Pleurisia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde outubro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


Pleurisia ou pleurite é uma inflamação das pleuras pulmonares (parietal e visceral) que pode ser seca ou com aumento do líquido pleural (derrame pleural). Caso este esteja infectado, é conhecido como empiema.

A doença ocorre quando um agente, geralmente um vírus ou bactéria, irrita a pleura (a dupla membrana serosa que envolve os pulmões) causando uma inflamação. Existem dois tipos :

  • pleurisia seca, quando não há uma quantidade anormal de fluido na cavidade pleural;
  • pleurisia líquida, quando a inflamação é acompanhada de saída de liquido de dentro da cavidade pleural (derrame pleural).

De uma maneira geral, denomina-se "derrame pleural" o aumento do líquido entre as pleuras, podendo este aumento ser de diversas naturezas: seroso, quando o aumento se dá por transudação da linfa como ocorre principalmente em insuficiências cardíacas; hemorrágico, quando predominar o sangue como nos traumas do tórax e empiemas, se o líquido for purulento.

A pleurisia é resultado de processos inflamatórios infecciosos ou não. A maioria das infecções pulmonares pode provocar derrame pleural, isto é, a pleurisia pode desenvolver-se quando o indivíduo tem uma inflamação pulmonar devido a uma infecção como: pneumonia, tuberculose, tumores pulmonares, lúpus, embolia pulmonar, infecções por vírus ou fungos, doenças do tecido conjuntivo (doenças reumáticas), metástases pleurais, traumatismo torácico ou por reacção a medicamentos.

Sintomas e sinais[editar | editar código-fonte]

Os principais sintomas da doença são as dores torácicas (embora por vezes se possam sentir dores no abdómen, ombro ou pescoço) que podem ser classificadas como ventilo-dependentes pois aparecem ou tornam-se mais fortes com os movimentos respiratórios, especialmente ao respirar profundamente e durante movimentos relacionados com suspiro, a tosse e o espirro. Estas dores são causadas quando as duas superfícies pleurais roçam uma na outra e sentem-se na parede do tórax junto ao local da inflamação.

Se ocorrer um grande acúmulo de líquido o movimento dos pulmões é restringido e consequentemente podem ocorrer dificuldades respiratórias devido à compressão do pulmão, o que pode provocar tosse, respiração rápida e cianose (que é uma coloração azulada que é conferida pela hemoglobina reduzida no sangue). À medida que aumenta a quantidade de líquido entre as pleuras, diminui a dor, mas acentua-se a dificuldade de respirar, devido à compressão exercida sobre os pulmões. Podem também existir outros sintomas como febre, perda de apetite, fraqueza e dores de cabeça.

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

Pode-se através da auscultação pulmonar suspeitar de pleurisia.

A doença pode depois ser confirmada por radiografia torácica, por tomografia computadorizada ou por ultrassonografia do tórax e o diagnóstico obtido por biopsia pleural, realizada com agulha onde se retira uma porção do líquido e um fragmento de pleura que são enviados para exames bioquímicos, citológicos e anatomopatológicos.

O tratamento para a inflamação é realizado de acordo com o agente causador da doença. Se a pleurisia for provocada por um vírus, não há utilização de medicamentos para erradicar a doença e sim os seus sintomas. Se a pleurisia for bacteriana, o tratamento é realizado à base de antibióticos para erradicar o agente.

A pleurisia não pode ser prevenida, mas o tratamento correto para qualquer problema diminui as chances de desencadear a doença.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Toracocentese, drenagem pleural e tratamento etiológico.