Estados cruzados

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde junho de 2009)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

Os estados cruzados, ou estados latinos do oriente, foram alguns estados feudais, existentes na sua maioria nos séculos XII e XIII, criados pelas cruzadas dos reinos da Europa Ocidental na Ásia Menor, Grécia, Síria e Terra Santa (actuais Israel e Palestina). Todos acabaram por ser reconquistados pelos exércitos islâmicos do Oriente Médio.

Mas a expressão também pode significar outras conquistas territoriais, geralmente pequenas e de pouca duração, do mundo cristão medieval contra adversários muçulmanos e pagãos.

Apesar de a Reconquista cristã de al-Andalus, na Península Ibérica, aos mouros arabo-berberes, se encaixar no mesmo perfil das cruzadas, não é costume chamar os estados católicos daí resultantes de estados cruzados.

Levante[editar | editar código-fonte]

Os primeiros quatro estados cruzados foram criados no Levante imediatamente após a Primeira Cruzada:

O Reino Arménio da Cilícia originou-se antes das cruzadas, mas o papa Inocêncio III concedeu-lhe o estatuto de reino e posteriormente foi semiocidentalizado pela dinastia francesa da Casa de Lusignan.

Chipre[editar | editar código-fonte]

O Reino de Chipre foi fundado durante a Terceira Cruzada por Ricardo Coração de Leão, quando conquistou Chipre no seu trajecto para a Terra Santa. A ilha foi estabelecida como reino e este foi oferecido ao deposto rei de Jerusalém, Guy de Lusignan, em 1192. Perdeu-se em 1489, quando a sua última rainha o vendeu a Veneza. Posteriormente foi concedido aos cavaleiros da Ordem do Hospital, mas nunca foi verdadeiramente aproveitado como posto avançado e caiu em declínio antes de ter sido perdido em uma insurreição.

Balcãs[editar | editar código-fonte]

Depois da Quarta Cruzada os territórios do Império Bizantino foram divididos em vários estados, iniciando-se o chamado período da "Francocracia" (em grego Φραγκοκρατία):

Feudos mediterrânicos menores[editar | editar código-fonte]

Houve várias outras pequenas entidades feudais (a definição de estado pode tornar-se confusa) resultantes de cruzadas menores contra o Islão no Mediterrâneo, tais como:

Cruzadas do Norte[editar | editar código-fonte]

Na região do Báltico, as tribos indígenas na idade média começaram por recusar firmemente o cristianismo. Em 1193 o papa Celestino III incentivou duas ordens religiosas de cavaleiros, os Irmãos Livônios da Espada e os Cavaleiros Teutónicos, a invadir e subjugar os pagãos: prussianos, lituanos e outras tribos habitantes da Estónia, Letónia e Prússia Oriental. Este período bélico é chamado de Cruzadas do Norte.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Großer Atlas zur Weltgeschichte, Westermann