Tecelagem

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Dezembro de 2008).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Detalhe de um tecido plano
Estrutura de um tecido plano.
Esquema de um tear para tecelagem..

Tecelagem é o ato de tecer, através do entrelaçamento de fios de trama (transversais) com fios de teia (português europeu) ou urdume (português brasileiro) (longitudinais), formando tecidos.

Tecidos produzidos no processo de tecelagem (também conhecidos como tecidos planos ou de cala) não podem ser confundidos com tecidos de malha. Nos tecidos planos há somente duas posições possíveis para os fios de trama: ou ele passa por baixo ou passa por cima dos fios de urdume.

O processo de tecer pode ser resumido em três operações:

  1. Abertura da cala: operação para selecionar os fios de urdume, formando uma manta de fios mais baixa e uma manta mais alta
  2. Inserção da trama
  3. Batida do pente

Há três desenhos básicos de tecidos: a tela (também conhecida por (tafetá), a sarja e o cetim.

Tecidos do tipo jacquard, onde o urdume é controlado fio a fio, propiciam a elaboração de desenhos mais complexos.

O que determina os tipos de entrelaçamento do fio é chamado de debuxo (português europeu) ou padronagem (português brasileiro), e é realizada pela seleção dos fios de urdume que sobem ou que descem para a formação da cala.

A tecelagem pode ser artesanal (tecelagem manual), utilizando-se de teares manuais, ou industrial, com teares automáticos.

História[editar | editar código-fonte]

Inserção da trama.

A tecelagem é conhecida por ser uma das formas mais antigas de artesanato ainda presente nos dias de hoje.

Há cerca 12.000 anos, na Era Neolítica, os homens já utilizavam o princípio da tecelagem, entrelaçando pequenos galhos e ramos para construir barreiras, escudos ou cestas. Teias de aranha eninhos de pássaros podem ter sido as fontes de inspiração tal trabalho. Uma vez que essa técnica já era conhecida, é muito provável que o homem primitivo tenha começado a usar novos materiais para produzir os primeiros tecidos rústicos, e, mais tarde, vestuário.

A data exata de quando nossos ancestrais abandonaram suas peles de animais e passaram a ser proteger e se vestir usando fibras entrelaçadas, tanto de origem animal quanto vegetal, ainda não foi definida pelos estudiosos.

Escavações arqueológicas têm encontrado material feito de fibras fiadas e entrelaçadas, mas esses "tecidos" são muito grosseiros e estão mais parecidos a cestas de trabalho. O exemplo mais antigo de tecido descoberto na Europa, na costa Dinamarquesa, data do fim da Era Mesolítica, entre 4600 e 3200 a.C., mas as descobertas no Peru, no alto da 'Sierra del Norte' são muito mais antigas.

O primeiro tear foi provavelmente um artefato tão simples quanto uma estrutura vertical construída de galhos, no qual os fios eram pendurados e tensionados. Outros fios eram então entrelaçados manualmente, a um certo ângulo daqueles já tensionados, criando um tecido rústico.

Aos gregos é atribuída a tranferência do tear de posição vertical para a horizontal, e aos egípcios a fixação dos fios de urdume em dois galhos a fim de poderem ser separados de modo a facilitar o entrelaçamento dos fios.

Preparação para a tecelagem[editar | editar código-fonte]

É o processo de preparação do rolo de urdume, onde os fios de urdume são todos colocados paralelos em um rolo, feito em máquinas urdideiras.

Após o processo de urdição, e em alguns casos engomagem, o rolo de urdume pode ir diretamente para o tear onde deverá ser emendado através de uma Atadora de Urdume, ou poderá passar por um processo de remeteção.

Em alguns casos, pode haver a necessidade de engomagem dos fios de urdume, o que pode ser feito em máquinas engomadeiras, que criam uma película ao redor do fio, com o objetivo de diminuir o atrito com a partes mecânicas do tear, aumentando assim sua eficiência.

Tipo de teares automáticos[editar | editar código-fonte]

Todos os teares seguem a mesma idéia básica da tecelagem, como foi descrito: (1) Abertura da Cala, (2) Inserção da Trama e (3) Batida do pente.

A principal diferença de um tear para o outro é a técnica da inserção do fio de trama. Os modelos mais antigos tinham iserção por lançadeiras. Atualmente os tipos de inserção de trama mais comuns são por projéteis, pinças, jato-de-ar ou jato-de-água. Na tecelagem industrial, o sistema de abertura da cala pode ser por excêntricos, maquineta ou maquineta de jacquard. Embora o sistema de lançadeira pareça arcaico, ele é o único que consegue produzir tecidos de até oito metros de largura.

Ver também[editar | editar código-fonte]