Seda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde junho de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Casulo do bicho-da-seda
Pintura chinesa do século XII mostrando mulheres fabricando seda
Casulos sendo mergulhados em água em fábrica de seda em Suzhou, na República Popular da China
Memorial do paraquedista em Sainte-Mère-Église, na Normandia, na França. Durante muito tempo, os paraquedas foram fabricados quase exclusivamente de seda.
Um scarf de seda

A seda é uma fibra proteica usada na indústria têxtil. Obtém-se a partir dos casulos do bicho-da-seda.

A fibra de seda natural é um filamento contínuo de proteína, produzido pelas lagartas de certos tipos de mariposas, sendo uma das matérias-primas mais caras. As lagartas expelem através das glândulas o líquido da seda (a fibroína) envolvido por uma goma (a sericina), os quais se solidificam imediatamente quando em contato com o ar.

A seda é utilizada para se produzir tecidos leves, brilhantes e macios. Os tecidos são usados em camisas, vestidos, blusas, gravatas, xales, luvas etc. A seda tem uma aparência cintilante, devido à estrutura triangular da fibra, parecida com um prisma, que refrata a luz.

Acredita-se que os chineses começaram a produzir seda por volta do ano 2700 a.C.. Reza a lenda que a imperatriz Si Ling Chi descobriu a seda quando um casulo de bicho-da-seda caiu de uma amoreira dentro de sua xícara de chá. Depois de experimentar algumas vezes, ela, finalmente, conseguiu tecer o filamento da seda em um pedaço de tecido.

A seda era considerada a mais valiosa mercadoria da China e gerou a famosa rota da Seda, a mais importante rota comercial da época. A manufatura da seda era um segredo de estado, muito bem guardado até o ano 300, quando se tornou conhecida na Índia. Ou seja: 3 000 anos após sua descoberta pelos chineses.

Obtenção[editar | editar código-fonte]

O bicho-da-seda é criado aos milhares. Após trinta dias se alimentando apenas de folhas de amoreira, o bicho-da-seda tece o seu casulo e, dentro dele, se transforma em crisálida.

O processo de tecelagem da seda continua o mesmo nos dias de hoje. Na sericicultura, os casulos são mergulhados em água quente para liberar os filamentos da substância chamada sericina da seda, matando a larva do bicho-da-seda. A substância, ao ser retirada dos fios, deixa estes com a cor brilhante característico da seda. Os filamentos são combinados para formar fios, que são enrolados e finalmente secos. Cada casulo pode render de 458 a mil metros de seda, sendo cada casulo composto por apenas um longo fio . Cerca de cinco quilogramas de casulos são necessários para produzir um quilograma de seda em bruto.

Vale da Seda[editar | editar código-fonte]

O Paraná participa com 92% da produção brasileira de casulos de bicho-da-seda, uma atividade desenvolvida em pequenas propriedades rurais, com área média de 2,5 ha e predominância do trabalho familiar, representando uma alternativa importante para a melhoria da renda dessas famílias. A sericicultura contribui significadamente a redução do êxodo rural, pois gera um emprego para cada hectare plantado com amoreira, cujas folhas são o único alimento do bicho-da-seda. São necessários trezentos hectares de soja para gerar um único emprego no campo.

A sericicultura paranaense é desenvolvida em 219 municípios. Dados da safra de 2009 informam que o Paraná conta com 4 524 famílias de sericicultores, que cultivam uma área de 11 464 hectares de amoreiras. As 4 456 toneladas de casulos produzidos na safra de 2009 geraram um valor bruto do produto (VBP) de 29 599 540 reais, segundo a EMATER-PR.

Apenas como referência, caso somente dez por cento dessa produção fosse destinada à produção de lenços e cachecóis de seda, comercializados na região sob a etiqueta do Vale da Seda, o VBP destes dois artigos seria superior a 71 000 000 de reais, ou o equivalente a mais do dobro da receita gerada por toda a venda de casulos de bicho-da-seda in natura.

No Paraná, nenhuma outra região produz mais casulo de bicho-da-seda do que a região delimitada pela bacia hidrográfica do Rio Pirapó, que envolve 29 municípios no noroeste do Paraná e que constitui o Vale da Seda, região que mais produz casulo de bicho-da-seda em todo o Ocidente. No Vale da Seda, os municípios apresentam uma área média plantada com amoreiras que é o dobro da área média observada nas demais regiões do Paraná. Os municípios que formam o Vale da Seda são: Apucarana, Arapongas, Astorga, Atalaia, Cambira, Colorado, Cruzeiro do Sul, Flórida, Guaraci, Iguaraçú, Itaguajé, Jaguapitã, Jandaia do Sul, Jardim Olinda, Lobato Mandaguaçu, Mandaguari, Marialva, Maringá, Munhoz de Melo, Nossa Senhora das Graças, Nova Esperança, Paranacity, Paranapoema, Presidente Castelo Branco, Rolândia, Sabáudia, Santa Fé e Uniflor.

Para dar suporte ao adensamento da cadeia produtiva da seda no Paraná, o projeto Vale da Seda visa a estabelecer a identidade de procedência Vale da Seda para os artigos de seda produzidos na região.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Callandine, Anthony. (1993). "Lombe's Mill: An Exercise in reconstruction". Industrial Archaeology Review XVI (1). Maney Publishing. ISSN 0309-0728.
  • Good, Irene. 1995. "On the question of silk in pre-Han Eurasia" Antiquity Vol. 69, Number 266, December 1995, pp. 959–968
  • Hill, John E. 2004. The Peoples of the West from the Weilüe 魏略 by Yu Huan 魚豢: A Third Century Chinese Account Composed between 239 and 265 AD. Draft annotated English translation. Appendix E.
  • Hill, John E. (2009) Through the Jade Gate to Rome: A Study of the Silk Routes during the Later Han Dynasty, 1st to 2nd Centuries CE. BookSurge, Charleston, South Carolina. ISBN 978-1-4392-2134-1.
  • Kuhn, Dieter. 1995. "Silk Weaving in Ancient China: From Geometric Figures to Patterns of Pictorial Likeness." Chinese Science 12 (1995): pp. 77–114.
  • Liu, Xinru (1996). Silk and Religion: An Exploration of Material Life and the Thought of People, AD 600-1200. Oxford University Press.
  • Liu, Xinru (2010). The Silk Road in World History. Oxford University Press. ISBN 978-0-19-516174-8; ISBN 978-0-19-533810-2 (pbk).
  • Rayner, Hollins. Silk throwing and waste silk spinning. [S.l.]: Scott, Greenwood, Van Nostrand, 1903.
  • Sung, Ying-Hsing. 1637. Chinese Technology in the Seventeenth Century - T'ien-kung K'ai-wu. Translated and annotated by E-tu Zen Sun and Shiou-chuan Sun. Pennsylvania State University Press, 1966. Reprint: Dover, 1997. Chap. 2. Clothing materials.
  • Kadolph, Sara J. Textiles. 10th ed. Upper Saddle River: Pearson Prentice Hall, 2007. 76-81.
  • Ricci, G et al. "Clinical Effectiveness of a Silk Fabric in the Treatment of Atopic Dermatitis", British Journal of Dermatology (2004) Issue 150. Pages 127 - 131
Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.