O Fim do Mundo (telenovela)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2010). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
O Fim do Mundo
logotipo da novela.
Informação geral
Formato Telenovela
Duração 55 minutos
Criador(es) Dias Gomes
País de origem  Brasil
Idioma original Português
Produção
Diretor(es) Paulo Ubiratan
Gonzaga Blota
Elenco José Wilker
Paloma Duarte
Maurício Mattar
Paulo Betti
Guilherme Fontes
Vera Holtz
Lima Duarte
Patrícia França
Marcos Winter
Bruna Lombardi
ver mais
Tema de abertura "O Último Dia" (Paulinho Moska)
Transmissão original 6 de maio de 199614 de junho de 1996
N.º de episódios 35 capítulos
Cronologia
Último
Último
Explode Coração
O Rei do Gado
Próximo
Próximo

O Fim do Mundo foi uma telenovela brasileira produzida e exibida pela Rede Globo entre 6 de maio e 14 de junho de 1996, totalizando 35 capítulos, substituindo Explode Coração e sendo substituída por O Rei do Gado.

Foi escrita por Dias Gomes e colaboração de Ferreira Gullar. Teve direção de Paulo Ubiratan e Gonzaga Blota, e direção de núcleo de Paulo Ubiratan.

Contou com José Wilker, Paloma Duarte, Maurício Mattar, Paulo Betti, Guilherme Fontes, Vera Holtz, Patrícia França, Marcos Winter, Bruna Lombardi e Lima Duarte nos papéis principais da trama.

Teve sua reprise somente para Brasília no horário político no ano de 2000, em função de o Distrito Federal não ter eleições municipais.

História[editar | editar código-fonte]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

A história se passa na fictícia Tabacópolis, na Bahia. É estimulada pela fama do paranormal Joãozinho de Dagmar, que previu o fim do mundo, que ocorreria em três meses. Nesse tempo, ocorrem fortes temporais, inundações, raios e trovões e, então, os tabacopolinenses acreditam que o apocalipse chegou. Isso, portanto, faz com que cada habitante tente realizar seus desejos mais profundos.

Tião Socó, por exemplo, resolve acabar com seu problema de impotência sexual, violentando a própria cunhada Gardênia. Sua filha, Letícia, queria se manter virgem, apesar das investidas do noivo Josias, neto do poderoso coronel Hildazário Junqueira. A moça, no entanto, muda de ideia ao encontrar o peão Rosalvo. Já o Dr. Pestana, dono do hospício da cidade, resolve soltar todos os seus pacientes, gerando ainda mais confusão.[1]

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Produção[editar | editar código-fonte]

Dias Gomes escreveu o texto para ser apresentado como minissérie, mas, por causa do número de capítulos, 35, e do horário tradicional em que foi apresentado, as 20 horas, foi lançado como uma mininovela, embora tenha sido, na prática, uma minissérie. Isso se deu ao fato da novela antecessora, Explode Coração, ter sido encurtada em 2 meses, a pedido da própria autora[2] , e, sua sucessora, O Rei do Gado, não estar totalmente pronta.

Pela primeira vez numa novela, criaram-se objetos e animais virtuais em três plataformas de computadores. Para as gravações do cataclismo foi feita uma maquete, dez vezes menor que a cidade cenográfica, que tinha 35 mil metros quadrados.

Exibição[editar | editar código-fonte]

Foi exibida entre 6 de maio e 14 de junho de 1996, num total de 35 capítulos, e reapresentada entre 15 de agosto e 29 de setembro de 2000, apenas para o Distrito Federal, logo após a apresentação do Jornal Nacional, enquanto no resto do Brasil, era apresentado o horário eleitoral gratuito.[3]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ator Personagem
José Wilker Tião Socó
Paulo Betti Joãozinho de Dagmar
Bruna Lombardi Gardênia
Paloma Duarte Letícia
Maurício Mattar Lucas Rosalvos
Guilherme Fontes Josias Junqueira
Marcos Winter Nado
Patrícia França Lucilene
Vera Holtz Florisbela Mendonça
Lima Duarte Coronel Hildazário Junqueira
Alexia Dechamps Valdete
Ângela Vieira Margarida
Ariel Coelho Irana
Bernardete Lys Elisa
Carlos Gregório Michel Renault
Carlos Vereza Dr. Pestana
Cininha de Paula Zizi Badaró
Cleyde Blotta Creusa
Cristina Prochaska advogada
David Brasil Gisele
Eduardo Galvão Otávio
Estelita Bell Maria Chupeta
Fátima Freire Marieta
Fernanda Lobo Helô
Isabel Fillardis Marialva
Lúcia Alves Fafá Badaró
Luciana Coutinho Jaciara
Marcelo Faria Maninho
Marilu Bueno Dagmar
Mário Borges Joca
Mário Lago Frei Luiz
Mauro Mendonça advogado de defesa
Milton Gonçalves juiz
Norton Nascimento Frei Eusébio
Oswaldo Loureiro Delegado Romildo Galvão
Otávio Augusto Tonico Laranjeira
Pedro Paulo Rangel Mudinho
Renata Dutra Fabiana
Renata Lima Dalva
Ricardo Blat Emiliano
Rodolfo Bottino promotor
Tamara Taxman Clotilde
Tatiana Issa Maria do Socorro
Tato Gabus Mendes Vadeco
Tonico Pereira Chico Veloso
Totia Meirelles Cacilda
Valter Santos Juvenal
Marcelo Capobiango Abertura

Audiência[editar | editar código-fonte]

A trama estreou com 51 pontos de média, recorde que se repetiu no capítulo 21, exibido em 29 de maio. No último capítulo, a trama alcançou 48 pontos de média. A média geral foi de 46 pontos.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • A novela terminou com uma homenagem ao cinegrafista Custódio Ferreira, o Negão, que morrera logo depois de gravar o último capítulo, num acidente de carro, voltando da locação em Vassouras.
  • Durante sua exibição, foi veementemente criticada pelo jornalista Luiz Carlos Alborghetti, devido o fato de o enredo da novela se basear em cenas de violência e sexo (tida por ele como uma novela pornográfica, onde enfatiza sua crítica com a frase "Só tem trepação na Globo") e por ter sido exibida no horário das 20 horas, horário este, citado por Alborghetti, como de maior audiência inclusive por crianças. Esta crítica à novela foi uma resposta às cartas de telespectadores criticando a "suposta" violência do noticiário policial.

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Capa: José Wilker

Referências

  1. http://www.teledramaturgia.com.br/tele/fimdomundos.asp
  2. XAVIER, Nilson. O Fim do Mundo - bastidores Teledramaturgia. Visitado em 25 de julho de 2014.
  3. Dicionário da TV Globo - Volume 1 - página 240.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]