Macedónia Antiga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Μακεδονία
Macedónia

Reino

Blank.png
 
Standard of Cyrus the Great (White).svg
808 a.C. – 168 a.C. Blank.png
 
Blank.png
 
Blank.png
 
Blank.png
Localização de Macedónia
Regiões e cidades da Macedônia
Continente Eurafrásia
Capital Egas (808-399 a.C.)
Pela (399–167 a.C.)
Língua oficial Antigo macedónio, posteriormente grego ático/koiné
Religião Politeismo grego
Governo Monarquia oligárquica
Rei
 • 808-778 a.C. Carano (primeiro)
 • 179-168 a.C. Perseu (último)
Período histórico Antiguidade clássica
 • 808 a.C. Fundação por Carano
 • 359-336 a.C. Ascensão da Macedônia
 • 335–323 a.C. Conquista da Pérsia
 • 323 a.C. Partilha da Babilônia
 • 322-275 a.C. Guerras dos Diádocos
 • 168 a.C. Batalha de Pidna
Moeda Dracma

A Macedónia (português europeu) ou Macedônia (português brasileiro) Antiga (em grego: Μακεδονία; transl.: Makedonía) tem sua história vinculada aos povos que habitavam a região Grécia e Anatólia na Antiguidade[1] . Segundo estudos arqueológicos, os antepassados dos macedónios se situam no começo da Idade do Bronze. A partir do ano 700 a.C., o povo denominado macedónio emigrou para o leste, a partir de sua terra natal às margens do rio Haliácmon. Com Amintas I, o reino se estendeu além do rio Áxio até à península de Calcídica. Egas foi a capital do reino até quase 400 a.C., quando o rei Arquelau I a transferiu para Pela.

A Macedónia alcançou uma posição hegemônica dentro da Grécia durante o reinado de Filipe II, o Caolho (r. 359-336 a.C.). Alexandre III (O Grande), filho de Filipe e aluno do filósofo Aristóteles, levou os exércitos da Macedónia ao Egito, derrotou o Império Aquemênida e chegou até a Índia.

Construído num curto período de onze anos, o Império Macedónico contribuiu com a difusão da cultura grega no Oriente. Alexandre fundou uma grande quantidade de cidades e promoveu a fusão da cultura grega com a dos povos conquistados, dando origem ao que se conhece por helenismo.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. TEMPLAR, Marcus (2003). Fallacies and facts on the Macedonian issue (em inglês). Visitado em 2008-04-13.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]