Cisplatina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros, acadêmico)Yahoo!Bing.
Cisplatina
Alerta sobre risco à saúde
Cisplatin-2D.png
Nome IUPAC (SP-4-2)-diamindicloroplatina(II)
Outros nomes cisplatina
cis-platina
cis-diaminodicloroplatina (II)
Identificadores
Número CAS 15663-27-1
PubChem 441203
DrugBank DB00515
Código ATC L01XA01
SMILES
InChI InChI=1/2ClH.2H3N.Pt/h2*1H;2*1H3;/q;;;;+2/p-2/rCl2H6N2Pt/c1-5(2,3)4/h3-4H3
Propriedades
Fórmula molecular PtCl2N2H6
Massa molar 300,05 g·mol−1
Aparência pó amarelado, inodoro
Densidade 3,7 g·cm−3 (20 °C)
Ponto de fusão

decompõe a 270 °C

Solubilidade em água baixa solubilidade em água (2,5 g·L−1 a 20 °C)
Farmacologia
Riscos associados
Principais riscos
associados
Tóxico (T)
Frases R 45​‐​25​‐​36/37/38​‐​42/43
Frases S 53​‐​22​‐​24​‐​37​‐​45
LD50 26 mg·kg−1 (rato, oral)[1]
Exceto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições normais de temperatura e pressão

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

A cisplatina ou cis-diaminodicloroplatina (II) é um agente antineoplásico, citotóxico, relacionado com os alquilantes e desempenha um papel importante no tratamento de diversos tipos de cancro, sendo utilizado na maioria dos protocolos de tratamento de diversas neoplasias, como por exemplo: testículos, ovários, garganta, bexiga, esófago, entre outros. A cisplatina é um composto inorgânico, de coordenação planar, que contém um átomo central de platina rodeado por dois átomos
de cloro e dois grupos amónia.

História[editar | editar código-fonte]

A cisplatina foi sintetizada em 1844 por Michel Peyrone, ficando com a designação de cloreto de Peyrone. Em 1893, a sua estrutura foi elucidada por Alfred Werner e, só em 1960, este composto é redescoberto por serendipismo através de experiências realizadas nos laboratórios da Michigan State University, por Barnett Rosenberg et al, que estudavam o efeito de uma corrente eléctrica no crescimento bacteriano de Escherichia coli. Estes investigadores chegaram à conclusão que a mitose das bactérias era inibida não por fenómenos eléctricos mas por um agente químico –cisplatina. Assim, em 1970 os efeitos da cisplatina foram testados e comprovados em sarcomas implantados artificialmente em ratos, seguidos por testes de toxicidade realizados em animais (cães e macacos). Em 1972 o National Cancer Institute introduz a cisplatina em ensaios clínicos de fase 3. Em 1978 é aprovada pela FDA (Food and Drug Administration) para uso clínico.

Reacção entre cisplatina e DNA. A cisplatina se intercala no DNA estabelecendo uma ligação coordinativa com duas bases de Guanina.[2]

Mecanismo de acção[editar | editar código-fonte]

A actividade antitumoral da cisplatina é atribuída à ligação ao DNA, com formação de aductos, originando ligações intra e intercadeias que induzem alterações estruturais. O seu efeito citotóxico é, assim, causado pela inibição da transcrição e replicação, induzindo a apoptose. A síntese de proteínas e RNA também é afectada, mas em menor grau. Estes mecanismos foram intensivamente investigados levando a cisplatina a ser reconhecida como droga para o tratamento de cancer já em 1973.[3] Já o isómero geométrico da cisplatina – transplatina – também forma complexos com o DNA, no entanto, não é efectivo como agente quimioterápico.[carece de fontes?]

Efeitos secundários[editar | editar código-fonte]

Inerente ao uso da cisplatina estão importantes efeitos secundários:

  1. Nefrotoxicidade – é o efeito secundário limitante da dose. Para diminuir o dano renal é importante uma adequada hidratação e diurese.
  2. Neurotoxicidade
  3. Ototoxicidade – infelizmente não há um tratamento efectivo para prevenir este efeito. Durante o tratamento devem-se realizar análises audiométricas regularmente.
  4. Náuseas e vómitos – a cisplatina, tal como os outros agentes antineoplásicos é emetogénica. No tratamento são usados fármacos antieméticos para prevenir este efeito.

Carcinogenicidade[editar | editar código-fonte]

Estrutura espacial da cisplatina.

O potencial carcinogénico da cisplatina ainda não foi inteiramente avaliado. Mas tem-se mostrado carcinogénica em animais.

Teratogenicidade[editar | editar código-fonte]

A cisplatina é embriotoxica e teratogénica em animais de experiência.

Mutagenicidade[editar | editar código-fonte]

A cisplatina mostrou ser mutagénina em culturas bacterianas e produz aberrações cromossómicas em células de tecidos animais.

Resistência[editar | editar código-fonte]

Embora, a cisplatina seja um agente quimioterápico altamente eficaz tem uma limitação – a resistência. Os mecanismos estabelecidos incluem: a redução da acumulação intracelular de cisplatina, níveis intracelulares aumentados de determinadas macromoléculas contendo enxofre, o aumentado da reparação do DNA, alteração da expressão de genes regulatórios e tolerância dos adultos.

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Cisplatina

Referências

  1. Instituto para a Segurança no Trabalho da Alemanha (Institut für Arbeitsschutz — IFA). Cisplatin (necessita JavaScript) (em alemão) Entrada no banco de dados de Substâncias Perigosas (Eintrag in der GESTIS-Stoffdatenbank).. Página visitada em 6 de dezembro de 2013.
  2. B. Lippert (editor), CISPLATIN - Chemistry and Biochemistry of a Leading Anticancer Drug, 1999, WILLEY-VCH, pp. 84-85 (em inglês).
  3. Center for Drug Evaluation and Research, último acesso 21-10-2010 (em inglês).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Símbolo farmácia.jpg Portal Farmácia
Sciences exactes.svg Portal Química