Mamelucos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde setembro de 2013)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Um mameluco otomano, de 1810.

Mameluco, palavra de origem árabe (etm.: ''مملوك'' ''mamlūk'', «possuído», particípio passado do verbo ''ملك'' ''malaka'', «possuir, ter algo em propriedade»), refere-se a escravos que serviam a seus senhores como pajens ou criados domésticos, tendo sido usados também como soldados, em algumas situações, por califas muçulmanos e pelo Império Otomano. Nessa condição, converteram-se numa casta militar que chegou a exercer o poder em alguns países, como Egito e Índia.

No Brasil, o termo mameluco designa um indivíduo que possui ascendência indígena e branca – mestiço ou filho de branco com índio (veja também caboclo). Alguns mamelucos se destacaram, na então colônia portuguesa, como bandeirantes, capitães do mato que se engajavam na captura de índios e na busca de metais preciosos, que contribuíram para a expansão do território brasileiro para além das fronteiras delimitadas, na época, pelo Tratado de Tordesilhas.

Origem árabe do termo[editar | editar código-fonte]

Os mamelucos eram escravos que geralmente serviam a seus amos como pajens ou criados domésticos, e eventualmente eram usados como soldados pelos califas muçulmanos e pelo Império Otomano para os seus exércitos e que em algumas situações também no Egito detiveram o poder.

Os primeiros mamelucos serviram os califas abássidas em Bagdá no século IX. Os Abássidas recrutaram-nos das famílias não muçulmanas capturadas em áreas que incluem a atual Turquia, Europa de Leste e o Cáucaso.

O uso de não-muçulmanos justifica-se inclusive porque os governantes islâmicos, muitas vezes lidando com conflitos tribais e debatendo-se com as intrigas de que Ibn Khaldun nos relata para manter o poder, muitas vezes desejavam depender de tropas sem ligação com as estruturas (familiares e culturais) de poder estabelecidas. Também se pode justificar esta escolha em parte pelo argumento de que o Islão proibia que muçulmanos combatessem entre si (o que naturalmente era um argumento retórico, dado que na verdade eles combateram-se). Além do quê, era uma estratégia vantajosa para os muçulmanos retirar os homens jovens e sadios às suas famílias e terras cristãs, adiando ou mesmo evitando levantes que ameaçassem a integridade territorial dos impérios islâmicos, conforme se viu no recrutamento compulsório de jovens cristãos para o treinamento de janízaros otomanos.

Como se disse, o principal motivo desta opção era político. Os guerreiros locais eram frequentemente mais fiéis aos sheiks tribais, às suas famílias ou nobres, do que ao sultão ou califa.

Se algum comandante militar local conspirasse contra o governante era frequentemente impossível lidar com ele sem causar intranquilidade entre a nobreza (ligada a esse comandante por laços familiares ou culturais).

As vantagens das tropas-escravas é que eles eram estrangeiros, possuíam o estatuto mais baixo possível na sociedade, não podiam conspirar contra o governante sem correrem o risco de ser punidos.

Governantes mamelucos[editar | editar código-fonte]

Após converterem-se ao Islão, os mamelucos deixavam de ser, tecnicamente, escravos e eram treinados como soldados de cavalaria. Apesar de não serem mais formalmente escravos, após receberem treinamento, eram obrigados a servir o sultão e mantidos por ele como uma força autónoma sob o seu comando directo para uso em caso de atritos entre tribos locais. Muitos mamelucos ascenderam a posições de influência no império. Com o tempo, tornaram-se uma casta militar poderosa e, em mais de uma ocasião, tomaram o poder para si mesmos, como, por exemplo, no Egito, de 1250 a 1517, e na Índia.

No Egito[editar | editar código-fonte]

Na Índia[editar | editar código-fonte]

Mameluco no sentido brasileiro e sul-americano[editar | editar código-fonte]

No Brasil, o termo mameluco corresponde a pessoas de origem europeia com nativos americanos indígenas. A denominação foi dada pelos primeiros colonos lusitanos nas terras brasileiras para os mestiços. Os mamelucos que se destacaram na então colônia portuguesa foram os bandeirantes, que colaboraram para a expansão do território, até então limitado pelo Tratado de Tordesilhas.

Na América do Sul, Mameluco (mais comumente conhecido como caboclo) é também o termo usado para identificar pessoas mestiças. Nos séculos 17 e 18, Mameluco referia-se a bandos organizados por colonizadores (mesclados ou não) caçadores de escravos. Mamelucos eram em sua maioria capitães do mato na América do Sul, que vagueavam pelo interior da América do Sul desde o Atlântico até às encostas dos Andes, e do Paraguai até ao Orinoco fazendo incursões entre áreas habitadas pelos Guaranis em busca de metais preciosos.

A palavra vulgarizou-se em Portugal possivelmente na Idade Média, derivando do termo árabe denotativo da facção de escravos turcos que, engrossando as fileiras do exército muçulmano no Egito, acabaria por fundar uma dinastia afamada por sua tirania na região. Os mamelucos coloniais (para não falar nos mestiços reinóis) herdaram, pois, no próprio nome, a fama de violência dos guerreiros turco-egípcios.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Links externos[editar | editar código-fonte]