Bombaim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Bombaim
Principais símbolos de Mumbai
Principais símbolos de Mumbai
Bombaim está localizado em: Índia
Bombaim
Localização de Bombaim na Índia
18° 57' 36" N 72° 49' 12" E
País  Índia
Estado Maharashtra
Área
 - Total 437 71 km²
Altitude 8 m (26 pés)
População (2009)
 - Total 13 922 125
    • Densidade 31 806/km2 
Gentílico: não há
Sítio www.mcgm.gov.in
Commons
O Commons possui multimídias sobre Bombaim

Bombaim[1] ou Mumbai (em marata, मुंबई, Mumbaī; em inglês, Mumbai ou Bombay) é a maior e mais importante cidade da Índia. Conta com uma população estimada em 12 478 447 habitantes (2011[2] ) residindo apenas em seu núcleo urbano, ou 20 748 395, se consideramos sua região metropolitana, conhecida como Grande Mumbai, a segunda maior do país[3] — atrás apenas da Grande Deli — e a 4.ª mais populosa do mundo. Capital e maior cidade do estado indiano de Maharashtra, Mumbai localiza-se na ilha de Salsete, as margens do Oceano Índico.

As sete ilhas que vieram a constituir Bombaim são habitadas, há séculos, por nómadas que tinham como a pesca a principal fonte de sobrevivência. Durante séculos, as ilhas ficaram sob o controle de sucessivos impérios indianos, antes de ser cedido ao Império de Portugal e, posteriormente, a Companhia Britânica das Índias Orientais, controlada pelo Império Britânico. Durante meados do século XVIII, a urbanização de Bombaim foi reformulada pelos britânicos, com grandes projetos de engenharia civil, fazendo surgir uma cidade comercial e cosmopolita. O desenvolvimento econômico e educacional caracterizou a cidade durante o século XIX, tornando-a uma forte base para o movimento de independência da Índia, no início do século XX. Quando o país se tornou independente em 1947, a cidade foi incorporada ao estado de Bombaim. Em 1960, após a o movimento Maharashtra Samyukta, o novo estado de Maharashtra foi criado, com Bombaim como capital, como se mantém até hoje.

Classificada como uma "Cidade Global Alfa", Bombaim é, portanto, o maior centro econômico e comercial da Índia, abrigando instituições financeiras importantes, como o Reserve Bank of India (o banco central indiano), a Bombay Stock Exchange e a National Stock Exchange of India, bem como a matriz de diversas empresas indianas. Todos esses atributos fazem com que a cidade seja considerada a mais rica do país, com um Produto Metropolitano Bruto (PMB) estimado em US$209 bilhões em 2008,[4] segundo cálculos da PricewaterhouseCoopers, e correspondendo a cerca de 5,5% do produto interno bruto do país. A cidade ainda é responsável por quase 70% de todas as transações comerciais e financeiras da Índia.

Com um dos maiores e mais movimentados portos do mundo, a cidade de Bombaim é responsável por cerca de 70% de toda a atividade portuária do país — devido, principalmente a sua modernidade e a sua posição estratégica dentro do continente asiático.

Bombaim atrai migrantes de todo o país e de vários países vizinhos, devido às grandes oportunidades comerciais e ao nível de vida relativamente alto. Tornou-se, com isto, um núcleo cosmopolita de várias comunidades e culturas. Encontra-se em Bombaim a chamada Bollywood, a indústria indiana de cinema e televisão.

Em 1995, o governo local repudiou a versão oficial inglesa do nome da cidade, Bombay, em favor da forma oficial marata मुंबई, transcrita como Mumbai.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

É consensual actualmente que o nome do local deriva da deusa adorada no templo de Mumbadevi, um dos mais antigos da ilha construído pela população nativa, encontrado pelos Portugueses à sua chegada, que o deixaram intacto.[5]

Acredita-se que a primeira referência europeia à ilha de Bombaim foi feita por Diogo Barbosa em 1516, designando-a Benamajambu;(a)[6] Alguns autores pretendem que majambu poderá ser uma alusão a Mumbadevi.[7] No entanto, enquanto que Bena refere-se provavelmente a Thana, majambu parece referir-se somente à vizinha ilha de Mahim, actual subúrbio de Bombaim.[5] O primeiro escritor português a se referir ao local como Bombaim foi Gaspar Correia, que chegou à Índia em 1512, nas suas "Lendas da Índia", cuja escrita começou por essa altura, sendo secretário de Afonso de Albuquerque.[5] Naquele mesmo século, a grafia parece haver evoluído para Mombayn (1525)[8] e depois Mombaim (1563)[9]

J.P. Machado refuta uma explicação alternativa para o nome, sem bases científicas, segundo a qual Bombaim seria uma corruptela do português "Bom Bahia" (sic) ou "Boa Bahia". Esta confusão teria levado ingleses pouco sabedores de português a suporem a presença dessa palavra no topónimo, pelo que o português Bombaim teria se transformado no inglês Bombay.[10]

História[editar | editar código-fonte]

O Haji Ali Dargah foi construído em 1431, quando Bombaim estava sob o domínio do Sultanato Gujarat
Vista da cidade em 1890
Nariman Point, exclusivo distrito comercial de Bombaim

A atual Bombaim era, originalmente, um arquipélago de sete ilhas. Os artefatos encontrados perto de Kandivali, no norte da cidade, indicam que as mesmas eram habitadas desde a Idade da Pedra. A presença humana encontra-se documentada desde 250 a.C., quando o local era conhecido como Heptanésia (Ptolomeu). Durante o século III a.C., as ilhas integraram o Império Máuria, governado pelo imperador budista Açoca. Posteriormente, os soberanos hindus da dinastia Silhara governaram-nas até 1343, quando foram anexadas pelo Reino do Guzerate.

A chegada de Portugueses a Bombaim registrou-se em 1509. Posteriormente, em 1534, estes tomaram as ilhas ao sultão Bádur Xá de Guzerate. Em 1661, entregaram-nas a Carlos II da Inglaterra como dote de Catarina de Bragança. Em 1668, a coroa inglesa arrendou as ilhas à Companhia Inglesa das Índias Orientais. Neste período, a população cresceu rapidamente de 10 000 habitantes em 1661 para 60 000 em 1675. Em 1687, a companhia transferiu a sua sede de Surate para Bombaim.

A partir de 1817, a cidade foi reformulada, com grandes projetos de engenharia civil destinados a fundir todas as ilhas do arquipélago em um único terreno. A primeira ferrovia indiana, aberta em 1853, ligava Bombaim a Thane. Durante a Guerra Civil Americana (1861-1865), a cidade tornou-se o principal mercado de algodão do mundo, o que estimulou consideravelmente a economia local. A abertura do Canal de Suez em 1869 transformou Bombaim em um dos maiores portos marítimos do Mar Arábico.

Nos trinta anos seguintes, a cidade tornou-se um grande centro urbano, com melhorias na infraestrutura e o surgimento de muitas das instituições municipais. A população atingiu um milhão de habitantes em 1906, o que a fez a segunda maior cidade da Índia depois de Calcutá. Foi uma base importante para o movimento de independência indiano, de que é exemplo o movimento "Deixem a Índia" (Quit India, em inglês), convocado por Gandhi em 1942. Após a independência da Índia em 1947, Bombaim passou a ser a capital do estado de Bombaim. Em 1950, a cidade expandiu-se até os seus limites atuais, ao incorporar partes da ilha de Salsete, ao norte.

Em 1960, quando o estado de Bombaim foi dividido por critérios linguísticos entre os novos estados de Maharashtra e Guzerate, a cidade tornou-se a capital do primeiro.

O final dos anos 1970 assistiu a um surto de construção e a um influxo considerável de migrantes, que fizeram Bombaim ultrapassar Calcutá em termos populacionais. A presença de forasteiros começou a preocupar a etnia local, marata, o que levou ao surgimento do partido político de direita Shiv Sena, em 1966. A cidade viveu episódios violentos, como o tumulto sectário de 1992 e os atentados a bomba de 1993 e de 2006, este último ligado a terroristas islâmicos.

Em 1995, o governo do estado de Maharashtra, controlado pelo Shiv Sena, repudiou o nome tradicional Bombay para a cidade em favor da versão marata Mumbai.

Em 2004, a cidade sediou o Fórum Social Mundial.

Em 2008, houve um ataque terrorista na cidade que matou mais de cem pessoas e deixou outras 300 feridas.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Os distritos de Bombaim: em amarelo, a cidade; em verde, os subúrbios

Bombaim encontra-se na ilha de Salsete, na desembocadura do rio Ulhas, ao largo da costa ocidental da Índia, numa região litorânea chamada Concão. A maior parte da cidade está ao nível do mar; a elevação média vai de 10 a 15 metros. Bombaim soma 468 km² de área.

O litoral da cidade possui diversas baías e canais; a costa oriental da ilha de Salsete é coberta por grandes manguezais, ricos em biodiversidade.

A região onde se encontra Bombaim é sismicamente ativa e, portanto ,sujeita a terremotos, devido a três falhas geológicas na vizinhança.

Bombaim é formada por duas áreas distintas: a cidade e os subúrbios, que se constituem em distritos separados, pertencentes ao estado de Maharashtra.

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima da cidade, localizada na zona tropical e defronte do Mar Arábico, apresenta duas estações definidas - a úmida e a seca. Na estação úmida, entre Março e Outubro, a temperatura ultrapassa 30 °C, com alta umidade. As monções são características desta época do ano, entre Junho e Setembro, causando uma precipitação anual de 2 200 mm.

A estação seca, entre Novembro e Fevereiro, apresenta níveis mais baixos de umidade e temperaturas moderadas. Os ventos setentrionais baixam a temperatura em Janeiro e Fevereiro.

As temperaturas anuais variam entre 38 e 11 °C.

Dados climatológicos para Bombaim
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima registrada (°C) 37,0 38,3 40,4 40,6 39,7 37,2 35,6 33,8 35,6 39,5 38,4 36,7 40,6
Temperatura máxima média (°C) 30,6 31,3 32,7 33,1 33,3 31,9 29,8 29,3 30,1 32,9 33,4 32,0 31,7
Temperatura mínima média (°C) 16,4 17,3 20,7 23,7 26,1 25,8 24,8 24,5 24,0 23,1 20,5 18,2 22,1
Temperatura mínima registrada (°C) 11,7 11,7 16,3 20,0 22,8 21,1 21,7 21,7 20,0 20,6 17,8 12,8 11,7
Precipitação (mm) 0,6 1,5 0,1 0,6 13,2 574,1 868,3 553,0 306,4 62,9 14,9 5,6 2 401,2
Dias de chuva 0,1 0,1 0,0 0,1 1,0 14,9 24,0 22,0 13,7 3,2 1,1 0,4 80,6
Umidade relativa (%) 69 67 69 71 70 80 86 86 83 78 71 69 75
Horas de sol 269,5 257,6 274,3 283,7 296,2 148,6 73,4 75,9 165,1 240,2 245,8 253,2 2 583,5
Fonte: IMD (período 1951–1980, temperaturas médias máxima e mínima até 2010)[11] [12]
Fonte #2: NOAA (média, umidade, dias de sol: período 1971–1990) [13]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Rua em Dharavi, uma das maiores favelas da Ásia

A taxa de alfabetização de Bombaim ultrapassa 86%, significativamente maior que a média nacional, que não chega a 60%. As principais religiões presentes na cidade são o hinduísmo (68% da população), o islamismo (17%), o cristianismo e o budismo (4% cada). Há ainda parses, jainistas, siques, judeus e ateístas.

A língua mais ouvida nas ruas da cidade é uma variante coloquial de hindi chamada Bambaiya, que mistura hindi, marata, inglês e algumas palavras próprias. O marata é amplamente falado e é também o idioma oficial do estado de Maharashtra. O inglês é abundantemente falado e é a principal língua nas empresas e escritórios locais. Outras línguas indianas são faladas: tâmil, guzerati, télugo, canará, concani e urdu.

Bombaim sofre com os mesmos problemas de urbanização que afligem outras cidades de crescimento rápido em países em desenvolvimento: pobreza generalizada e padrões precários de saúde, emprego e educação. Cerca de 55% da população vivem em favelas, as quais cobrem apenas 6% das terras da cidade[14] .

Economia[editar | editar código-fonte]

Skyline do centro de Mumbai ao anoitecer
Modernos edifícios na área portuária de Mumbai
Shopping moderno em Mumbai. Símbolo do crescimento do setor de serviços na economia da cidade

Mumbai é a maior cidade da Índia, e, efetivamente, o principal e mais desenvolvido centro financeiro e comercial do país, sendo responsável por cerca de 6% do produto interno bruto indiano em 2010[15] [16] . A cidade e sua região metropolitana servem ainda como grande centro industrial e comercial, contribuindo ao empregar 10% da mão-de-obra fabril, e fornecer 25% do rendimento industrial bruto do país e 33% dos impostos recolhidos pelo governo através da realização de atividades financeiras, além de gerar 20% dos impostos extraídos do setor de serviços na Índia[17] .

Em 2008, o produto interno bruto nominal da região metropolitana de Mumbai foi de 919 bilhões de rúpias indianas (cerca de 183 bilhões de USD[18] , enquanto sua Paridade de Poder de Compra ficou em pouco mais de 1 trilhão de rúpias indianas (o que equivale a aproximadamente US$208 bilhões)[18] . Já em 2009, o produto interno bruto per capita da Grande Mumbai foi de 48 000 rúpias indianas (cerca de 9 700 USD)[19] [20] , três vezes superior ao produto interno bruto per capita nacional[21] .

Muitos dos aglomerados empresariais indianos (como Larsen and Toubro, Reliance, TATA Group, Life Corp. etc.), além de cinco das 500 maiores empresas do mundo, segunda a revista Forbes, têm sede em Mumbai[22] . Além disso, a maioria dos bancos e instituições financeiras da Índia estão sediadas na cidade ou em sua região metropolitana[16] .

Desde os anos 1970, Mumbai vem registrando longo crescimento na atividade portuária e no setor industrial, considerados fundamentais para a economia da cidade desde a independencia do Reino Unido. Entretanto, as atividades financeiras e o setor de comércio e seviços vem ganhando cada vez mais espaço na economia da cidade, principalmente desde o final dos anos 1990[19] [23] [24] . Em 2008, a Globalization and World Cities Study Group classificou Mumbai como uma Cidade Global Alfa, o mais alto índice para se classificar uma cidade global. Tal alta classificação é fruto do fato da cidade ser a 3ª mais cara do mundo para atividades empresariais, e de ter sido tida como a cidade com mais rápido crescimento economico da Ásia em 2007[25] .

Esportes[editar | editar código-fonte]

Assim como na maioria do país, o esporte mais popular de Bombaim é o críquete, o principal time de críquete é o Mumbai Indians da Indian Premier League. Junto com Londres, Bombaim é a única cidade do mundo que recebeu duas finais da Copa do Mundo de Críquete.

A cidade também é a casa do Maratha Warriors da Premier Hockey League e três times de futebol da I-League, o Mumbai FC, Mahindra United e o Air-India FC.

Política[editar | editar código-fonte]

Cidades-irmãs[editar | editar código-fonte]

Bombaim é geminada com as seguintes cidades:

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. SCHULBERG, L. Índia histórica. Tradução de J. A. Pinheiro de Lemos. Rio de Janeiro. Livraria José Olympio Editora. 1979. p. 160.
  2. World Gazetteer
  3. INDIA STATS : Million plus cities in India as per Census 2011. Press Information Bureau, Government of India. National Informatics Centre. Página visitada em 1 November 2011.
  4. Global city GDP rankings 2008-2025. Pricewaterhouse Coopers. Página visitada em 20 November 2009.
  5. a b c Cunha 1900, p. 43
  6. Barbosa, Duarte, "Livro em que dá relação do que viu e ouviu no Oriente", 1516, apud Machado, J.P., "Dicionário Onomástico Etimológico da Língua Portuguesa".
  7. Machado, J.P., "Dicionário Onomástico Etimológico da Língua Portuguesa".
  8. Documentos do Tombo do Estado da Índia (atualmente os Arquivos Históricos de Goa ou Goa Purabhilekha).
  9. Orta, Garcia da, "Colóquios dos Simples e Drogas da Índia", edição original de 1565, edição referida de 1891–1895, apud Machado, J.P., "Dicionário Onomástico Etimológico da Língua Portuguesa".
  10. Machado, José Pedro, "Dicionário Onomástico Etimológico da Língua Portuguesa", Livros Horizonte, 2003, verbete "Bombaim", volume I, pp. 265/266.
  11. Mumbai Climatological Table, Period: 1951–1980 (em inglês). Departamento Meteorológico da Índia. Página visitada em 15 de abril de 2012.
  12. Ever recorded Maximum and minimum temperatures upto 2010 (PDF) (em inglês). Departamento Meteorológico da Índia. Página visitada em 18 de janeiro de 2014.
  13. Mumbai (Bombay) Colaba Climate Normals 1971–1990 (em inglês). National Oceanic and Atmospheric Administration. Página visitada em 18 de janeiro de 2014.
  14. http://www.spiegel.de/international/spiegel/0,1518,469031,00.html
  15. http://wayback.archive.org/web/jsp/Interstitial.jsp?seconds=5&date=1235617815000&url=http%3A%2F%2Fwww.mmrdamumbai.org%2Fprojects_muip.htm&target=http%3A%2F%2Fweb.archive.org%2Fweb%2F20090226031015%2Fhttp%3A%2F%2Fwww.mmrdamumbai.org%2Fprojects_muip.htm
  16. a b http://www.rediff.com/money/2007/apr/27mumbai.htm
  17. Swaminathan, R.; Goyal, Jaya (2006). Mumbai vision 2015: agenda for urban renewal. Macmillan India in association with Observer Research Foundation
  18. a b https://www.ukmediacentre.pwc.com/imagelibrary/downloadMedia.ashx?MediaDetailsID=1562
  19. a b http://www.ftkmc.com/newsletter/Vol2-6-april25-2011.pdf
  20. http://www.livemint.com/2009/08/03224002/India-needs-cities-network-for.html
  21. http://www.maharashtratourism.gov.in/MTDC/HTML/MaharashtraTourism/Default.aspx?strpage=../MaharashtraTourism/Trivia.html
  22. http://money.cnn.com/magazines/fortune/global500/2008/countries/India.html
  23. Swaminathan, R.; Goyal, Jaya (2006). Mumbai vision 2015: agenda for urban renewal. Macmillan India in association with Observer Research Foundation.
  24. http://www.financialexpress.com/news/gdp-growth-surat-fastest-mumbai-largest/266636/
  25. http://www.doingbusiness.org/reports/subnational-reports/india

Notas[editar | editar código-fonte]

  • Nota (a): - A forma Tena-Maiambu é encontrada em traduções inglesas desse texto.[1]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Cunha, Joseph G. (1900), Origin of Bombay 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui multimídias sobre Bombaim
Ícone de esboço Este artigo sobre a Índia é um esboço relacionado ao Projeto Ásia. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Erro de citação: existem marcas <ref>, mas falta adicionar a predefinição {{referências}} no final da página