Ducado de Atenas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Δουκάτον Αθηνών
Ducado de Atenas

Ducado do Reino de Tessalônica

Labarum.svg
1204 – 1458 Flag of the Ottoman Empire (1453-1517).svg
Localização de Atenas
Em verde, o território do Ducado de Atenas
Continente Europa
País Atual Grécia
Capital Atenas
Religião Ortodoxia arménia, Cristianismo ocidental
Governo ducado
Período histórico Idade Média
 • 1204 Fundação
 • 1458 Dissolução

O Ducado de Atenas foi um dos estados cruzados fundados na Grécia depois da tomada de Constantinopla no decurso da Quarta Cruzada em 1204.

História[editar | editar código-fonte]

O primeiro duque de Atenas (assim como de Tebas, inicialmente) foi Otão de la Roche, um cavaleiro borguinhão de escasso destaque que se integrou na Quarta Cruzada. Embora fosse conhecido como "Duque de Atenas" desde a criação do ducado em 1205, o título só foi oficializado em 1280.

O Ducado de Atenas começou por ser um estado vassalo do Reino de Tessalónica, mas depois da reconquista desta cidade por Teodoro Comneno Ducas, déspota de Épiro, o ducado transferiu a sua vassalagem para o Principado da Acaia. O ducado ocupava a península da Ática e alongava-se parcialmente pela Macedónia, onde partilhava fronteiras indefinidas com Tessalónica e com o Épiro. Não incluía as ilhas do mar Egeu, que eram território veneziano. Os edifícios da Acrópole ateniense serviam como palácio para os duques.

O ducado permaneceu na família de la Roche até 1308, altura em que passou para Gualtério V de Brienne. Gualtério contratou a Companhia Catalã, dos Almogávares, um exército mercenário fundado e capitaneado por Rogério de Flor, para combater os estados sucessores bizantinos, o Despotado do Épiro e o Império de Niceia, mas quando o duque tentou enganar e matar os mercenários em 1311, estes derrotaram-no e mataram-no na Batalha de Halmiros, apoderando-se do poder no ducado. Eles então tornaram o catalão a língua oficial e substituíram a legislação de inspiração francesa e bizantina do Principado da Acaia pelas leis da Catalunha. O filho de Gualtério V, Gualtério VI de Brienne, conservou apenas o Senhorio de Argos e Náuplia, onde os seus direitos ao título de duque eram ainda reconhecidos.

Em 1318-1319, os catalães conquistaram Siderocastro e a região sul da Tessália e criaram o Ducado de Neopatria, unido a Atenas. Parte da Tessália foi conquistada pelos Sérvios em 1337.

Em 1379, a Companhia Navarra, ao serviço do imperador latino Jacques de Baux, conquistou Tebas e parte de Neopatria, deixando os Catalães na posse do restante ducado (Neopatria e Ática). Depois de 1381, o ducado passou a ser governado pelos reis de Aragão-Sicília, até que, em 1388, a família florentina Acciajuoli comprou o Ducado de Atenas. Neopatria foi ocupada em 1390. Entre 1395 e 1402, os Venezianos detiveram brevemente o controlo do ducado. Em 1444, Atenas tornou-se tributária de Constantino XI Paleólogo, déspota da Moreia e herdeiro do trono bizantino.

Em 1456, depois da queda de Constantinopla, o sultão Maomé II conquistou aquilo que restava do ducado.


O Império Latino com estados vassalos e os estados gregos sucessores, após a partilha do Império Bizantino, em 1204. As fronteiras são incertas.

Lista dos Duques de Atenas[editar | editar código-fonte]

Substitutos (1381–1388)[editar | editar código-fonte]

Duques Titulares (1311–1388)[editar | editar código-fonte]

Os herdeiros de Gualtério de Brienne, somente reconhecidos em Argos e Náuplia.