Ilhas Banda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ilhas Banda
Karta ID Maluku isl.PNG
Mapa das Ilhas Molucas, onde se situam as Banda.
4° 35′ S 129° 55′ E
Geografia física
País Indonésia
Arquipélago Ilhas Banda
Área 180 km²  km²
Geografia humana
População 15000
BandaBesarIslandSeenFromFortBelgica.JPG
Ilha de Banda Besar vista de Fort Belgica.

As Ilhas banda (em indonésio: Kepulauan Banda) são um grupo de dez pequenas ilhas vulcânicas no Mar de Banda, cerca de 140 km a sul de Seram e 2000 km a este da Ilha de Java. Fazem parte da província Indonésia das Ilhas Molucas. A principal cidade e centro administrativo é Bandanaira, localizada na ilha com o mesmo nome. Elevam-se num oceano com 4–6 km de profundidade e têm uma área total de cerca de 180 km², com uma população de cerca de 15000 habitantes. Até meados do século XIX as ilhas Banda foram a única fonte mundial de noz-moscada uma das mais valorizadas especiarias. As ilhas são hoje um destino para a actividade de mergulho.

História[editar | editar código-fonte]

Noz-moscada, exclusivo das ilhas banda até meados do século XIX

Até à chegada dos europeus, Banda tinha um governo oligárquico liderado por orang kaya ('homens poderosos') com os bandaneses a terem um papel activo e independente no comércio em todo o arquipélago.[1] Banda era a única fonte em todo o mundo a produzir noz-moscada, uma importante especiaria utilizada como tempero e conservante em culinária e em medicina, ao tempo extremamente valorizada nos mercados europeus, vendida por mercadores árabes à República de Veneza a preços exorbitantes. Mercadores e negociantes nunca divulgavam a localização exacta da origem, pelo que nenhum europeu conseguia deduzir a sua origem.

Os primeiros relatos escritos de Banda são da Suma Oriental, um livro escrito pelo boticário (farmacêutico) português Tomé Pires estabelecido em Malaca entre 1512 e 1515 mas que visitou Banda várias vezes. Na primeira visita contactou os portugueses e principalmente os marinheiros malaios em Malaca, calculando então a população entre 2500-3000. Reportou os bandaneses como parte de uma rede de comércio abrangendo toda a Indonésia e os únicos comerciantes de longo curso nativos das Molucas a transportar produtos para Malaca, embora alguns carregamentos de Banda também fossem feitos por mercadores javaneses.

Além da noz-moscada e mace, Banda mantinha também um significativo entreposto de comércio. Entre os produtos que passavam por banda estavam o cravinho de Ternate e Tidore, a norte, penas de aves-do-paraíso das ilhas Aru e da Nova Guiné, entre outros.

Chegada dos portugueses[editar | editar código-fonte]

Vista e mapa das ilhas Banda, Lontor e Gunung Api, 1816-1826

Em Agosto de 1511 em nome do rei de Portugal, Afonso de Albuquerque conquistou Malaca, que era ao tempo o centro do comércio asiático. Em Novembro desse ano, após assegurar Malaca e ficando a saber a localização das ilhas Banda, enviou uma expedição de três navios comandados pelo seu amigo de confiança António de Abreu para as encontrar. Pilotos malaios foram recrutados e obrigados, guiando-os via Java, as Pequenas Ilhas de Sunda e da ilha de Ambão até Banda, onde chegaram no início de 1512.[2] Aí permaneceram, como primeiros europeus a chegar às ilhas, durante cerca de um mês, comprando e enchendo os seus navios com noz-moscada e cravinho.[3] Abreu partiu então velejando por Ambão enquanto o seu vice-comandante Francisco Serrão se adiantou para as ilhas Molucas mas naufragou terminando em Ternate. Ocupados com hostilidades noutros pontos do arquipélago, como Ambão e Ternate, só regressariam em 1529.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Ricklefs, M.C.. A History of Modern Indonesia Since c.1300, 2nd Edition. London: MacMillan, 1991. 24 pp. ISBN 0-333-57689-6
  2. Hannard (1991), page 7; Milton, Giles. Nathaniel's Nutmeg. London: Sceptre, 1999. 5 and 7 pp. ISBN 978-0-340-69676-7
  3. Hannard (1991), p. 7

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Braudel, Fernand. 1984. The Perspective of the World. In: Civilization and Capitalism, vol. III.
  • Hanna, Willard A.. Indonesian Banda: Colonialism and its Aftermath in the Nutmeg Islands. Bandanaira: Yayasan Warisan dan Budaya Banda Naira, 1991.
  • Lape, Peter. 2000. Political dynamics and religious change in the late pre-colonial Banda Islands, Eastern Indonesia. World Archaeology 32(1):138-155.
  • Loth, Vincent C. 1995. Pioneers and perkerniers:the Banda Islands in the seventeenth century. Cakalele 6: 13-35.
  • Muller, Karl; Pickell, David (ed). Maluku: Indonesian Spice Islands. Singapore: Periplus Editions, 1997. ISBN 962-593-176-7
  • Villiers, John. 1981. Trade and society in the Banda Islands in the sixteenth century. Modern Asian Studies 15(4):723-750.
  • Winn, Phillip. 1998. Banda is the Blessed Land: sacred practice and identity in the Banda Islands, Maluku. Antropologi Indonesia 57:71-80.
  • Winn, Phillip. 2001. Graves, groves and gardens: place and identity in central Maluku, Indonesia. The Asia Pacific Journal of Anthropology 2 (1):24-44.
  • Winn, Phillip. 2002. Everyone searches, everyone finds: moral discourse and resource use in an Indonesian Muslim community. Oceania 72(4):275-292.
  • Giles Milton, Nathaniel's Nutmeg: How One Man's Courage Changed the Course of History, Sceptre books, Hodder and Stoughton, London

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o portal:
  • Indonesia