Bandeira do Reino Unido

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Bandeira do Reino Unido
Bandeira do Reino Unido
Proporção 1:2
Adoção 1 de janeiro de 1801
Cores
  Azul escuro
  Vermelho
  Branco

A bandeira nacional do Reino Unido da Grã-Bretanha e da Irlanda do Norte, também conhecida por Union Jack ou Union Flag, é resultado da sobreposição de elementos:

O País de Gales, a outra nação britânica, por sua vez, nunca foi representado na bandeira do Reino Unido, tendo sido neste sentido considerado, juntamente com a Cornualha, como uma região da Inglaterra, portanto também representado na bandeira da União pela bandeira inglesa, da cruz de São Jorge. Os galeses, cuja bandeira oficial constitui-se em um dragão vermelho sobre fundo horizontalmente dividido entre as cores branca (metade superior) e verde (inferior), também têm sua própria cruz, a de São Davi (amarela, no meio, sobre fundo preto).

Em 1 de maio de 1707, ocorreu a união das coroas da Inglaterra e Escócia, dando origem ao Reino da Grã-Bretanha, cuja bandeira uniu a cruz de São Jorge à cruz de Santo André. A União da Irlanda com a Grã-Bretanha, e consequente adição da cruz de São Patrício, só se realizaria em 1801, dando origem ao Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda.

A bandeira ficaria inalterada mesmo com a independência da maior parte da Irlanda, que tornou-se em 1922 um país reconhecidamente independente com o nome oficial de República da Irlanda, fazendo o Reino Unido alterar seu nome oficial para o atual.

Composição histórica da Bandeira do Reino Unido

Comunidade Britânica[editar | editar código-fonte]

As antigas bandeiras coloniais britânicas ocasionalmente embutiam nelas mesmas a bandeira do Reino Unido, normalmente no canto superior esquerdo, situação ainda corrente em territórios ainda pertencentes ao país. Muitas ex-possessões britânicas, ao adquirirem independência, alteraram não só seus nomes, como também suas bandeiras de forma que a referência à Union Flag foi retirada do pavilhão nacional, para simbolizar o fim dos tempos coloniais.

Entretanto, alguns países soberanos ainda utilizam a bandeira do Reino Unido, todos da Oceania: notadamente Austrália e Nova Zelândia - cujas dependências de Niue e Ilhas Cook também utilizam a bandeira britânica -, além de Fiji e Tuvalu. Por muito tempo também a África do Sul, mesmo após a independência em 1910, usou bandeiras que incluíam referências à britânica. O Canadá tornou-se independente em 1931, mas continuou a utilizar a bandeira adotada dez anos antes até 1957, quando outra bandeira que também exibia o símbolo britânico passou a ser utilizada. Esta perdurou até 1965, quando foi trocada pela atual.

A Rodésia do Sul, quando declarou em 1964 independência não-reconhecida, tornando-se então simplesmente Rodésia (pois a Rodésia do Norte, independentemente reconhecida, mudara de nome para Zâmbia), também procurou apagar o registro colonial em sua bandeira de facto, embora a bandeira de jure ainda carregasse o símbolo britânico. Só quando tornou-se reconhecidamente o Zimbábue, quinze anos depois, é que a bandeira oficial do país ficaria sem a marca britânica.

O Havaí, atualmente estado dos Estados Unidos, também comporta a bandeira britânica na parte superior esquerda de sua bandeira, desde a época em que foi ocupado pelos britânicos. É o único Estado dos EUA a fazer referência ao Reino Unido na bandeira.

Também aparece nos estados australianos de Nova Gales do Sul, Queensland, Austrália Meridional, Austrália Ocidental, Victoria e Tasmânia; e nos estados canadenses da Colúmbia Britânica, Ontário e Manitoba

Países soberanos[editar | editar código-fonte]

Dependências[editar | editar código-fonte]

Estados-membros de países[editar | editar código-fonte]

Antigas bandeiras coloniais[editar | editar código-fonte]

América

Eurásia

África

Oceania

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre vexilologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Bandeiras nacionais
Lista de bandeiras nacionais