Dinastia Pahlavi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
دولت شاهنشاهی ایران
Estado Imperial da Pérsia
State Flag of Iran (1924).svg
1925 – 1979 Flag of Iran (1964).svg
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Hino nacional
Sorood-e Shahanshahi Iran
Localização de Dowlat-e Shâhanshâhi-ye Irân
Localização do Irã / Pérsia
Continente Ásia
Capital Teerã
Língua oficial Persa
Governo Monarquia Constitucional

até 20 de agosto de 1953 Autoritarismo até 11 de fevereiro de 1979

 • 1925-1941 Reza Xá Pahlavi
 • 1941-1979 Mohammad Reza Pahlavi
História
 • 1925 Fundação
 • 1925 Dinastia Pahlavi assume
 • 1941 Invasão anglo-soviética do Irã
 • 1953 Golpe de Estado no Irã de 1953
 • 1979 Revolução Iraniana
 • 1979 Dissolução
Moeda Rial iraniano

A dinastia Pahlavi (em persa: دودمان پهلوی) consistiu de dois monarcas iranianos/persas, pai e filho Reza Xá Pahlavi (reg. 1925-1941) e Mohammad Reza Xá Pahlavi (reg. 1941-1979).

Os Pahlavi chegaram ao poder após Ahmad Xá Qajar, o último governante da dinastia Qājār, ter sido incapaz de deter a intrusão britânica e soviética à soberania iraniana. Ele foi derrubado em um golpe militar, abdicou do trono e foi para o exílio na França. A Assembleia Nacional do Irã, conhecida como Majlis, com a convocação de uma assembleia constituinte em 12 de dezembro de 1925, depôs o jovem Ahmad Xá Qajar, e declarou Reza Xá o novo monarca do Estado Imperial da Pérsia. Em 1935, Reza Xá informou as embaixadas estrangeiras para denominar a Pérsia por seu nome antigo persa, Irã.

A dinastia Pahlavi foi interrompida em 1979 quando o filho de Reza Xá, Mohammad Reza Pahlavi, foi forçado ao exílio por uma revolução islâmica liderada por Ruhollah Khomeini.

Estabelecimento[editar | editar código-fonte]

Em 1921, Reza Khan, um oficial da Brigada Cossaca Persa do Irã, utilizou as suas tropas para apoiar um golpe bem sucedido contra o governo da dinastia Qajar. Em quatro anos, ele havia se estabelecido como a pessoa mais poderosa do país, suprimindo rebeliões e estabelecendo a ordem. Em 1925, uma assembléia especialmente convocada depôs Ahmad Xá Qajar, o último governante da dinastia Qajar, e nomeou Reza Khan, que já havia adotado o sobrenome Pahlavi, como o novo .

Reza Xá tinha planos ambiciosos para a modernização do Irã. Estes planos incluíam o desenvolvimento em larga escala das indústrias, a implementação de grandes projetos de infraestrutura, a construção de um sistema ferroviário entre países, o estabelecimento de um sistema nacional de educação pública, a reforma do poder judiciário, e melhorar os cuidados de saúde. Ele acreditava que um governo forte e centralizado, gerido por pessoal instruído poderia realizar seus planos.

Ele enviou centenas de iranianos, incluindo seu filho, à Europa para treinamento. Durante 16 anos, de 1925 a 1941, inúmeros projetos de desenvolvimento de Reza Xá transformaram o Irã em um país urbanizado. A educação pública progrediu rapidamente, e novas classes sociais desenvolveram-se. Uma classe média profissional e uma classe operária industrial haviam emergido.

Em meados de 1930, normas fortes seculares de Reza Xá causaram insatisfação entre alguns grupos, especialmente o clero, que se opuseram às suas reformas. Em 1935, Reza Pahlavi emitiu um decreto pedindo aos delegados estrangeiros que utilizassem o termo Irã em correspondências formais, de acordo com o fato de que "Pérsia" foi um termo utilizado pelos povos ocidentais para o país chamado de "Irã" em persa. Após alguns acadêmicos protestarem, seu sucessor, Mohammad Reza Pahlavi, anunciou em 1959 que ambos Pérsia e Irã eram aceitáveis ​​e poderiam ser usados de forma intercambiável.

A Pérsia na véspera do golpe de Reza Khan

Reza Xá tentou evitar o envolvimento com a Grã-Bretanha e a União Soviética. Embora muitos de seus projetos de desenvolvimento necessitassem de conhecimentos técnicos estrangeiros, ele evitou a adjudicação de contratos para as empresas britânicas e soviéticas. Embora a Grã-Bretanha, através da propriedade da Anglo-Persian Oil Company, tivesse o controle de todos os recursos de petróleo do Irã, Reza Xá preferiu obter assistência técnica da Alemanha, França, Itália e outros países europeus.

Isto criou problemas para o Irã após 1939, quando a Alemanha e a Grã-Bretanha tornaram-se inimigos na Segunda Guerra Mundial. Reza Xá proclamou o Irã como um país neutro, mas a Grã-Bretanha insistiu que os engenheiros e técnicos alemães no Irã eram espiões em missões de sabotagem de instalações de petróleo britânicas no sudoeste do Irã. A Grã-Bretanha exigiu que o Irã expulsasse todos os cidadãos alemães, mas Reza Xá recusou-se, alegando que isto iria afetar negativamente os seus projetos de desenvolvimento.

Segunda Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Reza Xá Pahlavi

Após a invasão alemã da União Soviética em junho de 1941, A Grã-Bretanha e a União Soviética tornaram-se aliados. A Grã-Bretanha e URSS viram a recém-inaugurada Ferrovia Trans-Iraniana como uma rota atrativa para o transporte de suprimentos a partir do golfo Pérsico para a União Soviética. Em agosto de 1941, com a recusa do Reza Xá de expulsar os cidadãos alemães, a Grã-Bretanha e a União Soviética invadiram o Irã, prenderam o Xá e o enviaram para o exílio, assumindo o controle das comunicações do Irã e da ferrovia.

Em 1942 os Estados Unidos, um aliado da Grã-Bretanha e da URSS durante a guerra, enviou uma força militar ao Irã para ajudar a manter e operar seções da ferrovia. Ao longo dos meses seguintes, as três nações assumiram o controle dos recursos de petróleo do Irã e garantiram um corredor de abastecimento para si mesmos. O regime de Reza Xá entrou em colapso, e as autoridades americanas, britânicas e soviéticas limitaram os poderes do governo que se manteve. Eles permitiram que o filho de Reza Xá, Mohammad Reza Pahlavi aderisse ao trono.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Dinastia Pahlavi
Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um historiador é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.