BRIC

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Brasil, Rússia, Índia, China
Mapa dos países BRIC

BRIC

 Brasil
Presidente (chefe de Estado e de Governo): Dilma Rousseff
 Rússia
Presidente (chefe de Estado): Vladimir Putin
Primeiro-ministro (chefe de governo): Dmitri Medvedev
 Índia
Presidente (chefe de Estado): Pranab Mukherjee
Primeiro-ministro (chefe de governo): Manmohan Singh
 China
Presidente (chefe de Estado): Xi Jinping
Primeiro-ministro (chefe de governo): Li Keqiang

Em economia, BRIC é uma sigla que se refere a Brasil, Rússia, Índia, China, que se destacam no cenário mundial como países em desenvolvimento. O acrônimo foi cunhado e proeminentemente usado pelo economista Jim O'Neill,[2] chefe de pesquisa em economia global do grupo financeiro Goldman Sachs,[3] em um estudo de 2001 intitulado "Building Better Global Economic BRICs".[4] [5] [6] [6] [7]

O México e a Coreia do Sul seriam os únicos países comparáveis com os países BRIC, de acordo com um artigo publicado em 2005, mas suas economias foram excluídas inicialmente porque já foram considerados mais desenvolvidas.[8] O Goldman Sachs argumenta que, uma vez que estão em rápido desenvolvimento, em 2050, o conjunto das economias dos BRICs pode eclipsar o conjunto das economias dos países mais ricos do mundo atual. Os quatro países, em conjunto, representam atualmente mais de um quarto da área terrestre do planeta e mais de 40% da população mundial.[9] [10]

O Goldman Sachs não afirma que os BRICs se organizam em um bloco econômico ou uma associação de comércio formal, como no caso da União Europeia.[11] No entanto, há fortes indícios de que "os quatro países do BRIC têm procurado formar um "clube político" ou uma "aliança", e assim convertendo "seu crescente poder econômico em uma maior influência geopolítica."[12] [13] Em 16 de junho de 2009, os líderes dos países do BRIC realizaram sua primeira reunião, em Ecaterimburgo, e emitiram uma declaração apelando para o estabelecimento de uma ordem mundial multipolar.[14] Desde então, os BRICs realizam cúpulas anuais e, em 2011, convidaram a África do Sul a se juntar ao grupo, formando o BRICS.[15]

Tese[editar | editar código-fonte]

Jim O'Neill foi quem propôs a ideia dos países BRIC.

O Goldman Sachs afirma que o potencial econômico do Brasil, Rússia, Índia e China é tamanho que esses países poderiam se tornar as quatro economias dominantes do mundo até o ano 2050. A tese foi proposta por Jim O'Neill, chefe de pesquisa em economia global do grupo financeiro Goldman Sachs.[16] Estes países abrangem mais de 25% de cobertura de terra do planeta e 40% da população do mundo, além de possuírem um PIB combinado (PPC) de 18.486 trilhões de dólares. Em quase todos os aspectos, essa seria a maior entidade no cenário internacional. Estes quatro países estão entre os mercados emergentes de maior e mais rápido crescimento econômico.[carece de fontes?]

Não é a intenção da Goldman Sachs argumentar que esses quatro países são uma aliança política (como a União Europeia) ou algum tipo de associação comercial formal, como a ASEAN. Entretanto, os países BRICs têm tomado medidas para aumentar a sua cooperação política, principalmente como uma forma de influenciar a posição dos Estados Unidos sobre acordos comerciais importantes, ou, através da ameaça implícita de cooperação política, como uma forma de extrair concessões políticas dos EUA, como a proposta de cooperação nuclear com a Índia.[carece de fontes?]

De acordo com um artigo publicado em 2005, o México e a Coreia do Sul foram os únicos outros países comparáveis ​​aos BRICs, mas suas economias foram inicialmente excluídas por serem considerados já mais desenvolvidas, uma vez que já eram membros da OCDE.[8]

Vários dos mais desenvolvidos países P-11, em particular a Turquia, México, Nigéria e Indonésia, são vistos como possíveis candidatos ao BRICs. Alguns outros países em desenvolvimento que ainda não atingiram o nível econômico dos P-11, como a África do Sul, aspiram o estatuto de BRIC. Os economistas da 2011 Reuters Investment Outlook Summit, realizada nos dias 6 e 7 de dezembro de 2010, rejeitaram a ideia de unir a África do Sul ao BRIC.[17] Jim O'Neill, disse à cúpula que ele estava sendo constantemente pressionado sobre o BRIC por vários países. Ele disse que a África do Sul, com uma população de menos de 50 milhões de pessoas, era muito pequena como economia para se juntar aos países BRIC.[18]

A Goldman Sachs tem argumentado que, uma vez que os quatro países do BRIC estão se desenvolvendo rapidamente, em 2050, suas economias combinadas poderá eclipsar o conjunto das economias dos países mais ricos do mundo atual. Estes quatro países, juntos, respondem atualmente por mais de um quarto da área terrestre do mundo e mais de 40% da população mundial.[10] [19]

Sonhando com os BRICs: A caminho de 2050 (2003)[editar | editar código-fonte]

A tese BRIC reconhece que Brasil, Rússia, Índia e China mudaram os seus sistemas políticos para adotar o capitalismo global. A Goldman Sachs prevê que a China e a Índia, respectivamente, vão se tornar os principais fornecedores mundiais de produtos manufaturados e serviços, enquanto Brasil e Rússia se tornarão dominantes da mesma forma como fornecedores de matérias-primas. Note-se que, dos quatro países, o Brasil continua a ser a única nação que tem a capacidade de prosseguir com todos os elementos econômicos, ou seja, fornecendo bens da indústria, serviços e recursos simultaneamente. A cooperação é, portanto, a hipótese de ser o próximo passo lógico entre os BRICs, porque o Brasil e a Rússia formam os fornecedores mais óbvios de commodities para a Índia e a China. Assim, os BRICs têm potencial para formar um bloco econômico poderoso, excluindo os Estados modernos atualmente dominantes, formado pelo "Grupo dos Oito". O Brasil é dominante na soja e no minério de ferro, enquanto a Rússia tem enormes reservas de petróleo e gás natural.[20]

Após o fim da Guerra Fria, ou mesmo antes, os governos que compreendem todos os BRIC iniciaram reformas econômicas ou políticas para permitir que seus países entrassem na economia mundial. Para competir, esses países têm simultaneamente salientado a educação, o investimento estrangeiro, o consumo interno e o empreendedorismo nacional.[20]

Relatório de acompanhamento (2004)[editar | editar código-fonte]

A equipe econômica mundial do Goldman Sachs divulgou um relatório de acompanhamento ao seu estudo incial sobre os BRICs em 2004. O relatório afirma que nos países BRIC, o número de pessoas com renda anual superior a um limite de 3.000 dólares, vai duplicar em número dentro três anos e chegar a 800 milhões de pessoas dentro de uma década. Este relatório prevê um aumento maciço no tamanho da classe média nesses países. Em 2025, calcula-se que o número de pessoas nas nações BRIC ganhando mais de 15 mil dólares pode chegar a mais de 200 milhões. Isso indica que um aumento enorme na demanda não será restrito aos bens básicos, mas terá impacto em bens mais caros também. Segundo o relatório, a China em primeiro lugar e, em seguida, uma década depois, a Índia vão começar a dominar a economia mundial.[20]

No entanto, apesar do crescimento, balançando tão decisivamente para as economias do BRIC, o nível de riqueza média dos indivíduos nas economias mais avançadas vai continuar a superar em muito a média econômica dos BRICs. O Goldman Sachs estima que em 2025 a renda per capita nos seis países mais populosos da UE vai ultrapassar os US$ 35.000, enquanto que apenas cerca de 500 milhões de pessoas nas economias do BRIC terão níveis de renda semelhante.[20]

O relatório destaca também a grande ineficiência da Índia no consumo de energia e menciona a dramática sub-representação destas economias nos mercados mundiais de capitais. O relatório também enfatiza as enormes populações que existem no seio das nações BRIC, o que torna relativamente fácil que a riqueza agregada desses países supere a do G7, enquanto os níveis de renda per capita ainda serão muito inferiores do padrão dos países industrializados atuais. Este fenômeno também afeta os mercados mundiais, visto que as corporações multinacionais tentarão tirar proveito dos enormes mercados potenciais nos países do BRIC, produzindo, por exemplo, carros muito mais baratos e outros produtos manufaturados a preços acessíveis para os consumidores dentro dos BRICs, em vez dos modelos de luxo que atualmente trazem mais renda para os fabricantes de automóveis. Índia e China já começaram a fazer sentir a sua presença nos serviços e na indústria transformadora, respectivamente, no cenário global. As economias desenvolvidas do mundo já notaram esse fato.[20]

Segundo relatório de acompanhamento (2007)[editar | editar código-fonte]

Este relatório foi compilado pelos autores Tushar Poddar e Eva Yi é dá ênfase ao "Potencial de Crescimento da Índia". Ele revela dados atualizados de projeções atribuídas à crescente tendência de crescimento na Índia durante os últimos quatro anos. O Goldman Sachs afirma que "a influência da Índia na economia mundial será maior e mais rápida do que implícita em nossa pesquisa sobre os BRICs publicada anteriormente". Eles observaram áreas significativas como pesquisa e desenvolvimento e da expansão que está acontecendo no país, o que conduzirá à prosperidade da crescente classe média.[21]

A Índia tem 10 das 30 áreas urbanas que mais crescem no mundo e, com base nas tendências atuais, estima-se o enorme número de 700 milhões de pessoas irão se deslocar para cidades até 2050. Isto terá implicações significativas na demanda por infraestrutura urbana, imóveis e serviços.
[21]

Na revisão dos números em 2007, com base em um crescimento maior e sustentável, com mais investimentos estrangeiros diretos, o Goldman Sachs prevê que o "PIB per capita da Índia irá quadruplicar entre 2007-2020, em US$", e que a economia indiana vai superar a Estados Unidos (em US$) em torno do ano 2043.[21] O relatório afirma que as quatro nações, como um grupo, vão ultrapassar os países do G7 em 2032.[21]

EM Equity in Two Decades: A Changing Landscape (2010)[editar | editar código-fonte]

Segundo um novo relatório do Goldman Sachs, publicado em 2010, a China poderia ultrapassar os Estados Unidos em termos de capitalização de mercado de capital em 2030 e se tornar o maior mercado acionário único no mundo. Em 2020, o PIB dos EUA pode ser apenas ligeiramente maior do que o PIB da China. Juntos, os quatro BRICs podem ser responsáveis ​​por 41% da capitalização de mercado do mundo em 2030, segundo o relatório.[22]

Devido à contração de 1,1% do PIB do Japão no 4º trimestre de 2010 face ao trimestre anterior, o PIB da China ultrapassou o PIB do Japão por $5.88 trilhões e $5.47 trilhões de dólares, respectivamente, e tornou a China a segunda maior economia do planeta.[23]

Com base em relatório divulgado pela Forbes em março de 2011, os países BRICs, pela primeira vez, ultrapassaram a Europa em número de bilionários por 301 bilionários, ou um bilionário na frente da Europa, por causa do significativo aumento de 108 bilionários em relação ao ano anterior.[24]

Em 2010, a economia combinada dos países BRICS foi responsável por 18% da produção total da economia global e é esperado que o grupo passe o G7 em 2035.[25]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

A The Economist publica uma tabela anual de estatísticas sociais e econômicas nacionais no seu Pocket World in Figures. Os dados da classificação mundial, edição de 2008, quando comparados as economias e países do BRIC fornecem um marco interessante em relação a bases econômicas da "tese BRIC". Ele também ilustra como, apesar de suas bases econômicas divergentes, os indicadores econômicos dos BRICs são notavelmente semelhantes no ranking global entre as diferentes economias. Eles também sugerem que, embora argumentos econômicos possam ser feitos para a inclusão do México na "tese BRIC", a possibilidade de inclusão da África do Sul parece consideravelmente mais fraca. Uma publicação da Goldman Sachs de Dezembro de 2005 explica o porquê do México não estar incluído no BRIC. De acordo com a publicação,[8] entre todos os países analisados, apenas o México e a Coreia do Sul talvez tenham algum potencial para rivalizar com as economias BRICs, mesmo assim, os analistas da Goldman Sachs resolveram excluir tais economias da "tese BRIC" por já considerá-las mais desenvolvidas. De acordo com a publicação de 2005, o México seria a quinta maior economia em 2050, à frente da Rússia.

Esta é uma tabela mostrando várias categorias de listas e rankings relacionadas à economia e política e as posições dos países BRICS em cada uma delas. O melhor colocado destacado em negrito.

Categoria  Brasil  Rússia  Índia  China
Área 3º / 4º
(disputado)
População
PIB nominal 11º 10º
PIB (PPC)
Exportações 21º 11º 20º
Importações 20º 17º 11º
Balança comercial 187º 182º
Consumo de eletricidade
Automóvel per capita 65° 51° 114° 72°
Liberdade econômica 81° 122° 121° 111°
Produção de petróleo 23°
Índice de Desenvolvimento Humano 84º 66º 134º 101º

Perspectivas[editar | editar código-fonte]

A lista a seguir mostra os 22 países dos grupos BRICs, G7 e Próximos onze pelo PIB nominal do ano de 2006 até o ano de 2050.[26] A lista da parte inferior classifica os mesmos 22 países por PIB nominal per capita. Os países do BRIC são destacados e rotulados em negrito.

Classificação de 2006: os números de 1 a 15 são países do G20. Os cinco outros países do G20 que não foram incluídos na lista são: Argentina, Austrália, Arábia Saudita, África do Sul e União Europeia. Os números de 1 a 8 são países do G7 (Top 7), com exceção da China. Estima-se que em 2027 o PIB da China vai ultrapassar o dos Estados Unidos.

Classificação de 2050: os países do Top5 são: 1.República Popular da China, 2.Estados Unidos, 3.Índia, 4.Brasil, 5.México (todos os três países do BRIC, mais EUA e México). Os países do G7 em 2006 que não estão no Top5 de 2050 são: Japão (8), Alemanha (10), Reino Unido (9), França (12), Itália (18) e Canadá (16). Assim, só os Estados Unidos será um dos países do G7 que continuará no Top 5 em 2050. Os números refletem os dados publicados em 2007.

As cinco maiores economias do mundo em 2050, medidas em PIB nominal (milhões de USD), de acordo com o Goldman Sachs.[26]
Produto interno bruto (em bilhões de US$ em 2006)[26]
Posição em 2050 País 2050 2045 2040 2035 2030 2025 2020 2015 2010 2006
1  China 70.710 57.310 45.022 34.348 25.610 18.437 12.630 8.133 5.745 2.682
2  Estados Unidos 38.514 33.904 29.823 26.097 22.817 20,087 17.978 16.194 14.620 13.245
3  Índia 37.668 25.278 16.510 10.514 6.683 4.316 2.848 1.900 1.430 909
4  Brasil 11.366 8.740 6.631 4.963 3.720 2.831 2.194 1.720 2.024 1.064
5  México 9.340 7.204 5.471 4.102 3.068 2.303 1.742 1.327 1.004 851
6  Rússia 8.580 7.420 6.320 5.265 4.265 3.341 2.554 1.900 1.477 982
7  Indonésia 7.010 4.846 3.286 2.192 1.479 1.033 752 562 695 350
8  Japão 6.677 6.300 6.042 5.886 5.814 5.570 5.224 4.861 5.391 4.336
9  Irã 5.945 4.283 3.085 2.222 1.673 1.285 994 716 337 245
10  Reino Unido 5.133 4.744 4.344 3.937 3.595 3.333 3.101 2.835 2.259 2.310
11  Alemanha 5.024 4.714 4.388 4.048 3.761 3.631 3.519 3.326 3.306 2.851
12  Nigéria 4.640 2.870 1.765 1.083 680 445 306 218 206 121
13  França 4.592 4.227 3.892 3.567 3.306 3.055 2.815 2.577 2.555 2.194
14  Coreia do Sul 4.083 3.562 3.089 2.644 2.241 1.861 1.508 1.305 986 887
15  Turquia 3.943 3.033 2.300 1.916 1.479 1.279 965 865 729 390
16  Vietnã 3.607 2.569 1.768 1.169 745 458 273 157 102 55
17  Canadá 3.149 2.849 2.569 2.302 2.061 1.856 1.700 1.549 1.564 1.260
18  Filipinas 3.010 2.040 1.353 882 582 400 289 215 189 117
19  Itália 2.950 2.737 2.559 2.444 2.391 2.326 2.444 2.072 2.037 1.809
20  Egito 2.602 1.728 1.124 718 467 318 229 171 216 101
21  Paquistão 2.085 1.472 1.026 709 497 359 268 206 174 129
22  Bangladesh 1.466 1.001 676 451 304 210 150 110 105 63
Produto interno bruto (em bilhões de US$ em 2006)[26]
Grupo Bandeiras 2050 2045 2040 2035 2030 2025 2020 2015 2010 2006
BRIC Brasil Rússia Índia República Popular da China 128.324 98.757 74.483 55.090 40.278 28.925 20.226 13.653 8.640 5.637
G7 Canadá França Alemanha Itália Japão Reino Unido Estados Unidos 66.039 59.475 53.617 48.281 43.745 39.858 36.781 33.414 30.437 28.005
Produto interno bruto per capita (nominal)[26]
Posição em 2050 País 2050 2045 2040 2035 2030 2025 2020 2015 2010 2006  % de crescimento (2006 - 2050)
1  Estados Unidos 91.683 83.489 76.044 69.019 62.717 57.446 53.502 50.200 47.014 44.379 206%
2  Coreia do Sul 90.294 75.979 63.924 53.449 44.602 36.813 29.868 26.012 21.602 18.161 497%
3  Reino Unido 79.234 73.807 67.391 61.049 55.904 52.220 49.173 45.591 41.543 38.108 207%
4  Rússia 78.435 65.708 54.221 43.800 34.368 26.061 19.311 13.971 9.833 6.909 1,137%
5  Canadá 76.002 69.531 63.464 57.728 52.663 48.621 45.961 43.449 40.541 38.071 199%
6  França 75.253 68.252 62.136 56.562 52.327 48.429 44.811 41.332 38.380 36.045 208%
7  Alemanha 68.253 62.658 57.118 51.710 47.263 45.033 43.223 40.589 37.474 34.588 197%
8  Japão 66.846 60.492 55.756 52.345 49.975 46.419 42.385 38.650 36.194 34.021 196%
9  México 63.149 49.393 38.255 29.417 22.694 17.685 13.979 11.176 8.972 7.918 797%
10  Itália 58.545 52.760 48.070 44.948 43.195 41.358 38.990 35.908 32.948 31.123 188%
11  Brasil 49.759 38.149 29.026 21.924 16.694 12.996 10.375 8.427 6.882 5.657 879%
12  China 49.650 39.719 30.951 23.511 17.522 12.688 8.829 5.837 3.463 2.041 2,432%
13  Turquia 45.595 34.971 26.602 20.046 15.188 11.743 9.291 7.460 6.005 5.545 822%
14  Vietnã 33.472 23.932 16.623 11.148 7.245 4.583 2.834 1.707 1.001 655 5,110%
15  Irã 32.676 26.231 20.746 15.979 12.139 9.328 7.345 5.888 4.652 3.768 867%
16  Indonésia 22.395 15.642 10.784 7,365 5.123 3.711 2.813 2.197 1.724 1.508 1,485%
17  Índia 20.836 14.446 9.802 6.524 4.360 2.979 2.091 1.492 1.061 817 2,550%
18  Egito 20.500 14.025 9.443 6.287 4.287 3.080 2.352 1.880 1.531 1.281 1,600%
19  Filipinas 20.388 14.260 9.815 6.678 4.635 3.372 2.591 2.075 1.688 1.312 1,553%
20  Nigéria 13.014 8.934 6.117 4.191 2.944 2.161 1.665 1.332 1.087 919 1,416%
21  Paquistão 7.066 5.183 3.775 2.744 2.035 1.568 1.260 1.050 897 778 908%
22  Bangladesh 5.235 3.767 2.698 1.917 1.384 1.027 790 627 510 427 1,225%

Críticas[editar | editar código-fonte]

A principal crítica é a de que as projeções do BRIC são baseadas na suposição de que os recursos naturais são ilimitados e infinitamente disponíveis quando necessário. Na realidade, muitos recursos importantes atualmente necessários para sustentar o crescimento econômico, como petróleo, gás natural, carvão e outros combustíveis fósseis, e o urânio, que, em breve, poderão sofrer um pico de produção antes que energias renováveis estejam suficientemente desenvolvidas e comercializadas, o que pode resultar em um menor crescimento econômico do que o previsto, assim minando as projeções e os respectivas prazos. A emergência econômica dos BRICs terá consequências imprevisíveis para o ambiente global. Na verdade, os defensores de um conjunto da capacidade de carga da Terra argumentam que, dada a tecnologia atual, há um limite finito para quanto os BRICs podem se desenvolver antes de exceder a capacidade de fornecimento da economia global.[27]

Acadêmicos e especialistas têm sugerido que a China é uma aliança por si só em relação aos outros países do BRIC.[28] Tal como David Rothkopf escreveu na revista Foreign Policy, "Sem a China, os BRICs são apenas o BRI, um queijo macio e brando que é conhecido principalmente pelo lamento que o acompanha. A China é o músculo do grupo e os chineses sabem disso. Eles têm poder de veto efetivo sobre as iniciativas do BRIC, pois sem eles, quem se importa realmente? Eles são o único com as grandes reservas. Eles são o maior mercado potencial. Eles são os parceiros dos Estados Unidos no G2 (imagine a cobertura de uma reunião G2 em relação a uma reunião do G8) e E2 (sem acordo sobre o clima sem eles) e assim por diante."[29] O Deutsche Bank Research, afirmou em um relatório que "a China ofusca economicamente, financeiramente e politicamente, e continuará a ofuscar os outros BRICs." A instituição acrescentou que a economia da China é maior do que as três outras economias do BRIC (Brasil, Rússia e Índia) combinadas. Além disso, as exportações da China e suas reservas estrangeiras oficiais são mais que o dobro da dos outros BRICs combinados.[30] Nessa perspectiva, alguns especialistas em investimentos de pensão têm argumentado que "a China sozinha responde por mais de 70% do combinado crescimento do PIB gerado pelos países BRIC [1999-2010]:. se não houver um milagre BRIC, esse é na maior parte e antes de tudo um milagre chinês."[31]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal
A Wikipédia possui o
Portal da economia.

Referências

  1. Economia da China é maior que as de Brasil, Rússia, Índia e África do Sul somadas
  2. ÉPOCA, 21 de maio de 2009. 21/05/2009 Entrevista com Jim O’Neill, por João Caminoto.
  3. Goldman Sachs. Global Economics Paper No. 99, Dreaming with BRICs.
  4. Kowitt, Beth. "For Mr. BRIC, nations meeting a milestone", CNNMoney.com, 17/06/2009. Página visitada em 18/06/2009.
  5. Global Economics Paper No. 99, Dreaming with BRICs and Global Economics Paper 134, How Solid Are the BRICs?
  6. a b Economist's Another BRIC in the wall 2008 article
  7. Specifically, Jim O'Neill, head of global economic research at Global Economics Paper No. 99, Dreaming with BRICs and Global Economics Paper 134, How Solid Are the BRICs?
  8. a b c How Solid are the BRICs? (PDF). Global Economics. Página visitada em /18/07/2008.
  9. [1]
  10. a b http://www.investordaily.com/cps/rde/xchg/id/style/801.htm?rdeCOQ=SID-3F579BCE-819F182C
  11. Brazil, Russia, India And China (BRIC). Investopedia. Página visitada em 11 de maio de 2008.
  12. BRICs helped by Western finance crisis: Goldman | Reuters
  13. Russia shows its political clout by hosting Bric summit - Times Online
  14. Halpin, Tony (17 de junho de 2009). "Brazil, Russia, India and China form bloc to challenge US dominance". The Times, 17 de junho de 2009. Retrieved from http://www.timesonline.co.uk/tol/news/world/us_and_americas/article6514737.ece.
  15. S. Africa Joins; BRIC Now BRICS, 13 de abril de 2011
  16. Ask the expert: BRICs and investor strategy from the Financial Times, Monday 2006-11-06 09:55
  17. Reuters 2011 Investment Outlook Summit, London and New York, 6-7 December 2010
  18. Reuters 2011 Investment Outlook Summit, London and New York, 6–7 December 2010
  19. bricnation.com. bricnation.com. Página visitada em 15/10/2010.
  20. a b c d e Five Years of China's WTO Membership. EU and US Perspectives on China's Compliance with Transparency Commitments and the Transitional Review Mechanism, Legal Issues of Economic Integration, Kluwer Law International, Volume 33, Number 3, pp. 263-304, 2006. by Paolo Farah
  21. a b c d Microsoft Word - Draft of Global Econ Paper No 152.doc (PDF). Página visitada em 15/10/2010.
  22. Goldman predicts: onwards and upwards for emerging markets, beyondbrics blog
  23. Japan's Gross Domestic Product Fell 0.3% at Year's End http://www.nytimes.com/2011/02/14/business/global/14yen.html?partner=rss&emc=rss
  24. BRICs becoming billionaire factory http://www.ft.com/cms/s/0/bc9b6d80-4a8d-11e0-82ab-00144feab49a.html?ftcamp=rss#axzz1GCKIXd3V
  25. MacKinnon, Mark. "Best not to ignore growing weight of BRICS", The Globe and Mail. Página visitada em 14/04/2011.
  26. a b c d e "BRICS AND BEYOND" - Goldman Sachs study of BRIC and N11 nations, November 23, 2007.
  27. [Sapovadia, Vrajlal K., Bric Potency: Truth or Trance‘ (April 3, 2010). Available at SSRN: http://ssrn.com/abstract_id=1583828]
  28. BRICs and G-2. Indianexpress.com (17/06/2009). Página visitada em 15/10/2010.
  29. What BRIC would be without China... | David Rothkopf. Rothkopf.foreignpolicy.com. Página visitada em 15/10/2010.
  30. "The Hindu News Update Service", Hindu.com, 08/06/2009. Página visitada em 15/10/2010.
  31. (em inglês) see M. Nicolas J. Firzli, “Forecasting the Future: The G7, the BRICs and the China Model”, JTW & An-Nahar, 9 de março de 2011, http://www.turkishweekly.net/op-ed/2799/forecasting-the-future-the-brics-and-the-china-model.html, visitado em 09/03/2011 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Goldman Sachs


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre BRIC