Xica da Silva (telenovela)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde dezembro de 2011). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Xica da Silva
Informação geral
Formato Telenovela
Duração 45 minutos aprox.
Criador(es) Walcyr Carrasco
País de origem  Brasil
Idioma original (em português)
Produção
Diretor(es) Walter Avancini
Elenco Taís Araújo
Victor Wagner
Drica Moraes
Giovanna Antonelli
e grande elenco.
Tema de abertura "Xica Rainha" - Marcus Viana, Patrícia Amaral e Transfônica Orkestra
Exibição
Emissora de
televisão original
Brasil Rede Manchete
Transmissão original 17 de setembro de 1996 - 11 de agosto de 1997
N.º de episódios 231 (original)
231 (reexibição no SBT)
Cronologia
Último
Último
Tocaia Grande
Mandacaru
Próximo
Próximo

Xica da Silva é uma telenovela brasileira produzida pela extinta Rede Manchete e exibida entre 17 de setembro de 1996 a 11 de agosto de 1997. Escrita por Walcyr Carrasco (sob o pseudônimo Adamo Angel) e dirigida por Walter Avancini.

Xica da Silva é a única novela cujos protagonistas são baseados em pessoas e fatos reais. Francisca da Silva de Oliveira de fato viveu no Arraial do Tejuco, hoje Diamantina, no século XVIII. Sua vida já fora romanceada por Agripa Vasconcelos no livro Chica que manda e através do filme de Cacá Diegues, que tem o mesmo nome da novela, em 1976. Tudo isso fez com que Taís Araújo fosse a primeira protagonista negra, em uma novela, da história da televisão brasileira.

Contou com Taís Araújo, Victor Wagner, Drica Moraes, Giovanna Antonelli, Murilo Rosa, Carla Regina e Guilherme Piva nos papéis principais da trama.

Foi reexibida na íntegra pelo SBT de 28 de março a 9 de dezembro de 2005.

Trama[editar | editar código-fonte]

A história de Xica da Silva, escrava que virou rainha em pleno século XVIII. Atrevida e muito inteligente, Xica conquistou o homem mais rico e poderoso do Arraial do Tijuco, deixou de ser escrava e escandalizou a sociedade hipócrita de sua época, movida pela cobiça do diamante.

No Brasil daquela época, o homem mais importante era o Contratador Felisberto Caldeira Brant, encarregado pelo rei do manejo das minas de diamantes do Arraial do Tijuco. Quando o contratador decide vender Xica, sua escrava e filha (segredo escondido há anos) ao Capitão do Mato Jacobino, para torná-la prostituta, a jovem mucama se vinga roubando-lhe toda a sua fortuna em diamantes guardada num baú, ainda mais porque é rejeitada pelo contratador, que nega ser seu pai. O plano, executado por Xica com a cumplicidade do seu melhor amigo, escravo Quiloa, apaixonado pela escrava, arruina seus senhores que são enviados à prisão em Portugal. Com a fortuna em mãos e, para não levantar suspeitas, Xica e Quiloa decidem esconder o baú recheado de diamantes para que, mais tarde, tivessem dinheiro bastante para comprar as suas cartas de alforria. Com isso, Xica se vinga de seu pai, deixando-o na miséria por todo mal que ele fez a ela, a sua mãe e a seus amigos.

Com a desgraça da família do Contratador, Quiloa foge para um quilombo, enquanto Xica e sua mãe são vendidas para o Sargento-mor Tomaz Cabral, que viola Xica (tirando-lhe a virgindade), por quem passa a nutrir ódio mortal. Sua nova dona é a perversa Violante, filha de Cabral. Na casa do Sargento-mor, Xica sofre muito e lá conhece o futuro amor de sua vida, o novo contratador da região, João Fernandes de Oliveira. Prometido a casar-se com Violante, o moço se encanta ao ver a escrava e resolve comprá-la. Não querendo desagradar o Contratador, futuro marido de sua filha, Tomaz Cabral vende a negra, para alívio desta, que assim livra-se dos maus tratos.

A escrava é enviada ao contratador, mas ela, por medo e trauma, nega-se a dormir com ele, e isto aguça ainda mais o desejo do rapaz, que é bom e não força nenhuma escrava. João, encantado pela beleza de Xica, decide esperar que ela mesma o procure. Fascinado pela negra, e depois de tanto brigar com Violante, pelo seu jeito ciumento, mimado e arrogante, o contratador rompe o noivado e decide assumir sua paixão pela escrava em público. Esperta e decidida, Xica, alforriada, cerca-se dos maiores luxos possíveis, com muitas perucas, roupas, jóias importadas, mucamas e até um mar com um navio de verdade em sua fazenda.

Xica transforma-se numa verdadeira rainha, sempre esnobando a nobreza que antes a espezinhava. Apaixonada pelo contratador, ela está disposta a defender sua relação com unhas e dentes, batendo de frente com a elite e com Violante, que a inferniza constantemente, demonstrando seu amor doentio pelo contratador. Violante junta esforços com uma bruxa, que faz uma poção de sedução para uma escrava ambiciosa que seduz o contratador, mas logo tudo se acaba quando Xica manda tirarem todos os dentes da escrava para presentear o contratador, uma vez que percebera o interesse dele pela escrava. Violante sempre trama contra Xica, mas a maneira mas fácil de se vingar que encontra é maltratar Maria, a mãe de Xica, que ainda é sua escrava, marcando-a com ferro quente, chicoteando-a, acorrentando-a a pão e água, mas quando descobre, Xica a rouba de Violante e em seguida a compra com o auxilio do contratador. Xica vinga-se das maldades do povo do arraial, envenenando a água do tijuco para fazer com que todos se humilhem diante dela pedindo água. Mais tarde é acusada de bruxaria, por armação de Violante, é presa e condenada à fogueira pela Igreja e ainda vê sua mãe morrer na sua frente, amarrada em vários cavalos e esquartejada. Para libertar Xica, o contratador concorda em casar-se com Violante, que, influente, retira as acusações forjadas por ela mesma, libertando a ex-escrava. João Fernandes e Violante viajam para Portugal, separando assim o contratador de sua amada. Logo após a cerimônia, João Fernandes recusa-se a consumar o casamento e abandona Violante em seu castelo, ficando ela louca de desejo, querendo tê-lo de volta. Acaba internada e enlouquece de vez. João vem rever Xica no Brasil, com quem tem dois filhos.

Xica da Silva e contratador[editar | editar código-fonte]

Xica era escrava da casa da fanática Violante quando foi comprada pelo contratador, e já em sua casa se apaixonaram fazendo com que o contratador terminasse com seu noivado com Violante, tornando-a a inimiga número um de Xica. Com a ajuda de Zé Maria e da costureira Elvira, Xica tornou-se uma rainha, muitas vezes humilhada pela sociedade da época. Mas logo aprendeu a se defender de Violante. Seu amor pelo contratador João Fernandes a conduzia a fazer diversas loucuras e desmandos, como arrancar os dentes de uma escrava que tinha a intenção de conquista-lo, arrancar os lábios de outra mulher que também tentara conquista-lo. Muitas vezes Violante tentou avisar sua majestade, o rei dom José I das coisas que Xica fazia, ele mandou homens para representa-lo, mas de nada adiantou os planos maléficos de Violante. Sim, uma vez ela separou o contratador de Xica com uma intriga, mas quando voltaram, ele deu um mar para ela, com um maravilhoso navio. Quando Xica dá a luz Violante convence o contratador de mandar o menino pra ser criado longe, mas Xica se vinga de todo o arraial do tijuco que ficara feliz com sua desgraça, ela coloca ervas nos poços de todo o arraial fazendo com que a água fique amarga e todos se humilhem diante dela, pedindo água.

Violante consegue que o rei mande uma nova autoridade ao arraial, o conde Valadares, que na verdade quer o posto de contratador. Esse homem é terrível, mas não tanto quanto o inquisidor Frei Expedito, que se apaixona por Violante, e juntos conseguem acusar Xica de bruxaria, e quase conseguem queima-la viva.

Violante[editar | editar código-fonte]

É uma senhorinha sagaz e de temperamento forte. Mimada pelo pai, que não lhe impõe os limites a que as moças da época estavam sujeitas, não admite ser contrariada. Tem os nervos abalados por dois noivados desfeitos: no primeiro foi trocada por uma meretriz e viu o noivo ser enforcado por traficar diamantes; o segundo noivo, o contratador João Fernandes trocou-a por Xica da Silva, uma mera escrava. No decorrer da história torna-se mais e mais intolerante, prepotente, vingativa e fanática por religião. Sempre faz de tudo para o pai, o sargento-mor Thomaz Cabral bater e humilhar a madrasta Micaela, a quem inveja. Tenta de todas as formas destruir Xica e não mede esforços para reconquistar o contratador, com quem finalmente consegue se casar, mas acaba sozinha num enorme palácio, insana por não ter o amor que sempre almejou.

Martin e Das Dores[editar | editar código-fonte]

Outra parte da novela conta a historia de amor melodramática de Martin e Das Dores. São dois apaixonados, mas com a ruína do pai de dom Martin, os pais de Das Dores, o capitão-mor Emanuel Gonçalo e dona Maria do Céu Gonçalo impedem o relacionamento. Louca de sofrimento, Das Dores finge-se de morta e vive sua história de amor no quilombo dos negros fugidos. Das Dores é encontrada grávida, e vai presa como bruxa sendo acusada de morta-viva e de ter tido relações com o demônio quando esteve morta e de carregar um filho dele.

Seus pais, duros e cruéis, fazem de tudo para que ela seja enforcada. Certa falsa freira vem tratar de Das Dores e da gravidez enquanto ela está presa; na verdade ela é uma megera, que maltrata das Dores e rouba seu filho quando nasce, é claro que recuperam, mas Das Dores acaba sendo colocada na forca, Xica manda um menino roer as cordas, e assim Das Dores cai da forca; todos tomam isso como uma prova do céu provando sua inocência.

Das Dores fica com Martin novamente, só que o capitão e dona Céu conseguem a guarda do menino. Contudo, o capitão-mor é assassinado. Dona Céu fica com o menino, das Dores, desesperada vai viver junto da mãe a obedecendo em tudo, e se casa com o capitão-do-mato Jacobino, um homem porco, sujo e bruto. Das Dores não tem relações com ele jamais. Mas o conde Valadares se apaixona por ela, e sabendo que ela ama dom Martin, o prende como assassino do Capitão-mor. Martin acredita que Das Dores é uma qualquer a partir do momento que Jacobino fica foragido como verdadeiro assassino do capitão-mor e ela assume a taverna dele. Martin e Violante tiram o filho de Das Dores e entregam ao inquisidor. Depois Martin percebe que fez uma besteira. Dona Céu tenta roubar a fortuna de Jacobino, mas ele a contorna. Ela acaba uma mendiga alcoólatra. Das Dores e Martin fogem com a irmãzinha dela e o filho pra bem longe. E acabam sendo felizes no final

Maria[editar | editar código-fonte]

Mãe de Xica, escrava sofrida. Inicia sendo escrava de Violante, e Violante desconta nela o concubinato do contratador com Xica. O contratador a compra e alforria. Ela tenta ir viver no quilombo, mas a desprezam. na verdade ela mata o capitão-mor Emanuel Gonçalo com uma facada na barriga. Já no final da trama a descobrem, mas Xica e os negros do quilombo a salvam, mas num outro resgate ela quebra o pé e tem um triste fim, sendo presa e morta por esquartejamento nos cavalos e seus pedaços são dados aos urubus.

Elvira e Zé Maria[editar | editar código-fonte]

Zé Maria sempre teve fama de sodomita, mas se casa com Elvira, ex-prostituta. Os dois tentam ter um filho por toda a novela, e só conseguem mesmo no final da novela. Há também o mucamo Paulo, escravo deles, e essa parte dá à novela um contraponto cômico.


Elenco[editar | editar código-fonte]

Taís Araújo interpretou a protagonista Xica da Silva
Murilo Rosa interpretou Martim
Adriane Galisteu interpretou Clara, a Mãe D'Agua
Giovanna Antonelli interpretou Elvira
Dalton Vigh interpretou Frei Expedito
Zezé Motta interpretou Maria

Atores portugueses[editar | editar código-fonte]

As crianças[editar | editar código-fonte]

  • Ludmila Dayer - Isabel Gonçalo
  • Ingrid Friedman - Ana Gonçalo
  • Otávio Victoriense - Carlos Cabral

Participações especiais[editar | editar código-fonte]

  • Marcos Breda - Amadeu
  • Sílvia Buarque - Elisa
  • Zózimo Bulbul - Caetano
  • Cicciolina - Ludovica de Castelgandolfo
  • Cláudia Borioni - Teodora
  • Walney Costa - Lourenço
  • Ivano Nascimento - Diogo
  • Érica Marques - Benedita
  • Dona Zica - Josefina
  • Ademir Zanyor - Bartolomeu da Silva de Oliveira
  • Fernanda Laculi - Noviça
  • Lílian Pacheco - Noviça
  • Marcela Carvalho - Noviça
  • Ana Luiza - Noviça
  • Stella Alane - Noviça
  • Airam Pinheiro - Dragão
  • Alexandre Wacker - Dragão
  • Camacho Costa - Bispo
  • Matheus Aguiar
  • Marcos Apolo
  • Ana Paula Cândido
  • Edson Branco
  • Eliseu de Souza
  • Geralda Lopes
  • Marcos Silva
  • Mônica Moura
  • José Araújo
  • Junio Guindane
  • Denys Laurentino
  • Almir Martins
  • Rômulo Oliveira
  • Bruno Pacheco
  • Luciana Perez
  • Lorena Rigaud
  • Achla Teixeira
  • Núbia de Oliveira
  • Túlio Abreu

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

  • Capa: Thaís Araújo
  • Gravadora: Bloch Som e Imagem
  • 1) Xica rainha - Patrícia Amaral, Marcus Viana e Transfônica Orkestra (Tema de abertura)
  • 2) Qüenda - Patrícia Amaral (Tema de Xica)
  • 3) Trindade - Marcus Viana (Tema de Luiz Felipe e Michaela)
  • 4) Concerto de outono - Transfônica Orkestra (Tema de Zé Maria)
  • 5) Caco de estrela - Zezé Motta (Tema de Xica)
  • 6) Toque de alba - Transfônica Orkestra (Tema do Contratador João Fernades)
  • 7) Canção de ninar - Carla Villar (Tema de Clara)
  • 8) Tema de Xica(Qüenda) - Marcus Viana (Tema de Xica e João Fernandes)
  • 9) Capitão do mato - Tranfônica Orkestra (Tema de Jacobino)
  • 10) Encontro das águas - Eduardo Dusek (Tema de Martim e Das Dores)
  • 11) Escarlate - Marcus Viana e Transfônica Orkestra (Tema de Violante)
  • 12) Canção & Lundu - Collegium Musicum Brasiliensis (Tema do núcleo dos escravos)
  • 13) Coroação do rei do quilombo - Transfônica Orkestra (Tema de Quilôa)
  • 14) Brincadeiras Barrocas. 14.1) Antífona de Nossa Senhora.
  • 14.2) Travessuras - Transfônica Orkestra (Tema de Úrsula e Xavier Cabral)

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • A novela causou muita polêmica na época por exibir Taís Araujo seminua com apenas 17 anos. A vara da Criança e do Adolescente do Rio de Janeiro notificou publicamente a Rede Manchete além de protestos de setores da sociedade pedindo para retirada da novela do ar.
  • Taís Araújo estava prestes a fazer 18 anos quando começou a fazer a novela, sendo a primeira protagonista de sua carreira. Sua segunda protagonista foi em Da Cor do Pecado quando tinha 24 anos e sua terceira protagonista foi em Viver a Vida, aos 31 anos. Também viveu uma das protagonistas de Cheias de Charme em 2012 aos 33 anos.
  • Xica da Silva levou a Rede Manchete de volta ao segundo lugar na audiência geral da televisão brasileira, depois de alguns anos em crise.[1] Mais uma vez a arma utilizada foi o erotismo e a forte retratação histórica. Para tanto a emissora investiu em torno de 6 milhões de dólares na produção. A novela contou com cerca de 150 figurantes e uma equipe de cerca de 70 profissionais entre câmeras, técnicos, cenógrafos e pessoal de apoio.
  • Com primorosa e caprichada direção de Avancini, Xica da Silva foi uma novela empolgante, forte, sensual, realista, e não poupou em cenas de violência explícita. São inúmeras as sequências de assassinatos, execuções, estupros e até torturas. Um dos fortes momentos da novela aparece quando Maria, mãe de Xica, é morta tendo seus braços e pernas amarrados a quatro cavalos que, assustados por um tiro, correm em direções contrárias, esquartejando o corpo da negra em praça pública. Além dessa, as cenas que envolviam as bruxarias de Benvinda e Violante não economizaram em tecnologia e realismo.
  • As cenas de nudez ganharam destaque na trama. Adriane Galisteu foi quem mais apareceu nesta condição. Taís Araújo, por sua vez, não tinha idade para aparecer nua. A atriz era menor de idade, e por isso, quando ela fez 18 anos, Avancini comemorou. Uma semana depois do seu aniversário e depois de mais de 50 capítulos de espera, a atriz apareceu nua no capítulo do dia 2 de dezembro de 1996. A expectativa foi tanta que foi produzida uma chamada especial onde o locutor da emissora, Eloy Decarlo, dizia: "no calor do verão, Xica da Silva faz 18 anos". O assunto foi, inclusive, capa da Revista Manchete.
  • Destacou-se na novela a atriz Drica Moraes ao interpretar a vilã Violante, um papel marcante e um dos melhores de sua carreira.
  • O ator Alexandre Lippiani, que vivia o Padre Eurico, faleceu em desastre de automóvel em maio de 1997, antes do final das gravações faltando duas semanas para o final. Ele era dublador de filmes, principalmente do seriado "As Novas Aventuras do Super-homem", onde colocava a sua voz em Clark Kent.
  • Em 2005, o SBT causou uma grande surpresa no mercado televisivo brasileiro ao anunciar que adquiriu os direitos de exibição da novela; estreou a reprise em 28 de março, indo até 9 de dezembro do mesmo ano, às 22h. A trilha sonora da abertura da novela não era como na Rede Manchete com o tema Xica Rainha da Bloch Som e Imagem. O sucesso da reprise de Xica da Silva, que triplicou a audiência da emissora de Sílvio Santos recolocando-a na vice-liderança no horário, levou a Rede Bandeirantes a comprar os direitos de exibição de outra novela da Rede Manchete, Mandacaru, e reprisá-la no mesmo horário em 2006.[2] [3]
  • O cantor Kiko Zambianchi e os atores Eduardo Conde, Rômulo Arantes e Cássia Linhares não participaram da novela, embora tenham seus nomes citados pela divulgação, na época.
  • O ator Marco Polo gravou os primeiros capítulos no papel de Zé Maria, inclusive aparecendo nas chamadas, mas desistiu do trabalho e foi substituído por Guilherme Piva, que fazia o papel de um "Dragão".
  • Taís Araújo se consagrou como a personagem título da novela, mesmo com as cenas em que aparecia nua e o sucesso de seu trabalho acabou levando a atriz para a Rede Globo.
  • Giovanna Antonelli processou o SBT por ter exibido a novela em 2005 sem a sua autorização. A atriz perdeu em segunda instância, tendo direito apenas a receber os direitos conexos (cerca de 10%).
  • Na abertura original da novela, exibida na extinta Rede Manchete, foram utilizadas fotos da igreja de São Francisco de Assis em Ouro Preto. As pinturas da igreja foram fotografadas e retocadas e animadas e deram origem a abertura que escandalizou os espectadores, pois nela, Xica é colocada no lugar de Nossa Senhora da Conceição que enfeitava a cúpula da igreja barroca. No final da abertura, um anjo tenta arrancar a roupa de Xica vestida de Nossa Senhora.

Países em que foi exibida e repercussão[editar | editar código-fonte]

Xica da Silva foi exibida na TVI (Portugal) em 1997 e reexibida na SIC (Portugal) em 2003.[4] Teve êxito no exterior, sendo transmitida em vários países como Rússia, Bolívia, Porto Rico, Panamá, Paraguai, Guatemala[5] . No Chile a novela foi líder absoluta também em sua reprise[6] . Na República Dominicana a novela foi exibida quatro vezes e a atriz Taís Araújo foi recebida com honras de chefe de Estado[7] [8] . Foi transmitida também em Angola,[9] , Venezuela,[10] Equador,[11] Honduras[12] Nicarágua[13] Argentina,[14] , Colômbia, Peru e Estados Unidos[15] [16] [17] [18] . A novela fez sucesso nos Estados Unidos: segundo The New York Post (por Joe Rubi, 2000) foi a novela mais falada no país depois de Dallas (série) e dobrou a audiência da Telemundo; conforme Marc Berman, colunista de Mediaweek Online (2000), Xica recuperou a emissora como um todo. Taís Araújo foi contratada pela Telemundo por um ano para promover a novela e participou de um reality show da emissora. Por conta do êxito de Xica fez participação especial no também sucesso colombiano, Betty, a Feia. Na época foi eleita pela revista People espanhola uma das 50 personalidades mais bonitas do mundo[19] [20] [21] . De 14 de Novembro de 2006 a 24 de Agosto de 2007, Xica foi reapresentada nos EUA (pela terceira vez), porém, pela TV Azteca America. Em 2009, foi atração novamente na Argentina e conquistou mais um grande êxito: obteve excelente audiência no país a ponto de alcançar excelentes 9.3 pontos de média, ocupando o terceiro lugar isolado no ranking do Ibope. Encerrou sua jornada em terras portenhas como maior êxito fora das duas principais redes daquele ano. No último capítulo marcou 9 pontos de média, a melhor marca da emissora naquele dia[22] . Em 2010, Xica foi transmitida na Colômbia (por segunda vez), no canal local privado de Bogotá City tv, no Canal 5 Paravisión do Paraguai, no Chile pelo Telecanal e Chilevision, no Equador por RTS e ecuavisa e na Guatemala (por segunda vez) no canal 3, onde foi um grande êxito novamente. Em 22 de Julho de 2014 a novela estreou no Continente Africano nos países de Língua Portuguesa pela DSTV1.

Referências

  1. http://exclusivo.terra.com.br/interna/0,,OI1141199-EI1118,00.html
  2. http://home.areavip.com.br/noticia.php?id=6420
  3. http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u50787.shtml
  4. http://www.ics.uminho.pt/dcc/doc/felisbela/IV%20LUSOCOM.htm
  5. http://www.observatoriodaimprensa.com.br/artigos.asp?cod=555TVQ005
  6. http://cuarta.cl/diario/2003/03/26/26.17.4a.ESP.XICADASILVA.html
  7. http://www.sabordominicano.com/blog/2008/03/18/dos-nuevas-telenovelas-brasilenas-por-teleantillas/
  8. http://www.terra.com.br/istoegente/126/exclusivas/index.htm
  9. http://www.nexus.ao/missangola/2003/info.htm
  10. http://www.notitarde.com/historico/1998/10/12/valencia/index.html
  11. http://www.ecuavisa.com/Desktop.aspx?Id=549
  12. http://www.root\televicentro.hn\new\connect.php
  13. http://archivo.elnuevodiario.com.ni/1999/febrero/16-febrero-1999/martes/martes5.html
  14. http://www.clarin.com/diario/2001/04/25/c-00401.htm
  15. http://www.tiwy.com/noticias/2000/esp-09.php3
  16. http://chic.ig.com.br/site/secao.php?secao_id=2&materia_id=3249
  17. http://query.nytimes.com/gst/fullpage.html?res=9E0CE6D81238F934A2575AC0A9669C8B63
  18. http://www.no.com.br/revista/secaoparaimpressao/1091/8925/970712110000
  19. http://www.achetudoeregiao.com.br/noticias/supergatas0017.htm
  20. http://www.thelifefiles.com/2010/05/03/time-for-people-en-espanol%E2%80%99s-%E2%80%9C50-most-beautiful%E2%80%9D-celebrities
  21. http://www.peopleenespanol.com/pespanol/articles/0,22490,1055202,00.html
  22. http://natelinha.uol.com.br/2009/09/10/not_25263.php
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Xica da Silva