Sultão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Sultão Ibrahim I, "o Louco", miniatura otomana (Palácio de Topkapı, Istambul).

Sultão (em árabe: سلطان; transl.: Sulṭān) é um título islâmico com diversos significados históricos. Veio a ser usado como título de certos governantes muçulmanos que na prática reivindicavam quase total soberania (isto é, não dependiam de nenhum outro governante superior) mas que não chegavam a considerar-se califas; a posição também era usado para referir-se a um governador provincial poderoso dentro do califado, coisa que mais lembra o reino de um rei dos reis, e não um imperador. Seu adjetivo é sultânico ou sultânica[1] .; Sua família se chama família sultânica e a sua dignidade (território - sendo soberano ou não) chama-se sultanato[2] (anti-nobiliarquia); Seu trono chama-se trono sultânico, um sultão também pode ser súdito de um imperador, mas só por anexação já que a sua natureza política não provém da nobiliarquia. Um sultão também pode ser um califa, como vários que já existiram, que acumularam esses dois tronos da anti-nobiliarquia, como no Império Otomano.

Originalmente, era um substantivo abstrato árabe que significava "força", "autoridade", "domínio", do termo árabe em árabe: سلطة; transl.: sulṭah , "autoridade", "poder".

O primeiro a levar oficialmente o título foi Mahmud de Ghazni, da dinastia dos gaznávidas (9981030), que governou desde a atual cidade afegã de Ghazni uns domínios que iam do Ganges até a Mesopotâmia. Depois se tornou título dos turcos das dinastias seljúcida e otomana, assim como da dinastia dos aiúbidas —a de Saladino— e a dos mamelucos, que governaram o Egito. Também foram sultões os soberanos do Magrebe: almorávidas, almóadas e outras dinastias, assim como os monarcas das taifas do al-Andalus. Marrocos foi um sultanato até 1955, momento em que o sultão Mohammed V mudou o título para o termo mais moderno de rei (malik).

Atualmente os monarcas de Omã e Brunei portam este título, e, honorificamente, alguns governantes locais das Filipinas, Java ou Malásia.

Termos relacionados[editar | editar código-fonte]

O termo sultana é empregado para designar a esposa do sultão, ou a própria soberana do sultanato (por direito próprio) suas filhas ou uma sua concubina favorita (ou que lhe deu um filho antes das outras concubinas).[3] No Império Otomano, a mulher mais importante do harém era a mãe do sultão, tendo o título de valide sultan.

Dá-se o nome de sultanato ou sultanado (em árabe: سلطنة) à dinastia e às terras governadas pelo sultão.

Sultanatos históricos[editar | editar código-fonte]

Talvez o mais conhecido sultanato da história seja a dinastia otomana, que governou o Império Otomano de 1281 a 1923, embora tenha sido estabelecida formalmente apenas em 1383, quando Murad I declarou-se sultão.

Outros sultanatos históricos destacam-se, como o sultanato turco seljúcida de Rum (1037-1194), de alguma forma precursor do sultanato otomano, já que os primeiros líderes otomanos eram seus vassalos, e o da dinastia aiúbida de Saladino (séculos XII-XIII).

Sultanatos contemporâneos[editar | editar código-fonte]

Os seguintes países e territórios são governados por sultões:

Referências

  1. Significado de sultânico (em Português) dicio.com.br. Visitado em 29 de março de 2015.
  2. Significado de sultanato (em Português) dicio.com.br. Visitado em 29 de março de 2015.
  3. Dicionário Houaiss, verbete "sultana".
  4. Sultanate of Oman (em Inglês) omansultanate.com. Visitado em 29 de março de 2015.
Ícone de esboço Este artigo sobre Sultões é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.