Tratado de União de 1707

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde dezembro de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Uniões pessoais e legislativas das
Nações constituintes do Reino Unido
Devolução
Soberania

O Tratado de União de 1707 foi um tratado que surge na sequência do Decreto de Estabelecimento de 1701 e de outro conhecido por apenas Tratado de União realizado no ano anterior, em 1706, que aboliu União das Coroas, a independência dos estados do Reino da Inglaterra e do Reino da Escócia, em favor de um novo Estado que se veio a chamar o "Reino da Grã-Bretanha".

Aconteceu principalmente para deixar de haver desacordo entre os os dois reinos, para reforçar o protestantismo, em detrimento das Terras Altas da Escócia que era predominante católica jacobita, e fazer prevalecer internamente o Decreto de Estabelecimento de 1701.

O acordo foi ratificado a 26 de Março de 1707 pelos parlamentos da Inglaterra e Escócia e teve como principais efeitos:

A Rainha Ana da Inglaterra tornou-se a primeira ocupante de um trono britânico único e a Escócia enviou 45 deputados para o parlamento unificado em Londres. Em contrapartida, o direito, a moeda e a Igreja escoceses continuaram separados.

Este evento histórico também é conhecido como "Atos de União de 1707" (Acts of Union, em inglês), uma referência às ratificações do tratado pelos parlamentos dos dois países.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre o Reino Unido é um esboço relacionado ao Projeto Europa. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.