Estreito de Malaca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pix.gif Malaca e George Town, Cidades históricas do Estreito de Malaca *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO
O Estreito de Malaca separa Samatra a sudoeste da Península Malaia a nordeste
País  Malásia
Tipo Cultural
Critérios ii, iii, iv
Referência 1223
Região** Ásia e Oceania
Histórico de inscrição
Inscrição 2008  (32ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.
** Região, segundo a classificação pela UNESCO.
Map of the Strait of Malacca-de.jpg

O Estreito de Malaca (em malaio Selat Melaka) é a principal passagem marítima entre os oceanos Índico e Pacífico e encontra-se entre a Península Malaia e a ilha de Samatra.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Para a etimologia do topônimo, ver Malaca. No Brasil, o topônimo aparece por vezes com acentuação proparoxítona, "Málaca", forma como regra não registrada nas fontes prescritivas brasileiras.[1] [2]

Descrição geográfica[editar | editar código-fonte]

O estreito liga o Mar de Andamão, ao norte, ao Mar da China Meridional, ao sul. Seu comprimento é de 805 km e sua largura, entre 50 e 180 km. Na extremidade meridional do estreito está o Arquipélago de Riau, que integra a província indonésia das Ilhas Riau.

O principal rio da Península Malaia a desaguar no estreito é o Perak. Da ilha de Samatra desaguam os rios Bila, Barumun, Rokan, Siak e Kampar.

Os principais portos que se situam no estreito são Malaca, George Town e Singapura.

Navegação[editar | editar código-fonte]

O estreito é uma das mais antigas e importantes vias marítimas do mundo.[3] É a principal ligação marítima que interliga os oceanos Índico ao Pacífico. Nas proximidades de Singapura o estreito se restringe a uma largura mínima de 2,5 km, o que torna a navegação mais difícil, devido ao intenso tráfego. Às dimensões máximas dos navios que podem atravessar o estreito dá-se o nome Malaccamax.

Em suas águas ocorrem numerosos episódios de pirataria.[4] Outro problema para a navegação é a intensa fumaça, provocada pelas queimadas na ilha de Samatra, que reduz a visibilidade para até 200 metros e provoca a diminuição da velocidade do tráfego marítimo.

Mapas[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Estreito de Málaca é recordista em casos de pirataria. JB Online (04-07-2001). Página visitada em 12-02-2008.
  2. EUA instalarão radares no Estreito de Makassar. UOL últimas Notícias (2008-01-23). Página visitada em 12-02-2008.. Esta fonte também não emprega as formas vernáculas para Macáçar ("Makassar") e Celebes ("Célebes").
  3. Aljazeera.net (inglês)
  4. Piracy down 3rd year in row: IMB report, Journal of Commerce Online, January 23, 2007