História de Amor

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
História de Amor
Informação geral
Formato Telenovela
Gênero Drama
romance
Criador(es) Manoel Carlos
País de origem  Brasil
Idioma original (em português)
Produção
Diretor(es) Ricardo Waddington
Elenco Regina Duarte
José Mayer
Carolina Ferraz
Lília Cabral
Carla Marins
Ângelo Paes Leme
Cláudio Lins
Bia Nunnes
Cláudia Mauro
Nuno Leal Maia
Cláudia Lira
José de Abreu
Eva Wilma
Cláudio Corrêa e Castro
(Ver mais)
Tema de abertura "Lembra de Mim", Ivan Lins
Tema de
encerramento
"Lembra de Mim", Ivan Lins
Exibição
Emissora de
televisão original
Brasil Rede Globo
Formato de exibição 480i (SDTV)
Transmissão original 3 de julho de 1995 - 2 de março de 1996
N.º de episódios 209 (original)
145 (Vale a Pena Ver de Novo)
209 (Canal Viva)
5 (Vídeo Show)
Cronologia
Último
Último
Irmãos Coragem
Quem É Você
Próximo
Próximo
Programas relacionados Baila Comigo
Felicidade
Por Amor
Laços de Família
Mulheres Apaixonadas
Páginas da Vida
Viver a Vida
Em Família
(Novelas com protagonista Helena)

História de Amor é uma telenovela brasileira produzida e exibida pela Rede Globo no tradicional horário das 18 horas entre 3 de julho de 1995 a 2 de março de 1996 em 209 capítulos, substituindo Irmãos Coragem e sendo substituída por Quem É Você.

Foi escrita por Manoel Carlos, com colaboração de Elizabeth Jhin, Marcus Toledo e Maria Carolina, e direção de Ricardo Waddington, Roberto Naar e Alexandre Avancini, com direção artística de Paulo Ubiratan e direção geral de Ricardo Waddington.

Contou com Regina Duarte, José Mayer, Carolina Ferraz, Eva Wilma, Cláudio Corrêa e Castro, Lília Cabral, Bia Nunnes, José de Abreu, Nuno Leal Maia, Claudia Mauro, Ângelo Paes Leme e Carla Marins nos papéis centrais da trama.

Foi reapresentada com grande êxito pelo Vale a Pena Ver de Novo, de 10 de dezembro de 2001 a 28 de junho de 2002, tendo 145 capítulos, substituindo A Gata Comeu e antecedendo Por Amor. Foi reapresentada pela segunda vez pelo programa Vídeo Show, de 2 a 6 de julho de 2012, tendo 5 capítulos, substituindo A Viagem e sendo substituída por Celebridade.

Foi reexibida na íntegra pelo Canal Viva de 10 de março a 7 de novembro de 2014, substituindo Anjo Mau e sendo substituída por Tropicaliente, às 15h30.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Helena (Regina Duarte) é uma mulher doce, honesta, sensível e muito guerreira que enfrenta a gravidez prematura da filha Joyce (Carla Marins), que por sua vez, é abandonada pelo namorado, o irresponsável Caio (Ângelo Paes Leme). O maior problema é o pai da moça, Assunção (Nuno Leal Maia), ex-marido de Helena, que não se conforma com a situação.

Solitária e sozinha, Helena desperta uma paixão pelo endocrinologista Carlos Alberto (José Mayer), e tem seus sentimentos correspondidos. Mas Carlos é comprometido com a possessiva Paula (Carolina Ferraz), loucamente apaixonada por ele, que sofre com os constantes ataques de ciúmes. Os pais da moça, Zuleika (Eva Wilma) e Rômulo (Cláudio Corrêa e Castro), aguardam ansiosos o casamento da filha com Carlos, que salvará a família da decadência financeira.

Mas Carlos é o tipo de homem que as mulheres realmente não esquecem. Mesmo casado com Paula e apaixonado por Helena, ele ainda é assediado pela ex-mulher Sheyla (Lília Cabral), que não se conforma de tê-lo perdido e sonha com uma reaproximação.

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Produção[editar | editar código-fonte]

Cquote1.svg História de Amor eu não queria que acabasse nunca. Eu cheguei a dizer para o Boni: 'Não dá para ficar como aqueles seriados de antigamente, que duravam cinco, dez, quinze anos?' Eu queria ficar fazendo História de Amor para sempre. Ele ria e dizia: 'Não. Tem que acabar. Mas a gente faz outra depois'. E, realmente, um ano depois, ele me chamou para fazer o que, para mim, era História de Amor 2, mas que teve o nome de Por Amor. E ainda chamou a Gabriela para fazer a minha filha. Foi o máximo!. Cquote2.svg
Regina Duarte

[1]

Após o fracasso do remake de Irmãos Coragem, uma trama rural, a Globo retornou a uma trama urbana com História de Amor,[2] "Eu escrevo sempre a mesma novela", disse Manoel Carlos, o autor. "Sem inovações, queremos recuperar o folhetim", disse Ricardo Waddington, o diretor.[3] Por determinação do Ministério da Justiça, Manoel Carlos modificou a história, imprópria para o horário, onde havia criado um triângulo amoroso onde Joyce (Carla Marins) disputaria o amor de Carlos (José Mayer) com sua mãe Helena (Regina Duarte), o autor não sabia que a novela seria exibida no horário das 18 horas, e declarou que havia modificado o enredo antes mesmo da decisão do Ministério. Este enredo seria apresentado em Laços de Família.[4] Outra razão seria o fato do perfil dos personagens coinciderem com os de A Próxima Vítima, a novela das oito na época, entre os exemplos, estão a mudança do nome do personagem de José Mayer, que seria Marcelo, nome do personagem de José Wilker em A Próxima Vítima e o pai do médico que teria uma cantina e não um bar, a mudança também veio por causa da novela de Sílvio de Abreu.[2]

Temas sociais como o câncer de mama da personagem Marta (Bia Nunnes) levou a uma carta do Instituto Nacional do Câncer mostrando um aumento no número de exames preventivos.[5] O personagem Assunção (Nuno Leal Maia) fica paraplégico após um acidente de carro, recuperando a vontade de viver através do esporte, o então ministro do Ministério do Esporte, Pelé, participou da trama sendo entrevistado por Assunção que fica famoso em seu programa esportivo.[5] A novela fez com que Carla Marins, que interpreta Joyce, repensasse seu relacionamento com a mãe.[6]

Uma carta publicada no Jornal do Brasil fez com que o visual de Regina Duarte fosse mudado, dizendo "O que está havendo com o cabelo da Regina Duarte? Tenho duas dicas: uma permanente afro ou um corte na altura do pescoço. Aquela trança dá a ela um aspecto de favelada."[7]

Cenário e caracterização[editar | editar código-fonte]

História de Amor foi ambientada no Rio de Janeiro, nos bairros do Leblon, Jardim Botânico e Gávea, na Zona Sul, e Barra da Tijuca, na Zona Oeste, tendo algumas incursões a Teresópolis, na região serrana. As cenas externas reforçavam o tom urbano e carioca da novela, que começou a ser gravada no Jardim Botânico, em novembro de 1995, passou a ser produzida nos estúdios do Projac.[8]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Regina Duarte como a protagonista Helena Soares.
José Mayer como o protagonista Carlos Alberto.
Carla Marins como a rebelde Joyce.
Carolina Ferraz como a mimada Paula.
Ator Personagem
Regina Duarte Helena Soares
José Mayer Carlos Alberto Moretti
Carolina Ferraz Paula Sampaio Moretti
Carla Marins Joyce Soares Assunção
Lília Cabral Sheyla Bueno
Ângelo Paes Leme Caio Paiva
Nuno Leal Maia Edgar Assunção
Eva Wilma Zuleika Sampaio
Cláudio Corrêa e Castro Rômulo Sampaio
José de Abreu Daniel Veloso
Cláudia Mauro Valquíria Assunção
Yara Côrtes Olga Moretti Miranda
Bia Nunnes Marta Xavier
Ricardo Petraglia Sinval Xavier
Cláudio Lins Bruno Moretti
Maria Ribeiro Bianca Moretti
Umberto Magnani Mauro Moretti
Marly Bueno Rafaela Moretti
Cláudia Lira Vandinha (Vanda Furtado Diniz)
Beatriz Lyra Silvana Furtado
Sérgio Viotti Gregório Furtado
Sebastião Vasconcelos Urbano Paiva
Ana Rosa Dalva Paiva
Hugo Gross Leonardo Sampaio
Monique Curi Mariana Gomide Sampaio
Anna Aguiar Lu
Cristina Prochaska Yara Machado
Buza Ferraz Marcos
Fábio Junqueira Fabrício
Christine Fernandes Marininha
Dennis Carvalho Vicente Gomide
Cristina Mullins Maristela Gomide
Guilherme Faro Fábio Barroso
Flávia Alessandra Soninha (Sônia Toledo)
Marcelo Saback Renato Santana
Giácomo Pinotti Leopoldo Diniz
Mônica Carvalho Neusa
Fernando Wellington Mendonça
Ilva Niño Chica
Izabella Bicalho Elizete
Beth Lamas Ana
Rosane Gofman Matilde
Maria Alves Nazaré
Gláucia Rodrigues Gertrudes
Paula de Paula Tânia
Cláudia Paiva Madalena
Ingrid Fridman Ritinha Xavier
André Ricardo Luiz Assunção (Luizinho)
Edson Silva Ramiro
Nica Bonfim Roseli
Jorge Coutinho Ernani
Joyce Santos Kátia
Úrsula Corona Aninha
Thomas Morkos Zezinho

Elenco de apoio[editar | editar código-fonte]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Nacional[editar | editar código-fonte]

História de Amor Nacional
Trilha sonora de vários intérpretes
Lançamento 1995
Gênero(s) Vários
Formato(s) CD , vinil, fita cassete
Gravadora(s) Som Livre
Produção André Sperling
Cronologia de vários intérpretes
Último
Último
-
História de Amor Internacional
Próximo
Próximo


  1. "Nada Apaga Essa Paixão" - Maurício Mattar
  2. "Uma História de Amor" - Fanzine
  3. "Querem Meu Sangue (The Harder They Come)" - Cidade Negra
  4. "Desencanto" - Anna Lemgruber
  5. "Minha Ambição" - Loop
  6. "Só Chamei Porque Te Amo (I Just Called To Say I Love You)" - Gilberto Gil
  7. "Saber Amar" - Os Paralamas do Sucesso
  8. "Alô Alô Marciano" - Elis Regina
  9. "O 40" - Faróis Acesos
  10. "Futuros Amantes" - Gal Costa (tema de Helena)
  11. "Um Dia Não, O Outro Sim" - Fernanda Abreu
  12. "Como?" - Netinho
  13. "Delirando de Prazer" - Veneza
  14. "Lembra de Mim" - Ivan Lins

Internacional[editar | editar código-fonte]

História de Amor Internacional
Trilha sonora de vários intérpretes
Lançamento 1995
Gênero(s) Vários
Formato(s) CD , vinil, fita cassete
Gravadora(s) Som Livre
Produção André Sperling
Cronologia de vários intérpretes
Último
Último
História de Amor Nacional
-
Próximo
Próximo


  • Capa: Logotipo da novela
  1. "You Gotta Be" - Des'Ree
  2. "Run, Baby, Run" - Sheryl Crow
  3. "Fallin' In Love" - La Bouche
  4. "Chains" - Tina Arena
  5. "Ready To Go Home" - 10 CC
  6. "The First Cut Is the Deepest" - Haddaway
  7. "It's Too Late" - Gloria Estefan
  8. "I Started a Joke" - Faith No More
  9. "Can't Stop Loving You" - Van Halen
  10. "Dream a Little Dream" - The Beautiful South
  11. "Hold My Hand" - Hootie & the Blowfish
  12. "Follow You" - Sect
  13. "Paris Lutece Paname" - Malcolm McLaren
  14. "The Place I Belong" - Martin Axell

Repercussão[editar | editar código-fonte]

Audiência[editar | editar código-fonte]

Sua média geral foi de 34 pontos de audiência na grande São Paulo, levantando a audiência do horário que foi perdida com o fracassado remake de Irmãos Coragem. Estreou com 33 pontos que logo despencaram para 23, e nas suas primeiras semanas oscilou entre 26 e 30 pontos, mas rapidamente subiu e se firmou na casa dos 30 pontos. Seu último capítulo atingiu excelentes 45 pontos, a maior audiência da novela. Na sua reprise pelo Vale a Pena Ver de Novo entre 2001 e 2002, teve média geral de 22 pontos de audiência.[9]

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

Pouco após a estreia, Sérgio d'Ávila, da Folha de São Paulo, disse que "Valeu o dito. "História de Amor", a nova novela das seis da Globo, que estreou anteontem, é a mesma novela de sempre. Era para ser já com "Irmãos Coragem". Nada melhor que o "remake" de um sucesso para deixar claro o desejo de inovar cada vez menos a teledramaturgia da casa. Mas mudou a direção e o estilo de filmagem no meio do jogo, e a emissora não pôde voltar ao tradicional. Com "História de Amor" deve conseguir. A cena inicial garante que não haverá sustos no decorrer do período: pôr-do-sol, gaivotas, Corcovado e fundo musical de Ivan Lins. O núcleo central é o triângulo amoroso formado por José Mayer, com a excitante profissão de endocrinologista; Carolina Ferraz, estreando como protagonista; e Regina Duarte, no papel que faz melhor, o de Regina Duarte. Lembra da Raquel Aciolli, de "Vale Tudo"? Pois já no primeiro capítulo de "História de Amor" Regina foi amiga dos feirantes, brigou com a filha-problema e chorou. Chorou duas vezes. E José Mayer foi o galã honesto, mas dividido em seu amor. Como o Pedro de "Pátria Minha". E Nuno Leal Maia garantiu o núcleo humorístico com seu personagem machão. Como Tony Carrado em "Mandala" e Bertazzo em "Vereda Tropical". E a abertura parece aqueles vídeos que recém-casados fazem questão de mostrar logo após a lua-de-mel. Não, "História de Amor" não é ruim. Manoel Carlos é competente (fez "Malu Mulher"), Waddington é talentoso (dirige "Quatro por Quatro"). Só que a nova novela das seis na Globo não é nova."[3]

Exibição internacional[editar | editar código-fonte]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Prêmio Contigo! (1996)
  • Melhor atriz coadjuvante - Eva Wilma
  • Trilha sonora - André Sperling
Melhores do Ano (1996)
Troféu Imprensa (1996)

Referências

  1. Regina Duarte - Trajetória Memória Globo Globo.com. Visitado em 7 de fevereiro de 2014.
  2. a b Globo volta ao romantismo e à cidade na nova novela das seis Folha de São Paulo UOL (2 de julho de 1995). Visitado em 7 de fevereiro de 2014.
  3. a b Sérgio d'Ávila (5 de julho de 1995). "História de Amor" estréia sem inovações Folha de São Paulo UOL. Visitado em 7 de fevereiro de 2014.
  4. a b História de Amor - Curiosidades Memória Globo Globo.com. Visitado em 7 de fevereiro de 2014.
  5. a b História de Amor - Ações Socioeducativas Memória Globo Globo.com. Visitado em 7 de fevereiro de 2014.
  6. Roni Lima (27 de agosto de 1995). repensar seu relacionamento com a mãe Folha de São Paulo UOL. Visitado em 7 de fevereiro de 2014.
  7. História de Amor Teledramaturgia. Visitado em 7 de fevereiro de 2014.
  8. História de Amor - Produção Memória Globo Globo.com. Visitado em 7 de fevereiro de 2014.
  9. Daniel Castro (12 de dezembro de 2001). Globo acaba com "Escolinha" de Chico Anysio Folha de São Paulo UOL. Visitado em 7 de fevereiro de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]