Pedro Paulo Rangel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pedro Paulo Rangel
Nome completo Pedro Paulo Rangel
Nascimento 29 de junho de 1948 (66 anos)
Rio de Janeiro, RJ
IMDb: (inglês)


Pedro Paulo Rangel (Rio de Janeiro, 29 de Junho de 1948) é um ator, diretor, tradutor, arranjador e letrista brasileiro.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Teatro[editar | editar código-fonte]

Filho do casal de funcionários públicos Alzira Marques Rangel e Lélio Rangel, desde cedo esteve envolvido com o teatro e ainda adolescente escreveu a peça Quando os Pais Entram de Férias. Convidado a integrar o elenco da peça infantil "O Bruxo e a Rainha", de Pedro Reis, na Igreja de Santa Terezinha, em Copacabana, conheceu o ator Marco Nanini, com quem fez o curso de Formação de Atores no Conservatório Nacional de Teatro, atual Escola de Teatro da Universidade Federal do estado do Rio de Janeiro, UNIRIO.

Teve a sua primeira experiência em teatro profissional em 1968, atuando na peça "Roda Viva", de Chico Buarque de Hollanda, sob a direção de José Celso Martinez Corrêa, deslocando-se para São Paulo. Com o Grupo Oficina fez, em 1969, a peça "Galileo Galilei", de Bertolt Brecht, direção de José Celso Martinez Corrêa; lá Jô Soares conheceu seu trabalho e o levou para fazer "Romeu e Julieta" , de W. Shakespeare. Em 1970 fez seu primeiro protagonista, "Jorginho, o Machão", de Leilah Assumpção, direção de Clóvis Bueno. Em 1972, atuou na peça Castro Alves Pede Passagem, de Gianfrancesco Guarnieri, e volta ao Rio de Janeiro.

Em 1982, recebeu seu primeiro Prêmio Moliére de melhor ator, por seu trabalho na peça A Aurora da Minha Vida, de Naum Alves de Sousa. Anos depois, ganharia mais dois: em 1989, pela atuação em Machado em Cena – Um Sarau Carioca, de Luís de Lima; e em 1994, por sua interpretação como o Padre Antônio Vieira, no monólogo O Sermão da Quarta-feira de Cinzas, de Moacir Chaves. Este personagem também lhe valeu os prêmios Shell e Mambembe.

Em 1996, recebe o Prêmio Cultura Inglesa pelo "Shylock" de "O Mercador de Veneza" de W. Shakespeare. Em 2004 recebe outro "Prêmio Shell" pelo monólogo "Soppa de Letra".

Televisão[editar | editar código-fonte]

Em 1969, fez sua estréia na televisão, na Rede Tupi de São Paulo no elenco da telenovela Super Plá, de Bráulio Pedroso. Ainda na Tupi, participaria de mais duas novelas: Toninho on The Rocks, de Teixeira Filho, em 1970 e, Dinheiro Vivo, de Mário Prata, em 1979.

Em 1972, estreou na TV Globo, a convite do ator e diretor Moacyr Deriquém, na telenovela Bicho do Mato, de Francisco de Assis e Renato Corrêa e Castro. Em seguida, integrou o elenco da novela A Patota, de Maria Clara Machado, contracenando pela primeira vez na televisão com Marco Nanini.

Em 1975, protagonizou o primeiro nu masculino da televisão brasileira, na telenovela Gabriela, adaptação de Walter George Durst. Foi nesse ano também que ganhou seu primeiro protagonista, o jovem aventureiro Carlos de O Noviço, adaptação de Mário Lago. Em 1976, participou de Saramandaia , de Dias Gomes e em 1978, despontou em O Pulo do Gato, de Bráulio Pedroso.

Em 1979,Chamado por Walter Avancini, volta à Tv Tupi de São Paulo para fazer a novela "Dinheiro Vivo", de Mario Prata, direção de José de Anchieta.

De volta ao Rio de Janeiro e à TV Globo em 1981, desta vez, na linha de shows da emissora é convidado por Jô Soares, para integrar o elenco do novo programa do humorista, o Viva o Gordo, no qual interpretou diversos personagens e protagonizou vários esquetes ao lado de Bia Nunnes. A experiência de trabalho com o humor foi tão proveitosa que, anos depois, voltaria a participar de outros programas do gênero, como TV Pirata (1990) e Minha Nada Mole Vida" (2007).

Em 1988, participou da telenovela Vale Tudo, Gilberto Braga, como Audálio Polyana, e no mesmo ano, fez parte do elenco da minissérie O Primo Basílio, também de Gilberto Braga.

No ano de 1991, esteve na minissérie O Sorriso do Lagarto, adaptação de Walther Negrão. Em seguida, encarnou o homossexual Adamastor, na novela Pedra Sobre Pedra (1992), de Aguinaldo Silva, e ainda integrou o elenco de O Mapa da Mina (1993), última novela do autor Cassiano Gabus Mendes.

Seus trabalhos a seguir foram: em 1995, na minissérie Engraçadinha... Seus Amores e Seus Pecados, adaptação de Leopoldo Serran; em 1996 na novela O Fim do Mundo (1996), de Dias Gomes; em 1997 na novela A Indomada, de Aguinaldo Silva e Ricardo Linhares; em 1998, na segunda versão de Pecado Capital , de Glória Perez, e uma participação especial no primeiro capítulo da novela Torre de Babel, de Silvio de Abreu.

Em 2000, participou: da minissérie A Invenção do Brasil, criada e dirigida por Guel Arraes e Jorge Furtado; da novela O Cravo e a Rosa, de Walcyr Carrasco; e da minissérie A Muralha, adaptação de Maria Adelaide Amaral.

Em 2002, despontou: na minissérie O Quinto dos Infernos, de Carlos Lombardi, e na novela Sabor da Paixão, de Ana Maria Moretzsohn, . Logo depois, esteve no elenco da minissérie Um Só Coração (2004), de Maria Adelaide Amaral e Alcides Nogueira.

Um dos seus personagens de maior sucesso em novelas veio em Belíssima (2005), de Silvio de Abreu, onde deu vida a Argemiro Falcão, irmão da arquivilã Bia Falcão (Fernanda Montenegro). Dois anos depois, fez uma participação especial em Amazônia, de Galvez a Chico Mendes (2007), de Glória Perez.

Além de seus trabalhos em novelas e minisséries, fez várias participações, em diversos seriados e especiais de sucesso da TV Globo como, no interativo Você Decide, entre 1992 e 1998, atuando em sete episódios, e, em 2004, no seriado A Diarista.

No mesmo ano, ao lado de Andréa Beltrão, Marisa Orth, Drica Moraes e Selton Mello, protagonizou Os Aspones (2004), seriado escrito por Fernanda Young e Alexandre Machado. No ano seguinte, fez participações especiais em A Grande Família (2001), como Frank, irmão de Lineu , e no humorístico Sob Nova Direção (2005).

Em 2007, esteve na novela Desejo Proibido, de Walther Negrão, e mais tarde pode ser visto na minissérie Som & Fúria, co-produção da Rede Globo com a produtora O2 Filmes, em que deu vida a Lourenço Oliveira, famoso diretor de teatro, que morre e volta para atormentar o protagonista Dante. Em 2010 entrou ao ar como Ferdinando em Cama de Gato, interpretando o pai do protagonista, Marcos Palmeira, casado com Julieta, Suely Franco. E em 2012 participa como Zé da Carmem na novela Amor Eterno Amor, de Elizabeth Jhin.

Em 2013, após mais de 30 anos na TV Globo, o ator não renovou contrato com a emissora para se dedicar exclusivamente ao teatro.

Novelas
Minisséries, Programas e Seriados
Especiais

Cinema[editar | editar código-fonte]

Trabalhou no cinema, atuando em filmes como Prova de Fogo (1980), de Marco Altberg, e Menino do Rio (1982), de Antonio Calmon. Esteve no elenco do filme Amélia, de Ana Carolina Soares, inspirada na vida de Sarah Bernhardt. E ainda, participou dos longas Caramuru - A Invenção do Brasil (2001) e O Coronel e o Lobisomem (2005), de Maurício Farias.

Filmes

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Como melhor ator

Referências

  1. Gshow (31 de maio de 2013). De olhos azuis e cabelos longos, Taís Araújo fica igual a Rihanna em episódio. Por Trás das Câmeras - O Dentista Mascarado. Página visitada em 11 de julho de 2014.
  2. Camila Morgado, Pedro Paulo Rangel e André Gonçalves estrelam "Por Isso Eu Sou Vingativa": veja cenas inéditas. Por Isso Eu Sou Vingativa (01 de abril de 2014). Página visitada em 11 de julho de 2014.
  3. Onofre (Pedro Paulo Rangel) - MULTISHOW. Página visitada em 11 de julho de 2014.
  4. O Concurso - Cinema Brasileiro. Globo Filmes. Página visitada em 11 de julho de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.