Califado Almóada

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.
الموَحدون
Califado Almóada

Califado

Fatimid flag.svg
 
Blank.png
 
Blank.png
1124 – 1269

Bandeira de Califado Almóada

Bandeira

Localização de Califado Almóada
Império Almóada na sua máxima extensão (1212)
Continente África
Capital Marrakech
Língua oficial árabe
Religião Islão
Governo Califado
Califa
 • ca. 1130 Abd al-Mu'min
Período histórico Idade Média
 • 1124 Fundação
 • 1269 Dissolução
Moeda Dirham
Precedido por
Sucedido por
Fatimid flag.svg Califado Fatímida
Blank.png Império Almorávida
Blank.png Ziridas
Maiorca Blank.png
Nasridas Armoiries Nasrides.jpg
Merínidas Blank.png
Dinastia Hafsid Tunis hafsid flag.png
Abdalwadid Blank.png
Taifa de Múrcia Blank.png
Menorca Blank.png
Reino de Castela Blason Castille Léon.png
Reino de Portugal PortugueseFlag1248.svg
Reino de Aragão Aragon Arms-crown.svg

O Califado Almóada (ou Almôada, ou Almôade)[1] foi uma potência religiosa berbere governada pela quinta dinastia moura, tendo se destacado do século XII até meados do século XIII. O nome latino deriva da corruptela do árabe الموحدون al-Muwaḥḥidūn, i.e. "os monoteístas" ou "os unitaristas", que alude ao fundamentalismo do movimento (ver Tawhid).

Os almoádas surgiram em Marrocos no século XII, descontentes com o insucesso dos almorávidas em revigorar os estados muçulmanos na península Ibérica, bem como em suster a reconquista cristã. Tendo conquistado o Norte de África até ao Egipto, ocuparam sucessivamente grande parte de Al-Andalus.

Origens[editar | editar código-fonte]

A fundação do movimento deve-se a ibn Tumart (ca. 1080 – ca. 1130), membro dos masmudas, uma tribo berbere do Alto Atlas. Filho do encarregado de acender as lamparinas de uma mesquita, e notado pela sua piedade desde a juventude, seria um rapaz pequeno e deformado que vivia como um mendigo devoto.

Enquanto jovem, ibn Tumart fez a peregrinação a Meca, de onde foi expulso pelas suas críticas ferozes à laxidão de outros. Daí foi para Bagdade, onde aderiu a uma escola ortodoxa. Mas construiu ele mesmo um sistema próprio, combinando os ensinamentos do seu mestre com o misticismo e partes das doutrinas de outros, centrado no unitarismo e que representava uma revolta contra o que na sua opinião seria o antropomorfismo de Alá na ortodoxia muçulmana.

Após o seu regresso a Marrocos, com a idade de 28 anos, começou a pregar contra os princípios religiosos da interpretação pessoal, aceitando apenas a tradição (Suna) e o consenso (Ijma). O sultão almorávida Ali ibn Yusuf chegou a convocar um debate teológico em Fez, convocando ibn Tumart. Na conclusão deste debate foi declarado que os pontos de vista deste eram demasiado radicais. Ibn Tumart foi condenado à prisão mas o emir ter-lhe-á permitido a fuga.

Depois de expulso de várias outras cidades pelas suas demonstrações de zelo religioso, ibn Tumart refugiou-se junto do seu povo, os Masmuda, em Tinmel, na cordilheira do Atlas. Fundou o movimento dos almóadas, autoproclamou-se mahdi ("o guiado" ou "o escolhido", profeta redentor do Islão) e exortou todos os muçulmanos, especialmente os da península Ibérica, a retornar às origens da sua fé, o Alcorão.

Califado Almóada[editar | editar código-fonte]

Arquitetura almóada
Torre Hassan, em Rabat, Marrocos
Torre Hassan, em Rabat, Marrocos
Giralda em Sevilha, Espanha
Giralda em Sevilha, Espanha

É muito provável que a influência de ibn Tumart não tivesse eco no futuro se não fosse por Abd al-Mu'min, outro berbere, da Nedroma (hoje na Argélia), que seria um soldado e membro da classe governante. Quando ibn Tumart morreu em 1128 no mosteiro que fundou em Tinmel, depois de uma grave derrota frente aos almorávidas, Abd al-Mu'min manteve a sua morte em segredo por dois anos, até estabelecer o seu poder. Então assumiu-se como seguidor do mahdi.

Entre 1130 e a sua morte em 1163, Abd al-Mu'min não só expulsou os almorávidas, como aumentou o seu poder por todo o norte de África até ao Egipto, tornando-se emir de Marraquexe em 1149. O seu fundamentalismo levou até medidas de expurga dos suspeitos de pouca fé e falha em cumprir todos os ritos religiosos, a mais grave de todas terminando na eliminação de toda uma tribo.

Os almóadas então trataram de unificar as taifas e formar um governo islâmico que pudesse fazer frente aos cristãos. Em pouco mais de trinta anos, os almóadas conseguiram forjar um poderoso califado que se estendia desde Santarém, no que é atualmente Portugal, até Trípoli na actual Líbia, incluindo todo o norte de África e o sul da península Ibérica.

Em 1170 os almóadas transferiram a sua capital para Sevilha, onde fundaram a grande mesquita, posteriormente convertida em catedral cristã. A torre da mesquita, a Giralda foi construída em 1184 para assinalar a ascensão de Abu Yusuf Ya'qub al-Mansur (Almançor). Foi durante este período que ressurgiram os estudos filosóficos com Averróis e ibn Tufail.

No entanto, desde Yusuf II, tratavam os seus domínios fora de Marrocos como provícias e governavam os seus correlegionários na península Ibérica e no restante do norte de África através de governadores locais. Quando os emires atravessavam o estreito de Gibraltar era para fazer a jiade contra os cristãos e voltar para a sua capital, Marraquexe.

Apesar dos esforços dos governantes, o Califado Almóada teve problemas desde o início em manter a turbulenta Granada pacificada e, por outro lado, algumas das suas posturas mais radicais foram mal recebidas pela população muçulmana da península, habituada ao compromisso e à coexistência com os cristãos.

Os príncipes almóadas tiveram uma carreira mais longa e marcante do que os seus antecessores almorávidas. Yusuf I (1163–1184) e Almançor (1184-1199), sucessores de Abd al-Mu'min, eram homens fortes. Inicialmente o seu governo levou à fuga de muitos judeus e cristãos para os estados cristãos de Portugal, Castela e Aragão, mas acabaram por se tornar menos extremistas que os almorávidas.

A invasão do jovem Reino de Portugal pelos almóadas comandados pessoalmente pelo califa Almançor foi travada em 1190 em Tomar, pelos cavaleiros templários de Gualdim Pais.

Almançor (Ya'qub al-Mansur) era um homem de grande cultura, que escrevia em bom estilo árabe e protegia o filósofo Averróis. O seu título al-Mansur, "O Vitorioso," deve-se à derrota que infligiu a Afonso VIII de Castela, em 1195, na Batalha de Alarcos. Mas os reinos cristãos da península Ibérica estavam já demasiado fortes para uma invasão muçulmana, e os almóadas não conseguiram conquistas assinaláveis.

Arte almóada[editar | editar código-fonte]

As construções almóadas caracterizam-se pela simplicidade e austeridade, um reflexo da vida difícil dos nómadas do Magrebe. Apesar disso, muitos edifícios têm um tamanho considerável. Exemplos clássicos deste movimento são a Mesquita de Tinmel, a Torre del Oro e a Giralda, em Sevilha, a mesquita Kutubiyya de Marraquexe, a Grande Mesquita de Taza e a Torre Hassan em Rabat.

Declínio dos Califado Almóada[editar | editar código-fonte]

Declínio dos almóadas
A Reconquista, com as regiões dos almóadas e os reinos de Portugal (P), Leão (L) Castela (C), Navarra (N) e Aragão (A)
A Reconquista, com as regiões dos almóadas e os reinos de Portugal (P), Leão (L) Castela (C), Navarra (N) e Aragão (A)

1212 marcou o início da decadência do Califado Almóada. As forças de Maomé an-Nasir (r. 1199–1214), sucessor de al-Mansur, depois de um avanço inicialmente bem sucedido para norte, foram aniquilados por uma aliança de tropas cristãs na Batalha de Navas de Tolosa na Serra Morena. Essa batalha destruiu o domínio almóada.

Em 1216-7 os merínidas enfrentam os almóadas em Fez. Ibn Hud proclama-se emir de Múrcia em 1227, fazendo frente aos almoádas, e Tunes torna-se independente três anos mais tarde.

Maomé an-Nasir proclama-se emir de Arjona, Jaén, Guadix e Baza em 1232. Cinco anos depois é reconhecido como emir de Granada, dando início à dinastia nasrida.

Os almóadas encorajaram o estabelecimento de cristãos até mesmo em Fez, e depois da Batalha de Navas de Tolosa, ocasionalmente faziam alianças com os reis de Castela. Em África conseguiram expulsar os exércitos dos reis normandos da Sicília das cidades costeiras. A história do seu declínio é diferente da dos almorávidas. Não foram tomados por um poderoso movimento religioso, simplesmente foram perdendo territórios com a revolta de tribos e cidades. Os seus inimigos mais importantes acabaram por ser os merínidas, que fundaram a seguinte dinastia moura. Em 1268 os merínidas governam o Magrebe.

O último califa almóada, Idris II, estava reduzido à posse de Marraquexe, onde foi assassinado por um escravo em 1269.

Califas almóadas (1145-1269)[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Formas registradas pelo Dicionário Houaiss.

Bibliografia e ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Califado Almóada
  • Ellingham, Mark; McVeigh, Shaun; Jacobs, Daniel; Brown, Hamish. The Rough Guide to Morocco. 7ª. ed. Nova Iorque, Londres, Deli: Rough Guide, Penguin Books, 2004. 824 pp. p. 492; 672-673. ISBN 9-781843-533139.
  • Hoffmann, Eleanor. Realm of the Evening Star: A History of Morocco and the Lands of the Moors. [S.l.]: Chilton Books, 1965.