Drica Moraes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou secção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde novembro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Drica Moraes
Nome completo Adriana Moraes Rego Reis
Nascimento 29 de julho de 1969 (45 anos)
Nacionalidade Brasil Brasileira
Ocupação Atriz
Cônjuge Régis Faria (1994-2003)
Raul Shimdt (2003-2010)
IMDb: (inglês)

Adriana Moraes Rego Reis (Rio de Janeiro, 29 de julho de 1969), conhecida pelo nome artístico Drica Moraes, é uma atriz brasileira.

Biografia[editar | editar código-fonte]

É filha de Clarissa Gaspar de Oliveira, dona de um restaurante no Leblon, e do arquiteto Gustavo Moraes Rego Reis. É a única artista numa família de sete irmãos.

Vida profissional[editar | editar código-fonte]

Começou a fazer teatro no Colégio Andrews, Zona Sul do Rio de Janeiro, com Miguel Falabella. Também estudou no Tablado, onde, aos 13 anos, iníciou às primeiras experiências como atriz no teatro infantil, com montagens de Os Doze Trabalhos de Hércules, adaptação do livro de Monteiro Lobato, em 1983, Nossa Cidade, de 1984, e em Chapeuzinho Vermelho, com texto e direção de Maria Clara Machado, em 1985.

Estreou profissionalmente com o espetáculo O Segredo de Cocachim, de Denise Crispum, em 1989, que lhe valeu o Prêmio Coca-Cola. Já na televisão, sua primeira aparição não poderia ter sido mais discreta. Sua estreia deu-se na Globo, em 1986, no episódio O seqüestro de Lauro Corona, do extinto Teletema, escrito por Ricardo Linhares. Apesar de pequeno, o papel desempenhado pela atriz chamou a atenção do diretor Roberto Talma, responsável pelo seriado, que a convidou para fazer sua primeira novela, Top Model, três anos depois, em que interpretou a empregada Cida.

No cinema, seu primeiro trabalho foi no curta Vaidade, em 1990. Depois, atuou na produção americana, Manôushe, de Luiz Begazo. Ainda nos anos 90, marcou presença em mais três filmes importantes: As Meninas, adaptação cinematográfica do clássico romance de Lygia Fagundes Telles; Mandarim, filme de Júlio Bressane; e Traição, da produtora Conspiração Filmes, dirigido por José Henrique Fonseca, Arthur Fontes e Cláudio Torres.

Também em 1992, com a Cia dos Atores, atuou em A Morta, de Oswald de Andrade, sob a direção de Enrique Diaz. No ano seguinte, esteve em cartaz com o texto Pianíssimo, de Tim Rescala, e recebeu os prêmios Coca-Cola e Mambembe.

Só conseguiu destaque na mídia a partir de 1995, como Renata, a garota do casal Unibanco, ao lado do ator João Camargo. Foram mais de 30 campanhas em cinco anos.

Desde então, com uma carreira importante consolidada no teatro, vem desenvolvendo uma trajetória notável também na telinha, onde participou de vários sucessos da teledramaturgia brasileira. Com uma interpretação maliciosa e tecnicamente precisa desempenhou papéis marcantes que provaram seu talento e versatilidade, indo da comédia ao drama.

Pelas mãos do autor Walcyr Carrasco, por exemplo, interpretou maquiavélicas vilãs e cômicas mocinhas. Em 1996, numa passagem pela dramaturgia da Rede Manchete, integrou o elenco da novela Xica da Silva, como a terrível e diabólica Violante, que lhe valeu o prêmio APCA de Melhor Atriz daquele ano. Quatro anos depois, na Globo, mais uma vez deu vida a antagonista de uma novela, ao despontar como a ardilosa Marcela de O Cravo e a Rosa. Em 2002, participou da telenovela Desejos de Mulher como Gilda.[1] Na sequência, surpreendeu como a manicure Márcia, co-protagonista de Chocolate com Pimenta. O fato repetiria-se, anos depois, quando interpretou a perua falida Olívia de Alma Gêmea.

De Walter Negrão partiu o convite para que interpretasse sua primeira protagonista em novelas, a governanta Madalena de Era Uma Vez, em 1998. Também esteve presente em diversos humorísticos como Garotas do Programa, TV Pirata, Os Normais, Os Aspones, entre outros.

A partir dos anos 2000, foi dirigida por cineastas de primeira linha em filmes, como: Bossa Nova, de Bruno Barreto; Amores Possíveis, de Sandra Werneck; e Onde Anda Você?, de Sérgio Rezende.

Em 2008, voltou a interpretar um papel dramático na TV ao compor o elenco da minissérie Queridos Amigos. Também nesse ano, estreou no Festival de Curitiba seu primeiro monólogo, A Ordem do Mundo, pelo qual foi indicada pela terceira vez ao Prêmio Shell na categoria de Melhor Atriz. A premiação é considerada a mais importante no teatro.

O início de 2009, a trouxe de volta no especial Decamerão - A Comédia do Sexo, da Globo, que voltou a ser exibido no segundo semestre em forma de seriado. Simultaneamente, esteve em cartaz com o filme Os Normais 2.

Drica é uma das fundadoras da Cia dos Atores, um dos grupos teatrais de maior destaque no país. Com a Cia participou de espetáculos como Noticias Cariocas, em 2004, O Rei da Vela, em 2000 e Melodrama, em 1999, entre outros.

Paralelamente ao trabalho junto à companhia, atuou em outras peças, como Pixinguinha, de Amir Haddad, em 1994; O Crime do Dr. Alvarenga, texto e direção de Mauro Rasi, em 1999; Vítor ou Vitória, adaptação do filme homônimo de Blake Edwards, com direção de Jorge Takla, em 2001; e Mamãe Não Pode Saber, em 2002.

Em 2006, fez uma participação especial na novela Pé na Jaca, como a assessora particular da modelo Maria Bo, interpretada por Fernanda Lima. Para o papel havia sido escolhida a atriz Malu Mader, que recusou o convite. Um fato curioso, é que quatro anos depois, em 2010, Malu Mader foi escalada para substituir Drica no remake de Ti Ti Ti, no papel da editora de moda Suzana Martins, ex-mulher do protagonista Ariclenes, interpretado por Murilo Benício. Drica não pôde aceitar o convite por estar com problemas de saúde.

Antes de ser atriz, Drica pensava em ser desenhista e participou da confecção de um livro de poesias, criando as gravuras que ilustram a obra.[2] Em julho de 2010, estreou em circuito nacional o filme O Bem Amado, no qual interpreta uma das Irmãs Cajazeiras. Meses depois, em janeiro de 2011, o filme foi exibido pela Rede Globo como uma série divida em quatro capítulos.

Drica voltou à TV, já recuperada em fevereiro de 2011, um ano após a descobrir um câncer. Ela atuou em Ti Ti Ti como a fisioterapeuta Teresa Batalha, em uma participação especial nos últimos capítulos da trama. No mesmo ano participou de 1 episódio da série A Grande Família.[3]

Em 2012, esteve na minissérie Dercy de Verdade, ela interpretou Clô Prado.[4] [5] No mesmo ano, voltou as novelas no remake de Guerra dos Sexos.[6] Em 2014, entra no elenco de Doce de Mãe, interpretando Rosalinda[7] e na novela Império, interpretando Cora, a grande vilã da história.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Em 1994, nas gravações de um seriado na tv, conheceu o diretor Régis Farias. No mesmo ano casaram-se. Em 1998 Drica descobriu estar grávida, para sua felicidade, mas em poucos meses sofreu um aborto espontâneo, ficando em grave depressão e não querendo engravidar novamente. Em 2003, o casal não estava mais se entendendo, e decidiram-se pelo divórcio.[8]

Em 2003 conheceu e se casou com o produtor cultural Raul Shimdt. Em 2009 Drica realizou seu maior sonho, o de ser mãe: Por não querer engravidar de novo, por medo de sofrer outro aborto, Drica e Raul entraram na fila de espera do orfanato e deram entrada no pedido de adoção, até que conseguiram adotar um bebê de 1 mês de vida, a quem batizaram de Matheus. Ela diz que não pretende esconder do filho o fato dele ser adotivo e que pretende adotar outro bebê depois que Matheus estiver maior. Em 2010, por discussões conjugais, Drica se divorciou de Raul.[9]

Doença[editar | editar código-fonte]

Em Fevereiro de 2010, após fazer muitos exames e ao longo de 1 ano se sentindo muito mal, tendo dores pelo corpo e desmaios, foi internada no Hospital Samaritano para verificar o que tinha, até que houve o diagnóstico de leucemia mieloide aguda. Drica começou então a iniciar sessões de quimioterapia.[10] Seus amigos e parentes mobilizaram uma grande campanha para doação de sangue.[11] [12] [13] Em julho de 2010, submeteu-se a um transplante de medula. Depois de recuperada, Drica concedeu uma entrevista ao programa Fantástico. Durante a entrevista, ela disse, "A vida melhora muito se você não morre". Ela fará tratamento intensivo por mais um ano e será acompanhada a vida toda, para evitar que a doença retorne.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Televisão
Ano Título Papel Notas
1986 Teletema O Sequestro de Lauro Corona
1989 Top Model Cida
1990 Lua Cheia de Amor Isabela
1994 Confissões de Adolescente Patrícia Participação especial
Quatro por Quatro Denise
1996 Xica da Silva Violante
1997 A Comédia da Vida Privada A Voz do Coração
1998 Era Uma Vez Madalena
1999 Você Decide Faça a Coisa Certa
Mulher Zilda Maternidade, Mães de Família
Retrato Falado Sirleide
2000 Você Decide Laurinda Ídolos de Barro
Garotas do Programa
O Cravo e a Rosa Muriel/Marcela de Almeida Leal (Marcela)
2001 Os Normais Bete Todos São Normais
Brava Gente Catiti Lira Paulistana
2002 A Grande Família Nenê, Esposa Carinhosa, Atendimento Personalizado
Desejos de Mulher Gilda
Os Normais Tudo Normal Até Que...
A Grande Família Sheila A Mulher Que Botou Chifre no Capeta
2003 Os Normais Rejane Nosso Já Famoso Episódio Infame
Chocolate com Pimenta Márcia
2004 Os Aspones Moira
2005 Alma Gêmea Olívia
2006 Pé na Jaca Pietra Participação especial
2008 Queridos Amigos Vânia
2009 Decamerão - A Comédia do Sexo Tessa
Norma Regiane Participação especial
2011 O Bem Amado Judicéia Cajazeira
Ti Ti Ti Teresa Batalha Participação especial
A Grande Família Margareth Aqui se Faz, Aqui se Paga
2012 Dercy de Verdade Clô Prado
A Grande Família Silvia A Rosa Púrpura do Bairro
Guerra dos Sexos Nieta Carneiro
2014 Doce de Mãe Rosalinda [7]
Império Cora Bastos [14] [15] [16]
Cinema
Ano Título Papel Notas
1990 Vaidade Curta-metragem
1992 Manôushe
1995 Mandarim
As Meninas Lia
1998 Traição Esposa
2000 Bossa Nova Nadine
2001 Amores Possíveis Carol
2004 Onde Anda Você Paloma
2009 Os Normais 2 Silvinha
2010 O Bem Amado Judicéia Cajazeira
2011 Bruna Surfistinha Larissa
2014 Getúlio Alzira Vargas
Teatro
Ano Título Notas
1983 Os Doze Trabalhos de Hércules Atriz
1984 Nossa Cidade Atriz
1985 Chapeuzinho Vermelho Atriz
1989 O Segredo de Cocachim Atriz
1990 A Bao A Qu Direção de Arte
1992 A Morta Direção de Arte e Atriz
1993 Só Eles o Sabem Atriz
Pianíssimo Atriz
Pixinguinha Atriz
1999 O Crime de Dr. Alvarenga Atriz
Melodrama Atriz
2000 O Rei da Vela Atriz
2001 Vítor ou Vitória Atriz
2002 Mamãe Não Pode Saber Atriz
2004 Noticias Cariocas Atriz
2008 A Ordem do Mundo Atriz
2012 À Primeira Vista Atriz

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Premiações
Ano Categoria Premiação Notas
1989 Melhor Atriz por O Segredo de Cochachim Prêmio Coca Cola Venceu
Melhor Atriz por O Segredo de Cochachim Prêmio Mambembe Venceu
1993 Melhor Atriz por Pianíssimo Prêmio Mambembe Venceu
1997 Melhor Atriz por Xica da Silva Prêmio APCA Venceu
Melhor Atriz por Xica da Silva Prêmio Sharp Venceu
2004 Melhor Atriz de Série por Os Aspones Prêmio Qualidade Brasil Venceu
2009 Melhor Atriz por A Ordem do Mundo Prêmio Shell Indicada
2010 Melhor Atriz Coadjuvante por Os Normais 2 Grande Prêmio de Cinema Brasileiro Indicada
2012 Melhor Atriz Coadjuvante por Bruna Surfistinha XI Grande Prêmio do Cinema Braileiro Venceu

Referências

  1. Drica Moraes completa 41 anos! (em português). Caras (29 de julho de 2010). Página visitada em 1 de janeiro de 2012.
  2. Biografia. Página visitada em 27 de dezembro de 2011.
  3. Lineu esquece de fazer aposta e gera crise. Globo.com. Página visitada em 27 de dezembro de 2011.
  4. Redação Rede Globo (2 de janeiro de 2012). Dercy de Verdade: Drica Moraes volta à TV para viver amiga da humorista. Globo.com. Página visitada em 2 de janeiro de 2012.
  5. Veja fotos dos bastidores de Dercy de Verdade, que tem Drica Moraes e Guilherme Gonzalez no elenco. Contigo!. Abril.com (20 de dezembro de 2011). Página visitada em 27 de dezembro de 2011.
  6. Nieta. Globo.com. Página visitada em 25 de maio de 2013.
  7. a b UOL, São Paulo (16 de janeiro de 2014). Drica Moraes diz que é "deleite" atuar com Fernanda Montenegro. UOL Televisão. Página visitada em 18 de março de 2014.
  8. DRICA MORAES. Guia da semana. Página visitada em 13 de fevereiro de 2012.
  9. Drica Moraes adota um bebê. A Tarde (29 de julho de 2009). Página visitada em 13 de fevereiro de 2012.
  10. Leucemia de Drica Moraes tem até 60% de chance de cura. Terra Networks (26 de fevereiro de 2010). Página visitada em 13 de fevereiro de 2012.
  11. Drica Moraes volta a ser internada no Rio. MSN (8 de abril de 2010). Página visitada em 27 de dezembro de 2011.
  12. Drica Moraes volta a ser internada no Hospital Samaritano. O Globo. Globo.com. Página visitada em 27 de dezembro de 2011.
  13. Atriz Drica Moraes é diagnosticada com leucemia. Folha.com. UOL (12 de fevereiro de 2010). Página visitada em 27 de dezembro de 2011.
  14. Gshow (20 de junho de 2014). Confira a primeira foto de Drica Moraes como a grande vilã de 'Império'. Extras - Império. Página visitada em 21 de junho de 2014.
  15. Patrícia Kogut (21 de fevereiro de 2014). Drica Moraes é cotada para ser a grande vilã de novela das 21h. O Globo. Página visitada em 21 de junho de 2014.
  16. UOL (20 de junho de 2014). Drica Moraes vai infernizar a vida da irmã na próxima novela das nove. UOL Televisão. Página visitada em 21 de junho de 2014.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Este artigo sobre uma atriz é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.