Saladino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde outubro de 2009). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Saladino
Sultão do Egito e Síria
SaladinRexAegypti.jpg
Saladino, rei do Egito (Saladin rex Ægypti), de um manuscrito do século XV. O globo em sua mão esquerda é um símbolo europeu do poder real.
Governo
Reinado 1174 - 1193
Coroação 1174
Antecessor Nur ad-Din (zengidas)
Al-Adid (fatímidas)
Sucessor Al-Afdal (Síria)
al-Aziz Uthman (Egito)
Az-Zahir Ghazi (Alepo)
Dinastia Aiúbidas
Vida
Nome completo Al-Malik an-Nâsir Salâh ad-Dîn Yûsuf
أبو المظفر صلاح الدين "الملك الناصر" يوسف بن نجم الدين أيوب بن شاذي
Nascimento ca. 1138
Tikrit
Morte 4 de março de 1193 (55 anos)
Damasco
Sepultamento Mesquita dos Omíadas, Damasco, Síria
Pai Nadm ad-Din

Saladino (em árabe: صلاح الدين يوسف بن أيوب; transl.: Ṣalāḥ ad-Dīn Yūsuf ibn Ayyūb; em curdo: سه‌لاحه‌دین ئه‌یوبی; transl.: Selah'edînê Eyubî; ca. 11384 de março de 1193) foi um chefe militar curdo[1] [2] muçulmano que se tornou sultão do Egito e da Síria e liderou a oposição islâmica aos cruzados europeus no Levante. No auge de seu poder, seu domínio se estendia pelo Egito, Síria, Iraque, Iêmen e pelo Hijaz. Foi responsável por reconquistar Jerusalém das mãos do Reino de Jerusalém, após sua vitória na Batalha de Hattin e, como tal, tornou-se uma figura emblemática na cultura curda, árabe, persa, turca e islâmica em geral. Saladino, adepto do islamismo sunita, tornou-se célebre entre os cronistas cristãos da época por sua conduta cavalheiresca, especialmente nos relatos sobre o sítio a Kerak em Moab, e apesar de ser a nêmesis dos cruzados, conquistou o respeito de muitos deles, incluindo Ricardo Coração de Leão; longe de se tornar uma figura odiada na Europa, tornou-se um exemplo célebre dos princípios da cavalaria medieval.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu em Tikrit (no atual território do Iraque) em 1138, e morreu em Damasco, hoje capital da Síria, em 1193. Foi o responsável por restaurar o sunismo no Egito.

Saladino distinguiu-se pela primeira vez nas campanhas do Egito, sendo nomeado vizir. Sultão do Egito a partir de 1175, sucedeu a Atabeg de Moçul, em nome de quem partiu à conquista do Egito. Unificou o país (1164-1174), a Síria (1174-1187) e a Mesopotâmia, tornando-se um poderoso dirigente. Doutrinou zelosamente seu povo a encarar a luta contra a cristandade como uma guerra santa e fundou colégios para o ensino da religião islâmica.

Conflitos com os Cruzados[editar | editar código-fonte]

Em duas ocasiões, em 1170 e 1172, Saladino recuou de uma invasão ao Reino Latino de Jerusalém. Essas ordens haviam sido dadas por Nur ad-Din, e Saladino esperava que aquele Reino Cruzado permanecesse intacto, como um estado satélite entre o Egito e a Síria, até que Saladino pudesse ganhar controle sobre a Síria também. Nur ad-Din e Saladino já estavam rumo à guerra aberta nesses termos, quando Nur ad-Din morreu, em 1174. O herdeiro de Nur ad-Din, as-Salih Ismail al-Malik era apenas um menino, sob os cuidados de eunucos da corte, e morreu em 1181.

Imediatamente após a morte de Nur ad-Din, Saladino marchou até Damasco e foi bem recebido na cidade. Lá ele reforçou sua legitimidade, de acordo com o costume da época, casando com a viúva de Nur ad-Din. Por outro lado, Alepo e Moçul, as outras duas maiores cidades que Nur ad-Din havia governado, nunca foram tomadas, porém Saladino conseguiu impor sua influência e autoridade a elas em 1176 e 1186, respectivamente. Enquanto ele estava ocupado no cerco a Alepo, em 22 de maio de 1176, o sombrio grupo de assassinos do Ismaili, o Hashshashin, tentou matá-lo. Eles conduziram dois atentados à sua vida, no segundo deles chegando a ponto de infligir ferimentos.

Representação artística de Saladino

Enquanto Saladino consolidava seu poder na Síria, geralmente deixava em paz o reino Cruzado, embora fosse frequentemente vitorioso nas ocasiões em que batalhava com os cruzados. Uma exceção foi a batalha de Montgisard no dia 25 de novembro de 1177. Nela ele foi derrotado pelas forças combinadas de Balduíno IV de Jerusalém, Reinaldo de Chatillon e os Cavaleiros Templários. Apenas um décimo de seu exército conseguiu retornar ao Egito.

Uma trégua foi declarada entre Saladino e os Estados Cruzados em 1178. Saladino passou o ano seguinte recuperando-se da derrota e reconstruindo seu exército, retornando ao ataque em 1179, quando derrotou os Cruzados na batalha de Jacob's Ford. Contra-ataques cruzados provocaram ainda outras retaliações de Saladino. Reinaldo de Chatillon, em particular, perturbou as rotas de comércio e peregrinação muçulmanas com uma frota no Mar Vermelho, uma rota marítima que Saladino necessitava manter aberta. Como resposta, Saladino construiu uma frota de 30 galés para atacar Beirute em 1182. Reinaldo ameaçou atacar as cidades sagradas de Meca e Medina. Em retribuição, Saladino cercou Al Karak, o forte de Reinaldo na Oultrejordain, em 1183 e 1184. Reinaldo respondeu saqueando uma caravana de peregrinos no Hajj em 1185. De acordo com a "Old French Continuation" de Guilherme de Tiro, do final do século XIII, Reinaldo capturou a irmã de Saladino durante uma pilhagem a uma caravana, embora isso não seja atestado em outras fontes contemporâneas, sejam elas muçulmanas ou francas. De fato, Reinaldo havia atacado uma caravana anterior, e Saladino mandou a guarda garantir a segurança de sua irmã e do filho dela, que não chegaram a sofrer danos.

Saladino e Guy de Lusignan após a batalha de Hattin, em 1187

Em julho de 1187, Saladino capturou a maior parte do reino de Jerusalém. No dia 4 de julho de 1187 ele deparou-se, na Batalha de Hattin, com as forças combinadas de Guy de Lusignan, Rei Consorte de Jerusalém, e Raimundo III de Trípoli. Somente na batalha, o exército Cruzado foi em grande parte aniquilado pelo exército motivado de Saladino, naquilo que foi um desastre completo para os cruzados e uma virada na história das Cruzadas. Saladino capturou Reinaldo de Chatillon e providenciou pessoalmente sua execução. Guy de Lusignan também foi capturado, porém sua vida foi poupada. Dois dias após a batalha de Hattin, Saladino ordenou a execução de todos os prisioneiros de ordem militar por decapitação. As execuções eram levadas a cabo à medida que o próprio secretário de Saladino, Imad ad-Din, descreve (Ibid, pág. 138): "Ele (Saladino) ordenou que eles deveriam ser decapitados, preferindo tê-los mortos a prisioneiros. Com ele estava um grande grupo de sufis e estudiosos, e certo número de devotos e ascetas; cada um implorava permissão para matar um deles, e desembainhava sua espada e arregaçava sua manga. Saladino, com uma expressão alegre no rosto, estava sentado no seu dais; os descrentes mostravam um negro desespero." A execução dos prisioneiros em Hattin não foi a primeira de Saladino. Em 29 de agosto de 1179 ele tomou o castelo em Bait al-Ahazon, e aproximadamente 700 prisioneiros foram capturados e executados.

Dirham de cobre que mostra Saladino

De acordo com Beha ad-Din, Saladino planejava conquistar a Europa após a captura de Jerusalém:

Enquanto eu (Beha ad-Din) aguardava, Saladino voltou-se para mim e disse: "Creio que, quando Deus me conceder a vitória sobre o resto da Palestina, deverei dividir meus territórios, fazer um testamento declarando meus desejos, e então içar velas neste mar, para suas terras longínquas, a lá arrebatar os francos, de maneira a livrar a terra de qualquer um que não acredite em Deus, ou morrer tentando."

Logo, Saladino já havia capturado quase todas as cidades dos cruzados. Ele tomou Jerusalém em 2 de outubro de 1187, após um cerco. Saladino inicialmente não pretendia garantir termos de anistia aos ocupantes de Jerusalém, até que Balian de Ibelin ameaçou matar todos os muçulmanos da cidade, estimado entre três e cinco mil pessoas, e destruir os templos sagrados do Islã na Cúpula da Rocha e a mesquita de Al-Aqsa se não fosse dada anistia. Saladino consultou seu conselho e esses termos foram aceitos. Um resgate deveria ser pago por cada franco na cidade, fosse homem, mulher ou criança. Saladino permitiu que muitos partissem sem ter a quantia exigida por resgate para outros. De acordo com Imad al-Din, aproximadamente sete mil homens e oito mil mulheres não puderam pagar por seu resgate e foram tornados escravos.

Apenas Tiro resistiu. A cidade era então comandada pelo Conrado de Montferrat. Ele fortaleceu as defesas de Tiro e suportou dois cercos de Saladino. Em 1188, em Tortosa, Saladino libertou Guy de Lusignan e devolveu-o à sua esposa, a rainha Sibila de Jerusalém. Eles foram primeiro a Trípoli, e depois a Antioquia. Em 1189 eles tentaram reclamar Tiro para seu reino, mas sua admissão foi recusada por Conrado, que não reconhecia Guy como rei. Guy então começou o cerco de Acre.

Cristãos perante Saladino durante a Terceira Cruzada

Hattin e a queda de Jerusalém foram um estopim para a Terceira Cruzada, financiada na Inglaterra por um especial "dízimo de Saladino". Essa Cruzada retomou a cidade de Acre. Após Ricardo I de Inglaterra executar os prisioneiros muçulmanos em Acre, Saladino retaliou matando todos os francos capturados entre 28 de agosto e 10 de setembro. Beha ad-Din descreve uma cena particularmente horrenda envolvendo dois francos capturados nesse período: "Enquanto estávamos lá eles trouxeram ao sultão (Saladino) dois francos que haviam sido aprisionados pela guarda avançada. Ele os decapitou ali mesmo." Os exércitos de Saladino engajaram-se em combate com os exércitos rivais do rei Ricardo I de Inglaterra na batalha de Apolónia (ou de Arsuf), em 7 de setembro de 1191, na qual Saladino foi derrotado. A relação entre Saladino e Ricardo era uma de respeito cavalheiresco mútuo, assim como de rivalidade militar; ambos eram celebrados em romances cortesãos. Quando Ricardo foi ferido, Saladino ofereceu os serviços de seu médico pessoal. Em Apolónia, quando Ricardo perdeu seu cavalo, Saladino enviou-lhe dois substitutos. Saladino também lhe enviou frutas frescas com neve, para manter as bebidas frias. Ricardo sugeriu que sua irmã poderia casar-se com o irmão de Saladino — e Jerusalém poderia ser seu presente de casamento.

Os dois chegaram a um acordo sobre Jerusalém no Tratado de Ramla em 1192, pelo qual a cidade permaneceria em mãos muçulmanas, mas estaria aberta às peregrinações cristãs; o tratado reduzia o reino latino a uma estreita faixa costeira desde Tiro até Jafa.

Saladino morreu no dia 4 de março de 1193, em Damasco, pouco depois da partida de Ricardo. Quando o tesouro de Saladino foi aberto não havia dinheiro suficiente para pagar por seu funeral; ele havia dado todo o seu imenso tesouro para caridade.

Ele está enterrado no Mausoléu de Saladino, no complexo da Mesquita dos Omíadas, em Damasco, e é uma atração popular.

Reconhecimento[editar | editar código-fonte]

Considerado o campeão da guerra santa, Saladino se tornou o herói de um ciclo de lendas, que percorreram todo o Oriente médio e a Europa, e seus feitos são lembrados e admirados até os dias de hoje pelos povos muçulmanos.

Forte protector da cultura islâmica, não era apenas um líder militar, mas também um excelente administrador dos seus domínios. Mandou reconstruir a mesquita de Al-Aksa na cidade de Jerusalém, e ordenou também a construção da cidadela do Cairo e outros monumentos de interesse.

Cronologia[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Saladino
Nascimento: 1138 Morte: 1193
Recriado
Saladino derrota o último califa fatímida
Último detentor do título:
Al-Adid
como Califa fatímida
Sultões do Egito
1174–1193
Sucedido por:
Al-Aziz Uthman

Referências

  1. Encyclopedia of World Biography on Saladin. Visitado em 20-8-2008.
  2. O historiador medieval Ibn Athir relata uma passagem de outro comandante: "...tanto você quanto Saladino são curdos, e não permitirão que o poder passe para a mão dos turcos." Minorsky (1957).

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Minorsky, V.. Studies in Caucasian history. [S.l.]: Cambridge University Press, 1957.