Asbesto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Fibras de tremolite

O asbesto (da palavra grega ἀσβεστος, "indestrutível", "imortal", "inextinguível"), também conhecido como amianto (do grego αμίαντος, puro, sem sujidade, sem mácula[1] ), é uma designação comercial genérica para a variedade fibrosa de sais minerais metamórficos de ocorrência natural e utilizados em vários produtos comerciais. Trata-se de um material com grande flexibilidade e resistências química, térmica, eléctrica e à tração muito elevadas e que além disso pode ser tecido.

O material é constituído por feixes de fibras. Estes feixes, por seu lado, são constituídos por fibras extremamente finas e longas facilmente separáveis umas das outras com tendência a produzir um pó de partículas muito pequenas que flutuam no ar e aderem às roupas. As fibras podem ser facilmente inaladas ou engolidas podendo causar graves problemas de saúde.[2] A inalação prolongada de fibras de asbesto pode provocar doenças graves incluindo câncer de pulmão, mesotelioma e asbestose ( um tipo de pneumoconiose).[3] O comércio de asbesto foi restrito ou proibido em muitos países e estados.

Minerais asbestiformes[editar | editar código-fonte]

Crisótilo (verde)
Tremolite asbestiforme sobre moscovita

Os minerais asbestiformes, dos quais fibras de asbesto podem ser extraídas, podem ser classificados em dois grupos:

Grupo Nome do mineral Composicão química Nome-comum Observações
Serpentina Crisótilo (Mg,Fe,Ni)3Si2O5(OH)4 Asbesto branco Esse é o tipo mais usado na indústria
Anfíbola Amosite Fe7Si8O22(OH)2 Asbesto marrom Amosite é um termo comercial, sinônimo de grunerite.
Crocidolite Na2Fe2+3Fe3+2Si8O22(OH)2 Asbesto azul
Tremolite Ca2Mg5Si8O22(OH)2
Actinolite Ca2(Mg, Fe)5Si8O22(OH)2
Antofilite (Mg, Fe)7Si8O22(OH)2

As fibras de crisótilo são enroladas enquanto que as fibras de asbesto de anfíbolas são cilíndricas. Os vários minerais do grupo das anfíbolas diferem uns dos outros nos teores de cálcio, magnésio, sódio e ferro neles contidos. Tanto os minerais do grupo da serpentina como os do grupo das anfíbolas ocorrem em variedades fibrosas e não fibrosas, sendo as variedades fibrosas designadas asbesto. Têm sido identificadas variedades asbestiformes de várias outras anfíbolas.

Produção e consumo mundiais de asbesto[editar | editar código-fonte]

Em 2007 a produção mundial de asbesto foi algo em torno de 2 285 000 toneladas, distribuídas de acordo com o gráfico:

Produção de Asbesto em 2007 (em 1000 t)[4]
1030
350
350
230
185
140
Rússia China Cazaquistão Brasil Canadá Outros

Já o consumo, em 2006, foi de aproximadamente 2 214 000 toneladas, sendo os maiores consumidores os países do BRIC e o Cazaquistão, distribuídos de acordo com o seguinte gráfico:

Consumo de Asbesto em 2006 (em 1000 t)[4]
531
374
293
143
143
730
China Índia Rússia Brasil Cazaquistão Outros

Propriedades[editar | editar código-fonte]

O asbesto é resistente ao calor até 1000 °C (Celsius) e contra ácidos moderados e tem uma resistência à tracção ainda maior que fios de aço com igual perfil. Em temperaturas acima dos 1200 °C (Celsius), o asbesto transforma-se em Olivina e suas variedades.

Usos e aplicações[editar | editar código-fonte]

Usado na fabricação de camisinhas femininas pela capacidade de elasticidade sem romper. Mesmo com o sêmen masculino e/ou feminino o material continua rígido.

Usos na antiguidade[editar | editar código-fonte]

Usado na antiguidade em mechas de lanternas, a resistência do asbesto ao fogo é desde há muito aproveitada para uma variedade de propósitos. Foi utilizado em tecidos mortuários no antigo Egipto bem como para fazer uma toalha de mesa para Carlos Magno, que de acordo com a lenda este atirou ao fogo para a limpar.

Usos modernos[editar | editar código-fonte]

O asbesto foi utilizado em mais de 3000 produtos, havendo aplicações específicas para os diferentes tipos.

Grupo da serpentina[editar | editar código-fonte]

O crisótilo é o mineral mais utilizado na produção de asbesto. As suas aplicações são inúmeras incluindo:

  • telhas de fibrocimento (cerca de 85% do consumo mundial)
  • revestimentos de travões e embreagens de automóveis
  • revestimentos e coberturas de edifícios
  • gessos e estuques
  • revestimentos à prova de fogo
  • vestimentas de protecção à prova de fogo

Grupo das anfíbolas[editar | editar código-fonte]

  • tubagens e coberturas de edifícios (misturado com cimento, fibrocimento)
  • isolamentos térmicos e acústicos
  • revestimentos de tecto

Patologias causadas por asbesto[editar | editar código-fonte]

Foto microscópica de fibras de antofilite

Já em 1898 o inspector-chefe de fábricas no Reino Unido relatava ao parlamento no seu relatório anual os efeitos malignos do pó de asbesto. Nele afirmava que a natureza aguçada como vidro das partículas quando presentes no ar em qualquer quantidade é nociva, como se deveria esperar. Em 1906 uma comissão do parlamento britânico confirmou os primeiros casos de morte causada por asbesto e recomendou que fosse melhorada a ventilação nos locais de trabalho, entre outras medidas. Em 1918 uma companhia de seguros dos Estados Unidos efetuou um estudo que demonstrava a ocorrência de mortes prematuras na indústria do asbesto e em 1926 a comissão de acidentes industriais de Massachusetts concedeu pela primeira vez a um trabalhador doente da indústria o direito à primeira compensação por doença causada por asbesto. Muitos dos afetados pela exposição ao asbesto nos Estados Unidos trabalhavam na construção naval durante a Segunda Guerra Mundial.

Os problemas com o asbesto surgem quando as fibras se dispersam no ar e são inaladas. Devido ao tamanho das fibras, os pulmões não conseguem expeli-las [Casarrett & Doull's Toxicology (2001), pp 520–522].

Entre as doenças causadas pelo asbesto incluem-se [1][2]:

Detalhe de um pulmão com asbestose
  • Asbestose - Inicialmente diagnosticada entre trabalhadores da indústria naval dos Estados Unidos, a asbestose consiste de lesões do tecido pulmonar causadas por um ácido produzido pelo organismo na tentativa de dissolver as fibras. As lesões podem tornar-se extensas ao ponto de não permitirem o funcionamento dos pulmões. O tempo de latência (período que a doença leva a manifestar-se) é geralmente 10 a 20 anos.
  • Mesotelioma - Um câncer do revestimento mesotelial (pleura) do pulmão. A única causa conhecida é a exposição ao asbesto. O período de latência do mesotelioma pode ser de 20 a 50 anos. A maior parte dos doentes morre em menos de 12 meses após o diagnóstico.
  • Câncer - Câncer de pulmão, do tracto gastrointestinal do rim e laringe foram associados ao asbesto. O período de latência é muitas vezes 15 a 30 anos.
  • verrugas de asbesto - produzidas quando fibras aguçadas se alojam na pele sendo recobertas por esta causando crescimentos benignos semelhantes a calos.
  • placas pleurais - espessamento de parte da pleura visível por meio de radiografias em indivíduos expostos ao asbesto.
  • espessamento pleural difuso - semelhante à anterior. Geralmente assintomática, pode causar perda de capacidade respiratória se a sua extensão for grande.

Riscos da exposição ao asbesto[editar | editar código-fonte]

Quase todas as pessoas são expostas ao asbesto em algum momento das suas vidas. No entanto, a maioria das pessoas não adoece em consequência dessa exposição. As pessoas que adoecem devido à exposição ao asbesto são geralmente aquelas expostas de forma regular, a maior parte das vezes no seu posto de trabalho em que contactam directamente com o material ou através de contacto ambiental substancial.

Vários estudos sugerem que os efeitos nocivos do amianto são muito maiores no grupo das Anfíbolas. Experimentos com ratos de laboratório já provocaram a indução de processo cancerígeno causado por amianto crisotila, porém em doses muito altas que sequer são encontradas fora do ambiente de laboratório.

Hoje o uso do amianto anfibólio é proibido em todo o mundo. O amianto crisotila já é proibido em algumas regiões do planeta porém ainda é amplamente comercializado em vários países, apesar de muitos defenderem a sua proibição total.

Proibição[editar | editar código-fonte]

  • No Brasil, alguns estados (Rio Grande do Sul, Pernambuco, Rio de Janeiro e São Paulo) e municípios brasileiros proibiram a industrialização e a comercialização de todos os tipos de amianto, inclusive o crisotila. Por outro lado, a Lei Federal nº 9055, de 1º de julho de 1995 dispõe sobre a mineração, industrialização, transporte e comercialização do amianto e dos produtos que o contém. O Decreto nº 2350 de 1997 regulamenta a Lei nº 9.055.Há um projeto em andamento para o banimento do amianto em todo o território brasileiro.O relatório sugere a desativação da única mina de amianto ainda em operação no Brasil, localizada em Minaçu (GO).O projeto está a ser votado.1
  • A União Europeia proíbe toda e qualquer utilização do amianto no seu território desde 1 de Janeiro de 2005, estando a sua extração igualmente proibida[5] . Os trabalhadores que tenham que lidar com o amianto nas suas actividades de remoção do mesmo estão sujeitos a especiais condições de trabalho.[6]
  • O Canadá proíbe o uso do amianto no próprio país e é um dos maiores exportadores mundiais do produto, juntamente com a Rússia; seus maiores clientes são países em desenvolvimento.[7]
  • Diversos países proíbem o uso do amianto. Na América do Sul o uso do amianto é proibido na Argentina, no Chile e no Uruguai.

Substitutos do asbesto[editar | editar código-fonte]

Como consequência da proibição quase generalizada de utilização de asbesto têm surgido numerosos materiais como seus possíveis substitutos. No entanto, nenhum deles se mostrou tão versátil como o asbesto. Alguns dos materiais substitutos são: silicato de cálcio, fibra de carbono, fibra de celulose, fibra cerâmica, fibra de vidro, fibra de aço, wollastonite, aramida, polietileno, polipropileno, politetrafluoretileno. Em aplicações que não requerem as propriedades de reforço das fibras perlite, serpentina, sílica e talco.

Na fabricação de telhas de fibrocimento, que responde por 97% do consumo de amianto crisotila no Brasil, o amianto pode ser substituído por uma mistura de fibras sintéticas (PVA ou PP) e celulose. Devido ao custo desses insumos (importados da China, Japão, Rússia, Chile e Tasmânia), assim como ao maior consumo de energia elétrica (o dobro), o custo das telhas de fibrocimento sem amianto é aproximadamente 50% maior que o das telhas contendo amianto, o que tem sido responsável pela baixa aceitação do produto, porém, no caso de proibição da extração e comercialização do amianto não restaria outra alternativa ao consumidor.

Ver também[editar | editar código-fonte]

  • Minaçu: Maior mina de amianto do Brasil

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Asbesto