Renda (tecido)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rendeira de Bilro, no Ceará.
Renda obispo

A renda é um tecido transparente de malha aberta, fina e delicada, que forma desenhos variados com entrelaçamentos de fios de linho, seda, algodão[1] ou até mesmo de ouro.

É por vezes aplicada como guarnição de vestidos, alfaias e paramentos.

Na sua maioria, as rendas compõem-se de dois elementos:

  • O desenho ou motivo;
  • O fundo, que mantém o desenho unido.

São dois os principais tipos de renda: a renda de bilros e a renda de agulha. Entre outros tipos, incluem-se o crochê (executado com uma agulha) e o frivolité, preparado com naveta, uma espécie de lançadeira, que forma nós com as linhas.

Renda de bilros[editar | editar código-fonte]

Associa-se a renda de bilros aos flamengos da Bélgica e dos Países Baixos, embora seja também executada na Itália, na França, na Inglaterra, em Portugal e no Nordeste do Brasil, onde é conhecida como renda do norte, renda do Ceará ou renda da terra.

O seu desenho é executado sobre uma almofada. O rendeiro fixa pequenas cavilhas na almofada ao longo das linhas do desenho e trabalha com muitos bilros (pequenos fusos de madeira furados), por onde passam os fios. Quando a renda está pronta, o rendeiro retira as cavilhas e a renda da almofada.

Renda de agulha[editar | editar código-fonte]

O fundo, para a renda de agulha, pode ser de tela aberta ou de filetes ligados. Os rendeiros desenham o motivo em papel-pergaminho e fixam-no num fundo de linho encorpado. A renda é executada preenchendo o desenho com pontos caseados. O desenho pode ser preparado separadamente e o fundo acrescentado depois.

Renda renascença[editar | editar código-fonte]

Renda renascença é um trabalho exclusivamente artesanal. Sua trama é executada a partir de um desenho riscado em papel manteiga, fixado em almofada e executada com agulha comum, utilizando linha e lacê (fita de algodão que une as tramas). As peças demoram de semanas a um ano para ficarem prontas, dependendo do tamanho. Sua origem data do século XVI na Europa, daí o nome renascença. Veio para o Brasil com os portugueses e foi ensinada em Pernambuco nos conventos e colégios internos. A renda renascença chegou a Poção (Pernambuco) na década de 30, pelas mãos de uma senhora famosa na cidade, Maria Pastora.

Poção (Pernambuco) é o maior produtor de renda renascença do Brasil.[2] Hoje o Brasil exporta renda para sete países da América, Europa e Ásia.

Dia da Rendeira[editar | editar código-fonte]

O dia da rendeira no Brasil é comemorado dia 04 de maio, o mês de maio foi escolhido por ser o mês das mães e avos que ensinam essa arte para suas filhas, o dia 04 é em homenagem aos quatro operações basicas para se fechar o ponto, foi criado em maio de 2009 por Ômi Rendero No município de Florianópolis foi criado por lei o Dia da Rendeira que será festejado a cada 21 de outubro.[3]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]