Atelectasia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Atelectasia
Raio X de atelectasia do pulmão direito.
Classificação e recursos externos
CID-10 J98.1
CID-9 518.0
DiseasesDB 10940
MedlinePlus 000065
eMedicine med/180
MeSH D001261
Star of life caution.svg Aviso médico

Atelectasia (do grego ἀτελής, "incompleto" + ἔκτασις, "extensão") ou colapso pulmonar é o colapso de um segmento do pulmão alterando a relação ventilação/perfusão. Geralmente ocorre quando a via respiratória está bloqueada e as áreas não colapsadas costumam tentar compensar aumentando a oxigenação. Des [1]

Causa[editar | editar código-fonte]

Vista sagital de lóbulo médio colapsado.

Fatores que causem o bloqueio das vias de condução de ar como[2] :

  • Objetos estranhos;
  • Sangramento;
  • Infecções (pneumonia, bronquite, enfisema, tuberculose...);
  • Anestesia geral;
  • Excesso de muco;
  • Pressão causada por uma acumulação de fluido entre as costelas e os pulmões (derrame pleural);
  • Repouso prolongado no leito, com poucas mudanças de posição;
  • Respiração insuficiente;
  • Tumores que bloqueiam as vias aéreas.

Outras possíveis causas sem bloqueio incluem:

  • Pneumotórax (perfuração do pulmão);
  • Trauma físico grave que reduza muito a respiração;
  • Cirurgia abdominal

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

Os sinais clínicos são:

  • Deslocamento da traqueia ou mediastino para o lado da atelectasia
  • Desvio do choque da ponta cardíaco para o lado da atelectasia
  • Elevação do diafragma do lado da atelectasia
  • Alteração da fissura horizontal
  • Pinçamento de costelas

E os possíveis sintomas são[2] :

  • Dificuldade de respirar;
  • Baixa saturação de oxigênio;
  • Batimento cardíaco acelerado;
  • Efusão pleural;

A falta de ar eventualmente deixa a pele e lábios azulados (cianose). Antigamente acreditavam que causava febre, porém estudos refutaram essa alegação.[3]

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

O colapso pode ser detectado por[2] :

Prevalência[editar | editar código-fonte]

Não há predileção por algum gênero ou raça, mas é mais comum em menores de 10 anos por possuírem menor via respiratória. Também é mais comum após cirurgia com anestesia geral e após acidentes graves.[4]

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Star of life caution.svg
Advertência: A Wikipédia não é consultório médico nem farmácia.
Se necessita de ajuda, consulte um profissional de saúde.
As informações aqui contidas não têm caráter de aconselhamento.

Tratamentos para atelectasia[2] :

  • Percurtir (bater) no peito para soltar tampões de muco nas vias aéreas;
  • Realizar exercícios de respiração profunda (com ou sem a ajuda de aparelhos de espirometria de incentivo);
  • Remover ou aliviar qualquer bloqueio nas vias aéreas através de broncoscopia ou aspiração;
  • Inclinar a pessoa de modo que a cabeça fique mais baixa do que o peito (chamado drenagem postural). Isto permite que o muco saia com mais facilidade;
  • Tratar um tumor ou outra condição caso exista;
  • Virar a pessoa para deitar sobre o lado do pulmão saudável facilita que a área de colapso de pulmão se re-expanda;
  • Tratamentos respiratórios aerossolizado (medicamentos inalatórios) para abrir a via aérea;
  • Usar outros dispositivos que ajudem a aumentar a pressão positiva nas vias aéreas e limpar líquidos (pressão expiratória positiva [PEP])

Prognóstico[editar | editar código-fonte]

No adulto a atelectasia de uma pequena área do pulmão não é geralmente uma ameaça à vida. O resto do pulmão geralmente pode compensar pela área desmoronada, levando oxigênio suficiente para o bom funcionamento do organismo. É apenas problemático em idosos e pacientes com outras doenças que prejudiquem a respiração como câncer de pulmão.

Grandes áreas de atelectasias só são comuns e graves em bebês ou crianças pequenas. Caso a causa seja objeto engolido costuma melhorar assim que o objeto é aspirado para fora.

Referências

  1. O’Donnell AE. Bronchiectasis, atelectasis, cysts, and localized lung disorders. In: Goldman L, Schafer AI, eds. Cecil Medicine. 24th ed. Philadelphia, Pa: Saunders Elsevier; 2011:chap 90.
  2. a b c d http://www.nlm.nih.gov/medlineplus/ency/article/000065.htm
  3. Engoren M. Lack of association between atelectasis and fever. Chest. Jan 1995;107(1):81-4.
  4. http://emedicine.medscape.com/article/1001160-overview#a0199