Colonização britânica da América

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Colonização europeia
da América
Descoberta e exploração
Colonização alemã
Colonização curlandesa
Colonização dinamarquesa
Colonização escocesa
Colonização espanhola
Colonização francesa
Colonização galesa
Colonização inglesa
Colonização neerlandesa
Colonização portuguesa
Colonização russa
Colonização sueca
Colonização viquingue
Descolonização (Cronologia)
Cronologia
História da América

A Colonização Britânica da América (incluindo a colonização sobre o grand chase o Reino de Inglaterra e sob o Reino da Escócia antes do Tratado de União de 1707 que criaria o Reino Unido da Grã-Bretanha) começou a formar-se no princípio do século XVII, através das Treze Colónias na América do Norte, que foram a origem dos Estados Unidos da América, bem como das províncias marítimas do Canadá. Também se fez a colonização de pequenas ilhas no Caribe, como Jamaica e Barbados, além do Belize e Guiana.

Processo de colonização britânica[editar | editar código-fonte]

O processo deu-se início com a Colonização da América do Norte. As colônias pertencentes à realeza começa a povoar o território concedidos pela Coroa à iniciativa particular. No século XVII já estavam formadas as 13 colônias britânicas. Pequenos e médios proprietários, refugiados políticos e religiosos (protestantes calvinistas) instalam-se ao norte e ao centro. Formaram pequenas propriedades baseadas no trabalho livre e no artesanato.

Algumas atividades industriais foram toleradas no centro-norte por não competir com o comércio da metrópole. A região começou a crescer economicamente e passou a escoar o excedente da produção para os mercados do sul.

Mais tarde foi criado o Comércio Triangular: comerciantes da Nova Inglaterra fabricam o rum para ser trocado por escravos da África, que são vendidos no Caribe e nas colônias do sul. Nos territórios sulistas (Virgínia, Maryland, Carolina do Norte, Carolina do Sul e Geórgia), foi implantada a monocultura do algodão, destinada à exportação.

Uma sociedade baseada no trabalho de escravos africanos se desenvolveu com o tempo e formara-se uma camada de ricos proprietários de terras e grandes comerciantes exportadores.

Entre os principais colonos britânicos destacava-se os casacas vermelhas que protegiam as suas colónias e lutaram contra os franceses e contra os independentistas americanos.

As colónias produtoras de açúcar do Caribe, onde a escravatura se convertera na base da economia, eram as colónias mais importantes e lucrativas para Inglaterra. As colónias americanas produziam tabaco, algodão e arroz no sul e material naval e peles de animais no norte.

Placa em St. John's, Terra Nova, comemorativa da fundação por Gilbert do Império Ultramarino Inglês

O império da Inglaterra na América ia-se expandindo gradualmente mediante guerras e estabelecimento de colónias. A Inglaterra conseguiu controlar Nova Amsterdão (depois chamada Nova Iorque) após as guerras anglo-holandesas. As colónias americanas estendiam-se para oeste em busca de novas terras para agricultura. Durante a Guerra dos Sete Anos, os ingleses venceram os franceses e ficaram com a Nova França em 1760, o que converteria a Inglaterra em dona de quase toda a América do Norte.

Apesar de submetidas ao controle inglês, as 12 colônias instituíram uma tradição de autogoverno, que será fundamental na luta pela independência dos Estados Unidos da America.

Depois, o estabelecimento de colónias na Austrália (que começou com as colónias penais em 1788) e na Nova Zelândia (sob o domínio da Coroa desde 1840) criaram uma nova zona para a emigração de oriundos das Ilhas Britânicas, embora as populações indígenas tivessem que sofrer guerras e, especialmente, doenças trazidas pelos colonos, reduzindo-se em cerca de 60–70% em menos de cem anos. Estas colónias obtiveram depois autogoverno e converteram-se em rentáveis exportadoras de e ouro.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Colónias britânicas na América do Norte, 1763-1775