifique o uso dessa marcação e tente resolver essas questões na página de discussão.
Ambox important.svg
Esta seção pode conter pesquisa inédita. Por favor, melhore-o, verificando o seu conteúdo e adicionando referências bibliográficas. Mais detalhes podem ser encontrados na página de discussão. Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Numa feira do sertão baiano, Eleutério (Reginaldo Faria) cismou em comprar  uma estranha relíquia: um diabinho postado dentro de uma garrafa, que manteve escondido, não obstante os protestos - das empregadas, dos colonos e de Nena, sua mulher. Quando, porém, sua esposa faleceu depois do parto do filho do casal, não demorou para o povo culpar o tal diabinho pelo ocorrido. E, pior que isso, atribuir a ele a paternidade do recém-nascido.

O tempo passou, o menino cresceu, e a história se perpetuou. O belo e inquieto José Eleutério (Eriberto Leão), conhecido como Zeca, ganhou e fez jus à fama que trazia desde o berço. Onde quer que chegasse, era tido como o "filho do diabo". Corajoso, criado solto por essas estradas, Zeca foi colecionando histórias ao longo de suas caminhadas, alimentando a crendice do povo e fazendo a história do diabo virar lenda. Com espírito aventureiro, enquanto seguia com sua comitiva pelas estradas, desafiava a morte montando touros bravos, domando burros chucros. Por onde quer que passasse, deixava marcada sua história e os corações das mocinhas a suspirar.

Zeca foi para o Rio de Janeiro e lá ficou, por oito anos, estudando. Voltou à fazenda do pai, nas cercanias da cidade de Paraíso, formado em Direito e em Agronomia. E ganhou o codinome de "peão dotô". Pouco interessado nos títulos, o que ele queria mesmo era seguir pelas estradas montado em seu cavalo. Com os diplomas pendurados na parede, partiu em comitiva, sem imaginar a surpresa que o aguardava, arrebatando seu coração para sempre.

Na volta para casa, Zeca e o amigo Terêncio (Alexandre Nero) corriam em suas montarias pela estrada de chão que levava à fazenda de Eleutério (Reginaldo Faria). Na direção contrária, a charrete da santinha. E o encontro. O cavalo do peão doutor empinando. O cavalo da charrete também. Os olhares cruzando. O seu, com o olhar da doce Maria Rita. Bastou isso para que nascesse ali uma linda e conturbada história de amor.

Ao contrário de Zeca, criado solto no mundo, Maria Rita (Nathalia Dill) passou parte de sua vida num colégio de freiras. Por isso, nunca teve muitas histórias para contar, exceto a que lhe acompanha desde menina: a de que é santa. A mãe beata, Mariana (Cássia Kis Magro), a criou na igreja assistindo a missas e ouvindo rezas. Não bastasse isso, prometeu que a filha viraria freira e passou a vida alimentando versões sobre sua santidade. O pai, o fazendeiro Antero (Mauro Mendonça), nunca teve forças para lutar contra as histórias inventadas pela mulher.

No dia da ordenação da filha, Antero comemorou quando a madre superiora confirmou o que ele já sabia: Maria Rita não tinha vocação para o celibato. Mariana se desesperou, chorou copiosamente e se revoltou com a escolha da jovem, que finalmente voltou para casa. Na verdade, isso era coisa do destino. Maria Rita só entendeu isso quando seus olhos se cruzaram com os do filho do diabo.

Essa é a incrível história de amor de Zé Eleutério e Maria Rita. Ele, o "filho do diabo", e ela, a "santinha", numa pequena cidade chamada Paraíso. Amor que se torna mais acirrado quando Santinha, rezando reclusa em seu quarto, consegue o "milagre" de salvar Zé Eleutério, que estava aleijado por ter sofrido uma queda num concurso de peões de boiadeiros. Ela, em pagamento pela graça recebida, vai para o convento - realizando o grande sonho de sua mãe. Ele, apaixonado e grato, rapta a futura freirinha.[10]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ambox rewrite.svg
Esta seção precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde março de 2015).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Ator/Atriz Personagem
Nathalia Dill Maria Rita Godói (Santinha)
Eriberto Leão José Eleutério Ferrabraz (Zeca/filho do Diabo)
Mauro Mendonça Antero Godói
Cássia Kiss Magro Mariana Godói
Reginaldo Faria Eleutério Ferrabraz
Vanessa Giácomo Maria Rosa (Rosinha)
Alexandre Nero Terêncio
Fernanda Paes Leme Maria Rosa Albuquerque Medeiros
Daniel Zé Camilo
Cristiana Oliveira Zuleika Tavares
Guilherme Winter Otávio Elias Barbosa
Bia Seidl Aurora Medeiros
Leopoldo Pacheco Prefeito Norberto Medeiros
Soraya Ravenle Josefa Ferrabraz (Zefa)
Kadu Moliterno Bertoni
Walderez de Barros Dona Ida
Carlos Vereza Padre Bento
Cris Vianna Candinha
Guilherme Berenguer Ricardo
Juliana Boller Ana Célia Aires (Aninha)
Lucy Ramos Cleusinha
José Augusto Branco Amadeu (Nono)
Aisha Jambo Leni Peixoto
Laércio Fonseca Tuta
Genézio de Barros Alfredo Modesto
Lucci Ferreira Geraldo Valfrido Gutiérrez
Edney Giovenazzi Prefeito Paulino
Duda Ribeiro Mané Corrupio
Alexandre Rodrigues Tóbi
Cláudio Galvan Vadinho
Gésio Amadeu Capita
Cosme dos Santos Zé do Correio
Carol Abras Jacira
Mareliz Rodrigues Nina
Manuela do Monte Tonha
Jackson Costa Isidoro
Hugo Gross Pedro do Posto
João Sabiá Marcos Miola
Oscar Magrini Falconi
Larissa Vereza Irmã Matilde
Anamaria Barreto Madre Superiora
Lidi Lisboa Das Dores
Paula Barbosa Edite
Rodrigo Satter Tiago
Yassir Chediak Juvenal
Thommy Schiavo Chico
Eduardo Di Tarso Paraná
Marcelo Faria Eleutério Ferrabraz (jovem)
Luli Miller Nena Ferrabraz
Luiz Antônio do Nascimento Tião (jovem)

Audiência[editar | editar código-fonte]

Segundo dados consolidados, a estreia da trama registrou 25 pontos de audiência e participação de 53%. No capítulo inicial, Maria Rita avisa a Mariana que não será mais freira, e Zeca enfrenta um Touro Bravo.[11]

No dia 29 de julho, uma quarta-feira, a trama bateu o seu recorde de audiência com 32 pontos de média. Nesse dia, Santinha encontra Zeca pela primeira vez desde que saiu do convento.[12] No dia 31 de março, uma terça-feira, a trama marcou 19 pontos.[13]

Paraíso obteve em seu último capítulo uma média de 30 pontos com picos de 34 pontos, segundo dados consolidados. No último capítulo do folhetim, Santinha foge com Zeca no dia de seu casamento com Otávio e tem um final feliz ao lado do "filho do diabo". A reapresentação do último capítulo marcou 26 pontos.[14]

A novela marcou média total de 26 pontos.[15]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Premio Tudo De Bom - Jornal O Dia (2009)[16]

Melhores do Ano - 2009

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Esta veio a ser a 1ª novela das seis a ter três trilhas sonoras lançadas. 1 ano e meio depois, Araguaia também produziu 3 álbuns: internacional, nacional e sertanejo.

Nacional[editar | editar código-fonte]

Paraíso Nacional
Trilha sonora de Vários intérpretes
Lançamento 2009
Gravação 2009
Gênero(s) Vários
Duração 50 min (aproximadamente)
Formato(s) CD
Gravadora(s) Som Livre
Certificação Platinum.png Platina - ABPD[17]
Cronologia de Vários intérpretes
Último
Último
-
-
Próximo
Próximo

Esse CD recebeu uma certificação de Platina pela ABPD, devido a mais de 100 mil CDs vendidos.[17]

Capa: Logotipo da novela

  1. "Nada Normal" – Victor & Leo
  2. "Jeito de Mato" – Paula Fernandes e Almir Sater
  3. "Coração Só Vê Você" – João Bosco & Vinícius
  4. "Faça Alguma Coisa" – Zezé di Camargo & Luciano
  5. "Deus e eu no Sertão" - Victor & Leo
  6. "Longe" – Leonardo
  7. "Meu Dengo (Ao Vivo)" – Tânia Mara (participação especial: Roberta Miranda)
  8. "Paraíso" – César Menotti e Fabiano
  9. "Chuá, Chuá (Ao Vivo)" – Chitãozinho & Xororó
  10. "Mulher Para Namorar" – Janaína Kais
  11. "Ah! Que Deus É Esse" – Zé Henrique & Gabriel
  12. "Linda Menina" – Roger & Robson
  13. "Pitangueira" – Monique Kessous
  14. "Sertaneja" – Fioravante & Guimarães
  15. "Traz de Volta" – Enzo & Rodrigo
  16. "Ordem Natural das Coisas" – Rodrigo Sater
  17. "A Fé" – Zé Geraldo
  18. "Contador de Causo" – Chico Teixeira (participação especial: Renato Teixeira)
  19. "Anunciação" – Yassir Chediak
  20. "Por causa de Você" – The Originals / Almir Bezerra

Rádio A Voz do Paraíso[editar | editar código-fonte]

Rádio A Voz do Paraíso
Trilha sonora de Vários intérpretes
Lançamento 2009
Gravação 2009
Gênero(s) Vários
Formato(s) CD
Gravadora(s) Som Livre
Cronologia de Vários intérpretes
Último
Último
Paraíso Nacional
-
Próximo
Próximo

Capa: Lucci Ferreira

  1. "Detonou (ao vivo)" - João Neto e Frederico
  2. "100% casamento" - Bruno & Marrone
  3. "Pagode/Pagode em Brasília/Vou tomar um pingão (ao vivo)" - Hugo Pena & Gabriel
  4. "Você de volta" - Maria Cecília & Rodolfo
  5. "Estrela" - Álvaro & Daniel
  6. "Bruto, rústico e sistemático" - João Carreiro & Capataz
  7. "Ôh…viola iluminada" - Sérgio Reis
  8. "Três toques na madeira" - Almir Sater
  9. "Toma um gole" - Rud & Robson
  10. "Com dinheiro é mole" - Gino & Geno
  11. "Eu não contei até 10" - Guilherme & Santiago
  12. "Arrepiou, arrepiou" - Gian & Giovani
  13. "No lugar onde eu moro" - Hugo & Tiago
  14. "Tá meio fraco" - Ricardo & Eduardo
  15. "Eta, eta, eta" - João Pedro & Giuliano
  16. "Aí nóis bebe" - Cézar & Paulinho
  17. "Cowboy de rodeio (you win my love)" - Erika & Elayne

Os Violeiros da Novela Paraíso: Tiago e Juvenal[editar | editar código-fonte]

Os Violeiros da Novela Paraíso: Tiago e Juvenal
Trilha sonora de Rodrigo Satter e Yassir Chediak
Lançamento 2009
Gravação 2009
Gênero(s) Vários
Formato(s) CD
Gravadora(s) Som Livre
Cronologia de Rodrigo Satter e Yassir Chediak
Último
Último
Rádio A Voz do Paraíso
-
Próximo
Próximo

Capa: Rodrigo Satter e Yassir Chediak

  1. "Amanheceu, peguei a viola"
  2. "Estrela de boiadeiro" - part. esp. Almir Sater e Sérgio Reis
  3. "O trem das 7"
  4. "Vide, vida marvada"
  5. "Te amo em sonhos" - part. esp. Paula Fernandes
  6. "Feijão queimado"
  7. "Ai, que falta de ar"
  8. "Prenda minha"
  9. "Do princípio até o fim"
  10. "Felicidade"
  11. "De papo pro ar"
  12. "Serenou na madrugada"
  13. "Deixa, amor"
  14. "Saudade de minha terra"

Exibição internacional[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Globo TV International - Paradise City. Visitado em 06 de agosto de 2014.
  2. UOL Entretenimento (2 de julho de 2010). Renovação do Benedito com Globo envolve o "pacote família" 2 de julho de 2010. Visitado em 11 de abril de 2015.
  3. Globo (29 de maio de 2009). Victor & Leo falam sobre o tema de abertura 29 de maio de 2009. Visitado em 11 de abril de 2015.
  4. Globo estica "Paraíso" pela segunda vez (19 de agosto de 2009). Visitado em 11 de abril de 2015.
  5. Memória Globo. Paraíso - 2ª versão - Ficha Técnica. Visitado em 2 de outubro de 2009.
  6. Gravações de "Paraíso" (em português) Uol (29 de janeiro de 2009). Visitado em 3 de maio de 2009.
  7. Começaram as gravações de "Paraíso", próxima novela das seis (em português) O Globo (10 de fevereiro de 2009). Visitado em 3 de maio de 2009.
  8. Gravação de Paraíso mobiliza mais de 4 mil figurantes em Poconé (em português) Primeira hora (25 de janeiro de 2009). Visitado em 3 de maio de 2009.
  9. A "santinha" e o "filho do diabo" (em português) Diário de produção (19 de fevereiro de 2009). Visitado em 3 de maio de 2009.
  10. Teledramaturgia (16 de março de 2009). Paraíso - Teledramaturgia 2 de julho de 2010. Visitado em 11 de abril de 2015.
  11. "Caminho das Índias" marca 36 pontos, veja outras audiências (em português) 'O Globo' (17 de março de 2009). Visitado em 3 de maio de 2009.
  12. Principais audiências da Globo na terça-feira - Patrícia Kogut, O Globo, 29 de julho de 2009..
  13. BBB marca 37 pontos, veja as audiências (em português) 'O Globo' (1 de abril de 2009). Visitado em 3 de maio de 2009.
  14. Final de Paraíso marca 30 pontos - Patrícia Kogut, O Globo, 5 de outubro de 2009..
  15. [1].
  16. Prêmio Tudo de Bom Prêmio Tudo de Bom (5 de agostode 2009).
  17. a b http://www.abpd.org.br/certificados_interna.asp?sArtista=V%E1rios

Ligações externas[editar | editar código-fonte]