Câncer de pulmão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Câncer de pulmão
Reconstrução em 3D de uma tomografia computadorizada de tórax mostrando um tumor no pulmão esquerdo (marcado por uma seta)
Classificação e recursos externos
CID-10 C33-C34
CID-9 162
DiseasesDB 7616
MedlinePlus 007194
eMedicine med/1333 med/1336 emerg/335 radio/807 radio/405 radio/406
MeSH D002283
Star of life caution.svg Aviso médico

O câncer de pulmão (português brasileiro) ou cancro do pulmão (português europeu) é uma doença caracterizada pelo crescimento celular descontrolado em tecidos do pulmão. Se não for tratado, esse tumor pode se espalhar para fora do pulmão por um processo chamado de metástase, acometendo órgãos adjacentes e, eventualmente, se disseminando para outras partes do corpo. A maioria dos tumores que começam no pulmão, conhecidos como tumores primários de pulmão, são carcinomas derivados de células epiteliais. Os principais tipos de câncer de pulmão são o carcinoma de pulmão não pequenas células (CNPC) e o carcinoma de pulmão pequenas células (CPC), também chamado de tumor "oat cell". A causa mais comum do câncer de pulmão é a exposição a longo prazo à fumaça do tabaco.[1] Não fumantes compreendem cerca de 15% dos casos de câncer de pulmão,[2] e esses casos são, frequentemente, atribuídos a fatores genéticos,[3] gás radônio,[3] asbesto[4] ou poluição do ar,[3] incluindo o tabagismo passivo.[5] [6]

Os sintomas mais comuns são tosse (também a hemoptise), perda de peso e dificuldades na respiração.[7] O câncer de pulmão pode ser visto na radiografia do tórax e na tomografia computadorizada (TC). O diagnóstico é confirmado por uma biópsia, que geralmente é realizada através de uma broncoscopia ou de uma biópsia guiada por TC. O tratamento e o prognóstico dependem do tipo histológico do tumor, do estágio (grau de extensão da doença) e do bem-estar geral do paciente, medido pelo estado funcional. Os tratamentos mais comuns são a cirurgia, a quimioterapia e a radioterapia. O CNPC pode ser tratado com cirurgia, ao passo que o CPC, normalmente, responde melhor à quimioterapia e à radioterapia. Isso se dá, parcialmente, porque o CPC frequentemente se espalha muito cedo e esses tratamentos são melhores em atingir as células que já se deslocaram para outras partes do corpo.[8]

A sobrevida depende do estágio, da saúde geral e de outros fatores, mas, em geral, 15% das pessoas diagnosticadas com câncer de pulmão nos Estados Unidos sobrevivem por, pelo menos, cinco anos após o diagnóstico.[9] Em todo o mundo, o câncer de pulmão é a causa de morte provocada por algum tipo de câncer mais comum, em homens e em mulheres, e, em 2008, foi responsável por 1,37 milhão de mortes.[10]

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

Os sintomas que podem sugerir a possibilidade de um câncer de pulmão incluem:[7]

Se o tumor cresce em direção às vias aéreas, ele pode obstruir o fluxo do ar, causando dificuldade para respirar. A obstrução pode levar ao acúmulo de secreções na região bloqueada e predispor ao desenvolvimento de uma pneumonia. Muitos tumores de pulmão recebem um rico suprimento sanguíneo. A superfície do câncer pode ser frágil, o que pode facilitar o sangramento do tumor para o interior das vias aéreas. Esse sangue pode, em sequência, ser expectorado.

Os tumores localizados no ápice do pulmão, conhecidos como tumores de Pancoast,[11] podem invadir a região do sistema nervoso simpático, levando a mudanças nos padrões de sudorese e a problemas nos músculos oculares (uma combinação conhecida como síndrome de Horner), assim como a fraqueza muscular nas mãos, devido à invasão do plexo braquial. Em alguns casos podem comprimir uma das principais veias que chega ao coração, causando a chamada síndrome da veia cava superior.

Muitos dos sintomas do câncer de pulmão (dor óssea, febre e perda de peso) são inespecíficos; nos idosos, eles podem ser atribuídos a comorbidades.[8] Em muitos pacientes, o câncer já se espalhou para além do sítio original no momento em que eles percebem os sintomas e procuram atendimento médico. Os locais comuns de metástase incluem cérebro, osso, glândula adrenal, pulmão contralateral (oposto), fígado, pericárdio e rim.[12] Cerca de 10% das pessoas com câncer de pulmão não apresentam sintomas no momento do diagnóstico; esses tumores são casualmente encontrados em radiografias de rotina do tórax.[7]

Síndrome paraneoplásica[editar | editar código-fonte]

Em alguns casos de câncer de pulmão há a ocorrência de uma síndrome paraneoplásica, um conjunto de sinais e sintomas que pode ocorrer antes, durante ou após as manifestações locais do tumor. Dependendo do tipo de tumor, a síndrome paraneoplásica pode, inicialmente, ser a primeira manifestação da doença.[13] No câncer de pulmão, esses fenômenos podem incluir:

Causas[editar | editar código-fonte]

As principais causas do câncer de pulmão incluem substâncias carcinogênicas (como as encontradas na fumaça do tabaco), radiação ionizante e infecção viral. A exposição causa danos cumulativos ao DNA do tecido de revestimento dos brônquios pulmonares (o epitélio bronquial). Conforme os tecidos são danificados, eventualmente, pode se desenvolver um tumor.[8]

Tabagismo[editar | editar código-fonte]

Gráfico do NIH mostrando como o aumento geral nas vendas de produtos do tabaco (cigarros por pessoa por ano) nos Estados Unidos, nas quatro primeiras décadas do século 20, levou a um rápido crescimento correspondente na incidência de câncer de pulmão durante as décadas de 1930, 40 e 50 (mortes por câncer de pulmão em uma população de 100.000 homens, em um ano).

O tabagismo, particularmente o consumo de cigarro, é, de longe, o principal contribuidor para o câncer de pulmão.[14] O cigarro contém mais de 60 carcinógenos conhecidos,[15] incluindo radioisótopos da sequência de decaimento do radônio, nitrosamina e benzopireno. Além disso, a nicotina parece deprimir a resposta imune ao crescimento de células malignas em tecidos expostos.[16] Nos países desenvolvidos, 91% das mortes por câncer de pulmão em homens, durante o ano 2000, foram atribuídas ao fumo (71% em mulheres).[17] Nos Estados Unidos, estima-se que o tabagismo seja responsável por 87% dos casos de câncer de pulmão (90% em homens e 85% em mulheres).[18] Entre os fumantes do sexo masculino, o risco de desenvolver um câncer de pulmão é de 17,2%; entre as mulheres fumantes, o risco é de 11,6%. Essa probabilidade é significativamente menor em não-fumantes: 1,3% em homens e 1,4% em mulheres.[19]

Mulheres que fumam (atuais e ex-fumantes) e fazem terapia hormonal apresentam um risco muito maior de morrerem de câncer de pulmão. Chlebowski e colaboradores, em um estudo publicado em 2009, observaram que as mulheres que tomam hormônios eram cerca de 60% mais propensas a morrer em decorrência de um câncer de pulmão do que mulheres tratadas com placebo. Sem surpresa, o risco foi maior para fumantes atuais, seguidas por ex-tabagistas, e menor para aquelas que nunca fumaram. Entre as mulheres que fumavam (atuais ou ex-fumantes), 3,4% das que faziam terapia hormonal morreram de câncer de pulmão, comparado aos 2,3% das que tomavam placebo.[20]

O tempo que uma pessoa fuma (assim como a quantidade) aumenta as chances dela desenvolver um câncer de pulmão. Se um indivíduo para de fumar, essa possibilidade diminui gradualmente conforme o dano aos pulmões é reparado e as partículas contaminantes são removidas.[21] Além do mais, há evidências de que o câncer de pulmão em pessoas que nunca fumaram tem um melhor prognóstico do que em fumantes,[22] e que pacientes que ainda fumam quando são diagnosticados apresentam um tempo de sobrevida menor do que aqueles que já pararam.[23]

O tabagismo passivo - a inalação da fumaça produzida por um outro indivíduo ao fumar - é uma causa para o câncer de pulmão em não-fumantes. Um fumante passivo pode ser classificado como uma pessoa que mora ou trabalha com um tabagista. Estudos norte-americanos,[24] [25] europeus,[26] britânicos[27] e australianos[28] têm mostrado, consistentemente, um aumento significativo do risco relativo entre os indivíduos expostos ao fumo passivo. Pesquisas recentes sugerem que a fumaça que sai diretamente da ponta do cigarro seja ainda mais perigosa do que a inalação direta através do cigarro.[29]

De 10 a 15% dos pacientes com câncer de pulmão nunca fumaram.[30] Isso significa que, a cada ano, entre 20.000 e 30.000 pessoas são diagnosticadas com câncer de pulmão nos Estados Unidos, mesmo sem jamais ter fumado. Devido à taxa de sobrevida em cinco anos, a cada ano, nos Estados Unidos, mais indivíduos que nunca fumaram morrem de câncer de pulmão do que pacientes com leucemia, câncer de ovário ou AIDS.[31]

Gás radônio[editar | editar código-fonte]

O radônio é um gás incolor e inodoro gerado pela decomposição do rádio radioativo, que, por sua vez, é produto do decaimento do urânio, encontrado na crosta terrestre. Os produtos radioativos do decaimento ionizam o material genético, causando mutações que, algumas vezes, podem se tornar cancerosas. A exposição ao radônio, depois do tabagismo, é a segunda maior causa de câncer de pulmão na população em geral,[32] com uma elevação de 8-16% no risco para cada aumento de 100 Bq/ na concentração de radônio.[33] Os níveis de gás radônio variam de acordo com a localidade e com a composição do solo e das rochas. Por exemplo, em áreas como Cornwall, no Reino Unido, que apresentam um substrato granítico, o gás radônio é um problema importante, de tal forma que as construções precisam ser ventiladas com ventiladores para diminuir as concentrações do gás radônio. A Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (United States Environmental Protection Agency - EPA) estima que uma a cada 15 moradias nos Estados Unidos apresentam níveis de radônio acima do recomendado, que é de 4 picocurie por litro (pCi/L) (148 Bq/m³).[34] Iowa é o estado americano com a maior média de concentração de radônio nos Estados Unidos; estudos realizados no local demonstram um risco de câncer de pulmão 50% maior, com exposição prolongada ao radônio acima dos níveis preconizados pela EPA de 4 pCi/L.[35]

Asbesto[editar | editar código-fonte]

Corpos ferruginosos são os achados histopatológicos associados à asbestose.

O asbesto pode causar uma variedade de doenças pulmonares, incluindo o câncer de pulmão. Existe um efeito sinérgico entre o tabagismo e o asbesto na formação do câncer de pulmão.[4] No Reino Unido, o asbesto é responsável por 2-3% das mortes por câncer de pulmão em indivíduos do sexo masculino.[36] O asbesto também pode causar o câncer da pleura, chamado mesotelioma, o qual é diferente do câncer de pulmão.

Vírus[editar | editar código-fonte]

Os vírus são conhecidos por causar câncer de pulmão em animais[37] [38] e evidências recentes sugerem um potencial similar em humanos. Os vírus implicados incluem o vírus do papiloma humano,[39] o vírus JC,[40] o SV40, o vírus BK e o citomegalovírus.[41] Esses vírus podem afetar o ciclo celular e inibir a apoptose, permitindo a divisão celular descontrolada.

Material particulado[editar | editar código-fonte]

Estudos da Sociedade Americana do Câncer relacionam diretamente a exposição a material particulado ao câncer de pulmão. Por exemplo, se a concentração de partículas no ar aumenta cerca de 1%, o risco de desenvolvimento do câncer de pulmão se eleva em 14%.[42] [43] Além disso, estabeleceu-se que o tamanho das partículas importa, já que partículas ultrafinas penetram mais fundo nos pulmões.[44]

Patogênese[editar | editar código-fonte]

Semelhante a muitos outros tipos de câncer, o câncer de pulmão é iniciado pela ativação de um oncogene ou pela inativação de um gene supressor de tumores.[45] Oncogenes são genes que tornam as pessoas mais susceptíveis ao câncer. Proto-oncogenes são conhecidos por se transformar em oncogenes quando expostos a carcinógenos específicos.[46] Mutações no proto-oncogene K-ras são responsáveis por 10–30% dos adenocarcinomas de pulmão.[47] [48] O receptor do fator de crescimento epidérmico (epidermal growth factor receptor - EGFR) regula proliferação celular, apoptose, angiogênese e invasão tumoral.[47] Mutações e amplificações do EGFR são comuns no câncer de pulmão não-pequenas-células e fornecem a base para o tratamento com inibidores de EGFR. O Her2/neu é afetado com menor frequência.[47] Danos cromossômicos podem levar à perda de heterozigose. Isso pode causar a inativação de genes supressores de tumores. Danos aos cromossomos 3p, 5q, 13q e 17p são particularmente comuns no carcinoma de pulmão pequenas-células. O gene supressor de tumor, p53, localizado no cromossomo 17p, é afetado em 60-75% dos casos.[49] c-MET, NKX2-1, LKB1, PIK3CA e BRAF são outros genes que são frequentemente mutados ou amplificados.[47]

Classificação[editar | editar código-fonte]

Incidência de câncer de pulmão por tipo histológico padronizada por idade[3]
Tipo histológico Incidência (em 100.000 por ano)
Todos os tipos 66,9
Adenocarcinoma 22,1
Carcinoma escamoso 14,4
Carcinoma pequenas células 9,8

O câncer de pulmão é classificado de acordo com o tipo histológico.[50] Essa classificação tem implicações importantes no manejo clínico e no prognóstico da doença. A vasta maioria dos tumores de pulmão é do tipo carcinoma - doença maligna derivada de células epiteliais. Os carcinomas de pulmão são categorizados pelo tamanho e aparência das células malignas observadas no tecido de biópsia por um patologista em um microscópio. As duas classes gerais são carcinomas não pequenas células e pequenas células.[51]

Carcinoma não pequenas células[editar | editar código-fonte]

Micrografia de carcinoma escamoso, um tipo de carcinoma não pequenas células. Amostra coletada por PAAF. Coloração de Papanicolau.

Os carcinomas de pulmão não pequenas células (CNPC) são reunidos num único grupo porque seus prognósticos e manejos são similares. Existem três subtipos principais: adenocarcinoma, carcinoma de pulmão de células escamosas e de grandes células.

Aproximadamente 40% dos tumores de pulmão são adenocarcinomas. Esse tipo de câncer é geralmente originado no tecido pulmonar periférico.[50] A maioria dos casos de adenocarcinoma está associada ao tabagismo; contudo, entre pessoas que fumaram menos de 100 cigarros em toda a vida (nunca fumaram),[7] o adenocarcinoma é a forma mais comum de câncer de pulmão.[52] Um subtipo de adenocarcinoma, o carcinoma bronquíolo-alveolar, é mais comum em mulheres que nunca fumaram e pode apresentar respostas diferentes ao tratamento.[53]

O carcinoma de células escamosas, também conhecido como epidermoide ou espinocelular, corresponde a cerca de 30% dos tumores de pulmão. Ele, tipicamente, ocorre na porção mais central do órgão, nas proximidades das vias aéreas. Uma cavidade oca e necrose associada são frequentemente encontradas no centro do tumor.[50]

Aproximadamente 9% dos tumores de pulmão são carcinomas de grandes células. Eles recebem esse nome porque as células cancerosas são grandes, com núcleo e citoplasma vastos e notáveis nucléolos.[50]

Carcinoma pequenas células[editar | editar código-fonte]

Carcinoma de pulmão pequenas células (vista microscópica de uma biópsia por agulha grossa).

No carcinoma de pulmão pequenas células (CPC), as células contêm densos grânulos neurossecretores (vesículas contendo hormônios neuroendócrinos), que conferem a esse tumor uma associação com a síndrome endócrina/paraneoplásica.[54] A maior parte dos casos surge nas grandes vias aéreas (brônquios primários e secundários).[9] Esses tumores crescem rapidamente e se espalham precocemente no curso da doença. 60–70% dos pacientes já possuem doença metastática à apresentação. Esse tipo de câncer de pulmão está fortemente associado ao tabagismo.[7]

Outros[editar | editar código-fonte]

Quatro subtipos histológicos principais são reconhecidos, embora alguns tumores possam conter uma combinação de diferentes subtipos.[51] Subtipos raros incluem tumores glandulares, tumores carcinoides e carcinomas indiferenciados.[7]

Metástase[editar | editar código-fonte]

O pulmão é um local comum de metástase de tumores originários de outras partes do corpo. Tumores secundários são classificados pelo seu sítio de origem; por exemplo, o câncer de mama quando se espalha para o pulmão é chamado de câncer de mama metastático. Metástases frequentemente apresentam contornos característicos na radiografia de tórax.[55]

Imunocolorações típicas no câncer de pulmão[7]
Tipo histológico Imunocoloração
Carcinoma de células escamosas CK5/6 positivo
CK7 negativo
Adenocarcinoma CK7 positivo
TTF-1 positivo
Carcinoma de grandes células TTF-1 negativo
Carcinoma pequenas células TTF-1 positivo
CD56 positivo
Cromogranina positivo
Sinaptofisina positivo

Tumores de pulmão primários geralmente enviam metástases para glândulas adrenais, fígado, cérebro e osso.[8] A imunocoloração de uma biópsia é frequentemente útil para determinar o local de origem.[56]

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

Radiografia de tórax mostrando um tumor no pulmão esquerdo.

A radiografia de tórax é um dos primeiros métodos investigativos quando um paciente relata sintomas que sugerem um câncer de pulmão. Ela pode revelar uma massa óbvia, alargamento do mediastino (sugestivo de acometimento de linfonodos locais), atelectasia (colapso do alvéolo), consolidação (pneumonia) e derrame pleural.[1] A tomografia computadorizada (TC) é tipicamente utilizada para fornecer mais informações sobre o tipo e a extensão da doença. A broncoscopia ou a biópsia guiada por TC são frequentemente usadas para coletar amostras do tumor para análise histopatológica.[9]

Tomografia computadorizada mostrando um tumor no pulmão esquerdo.

O diagnóstico diferencial para pacientes que apresentam anormalidades na radiografia de tórax inclui, além do próprio câncer de pulmão, diversas doenças não-malignas. A exemplo das de causas infecciosas, como tuberculose e pneumonia, ou de condições inflamatórias, como a sarcoidose. Essas doenças podem resultar em linfadenopatia mediastinal, nódulos pulmonares e, eventualmente, estruturas que imitam uma malignidade no órgão.[8] O câncer de pulmão também pode ser um achado incidental: um nódulo pulmonar solitário em uma radiografia de tórax ou tomografia computadorizada que foram feitas por razões não relacionadas.[57] O diagnóstico definitivo do câncer de pulmão é firmado através do exame histopatológico de uma amostra do tecido pulmonar acometido, no contexto das características clínicas e radiológicas.[7]

Estadiamento[editar | editar código-fonte]

O estadiamento do câncer de pulmão é uma avaliação do quanto o câncer se espalhou em relação ao seu local de origem.[7] Esta avaliação envolve a realização de uma avaliação clínica, exames de imagem e procedimentos para coletar informações sobre o estado atual da doença, a fim de definir seu prognóstico e o tratamento a ser empregado.

A avaliação inicial do estadiamento do câncer de pulmão não pequenas células utiliza a classificação TNM, que se baseia em parâmetros anatômicos, como o tamanho do tumor primário (T), o envolvimento de linfonodos (N) e a presença de metástases à distância (M). Após isso, é designado um grupo, que vai de IA a IV. O grupo designado auxilia na escolha do tratamento e na estimação do prognóstico.[58]

O carcinoma de pequenas células (oat cell) tem sido, tradicionalmente, classificado em estágio limitado (confinado a um pulmão e seus respectivos linfonodos) ou estágio avançado, quando ultrapassa os limites do estágio limitado.[7] Contudo, a classificação TNM e o agrupamento são úteis na estimação do prognóstico.[58]

Tanto para o CNPC quanto para o CPC, há dois tipos gerais de avaliação do estadiamento:

  • Estadiamento clínico: avaliação prévia à cirurgia definitiva e baseada, tipicamente, nos resultados do exame físico, estudos de imagem e achados laboratoriais pertinentes. Não envolve, necessariamente, um patologista.
  • Estadiamento patológico: geralmente, uma avaliação ou intra- ou pós-operatória e baseada nos resultados combinados dos achados cirúrgicos e clínicos.[9]

Prevenção[editar | editar código-fonte]

A prevenção é o recurso com maior custo-benefício na luta contra o câncer de pulmão. Enquanto na maioria dos países, os carcinógenos industriais e domésticos têm sido identificados e proibidos, o tabagismo ainda é largamente difundido. Eliminar o consumo do tabaco é uma das metas primordiais para a prevenção do câncer de pulmão e a interrupção do fumo é uma importante ferramenta preventiva nesse processo.[59]

Intervenções políticas para diminuir o tabagismo passivo em áreas públicas, tais como restaurantes e locais de trabalho, tornaram-se mais comuns nos países ocidentais.[60] No Butão, há uma proibição completa ao tabagismo desde 2005.[61] A Índia introduziu uma proibição ao fumo em público, em outubro de 2008.[62] No Brasil, há uma lei que proíbe o fumo em recintos fechados de uso coletivo em todo o território nacional, assim como impede a propaganda comercial desses produtos.[63]

A Organização Mundial de Saúde convocou os governantes a instituir proibição total à publicidade do tabaco para prevenir que pessoas jovens comecem a fumar. Eles avaliam que tais proibições reduziram o consumo de tabaco em 16% onde já foram instituídas.[64]

O uso a longo prazo de suplementos de vitamina A,[65] [66] vitamina C,[65] vitamina D[67] ou vitamina E[65] não reduz o risco de câncer de pulmão. Alguns estudos sugerem que pessoas cujas dietas contêm uma maior proporção de vegetais e frutas tendem a apresentar um menor risco.[25] [68] Contudo, é provável que esse resultado esteja em função de uma variável confundidora. Estudos mais rigorosos não demonstraram associação clara.[68]

Rastreio[editar | editar código-fonte]

O rastreio (do inglês screening) se refere ao uso de exames médicos para detectar doenças em pessoas assintomáticas. Diversos exames já foram alvo de estudo para o rastreio do câncer de pulmão, como a citologia de escarro, a radiografia do tórax e a tomografia computadorizada. No entanto, o rastreio do câncer de pulmão não é recomendado, pois diversos programas de rastreio do câncer de pulmão não demonstraram nenhum benefício. Em outras palavras, pessoas que identificaram tumores mais precocemente através do rastreio não apresentaram redução na mortalidade em comparação às que não fizeram o rastreio e diagnosticaram sua doença apenas com o surgimento dos sintomas.[69]

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Star of life caution.svg
Advertência: A Wikipédia não é consultório médico nem farmácia.
Se necessita de ajuda, consulte um profissional de saúde.
As informações aqui contidas não têm caráter de aconselhamento.

O tratamento para o câncer de pulmão depende do tipo celular específico afetado, da extensão da doença e do estado funcional do paciente (do inglês performance status - PS). Alguns tratamentos comuns incluem cuidados paliativos,[70] cirurgia, quimioterapia e radioterapia.[7]

Cirurgia[editar | editar código-fonte]

Espécime de uma pneumonectomia contendo um carcinoma de células escamosas, visto nas áreas brancas próximas aos brônquios.

Se as investigações confirmarem um câncer de pulmão não pequenas células, o estadiamento deve ser reavaliado para determinar se a doença é localizada e sujeita a cirurgia ou se já se espalhou em relação ao ponto de origem, não podendo mais ser curada cirurgicamente. A tomografia computadorizada e a tomografia por emissão de pósitrons (PET) podem ser utilizadas.[7] Se há suspeita de envolvimento de linfonodos mediastinais, uma mediastinoscopia pode ser feita para colher um nódulo de amostra para ajudar no estadiamento.[71]

O hemograma e a avaliação da função respiratória também são necessários para confirmar se o paciente tem condições de ser operado.[9] Se o teste da função respiratória revelar um baixa reserva respiratória, a cirurgia pode ser contra-indicada.[7]

Na maior parte dos casos de detecção precoce do câncer de pulmão não pequenas células, a remoção de um lobo do pulmão (lobectomia) é o tratamento cirúrgico de escolha. Em pacientes em que uma lobectomia completa não é adequada, uma excisão sublobar menor (ressecção em cunha) pode ser realizada. Contudo, a ressecção em cunha apresenta um maior risco de recorrência do que a lobectomia.[72] A braquiterapia com iodo radioativo nas margens da ressecção em cunha pode reduzir o risco de recidiva.[73] Raramente a remoção de um pulmão inteiro (pneumonectomia) é realizada.[72]

A toracoscopia e a lobectomia videoassistidas utilizam técnicas minimamente invasivas para a cirurgia do câncer de pulmão.[74] A lobectomia videoassistida é igualmente efetiva quando comparada com a lobectomia aberta convencional e apresenta menos complicações pós-operatórias.[75]

No câncer de pulmão pequenas células (CPC), quimioterapia e/ou radioterapia são tipicamente utilizadas.[76] Porém, o papel da cirurgia no CPC está sendo reconsiderado. A cirurgia pode melhorar os resultados quando somada à quimoterapia ou à radiação em estágios iniciais da doença.[77]

Radioterapia[editar | editar código-fonte]

A radioterapia geralmente é realizada com a quimioterapia e pode ser utilizada com intenções curativas em pacientes com carcinoma de pulmão não pequenas células não elegíveis para cirurgia. Essa forma de radioterapia de alta intensidade é chamada radioterapia radical.[78] Um aperfeiçoamento dessa técnica é a radioterapia acelerada hiperfracionada contínua (RAHC), na qual uma alta dose de radioterapia é administrada em um curto período de tempo.[79] Para os casos de carcinoma de pulmão pequenas células potencialmente curáveis, a irradiação do tórax é frequentemente recomendada em adição à quimioterapia.[80] Radioterapia torácica pós-operativa geralmente não deve ser utilizada após cirurgias de carcinoma não pequenas células com intenção de cura.[81] Alguns pacientes com envolvimento de linfonodos mediastinais (N2) podem se beneficiar da radioterapia pós-operativa.[82]

Se o crescimento do tumor causar o bloqueio de uma pequena secção de um brônquio, a braquiterapia (radioterapia localizada) pode ser feita diretamente dentro da via aérea para abrir a passagem.[83] Se comparada com a radioterapia com irradiação externa, a braquiterapia permite uma redução no tempo de tratamento e uma menor exposição a radiação da equipe de assistência médica.[84]

A irradiação profilática do crânio é um tipo de radioterapia para o cérebro, usada para reduzir os riscos de metástase. Essa irradiação é mais útil no carcinoma de pulmão pequenas células. Na doença de estágio limitado, a irradiação aumenta a sobrevida em três anos de 15% para 20%; na doença extensa, a sobrevida em um ano aumenta de 13% para 27%.[85]

As melhoras recentes na precisão e na obtenção de imagens levaram ao desenvolvimento da radioterapia estereotáxica para o tratamento do câncer de pulmão em estágio inicial. Nessa forma de radioterapia, altas doses são fornecidas em um pequeno número de sessões utilizando técnicas estereotáxicas para alcançar o alvo com precisão. Seu uso se dá, principalmente, em pacientes que não são candidatos à cirurgia devido a comorbidades médicas.[86]

Tanto para pacientes de carcinoma não pequenas células quanto para os de pequenas células, doses reduzidas de radiação no tórax podem ser usadas para o controle de sintomas (radioterapia paliativa).[87]

Quimioterapia[editar | editar código-fonte]

O regime quimioterápico depende do tipo de tumor.

Carcinoma de pulmão pequenas células[editar | editar código-fonte]

Mesmo que em um estágio relativamente inicial, o carcinoma de pulmão pequenas células é tratado, principalmente, com quimioterapia e radioterapia.[88] No carcinoma de pulmão pequenas células, cisplatina e etoposido são mais frequentemente utilizados.[89] Combinações com carboplatina, gemcitabina, paclitaxel, vinorelbina, topotecano e irinotecano são também administradas.[90] [91]

Carcinoma de pulmão não pequenas células[editar | editar código-fonte]

No carcinoma de pulmão não pequenas células avançado, a quimioterapia aumenta a sobrevida e é usada como tratamento de primeira linha, desde que o paciente esteja bem o suficiente para receber esse tratamento.[92] Tipicamente, duas drogas são utilizadas, das quais uma é frequentemente uma platina (cisplatina ou carboplatina). Outras drogas geralmente administradas são gemcitabina, paclitaxel, docetaxel,[93] etoposido ou vinorelbina.[94] Recentemente, o pemetrexede se tornou disponível para uso.[95]

Quimioterapia adjuvante[editar | editar código-fonte]

A quimioterapia adjuvante se refere ao uso da quimioterapia após uma cirurgia aparentemente curativa para melhorar os resultados. No carcinoma de pulmão não pequenas células, amostras de linfonodos próximos são coletadas durante a cirurgia para auxiliar no estadiamento. Se os estágios II ou III são confirmados, a quimioterapia adjuvante melhora a sobrevida em 5%, em cinco anos.[96] [97] A combinação de vinorelbina e cisplatina é mais efetiva do que outros regimes.[97]

A quimioterapia adjuvante para pacientes com doença no estágio IB é controversa, já que testes clínicos não demonstraram claramente benefícios em relação à sobrevida.[98] [99] Os testes sobre a quimioterapia pré-operativa (quimioterapia neoadjuvante) em carcinomas não pequenas células ressecáveis têm sido inconclusivos.[100]

Cuidados paliativos[editar | editar código-fonte]

Em pacientes com doença terminal, os cuidados paliativos podem ser apropriados.[9] Esse método permite discussões adicionais quanto às opções de tratamento e a criação de oportunidades para tomar decisões cuidadosamente[101] [102] e poder evitar cuidados ineficazes e caros no final da vida.[102]

A quimioterapia pode ser combinada com os cuidados paliativos no tratamento do carcinoma de pulmão não pequenas células. No CNPC avançado, uma quimioterapia apropriada aumenta a média de sobrevida em relação ao tratamento de suporte, somente, assim como melhora a qualidade de vida.[103] Com um estado funcional adequado, manter a quimioterapia durante o tratamento paliativo do câncer de pulmão oferece um prolongamento de 1,5 a 3 meses na sobrevida do paciente, alívio dos sintomas e melhora na qualidade de vida, com melhores resultados observados com agentes modernos.[104] [105] O Grupo Colaborativo de Meta-Análise do CNPC (NSCLC Meta-Analyses Collaborative Group) recomenda que se um paciente deseja e pode tolerar o tratamento, então a quimioterapia deve ser considerada no CNPC avançado.[92] [106]

Prognóstico[editar | editar código-fonte]

Prognóstico do câncer de pulmão de acordo com o estágio clínico[58]
Estágio clínico Sobrevida em cinco anos (%)
Carcinoma de pulmão não pequenas células Carcinoma de pulmão pequenas células
IA 50 38
IB 47 21
IIA 36 38
IIB 26 18
IIIA 19 13
IIIB 7 9
IV 2 1

Os fatores prognósticos no câncer de pulmão não pequenas células incluem a presença ou ausência de sintomas pulmonares, o tamanho do tumor, o tipo celular (histológico), o grau de extensão (estágio) e metástases para múltiplos linfonodos e a invasão vascular. Para pacientes com doença inoperável, o prognóstico é negativamente afetado pelo baixo estado funcional e pela perda de mais de 10% do seu peso.[107] Os fatores prognósticos no câncer de pulmão pequenas células incluem o estado funcional, o gênero, o estágio da doença e o envolvimento do sistema nervoso central ou do fígado no momento do diagnóstico.[108]

Para o carcinoma não pequenas células (CNPC), o prognóstico é geralmente ruim. Após cirurgia de ressecção completa de doenças no estágio IA, a sobrevida em cinco anos é de 67%. Para as doenças no estágio IB, a taxa de sobrevida em cinco anos é de 57%.[109] A porcentagem de sobrevida em cinco anos de pacientes de CNPC no estágio IV é de aproximadamente 1%.[1]

Para o carcinoma pequenas células, o prognóstico costuma ser pior que o de não pequenas células. No geral, a taxa de sobrevida em cinco anos dos pacientes de CPC é de aproximadamente 5%.[7] Pacientes com CPC em estágio de doença avançada apresentam uma média de sobrevida em cinco anos menor do que 1%. A mediana do tempo de sobrevida dos pacientes com doença limitada é de 20 meses, com uma taxa de sobrevida em cinco anos de 20%.[1]

De acordo com dados fornecidos pelo National Cancer Institute, a mediana da idade dos pacientes no momento do diagnóstico do câncer de pulmão, nos Estados Unidos, é de 70 anos,[110] e a mediana da idade de falecimento é de 72 anos.[111]

Epidemiologia[editar | editar código-fonte]

Taxa de mortalidade padronizada para a idade por câncer de traqueia, brônquios e pulmão por 100.000 habitantes em 2004.[112]
Distribuição do câncer de pulmão em homens no Brasil, segundo estimativas do Instituto Nacional do Câncer (Inca) para o ano de 2012.[113]

Em todo o mundo, o câncer de pulmão é o câncer mais comum em termos de incidência e mortalidade. Em 2008, houve 1,61 mihão de novos casos e 1,38 milhão de mortes por câncer de pulmão. As maiores taxas estão na Europa e na América do Norte.[114] O segmento populacional mais propenso a desenvolver câncer de pulmão está acima dos 50 anos de idade e apresenta histórico de tabagismo. Em contraste com a taxa de mortalidade nos homens, que começou a declinar há 20 anos, a mortalidade do câncer de pulmão nas mulheres tem sido ascendente ao longo das últimas décadas e, apenas recentemente, tem começado a se estabilizar.[115] Nos EUA, o risco de desenvolver câncer de pulmão ao longo da vida é de 8% em homens e de 6% em mulheres.[7]

Para cada 3–4 milhões de cigarros fumados, uma morte por câncer de pulmão ocorre.[7] [116] A influência da indústria do tabaco desempenha um papel significativo na cultura do tabagismo.[117] Jovens não fumantes que veem propagandas do tabaco são mais propensos a começar a fumar.[118]

O papel do tabagismo passivo está sendo cada vez mais reconhecido como um fator de risco para o câncer de pulmão,[119] levando a políticas de intervenção para diminuir a exposição indesejada de não fumantes à fumaça produzida pelo tabaco.[120] A emissão de automóveis, das fábricas e na produção de energia também apresenta potenciais riscos.[3]

O Leste Europeu tem a maior mortalidade por câncer de pulmão entre homens, enquanto o Norte da Europa e os EUA apresentam a maior mortalidade entre as mulheres. Nos Estados Unidos, há uma maior incidência em homens e mulheres negros.[121] A incidência de câncer de pulmão, atualmente, é menos comum nos países em desenvolvimento.[122] Com o aumento do tabagismo em países em desenvolvimento, espera-se que a incidência cresça nos próximos anos, especialmente na China[123] e na Índia.[124]

A partir da década de 1960, a incidência de adenocarcinoma de pulmão começou a crescer relativamente aos outros tipos de câncer de pulmão. Isso se dá, parcialmente, pela introdução dos filtros de cigarro. O uso dos filtros remove as partículas maiores da fumaça do tabaco, reduzindo, portanto, a deposição nas grandes vias aéreas. Contudo, o fumante precisa inalar mais profundamente para receber a mesma quantidade de nicotina, aumentando a deposição de partículas nas vias aéreas menores, onde o adenocarcinoma tende a se desenvolver.[125] A incidência do adenocarcinoma de pulmão continua a aumentar.[126]

História[editar | editar código-fonte]

O câncer de pulmão não era comum antes do advento do consumo de cigarros; ele ainda não era reconhecido como uma doença distinta até 1761.[127] Os diferentes aspectos do câncer de pulmão foram descritos a fundo em 1810.[128] Os tumores malignos de pulmão correspondiam, em 1878, a apenas 1% de todos os tumores observados em autópsias, mas tiveram um aumento para 10–15% no início da década de 1900.[129] Casos relatados na literatura médica contavam apenas 374 em todo o mundo, em 1912,[130] mas uma revisão de autópsias mostrou que a incidência do câncer de pulmão havia aumentado de 0,3%, em 1852, para 5,66%, em 1952.[131] Na Alemanha, em 1929, o médico Fritz Lickint reconheceu uma ligação entre o tabagismo e o câncer de pulmão,[129] o que levou a uma agressiva campanha antitabagismo.[132] O British Doctors Study, publicado na década de 1950, foi a primeira evidência epidemiológica sólida a correlacionar o câncer de pulmão e o tabagismo.[133]

A relação com o gás radônio foi percebida, pela primeira vez, entre mineiros dos Montes Metalíferos, próximos a Schneeberg, na Saxônia. Prata era retirada de lá desde 1470, mas essas minas também são ricas em urânio, o qual é acompanhado por rádio e gás radônio. Os mineiros desenvolviam doenças pulmonares em quantidades desproporcionais, que foram, eventualmente, identificadas como câncer de pulmão, em 1870. Estima-se que 75% dos antigos mineiros morreram de câncer de pulmão.[134] Apesar dessa descoberta, a mineração continuou até a década de 1950, devido à demanda da URSS por urânio.[135] O radônio foi confirmado como uma das causas do câncer de pulmão na década de 1960.[136]

A primeira pneumonectomia de sucesso como tratamento para o câncer de pulmão foi realizada em 1933.[137] A radioterapia paliativa tem sido usada desde a década de 1940.[138] A radioterapia radical, inicialmente utilizada na década de 1950, foi uma tentativa de aplicar altas doses de radiação em pacientes com tumores de pulmão em estágios relativamente iniciais, mas que não tinha indicação para cirurgia.[139] Em 1997, a radioterapia acelerada hiperfracionada contínua (RAHC) foi vista como um aperfeiçoamento da radioterapia radical convencional.[140]

Com o carcinoma de pulmão pequenas células, tentativas iniciais de ressecção cirúrgica, na década de 1960,[141] e radioterapia radical[142] foram fracassadas. Na década de 1970, regimes quimioterápicos foram desenvolvidos com sucesso.[143]

Referências

  1. a b c d Lung Carcinoma: Tumors of the Lungs. Merck Manual Professional Edition, Online edition. Página visitada em 15 de agosto de 2007.
  2. Thun, MJ; Hannan LM, Adams-Campbell LL et al.. (2008). "Lung Cancer Occurrence in Never-Smokers: An Analysis of 13 Cohorts and 22 Cancer Registry Studies". PLoS Medicine 5 (9): e185 pp.. DOI:10.1371/journal.pmed.0050185. PMID 18788891.
  3. a b c d e Alberg AJ, Samet JM. Murray & Nadel's Textbook of Respiratory Medicine. 5 ed. Philadelphia, PA: Saunders Elsevier, 2010. Capítulo: 46. , ISBN 978-1-4160-4710-0
  4. a b O'Reilly, KM; Mclaughlin AM, Beckett WS, Sime PJ. (2007). "Asbestos-related lung disease". American Family Physician 75 (5): 683–688 pp.. PMID 17375514.
  5. Carmona, RH (27 de junho de 2006). The Health Consequences of Involuntary Exposure to Tobacco Smoke: A Report of the Surgeon General. U.S. Department of Health and Human Services.
  6. (2002) "Tobacco Smoke and Involuntary Smoking". IARC Monographs on the Evaluation of Carcinogenic Risks to Humans 83. WHO International Agency for Research on Cancer (There is sufficient evidence that involuntary smoking (exposure to secondhand or 'environmental' tobacco smoke) causes lung cancer in humans. [...] Involuntary smoking (exposure to secondhand or 'environmental' tobacco smoke) is carcinogenic to humans (Group 1).).
  7. a b c d e f g h i j k l m n o p Horn, L; Pao W, Johnson DH. Harrison's Principles of Internal Medicine. 18 ed. [S.l.]: McGraw-Hill, 2012. Capítulo: 89. , ISBN 0-07-174889-X
  8. a b c d e Vaporciyan, AA; Nesbitt JC, Lee JS et al.. Cancer Medicine. Hamilton, ON: B C Decker, 2000. 1227–1292 pp. ISBN 1-55009-113-1
  9. a b c d e f Collins, LG; Haines C, Perkel R, Enck RE. (2007). "Lung cancer: diagnosis and management". American Family Physician 75 (1): 56–63 pp.. American Academy of Family Physicians. PMID 17225705.
  10. WHO (2012). Cancer. World Health Organization. Página visitada em 19 de junho de 2012.
  11. Jones, DR; Detterbeck FC. (1998). "Pancoast tumors of the lung". Current Opinion in Pulmonary Medicine 4 (4): 191–197 pp.. DOI:10.1097/00063198-199807000-00001. PMID 10813231.
  12. Greene, Frederick L.. AJCC cancer staging manual. Berlim: Springer-Verlag, 2002. ISBN 0-387-95271-3
  13. Honnorat, J; Antoine JC. (2007). "Paraneoplastic neurological syndromes". Orphanet Journal of Rare Diseases 2 (1): 22 pp.. BioMed Central. DOI:10.1186/1750-1172-2-22. PMID 17480225.
  14. Biesalski, HK; Bueno de Mesquita B, Chesson A et al.. (1998). "European Consensus Statement on Lung Cancer: risk factors and prevention. Lung Cancer Panel". CA Cancer J Clin 48 (3): 167–176; discussion 164–166 pp.. DOI:10.3322/canjclin.48.3.167. PMID 9594919.
  15. Hecht, S. (2003). "Tobacco carcinogens, their biomarkers and tobacco-induced cancer". Nature Reviews. Cancer 3 (10): 733–744 pp.. Nature Publishing Group. DOI:10.1038/nrc1190. PMID 14570033.
  16. Sopori, M. (2002). "Effects of cigarette smoke on the immune system". Nature Reviews. Immunology 2 (5): 372–7 pp.. DOI:10.1038/nri803. PMID 12033743.
  17. Peto, R; Lopez AD, Boreham J et al.. Mortality from smoking in developed countries 1950–2000: Indirect estimates from National Vital Statistics. [S.l.]: Oxford University Press, 2006. ISBN 0-19-262535-7
  18. Samet, JM; Wiggins CL, Humble CG, Pathak DR. (1988). "Cigarette smoking and lung cancer in New Mexico". American Review of Respiratory Disease 137 (5): 1110–1113 pp.. PMID 3264122.
  19. Villeneuve, PJ; Mao Y. (1994). "Lifetime probability of developing lung cancer, by smoking status, Canada". Canadian Journal of Public Health 85 (6): 385–388 pp.. PMID 7895211.
  20. Chlebowski, RT; et al. (2009). "Non-small cell lung cancer and estrogen plus progestin use in postmenopausal women in the Women's Health Initiative randomized clinical trial". Journal of Clinical Oncology 27 (155): CRA1500 pp..
  21. US Department of Health and Human Services (30 de setembro de 1990). The Health Benefits of Smoking Cessation: a Report of the Surgeon General (PDF) pp. vi, 130, 148, 152, 155, 164, 166. Centers for Disease Control (CDC), Office on Smoking and Health.. Página visitada em 18 de novembro de 2007.
  22. Nordquist, LT; Simon GR, Cantor A et al.. (2004). "Improved survival in never-smokers vs current smokers with primary adenocarcinoma of the lung". Chest 126 (2): 347–351 pp.. American College of Chest Physicians. DOI:10.1378/chest.126.2.347. PMID 15302716.
  23. Tammemagi, CM; Neslund-Dudas C, Simoff M, Kvale P. (2004). "Smoking and lung cancer survival: the role of comorbidity and treatment". Chest 125 (1): 27–37 pp.. American College of Chest Physicians. DOI:10.1378/chest.125.1.27. PMID 14718417.
  24. California Environmental Protection Agency. (1997). "Health effects of exposure to environmental tobacco smoke. California Environmental Protection Agency". Tobacco Control 6 (4): 346–353 pp.. DOI:10.1136/tc.6.4.346. PMID 9583639.
    * CDC (2001). "State-specific prevalence of current cigarette smoking among adults, and policies and attitudes about secondhand smoke—United States, 2000". Morbidity and Mortality Weekly Report 50 (49): 1101–1106 pp.. Atlanta, Georgia: CDC. PMID 11794619.
  25. a b Alberg, AJ; Samet JM. (2007). "Epidemiology of lung cancer". Chest 132 (S3): 29S–55S pp.. American College of Chest Physicians. DOI:10.1378/chest.07-1347. PMID 17873159.
  26. Boffetta, P; Agudo A, Ahrens W et al.. (1998). "Multicenter case-control study of exposure to environmental tobacco smoke and lung cancer in Europe". Journal of the National Cancer Institute 90 (19): 1440–1450 pp.. Oxford University Press. DOI:10.1093/jnci/90.19.1440. PMID 9776409.
  27. Report of the Scientific Committee on Tobacco and Health. Department of Health (1998). Página visitada em 9 de julho de 2007.
    * Hackshaw, AK. (1998). "Lung cancer and passive smoking". Statistical Methods in Medical Research 7 (2): 119–136 pp.. DOI:10.1191/096228098675091404. PMID 9654638.
  28. National Health and Medical Research Council. (Abril de 1994). "The health effects and regulation of passive smoking". Australian Government Publishing Service. Página visitada em 10 de agosto de 2007.
  29. Schick, S; Glantz S. (2005). "Philip Morris toxicological experiments with fresh sidestream smoke: more toxic than mainstream smoke". Tobacco Control 14 (6): 396–404 pp.. DOI:10.1136/tc.2005.011288. PMID 16319363.
  30. Thun, MJ; Henley SJ, Burns D, et al.. (2006). "Lung cancer death rates in lifelong nonsmokers". J. Natl Cancer Inst 98: 691 pp..
  31. Sun, S; Schiller JH, Gazdar AF. (2007). "Lung cancer in never-smokers: A different disease". Nat Rev Cancer 7: 778-90 pp..
  32. Catelinois; Rogel A, Laurier D, et al.. (2006). "Lung Cancer Attributable to Indoor Radon Exposure in France: Impact of the Risk Models and Uncertainty Analysis". Environ. Health Perspect. 114 (9): 1361–6 pp.. DOI:10.1289/ehp.9070. PMID 16966089.
  33. Schmid, K; Kuwert T, Drexler H. (2010). "Radon in Indoor Spaces: An Underestimated Risk Factor for Lung Cancer in Environmental Medicine". Dtsch Arztebl Int 107 (11): 181–6 pp.. DOI:10.3238/arztebl.2010.0181. PMID 20386676.
  34. EPA (2006). Radiation information: radon. EPA. Página visitada em 11 de agosto de 2007.
  35. Field, RW; Steck DJ, Smith BJ et al.. (1 de junho de 2000). "Residential radon gas exposure and lung cancer: the Iowa Radon Lung Cancer Study". American Journal of Epidemiology 151 (11): 1091–1102 pp.. Oxford Journals. PMID 10873134.
  36. Darnton, AJ; McElvenny DM, Hodgson JT. (2006). "Estimating the number of asbestos-related lung cancer deaths in Great Britain from 1980 to 2000". Annals of Occupational Hygiene 50 (1): 29–38 pp.. DOI:10.1093/annhyg/mei038. PMID 16126764.
  37. Leroux, C; Girard N, Cottin V et al.. (Março–Abril de 2007). "Jaagsiekte Sheep Retrovirus (JSRV): from virus to lung cancer in sheep". Veterinary Research 38 (2): 211–228 pp.. DOI:10.1051/vetres:2006060. PMID 17257570.
  38. Palmarini, M; Fan H. (2001). "Retrovirus-induced ovine pulmonary adenocarcinoma, an animal model for lung cancer". Journal of the National Cancer Institute 93 (21): 1603–1614 pp.. Oxford University Press. DOI:10.1093/jnci/93.21.1603. PMID 11698564.
  39. Cheng, YW; Chiou HL, Sheu GT et al.. (1 de abril de 2001). "The association of human papillomavirus 16/18 infection with lung cancer among nonsmoking Taiwanese women". Cancer Research 61 (7): 2799–2803 pp.. American Association for Cancer Research. PMID 11306446.
  40. Zheng, H; Aziz HA, Nakanishi Y et al.. (2007). "Oncogenic role of JC virus in lung cancer". Journal of Pathology 212 (3): 306–315 pp.. DOI:10.1002/path.2188. PMID 17534844.
  41. Giuliani, L; Jaxmar T, Casadio C et al.. (2007). "Detection of oncogenic viruses (SV40, BKV, JCV, HCMV, HPV) and p53 codon 72 polymorphism in lung carcinoma". Lung Cancer 57 (3): 273–281 pp.. DOI:10.1016/j.lungcan.2007.02.019. PMID 17400331.
  42. Pope, CA 3rd; Burnett RT, Thun MJ, Calle EE, Krewski D, Ito K, Thurston GD. (2002). "Lung cancer, cardiopulmonary mortality, and long-term exposure to fine particulate air pollution". Journal of the American Medical Association 287 (9): 1132–1141 pp.. DOI:10.1001/jama.287.9.1132. PMID 11879110.
  43. Krewski, D; Burnett R, Jerrett M, Pope CA, Rainham D, Calle E, Thurston G, Thun M. (9-23 de julho de 2005). "Mortality and long-term exposure to ambient air pollution: ongoing analyses based on the American Cancer Society cohort". J Toxicol Environ Health A 68 (13–14): 1093–109 pp.. DOI:10.1080/15287390590935941. PMID 16024490.
  44. Valavanidis, A; Fiotakis K, Vlachogianni T. (Out-Dez de 2008). "Airborne particulate matter and human health: toxicological assessment and importance of size and composition of particles for oxidative damage and carcinogenic mechanisms". J Environ Sci Health C Environ Carcinog Ecotoxicol Rev. 26 (4): 339–62 pp.. DOI:10.1080/10590500802494538. PMID 19034792.
  45. Fong, KM; Sekido Y, Gazdar AF, Minna JD. (2003). "Lung cancer • 9: Molecular biology of lung cancer: clinical implications". Thorax 58 (10): 892–900 pp.. BMJ Publishing Group Ltd.. DOI:10.1136/thorax.58.10.892. PMID 14514947.
  46. Salgia, R; Skarin AT. (1998). "Molecular abnormalities in lung cancer". Journal of Clinical Oncology 16 (3): 1207–1217 pp.. PMID 9508209.
  47. a b c d Herbst, RS; Heymach JV, Lippman SM. (2008). "Lung cancer". New England Journal of Medicine 359 (13): 1367–1380 pp.. DOI:10.1056/NEJMra0802714. PMID 18815398.
  48. Aviel-Ronen, S; Blackhall FH, Shepherd FA, Tsao MS. (2006). "K-ras mutations in non-small-cell lung carcinoma: a review". Clinical Lung Cancer 8 (1): 30–38 pp.. Cancer Information Group. DOI:10.3816/CLC.2006.n.030. PMID 16870043.
  49. Devereux, TR; Taylor JA, Barrett JC. (1996). "Molecular mechanisms of lung cancer. Interaction of environmental and genetic factors". Chest 109 (Suppl 3): 14S–19S pp.. American College of Chest Physicians. DOI:10.1378/chest.109.3_Supplement.14S. PMID 8598134.
  50. a b c d Lu, C; On A, Vaporciyan AA et al.. Holland-Frei Cancer Medicine. 8th ed. Shelton, CT: People's Medical Publishing House USA, 2010. Capítulo: 78. , ISBN 978-1607950141
  51. a b Maitra, A; Kumar V. Robbins Basic Pathology. 8th ed. Philadelphia, PA: Saunders Elsevier, 2007. 528–529 pp. ISBN 978-1-4160-2973-1
  52. Subramanian, J; Govindan R. (2007). "Lung cancer in never smokers: a review". Journal of Clinical Oncology 25 (5): 561–570 pp.. American Society of Clinical Oncology. DOI:10.1200/JCO.2006.06.8015. PMID 17290066.
  53. Raz, DJ; He B, Rosell R, Jablons DM. (2006). "Bronchioloalveolar carcinoma: a review". Clinical Lung Cancer 7 (5): 313–322 pp.. DOI:10.3816/CLC.2006.n.012. PMID 16640802.
  54. Rosti, G; Bevilacqua G, Bidoli P et al.. . "Small cell lung cancer". Annals of Oncology 17 (Suppl. 2): 5–10 pp.. DOI:10.1093/annonc/mdj910. PMID 16608983.
  55. Seo, JB; Im JG, Goo JM et al.. (1 de março de 2001). "Atypical pulmonary metastases: spectrum of radiologic findings". Radiographics 21 (2): 403–417 pp.. PMID 11259704.
  56. Tan, D; Zander DS. (2008). "Immunohistochemistry for Assessment of Pulmonary and Pleural Neoplasms: A Review and Update". Int J Clin Exp Pathol 1 (1): 19–31 pp.. PMID 18784820.
  57. Kaiser LR. Fishman's Pulmonary Diseases and Disorders. 4th ed. New York, NY: McGraw-Hill, 2008. 1815–1816 pp. ISBN 0-07-145739-9
  58. a b c Rami-Porta, R; Crowley JJ, Goldstraw P. (2009). "The revised TNM staging system for lung cancer". Annals of Thoracic and Cardiovascular Surgery 15 (1): 4–9 pp.. PMID 19262443.
  59. Goodman, GE. (2002). "Lung cancer. 1: prevention of lung cancer". Thorax 57 (11): 994–999 pp.. PMID 12403886.
  60. McNabola, A; Gill LW. (2009). "The control of environmental tobacco smoke: a policy review". International Journal of Environmental Research and Public Health 6 (2): 741–758 pp.. DOI:10.3390/ijerph6020741. PMID 19440413.
  61. Pandey, G (2005). Bhutan's smokers face public ban. BBC. Página visitada em 7 de setembro de 2007.
  62. Pandey, G (2 de outubro de 2008). Indian ban on smoking in public. BBC. Página visitada em 25 de abril de 2012.
  63. Lei Nº 9.294, de 15 de julho de 1996. Subchefia para Assuntos Jurídicos da Presidência. Página visitada em 25 de agosto de 2012.
  64. United Nations News service (30 de maio de 2008). UN health agency calls for total ban on tobacco advertising to protect young. Press release.
  65. a b c Fabricius, P; Lange P. (2003). "Diet and lung cancer". Monaldi Archives for Chest Disease 59 (3): 207–211 pp.. PMID 15065316.
  66. Fritz, H; Kennedy D, Fergusson D et al.. (2011). "Vitamin A and Retinoid Derivatives for Lung Cancer: A Systematic Review and Meta Analysis". PLoS ONE 6 (6): e21107 pp.. DOI:10.1371/journal.pone.0021107. PMID 21738614.
  67. Herr, C; Greulich T, Koczulla RA et al.. (2011). "The role of vitamin D in pulmonary disease: COPD, asthma, infection, and cancer". Respiratory Research 12 (1): 31 pp.. DOI:10.1186/1465-9921-12-31. PMID 21418564.
  68. a b Key, TJ. (2011). "Fruit and vegetables and cancer risk". British Journal of Cancer 104 (1): 6–11 pp.. DOI:10.1038/sj.bjc.6606032. PMID 21119663.
  69. Manser, RL; Irving LB, Stone C et al.. (2004). "Screening for lung cancer". Cochrane Database of Systematic Reviews (1): CD001991 pp.. DOI:10.1002/14651858.CD001991.pub2. PMID 14973979.
  70. Ferrell, B; Koczywas M, Grannis F, Harrington A. (2011). "Palliative care in lung cancer". Surgical Clinics of North America 91 (2): 403–417 pp.. DOI:10.1016/j.suc.2010.12.003. PMID 21419260.
  71. Kaiser LR. Fishman's Pulmonary Diseases and Disorders. 4th ed. New York, NY: McGraw-Hill, 2008. 1853–1854 pp. ISBN 0-07-145739-9
  72. a b Kaiser LR. Fishman's Pulmonary Diseases and Disorders. 4th ed. New York, NY: McGraw-Hill, 2008. 1855–1856 pp. ISBN 0-07-145739-9
  73. Odell, DD; Kent MS, Fernando HC. (2010). "Sublobar resection with brachytherapy mesh for stage I non-small cell lung cancer". Seminars in Thoracic and Cardiovascular Surgery 22 (1): 32–37 pp.. DOI:10.1053/j.semtcvs.2010.04.003. PMID 20813314.
  74. Alam, N; Flores RM. (2007). "Video-assisted thoracic surgery (VATS) lobectomy: the evidence base". Journal of the Society of Laparoendoscopic Surgeons 11 (3): 368–374 pp.. PMID 17931521.
  75. Rueth, NM; Andrade RS. (2010). "Is VATS lobectomy better: perioperatively, biologically and oncologically?". Annals of Thoracic Surgery 89 (6): S2107–S2111 pp.. DOI:10.1016/j.athoracsur.2010.03.020. PMID 20493991.
  76. Simon, GR; Turrisi A. (2007). "Management of small cell lung cancer: ACCP evidence-based clinical practice guidelines (2nd edition)". Chest 132 (3 Suppl): 324S–339S pp.. DOI:10.1378/chest.07-1385. PMID 17873178.
  77. Goldstein, SD; Yang SC. (2011). "Role of surgery in small cell lung cancer". Surgical Oncology Clinics of North America 20 (4): 769–777 pp.. DOI:10.1016/j.soc.2011.08.001. PMID 21986271.
  78. Arriagada, R; Goldstraw P, Le Chevalier T. Oxford Textbook of Oncology. 2 ed. New York, NY: Oxford University Press, 2002. 2094 pp. ISBN 0-19-262926-3
  79. Hatton, MQ; Martin JE. (2010). "Continuous hyperfractionated accelerated radiotherapy (CHART) and non-conventionally fractionated radiotherapy in the treatment of non-small cell lung cancer: a review and consideration of future directions". Clinical Oncology (Royal College of Radiologists) 22 (5): 356–364 pp.. DOI:10.1016/j.clon.2010.03.010. PMID 20399629.
  80. Wagner, H. (1998). "Radiation therapy in the management of limited small cell lung cancer: when, where, and how much?". Chest 113 (Suppl. 1): 92S–100S pp.. American College of Chest Physicians. DOI:10.1378/chest.113.1_Supplement.92S. PMID 9438697.
  81. PORT Meta-analysis Trialists Group. (2005). "Postoperative radiotherapy for non-small cell lung cancer". Cochrane Database of Systematic Reviews (2): CD002142 pp.. DOI:10.1002/14651858.CD002142.pub2. PMID 15846628.
  82. Le Péchoux, C. (2011). "Role of postoperative radiotherapy in resected non-small cell lung cancer: a reassessment based on new data". Oncologist 16 (5): 672–681 pp.. DOI:10.1634/theoncologist.2010-0150. PMID 21378080.
  83. Cardona, AF; Reveiz L, Ospina EG et al.. (2008). "Palliative endobronchial brachytherapy for non-small cell lung cancer". Cochrane Database of Systematic Reviews (2): CD004284 pp.. DOI:10.1002/14651858.CD004284.pub2. PMID 18425900.
  84. Ikushima, H. (2010). "Radiation therapy: state of the art and the future". Journal of Medical Investigation 57 (1–2): 1–11 pp.. PMID 20299738.
  85. Paumier, A; Cuenca X, Le Péchoux C. (2011). "Prophylactic cranial irradiation in lung cancer". Cancer Treatment Reviews 37 (4): 261–265 pp.. DOI:10.1016/j.ctrv.2010.08.009. PMID 20934256.
  86. Girard, N; Mornex F. (2011). "Stereotactic radiotherapy for non-small cell lung cancer: From concept to clinical reality. 2011 update". Cancer Radiothérapie 15 (6–7): 522–526 pp.. DOI:10.1016/j.canrad.2011.07.241. PMID 21889901.
  87. Fairchild, A; Harris K, Barnes E et al.. (2008). "Palliative thoracic radiotherapy for lung cancer: a systematic review". Journal of Clinical Oncology 26 (24): 4001–4011 pp.. DOI:10.1200/JCO.2007.15.3312. PMID 18711191.
  88. Hann, CL; Rudin CM. (30 de novembro de 2008). "Management of small-cell lung cancer: incremental changes but hope for the future". Oncology (Williston Park) 22 (13): 1486–92 pp.. PMID 19133604.
  89. Murray, N; Turrisi AT. (2006). "A review of first-line treatment for small-cell lung cancer". Journal of Thoracic Oncology 1 (3): 270–278 pp.. PMID 17409868.
  90. Azim, HA; Ganti AK. (2007). "Treatment options for relapsed small-cell lung cancer". Anticancer drugs 18 (3): 255–261 pp.. DOI:10.1097/CAD.0b013e328011a547. PMID 17264756.
  91. MacCallum, C; Gillenwater HH. (2006). "Second-line treatment of small-cell lung cancer". Current Oncology Reports 8 (4): 258–264 pp.. DOI:10.1007/s11912-006-0030-8. PMID 17254525.
  92. a b NSCLC Meta-Analyses Collaborative Group. (2008). "Chemotherapy in Addition to Supportive Care Improves Survival in Advanced Non–Small-Cell Lung Cancer: A Systematic Review and Meta-Analysis of Individual Patient Data From 16 Randomized Controlled Trials". J. Clin. Oncol. 26 (28): 4617–25 pp.. DOI:10.1200/JCO.2008.17.7162. PMID 18678835.
  93. Mehra R, Treat J. Fishman's Pulmonary Diseases and Disorders. 4th ed. New York, NY: McGraw-Hill, 2008. 1876 pp. ISBN 0-07-145739-9
  94. Clegg, A; Scott DA, Hewitson P et al.. (2002). "Clinical and cost effectiveness of paclitaxel, docetaxel, gemcitabine, and vinorelbine in non-small cell lung cancer: a systematic review". Thorax 57 (1): 20–28 pp.. BMJ Publishing Group. DOI:10.1136/thorax.57.1.20. PMID 11809985.
  95. Fuld, AD; Dragnev KH, Rigas JR. (2010). "Pemetrexed in advanced non-small-cell lung cancer". Expert Opin Pharmacother 11 (8): 1387–402 pp.. DOI:10.1517/14656566.2010.482560. PMID 20446853.
  96. Carbone, DP; Felip E. (2011). "Adjuvant therapy in non-small cell lung cancer: future treatment prospects and paradigms". Clinical Lung Cancer 12 (5): 261–271 pp.. DOI:10.1016/j.cllc.2011.06.002. PMID 21831720.
  97. a b Le Chevalier, T. (2010). "Adjuvant chemotherapy for resectable non-small-cell lung cancer: where is it going?". Annals of Oncology 21 (Suppl. 7): vii196–198 pp.. DOI:10.1093/annonc/mdq376. PMID 20943614.
  98. Horn, L; Sandler AB, Putnam JB Jr, Johnson DH. (2007). "The rationale for adjuvant chemotherapy in stage I non-small cell lung cancer". Journal of Thoracic Oncology 2 (5): 377–383 pp.. DOI:10.1097/01.JTO.0000268669.64625.bb. PMID 17473651.
  99. Wakelee, HA; Schiller JH, Gandara DR. (2006). "Current status of adjuvant chemotherapy for stage IB non-small-cell lung cancer: implications for the New Intergroup Trial". Clinical Lung Cancer 8 (1): 18–21 pp.. Cancer Information Group. DOI:10.3816/CLC.2006.n.028. PMID 16870041.
  100. BMJ. Clinical evidence concise : the international resource of the best available evidence for effective health care.. London: BMJ Publishing Group, 2005. 486–488 pp. ISBN 1-905545-00-2 ISSN 1475-9225
  101. Kelley, AS; Meier DE. (2010). "Palliative care--a shifting paradigm". N. Engl. J. Med. 363 (8): 781–2 pp.. DOI:10.1056/NEJMe1004139. PMID 20818881.
  102. a b Prince-Paul, M. (2009). "When hospice is the best option: an opportunity to redefine goals". Oncology (Williston Park, N.Y.) 23 (4 Suppl Nurse Ed): 13–7 pp.. PMID 19856592.
  103. Souquet, PJ; Chauvin F, Boissel JP, Bernard JP. (1995). "Meta-analysis of randomised trials of systemic chemotherapy versus supportive treatment in non-resectable non-small cell lung cancer". Lung Cancer 12 Suppl 1: S147–54 pp.. DOI:10.1016/0169-5002(95)00430-9. PMID 7551923.
  104. Sörenson, S; Glimelius B, Nygren P. (2001). "A systematic overview of chemotherapy effects in non-small cell lung cancer". Acta Oncol 40 (2–3): 327–39 pp.. PMID 11441939.
  105. Clegg, A; Scott DA, Sidhu M, Hewitson P, Waugh N. (2001). "A rapid and systematic review of the clinical effectiveness and cost-effectiveness of paclitaxel, docetaxel, gemcitabine and vinorelbine in non-small-cell lung cancer". Health Technol Assess 5 (32): 1–195 pp.. PMID 12065068.
  106. Non-Small Cell Lung Cancer Collaborative Group. (2010). "Chemotherapy and supportive care versus supportive care alone for advanced non-small cell lung cancer". Cochrane Database of Systematic Reviews (5): CD007309 pp.. DOI:10.1002/14651858.CD007309.pub2. PMID 20464750.
  107. Non-Small Cell Lung Cancer Treatment. National Cancer Institute. Página visitada em 22 de novembro de 2008.
  108. Small Cell Lung Cancer Treatment. National Cancer Institute (2012). Página visitada em 16 de maio de 2012.
  109. Mountain, CF. (1997). "Revisions in the international system for staging lung cancer" (PDF). Chest 111: 1710–1717 pp.. American College of Chest Physicians. DOI:10.1378/chest.111.6.1710. PMID 9187198.
  110. SEER data (SEER.cancer.gov) Median Age of Cancer Patients at Diagnosis 2002-2003
  111. SEER data (SEER.cancer.gov) Median Age of Cancer Patients at Death 2002-2006
  112. WHO Disease and injury country estimates (2009). Página visitada em 11 de novembro de 2009.
  113. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Estimativa 2012 : incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: Inca, 2011. ISBN 978-85-7318-194-4
  114. Ferlay, J; Shin HR, Bray F et al.. (Dezembro de 2010). "Estimates of worldwide burden of cancer in 2008: GLOBOCAN 2008". International Journal of Cancer 127 (12): 2893–2917 pp.. DOI:10.1002/ijc.25516. PMID 21351269.
  115. Jemal, A; Tiwari RC, Murray T, et al.. (2004). "Cancer statistics, 2004". CA Cancer J Clin 54 (1): 8–29 pp.. DOI:10.3322/canjclin.54.1.8. PMID 14974761.
  116. Proctor, RN. (2012). "The history of the discovery of the cigarette-lung cancer link: evidentiary traditions, corporate denial, global toll". Tobacco Control 21 (2): 87–91 pp.. DOI:10.1136/tobaccocontrol-2011-050338. PMID 22345227.
  117. Lum, KL; Polansky JR, Jackler RK, Glantz SA. (2008). "Signed, sealed and delivered: "big tobacco" in Hollywood, 1927–1951". Tobacco Control 17 (5): 313–323 pp.. DOI:10.1136/tc.2008.025445. PMID 18818225.
  118. Lovato, C; Watts A, Stead LF. (Outubro de 2011). "Impact of tobacco advertising and promotion on increasing adolescent smoking behaviours". Cochrane Database of Systematic Reviews (10): CD003439 pp.. DOI:10.1002/14651858.CD003439.pub2. PMID 21975739.
  119. Taylor, R; Najafi F, Dobson A. (2007). "Meta-analysis of studies of passive smoking and lung cancer: effects of study type and continent". International Journal of Epidemiology 36 (5): 1048–1059 pp.. DOI:10.1093/ije/dym158. PMID 17690135.
  120. Kemp, FB. (2009). "Smoke free policies in Europe. An overview". Pneumologia 58 (3): 155–158 pp.. PMID 19817310.
  121. National Cancer Institute; SEER stat fact sheets: Lung and Bronchus. Surveillance Epidemiology and End Results. 2010 [1]
  122. Gender in lung cancer and smoking research (PDF). World Health Organization (2004). Página visitada em 26 de maio de 2007.
  123. Zhang, J; Ou JX, Bai CX. (Novembro de 2011). "Tobacco smoking in China: prevalence, disease burden, challenges and future strategies". Respirology 16 (8): 1165–1172 pp.. DOI:10.1111/j.1440-1843.2011.02062.x. PMID 21910781.
  124. Behera, D; Balamugesh T. (2004). "Lung cancer in India". Indian Journal of Chest Diseases and Allied Sciences 46 (4): 269–281 pp.. PMID 15515828.
  125. Charloux, A; Quoix E, Wolkove N et al.. (1997). "The increasing incidence of lung adenocarcinoma: reality or artefact? A review of the epidemiology of lung adenocarcinoma". International Journal of Epidemiology 26 (1): 14–23 pp.. DOI:10.1093/ije/26.1.14. PMID 9126499.
  126. Kadara, H; Kabbout M, Wistuba II. (2012). "Pulmonary adenocarcinoma: a renewed entity in 2011". Respirology 17 (1): 50–65 pp.. DOI:10.1111/j.1440-1843.2011.02095.x. PMID 22040022.
  127. Morgagni, Giovanni Battista. De sedibus et causis morborum per anatomen indagatis. [S.l.: s.n.], 1761.
  128. Bayle, Gaspard-Laurent. Recherches sur la phthisie pulmonaire. [S.l.: s.n.], 1810.
  129. a b Witschi, H. (2001). "A short history of lung cancer". Toxicological Sciences 64 (1): 4–6 pp.. DOI:10.1093/toxsci/64.1.4. PMID 11606795.
  130. Adler, I. Primary Malignant Growths of the Lungs and Bronchi. [S.l.]: Longmans, Green, and Company, 1912. OCLC 14783544, cited in Spiro SG, Silvestri GA. (2005). "One hundred years of lung cancer". American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine 172 (5): 523–529 pp.. DOI:10.1164/rccm.200504-531OE. PMID 15961694.
  131. Grannis, FW. History of cigarette smoking and lung cancer. smokinglungs.com. Página visitada em 6 de agosto de 2007. Cópia arquivada em 18 de julho de 2007.
  132. Proctor, R. The Nazi War on Cancer. Princeton, NJ: Princeton University Press, 2000. 173–246 pp. ISBN 0-691-00196-0
  133. Doll, R; Hill AB. (1956). "Lung Cancer and Other Causes of Death in Relation to Smoking". British Medical Journal 2 (5001): 1071–1081 pp.. DOI:10.1136/bmj.2.5001.1071. PMID 13364389.
  134. Pirozynski, M. (2006). "100 years of Lung Cancer". Respiratory Medicine 100 (12): 2073–2084 pp.. DOI:10.1016/j.rmed.2006.09.002. PMID 17056245.
  135. Greaves, M. Cancer: the Evolutionary Legacy. New York, NY: Oxford University Press, 2000. 196–197 pp. ISBN 0-19-262835-6
  136. Samet, JM. (2011). "Radiation and cancer risk: a continuing challenge for epidemiologists". Environmental Health 10 (Suppl. 1): S4 pp.. DOI:10.1186/1476-069X-10-S1-S4. PMID 21489214.
  137. Horn, L; Johnson DH. (2008). "Evarts A. Graham and the first pneumonectomy for lung cancer". Journal of Clinical Oncology 26 (19): 3268–3275 pp.. DOI:10.1200/JCO.2008.16.8260. PMID 18591561.
  138. Edwards, AT. (1946). "Carcinoma of the Bronchus". Thorax 1 (1): 1–25 pp.. DOI:10.1136/thx.1.1.1. PMID 20986395.
  139. Kabela, M. (1956). "Erfahrungen mit der radikalen Röntgenbestrahlung des Bronchienkrebses". Ceskoslovenská Onkológia 3 (2): 109–115 pp.. PMID 13383622.
  140. Saunders, M; Dische S, Barrett A et al.. (1997). "Continuous hyperfractionated accelerated radiotherapy (CHART) versus conventional radiotherapy in non-small-cell lung cancer: a randomised multicentre trial". Lancet 350 (9072): 161–165 pp.. Elsevier. DOI:10.1016/S0140-6736(97)06305-8. PMID 9250182.
  141. Lennox, SC; Flavell G, Pollock DJ et al.. (1968). "Results of resection for oat-cell carcinoma of the lung". Lancet 2 (7575): 925–927 pp.. Elsevier. DOI:10.1016/S0140-6736(68)91163-X. PMID 4176258.
  142. Miller, AB; Fox W, Tall R. (1969). "Five-year follow-up of the Medical Research Council comparative trial of surgery and radiotherapy for the primary treatment of small-celled or oat-celled carcinoma of the bronchus". Lancet 2 (7619): 501–505 pp.. Elsevier. DOI:10.1016/S0140-6736(69)90212-8. PMID 4184834.
  143. Cohen, M; Creaven PJ, Fossieck BE Jr et al.. (1977). "Intensive chemotherapy of small cell bronchogenic carcinoma". Cancer Treatment Reports 61 (3): 349–354 pp.. PMID 194691.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Câncer de pulmão