Kate Lyra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Kate Lyra
Nascimento 3 de julho de 1949 (65 anos)
Ray, Arizona
 Estados Unidos
Ocupação atriz, modelo & roteirista
IMDb: (inglês)

Katherine Lee Riddell Caughey de Barbosa Lyra (Ray, 3 de julho de 1949) é uma atriz, modelo e roteirista norte-americana que fez carreira no Brasil.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Kate se casou, no final da década de 1960, com Carlos Lyra. Desde então, radicou-se no Brasil. Nos anos 70 participou de humorísticos, como Planeta dos Homens (Rede Globo) e Praça da Alegria (Rede Record) — no qual retomou o sucesso do bordão "Brasileiro é tão bonzinho", com a personagem que já fora de Jacqueline Myrna. Em 1977 gravou um compacto com uma canção, cujo título era o bordão que a deixou conhecida. Foi nessa mesma época que ela também começou sua carreira de atriz de cinema. Fez Um Edifício Chamado 200, de Carlos Imperial (1973) e Banana Mecânica, de Braz Chediak (1974).

Na década de 1980 conhece Walter Hugo Khoury, e sua carreira se desvia do gênero comédia erótica para atuar na obra densa do diretor. Com Khoury trabalha em O Prisioneiro do Sexo (1978), Convite ao Prazer (1980) e Eros, O Deus do Amor (1981). A atriz esteve também no grande sucesso erótico Mulher Objeto (1981), de Sílvio de Abreu. Viveu Myrna, uma secretária em Passione.

Como roteirista, Kate recebeu o troféu APCA por seu trabalho em A Causa Secreta, de Sérgio Bianchi.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Trabalhos na TV[editar | editar código-fonte]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Kate Lyra
Este artigo sobre uma atriz é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.