Arzila (Marrocos)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde novembro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Marrocos Arzila
أصيلة ; ʾAzīla
Assilah, Asilah
 
—  Município  —
Vista de Arzila e da sua costa
Vista de Arzila e da sua costa
Arzila está localizado em: Marrocos
Arzila
Localização de Arzila em Marrocos
35° 28' N 6° 2' O
Região Tânger-Tetuão
Prefeitura Tânger-Arzila
Fundação Antiguidade
Fundador Fenícios ou Cartagineses
Administração
 - Prefeito Mohamed Benaïssa (2009, independente)
Altitude 30 m (98 pés)
Altitude mínima 0 m (0 pés)
População (2004)[1]
 - Total 28 120

Arzila (grafia oficial em francês: Assilah, também grafada Asilah; em árabe: أصيلة; transl.: Aṣīlah; em berbere: ʾAzīla; em espanhol: Arcila) é uma cidade do noroeste de Marrocos, que faz parte da prefeitura de Tânger-Arzila e da região de Tânger-Tetuão. Em 2004 o município tinha 28 120 habitantes.[1]

Situa-se a cerca de 40 km a sul por estrada de Tânger, numa planície junto na costa atlântica. É uma estância balnear popular principalmente para marroqinos, que também atrai muitos turistas devido ao seu urbanismo tradicional, aos eventos culturais de verão, nomeadamente um festival de música e outro de pinturas murais e arte ao ar livre,[2] e às suas fortificações originalmente construídas pelos portugueses, que a ocuparam entre 1471 e 1550 e entre 1577 e 1589.

História[editar | editar código-fonte]

Na Antiguidade a zona costeira de Arzila foi bastante visitada por gregos e fenícios. Foram encontrados vestígios deste últimos, que ali teriam tido um entreposto comercial que daria origem à colónia cartaginesa de nome Zéli, Zilil, Zilis, Zilia ou Zeles, que chegou a revelar-se contra Cartago e a ter moeda própria, mas perdeu importância com o ressurgimento de Lixo, outra colónia púnica situada cerca de 35 km a sul. No século I a.C. chegaram os romanos, que lhe chamaram Colonia Augusti Iulia Constantia Zilil (ou Augusta Zilil), que foi depois incorporada na província romana da Mauritânia Tingitana. Segundo Estrabão, parte dos seus habitantes fundaram Iulia Traducta (outras fontes falam em Iulia Ioza), que se supõe corresponder à atual Algeciras, na costa norte do estreito de Gibraltar, para onde transladados entre 33 27 a.C. como castigo por se terem rebelado contra as autoridades romanas.

Conquistada pelos árabes em 712, voltou a ganhar alguma importância já com o nome de Asilah, sendo um centro de comércio onde acorriam mercadores do sul da península Ibérica e de outras regiões vizinhas e onde despontaram atividades científicas e culturais durante o idríssida. Ao contrário das autores da Antiguidade, dos quais são raras as menções à cidade, há relatos mais detalhados de autores árabes, ibn Hauqal e al-Bakri. Este refere que Asilah foi atacada duas vezes pelos normandos durante o século IX, mas não diz em que datas. No século XII al-Idrisi descreve-a como uma cidade em decadência, mas deve ter recuperado entre os séculos XIII e XIV porque em 1437, quando ocorreu o desastre português em Tânger, encontravam-se em Arzila negociantes judeus, genoveses e castelhanos. Para os sultões de Fez, a cidade era uma das suas principais posições.

Arzila foi conquistada pelos portugueses a 24 de agosto de 1471, durante o reinado de Afonso V, que empregaram no assalto cerca de 500 navios e 30 000 soldados. Este episódio está ilustrado em três das chamadas Tapeçarias de Pastrana. Os portugueses constroem uma praça-forte, a qual foi ampliada e reforçada a partir de 1509, com traça de Diogo Boitaca, que reconstruiu a alcáçova e a cerca amuralhada de seu porto, combinando elementos arquitetónicos tradicionais como a torre de menagem e a couraçada, com outros mais evoluídos, como os baluartes com canhoneiras da "Porta da Vila" e o da "Pata da Aranha". Em poucos anos, a cidade tornou-se um entreposto comercial e estratégico importante na rota do ouro saariano. . Tal como a Tânger, Arzila recebeu famílias judias espanholas após 1490, para ali direcionadas pela Coroa Portuguesa, com o fim de colonização.

Em 1520 Manuel I de Portugal criou a feitoria de Arzila, para cuja defesa foi criada a chamada Esquadra do Estreito, e:

(...) mandou para ela muitas mercadorias, como panos, lenços, sedas, barretes, que era o que consumia a nossa gente e de que se pagavam os servidores dos lugares do norte do Algarve de além-mar. Mandou também outra espécie de mercadorias, que as cáfilas de mouros e judeus vinham comprar à vila, tais como lácar, alaquecas, bordates e especiarias. Desta feitoria fez el-rei feitor Francisco Ribeiro, almoxarife dos mantimentos em Arzila neste tempo. Para escrivão nomeou Tomé Rodrigues, moço da sua câmara, e para provedor João Queimado, irmão de Vasco Queimado, feitor da Casa da Índia. A esta feitoria deu uma filial em Fez e fez seu feitor (...) Francisco Gonçalves, e escrivão dela Sancho Rebêlo, seu moço da câmara. Ele podia levar da feitoria de Arzila as mercadorias que lhe parecesse que se venderiam naquela cidade, como lácar, alaquecas, bordates etc., e da sua venda tirasse três por cento para si.
 
David Lopes. História de Arzila[3] .
"Arzilla" na obra Civitates Orbis Terrarum de Braun e Hogenberg, 1572

A praça foi abandonada pelas forças portuguesas em 1550, após a conquista de Fez pelo xarife saadiano Mohammed ech-Cheikh, em 31 de Janeiro de 1549. Marrocos ficava agora unificado sob o domínio de um só soberano, e a praça-forte não poderia lutar muito tempo contra ele, segundo o rei D. João III, que preferiu manter apenas Ceuta e Tânger.

Foi novamente ocupada de 1577 a 1589, na sequência do desembarque de D. Sebastião para a tentativa conquista de Marrocos que redundou no Batalha de Alcácer-Quibir|desastre de Alcácer-Quibir]] de 1578. Em 1589, Filipe II (I de Portugal) devolve Arzila ao sultão saadiano al-Mansur. Arzila é também o local de nascimento do guerreiro Mulai Amhet, que começando por combater os portugueses, depois entrou ao serviço deles na Índia e no Extremo Oriente.

Os espanhóis conquistaram a cidade mais tarde, que voltou ao domínio de monarcas marroquinos com Moulay Ismail em 1691. Em 1829 foi bombardeada pela marinha austríaca, numa tentativa frustrada de acabar com a sua função de base de piratas, uma situação que se manteria até 1912, quando foi instituído o Protetorado Espanhol de Marrocos, do qual fazia parte Arzila. Em 1860, durante a primeira guerra de Marrocos, Arzila foi novamente bombardeada, desta vez pela armada espanhola. Em 1906, tornou-se a base do caudilho semi-bandido, semi-rebelde com traços de românticos el-Raisuni, que se autonomeou paxá e instaurou um regime de terror.

Governadores portugueses[editar | editar código-fonte]

Tapeçarias de Pastrana: detalhe da série da tomada de Arzila (desembarque)

Património edificado[editar | editar código-fonte]

Torre de menagem, na antiga alcáçova, que domina a almedina de Arzila

Não há quaisquer vestígios da casbá construída por al-Qasim ibn Idris e Mousa ibn Abi al-Afiya nos séculos IX e X. Em contrapartida os grandes trabalhos de fortificação dirigidos por Diogo Boitaca no século XVI rodeiam a parte antiga contrastam com a brancura das casas e o azul do mar. Uma muralha imponente com fosso, em forma de paralelogramo com sete hectares de área, rodeia a almedina. Há cinco portas na muralha, que datam de épocas diferentes; duas delas são de origem portuguesa: a Bab al-Homer ("Porta da Vila" ou "da Terra") e Bab al-Bahr ("Porta da Ribeira" ou "do Mar"). Sobre a primeira ainda se pode ver o brasão de armas de Portugal.

Entre os bastiões e as torres mais espetaculares, caraterísticas das praças-fortes portuguesas, destacam-se a "Couraça" (Borj al-Bahr) e a Torre de Menagem (Borj al-Kamra). A primeira foi construída entre 1508 e 1516, avança sobre o mar e servia de apoio ao embarque e desembarque de aprovisionamentos e reforços. A segunda, a torre a mais importante da fortaleza, domina com a sua altura imponente a almedina. Foi construída em 1509 e aparece numa gravura célebre de Arzila do século XVI. Era coberta por um telhado de duas águas e dotada de guaritas em cada um dos quatro cantos, caraterísticas da arquitetura militar portuguesa da sua época. Apesar da sua imponência, a torre tinha uma função mais pública e cerimonial do que propriamente militar, veiculando uma imagem de poder. É um vestígio do palácio do governador português, que foi construído sobre o local do palácio do governador marroquino da época medieval. A torre de menagem foi restaurada nos últimos anos do século XX com o patrocínio da Fundação Calouste Gulbenkian.

Junto à Porta do Mar e à torre de menagem, situa-se a praça Sidi Ali ben Hamdush, onde se realizam exposições. Junto ao mar ergue-se o casarão hispano-mourisco que foi o palácio de el Raisuni; com dois anadares e construído no início do século XX, atualmente alberga o chamado palácio da cultura e é a sede do grande festival cultural anual. Igualmente junto ao mar há um antigo cemitério muçulmano, onde há sepulturas de cerâmica multicolor, e o mausoléu de Sidi Ahmed el Mansur, o rei saadiano que reconquistou a cidade depois da batalha de Alcácer-Quibir.

A almedina é formada por casas brancas muito limpas, com pinturas murais muito coloridas, executadas durante os festivais de verão. Os candeeiros de iluminação pública, as chamadas lanternas de Arzila, são originais. As casas têm vindo a ser reabilitadas em estilo neoárabe. O lajeado que cobre as ruas é obra de artistas locais. Na rua da alcáçova encontra-se o Centro Hasan II de Encontros Internqacionais, local onde se organizam conferências, exposições e outras manifestações culturais. Na mesma zona há restos de aquartelamentos espanhóis. Outras construções da época do protetorado espanhol são a escola de de Sidi Mohamed Ali Marzok e, junto a esta, a escola corânica, obras de Larrucea dos anos 1929–1930. A porta da alcáçova é rodeada de jardins.

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b Recensement général de la population et de l'habitat 2004 (em francês) www.hcp.ma. Royaume du Maroc - Haut-Comissariat au Plan. Página visitada em 17 de novembro de 2013.
  2. The murals of Asilah (em inglês) www.Euronews.com. (18 de julho de 2010). Página visitada em 17 de novembro de 2013.
  3. David Lopes. História de Arzila. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1924-1925. p. 204-211.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Ellingham, Mark; McVeigh, Shaun; Jacobs, Daniel; Brown, Hamish. The Rough Guide to Morocco (em inglês). 7ª ed. Nova Iorque, Londres, Deli: Rough Guide, Penguin Books, 2004. 824 pp. p. 125–129. ISBN 9-781843-533139
  • Moreira, Rafael. Le Donjon d'Asilah.
  • Rodrigues, Bernardo. Anais de Arzila, crónica inédita do século XVI, publicada por ordem da academia das sciências de Lisboa, e sob a direcção de David Lopes, sócio efectivo da mesma academia. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1919.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Arzila


Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia de Marrocos, integrado ao Projeto África é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.