Países recentemente industrializados

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Os países recentemente industrializados

A categoria de Países Recentemente Industrializados (NIC, sigla do termo em inglês Newly industrialized countries) é uma posição de classificação social/econômica aplicada a vários países ao redor do mundo por cientistas políticos e economistas.

Os NIC são países cujas economias ainda não conseguiram a primeira posição mundial mas, em um sentido macroeconômico, ultrapassaram as do terceiro mundo. Outra caraterização dos NIC é aquela de nações que possui crescimento econômico rápido (normalmente voltado à exportação). A industrialização incipiente ou contínua é um indicador importante de um NIC. Em muitos NIC, o motim social pode ocorrer como as populações principalmente rurais, agrícolas que migram para as grandes cidades, onde o crescimento de manufaturados e fábricas pode desenhar o futuro de milhares de trabalhadores.

Os NIC usualmente compartilham algumas características comuns, inclusive:

  • Liberdades sociais maiores e direitos civis (com exceção da República Popular da China)
  • Um comutador de economias agrícola a economias industriais, especialmente no setor de fabricação.
  • Cada vez mais abrem a economia, levando em conta o livre comércio com os seus vizinhos, e com isto juntando uma coligação política comercial.

Contudo, é importante observar que a liberdade política nem sempre se associa com a liberdade econômica. Em nações como a República Popular da China, censura de Internet, a supressão do cristianismo, e outros abusos de direitos civis são comuns. O governo chinês refutou essas acusações argumentando que o aumento do padrão de vida da China forneceu um utilitário benefício social que excede em peso o efeito prejudicial de violações individuais. De modo semelhante, países como a Arábia Saudita têm questões de direitos humanos que ganharam a ira de organizações como a Anistia Internacional.

Os NIC muitas vezes recebem o suporte de organizações não governamentais como a OMC e outros corpos de suporte internos. Contudo, como eles são beneficiários da globalização, muitos sustentadores comerciais e outros protecionistas relutaram contra a importação dos produtos dos NIC, especialmente da República Popular da China.

Análise econômica[editar | editar código-fonte]

Os NIC geralmente se beneficiam de mão-de-obra barata, que se traduz em preços mais baixos para fornecedores. Como resultado, é frequentemente mais fácil para os produtores dos NICs desempenhar e produzir melhor em fábricas de países desenvolvidos, onde o custo de vida é mais alto, e uniões trabalhistas e outras organizações tem mais poder político

Contexto histórico[editar | editar código-fonte]

O termo começou a ser usado na década de 1970 quando os assim chamados Tigres Asiáticos (Hong Kong, Coreia do Sul, Singapura e a República da China (ou Taiwan) subiram à proeminência global com um crescimento industrial rápido desde a década de 1960. É importante observar a distinção entre esses países e as nações agora consideradas NIC. Especialmente, a combinação de um processo político aberto, alto PIB per capita, uma prosperidade e a política econômica voltada para a exportação, mostrou que esses países agora conseguiram filas de países desenvolvidos. A República da Coreia é um membro pleno da OCDE, enquanto Taiwan mantém a posição de observador.

Presente[editar | editar código-fonte]

Exemplos atuais[1] [2] [3] [4] do nações NICs incluem a:

Continente País PIB
(Milhões de dólares)
PIB
per capita (Dólares)
IDH
(2007)
África África do Sul[3] [4] 520.948 5.384 0,683 médio
América do Norte  México (OECD)[1] [2] [3] [4] 1.108.281 8.066 0,854 elevado
América do Sul  Brasil[1] [2] 2.421.000 10.150 0,813 elevado
Ásia  China[3] [4] 8.814.860 2.001 0,772 médio
 Índia[1] [4] 3.779.044 797 0,612 médio
 Malásia[1] 275.830 5,718 0,829 elevado
Filipinas[1] [2] 426.689 1.345 0,751 médio
 Tailândia[1] [2] 557.378 3.136 0,783 médio
Europa/Ásia  Turquia[2] [4] (Candidato da UE) 605.876 5.408 0,806 elevado

Nota: As figuras do PIB (PPP) (dados de 2005), e do PIB (nominal) per capita (dados de 2006)[5] correspondem ao World Bank. O índice humano do desenvolvimento (IHD) como nas Nações Unidas relata a 2006 (dados de 2004).

Alguns autores consideram ainda a lista da primeira geração dos países (Coreia sul, Formosa, Singapore, Hong Kong[6] ) como NICs, e alguns que outros os discutem são agora países desenvolvidos.

A República Popular da China e a Índia são casos especiais: a renda per capita da população imensa dessas duas nações (mais de dois bilhões combinados desde novembro de 2006)permanecerá baixa mesmo se a economia de um desses países sobrepujar a dos Estados Unidos. Contudo, com o PIB PPC em mente, as populações chinesas e indianas terão um custo de vida significativamente reduzido.

Referências

  1. a b c d e f g Paweł Bożyk. Globalization and the Transformation of Foreign Economic Policy. [S.l.]: Ashgate Publishing, Ltd, 2006. 164 p. ISBN 0-75-464638-6
  2. a b c d e f Mauro F. Guillén. The Limits of Convergence. [S.l.]: Princeton University Press, 2003. 126 (Table 5.1) p. ISBN 0-69-111633-4
  3. a b c d David Waugh. Geography, An Integrated Approach. [S.l.]: Nelson Thornes Ltd., 3rd edition 2000. 563, 576-579, 633, and 640 p. ISBN 0-17-444706-X
  4. a b c d e f N. Gregory Mankiw. Principles of Economics. [S.l.: s.n.], 4th Edition 2007. ISBN 0-32-422472-9
  5. International Monetary Fund, GDP per capita (current prices)
  6. Crystal Reference Encilopedia

Ver também[editar | editar código-fonte]