Mohammad Reza Pahlavi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mohammad Reza Pahlavi
محمد رضا شاه پهلوی
Xá da Pérsia
Reinado 26 de setembro de 1941 - 11 de fevereiro de 1979
Predecessor Reza Pahlavi
Sucessor República Islâmica do Irã
Chefe da Dinastia Pahlavi
Período 26 de setembro de 1941 - 27 de julho de 1980
Predecessor Reza Pahlavi
Sucessor Farah Pahlavi
Cônjuge Fawzia Fuad do Egito
(div. 1948)
Soraya Esfandiary-Bakhtiari (div. 1958)
Farah Diba
Descendência
Shahnaz
Reza
Farahnaz
Ali-Reza
Leila
Pai Reza Pahlavi
Mãe Tadj ol-Molouk Ayromlou
Nascimento 26 de outubro de 1919
Teerã, Pérsia
Morte 27 de julho de 1980 (60 anos)
Cairo, Egito
Enterro Al-Refai Mosque, Cairo, Egito
Assinatura

Mohammad Reza Pahlavi (em língua persa: محمدرضا پهلوی , ،شاه ایران) GColIH (Teerã, 26 de outubro de 1919Cairo, 27 de julho de 1980) foi do Irã de 16 de setembro de 1941 até 11 de fevereiro de 1979. Filho de Reza Pahlavi e da sua segunda esposa, Tadj ol-Molouk, Mohammad foi o segundo e último monarca da Dinastia Pahlavi.[1]

Em 1941, durante a Segunda Guerra Mundial, o Reino Unido e a União Soviética invadiram o Irã, de modo a assegurar para si próprios os recursos petrolíferos iranianos. Os Aliados forçaram o a abdicar em favor de seu filho, Mohammad Reza Pahlavi, em quem enxergavam um governante que lhes seria mais favorável. Em 1953, após a nacionalização da Anglo-Iranian Oil Company, um conflito entre o xá e o primeiro-ministro Mohammed Mossadegh levou à deposição e prisão deste último.

Foto oficial da coroação em 1967: Princesa Ashraf, Princesa Shahnaz, o Xá, Princesa Farahnaz e Príncipe Reza, Rainha Farah e Princesa Shams.

A 27 de Julho de 1967 recebeu o Grande-Colar da Ordem do Infante D. Henrique.

O reinado do xá tornou-se progressivamente ditatorial, especialmente no final dos anos 1970. Com apoio americano e britânico, Reza Pahlavi continuou a modernizar o país, mas insistia em esmagar a oposição do clero xiita e dos defensores da democracia.

Islamistas, comunistas e liberais promoveram a Revolução Iraniana de 1979, que provocou a fuga do xá e a instalação do Aiatolá Ruhollah Khomeini como chefe máximo do país.

Mohammad Reza Pahlavi morreu no exílio, no Egito, a 27 de Julho de 1980, com 60 anos de idade. Encontra-se sepultado em Al-Refai Mosque, Cairo no Egito.[2]

Reinado[editar | editar código-fonte]

Em meio a Segunda Guerra Mundial, em 1941, a Alemanha nazista começou a Operação Barbarossa e invadiu a União Soviética, quebrando o Pacto Molotov-Ribbentrop. Isso teve um grande impacto sobre o Irã, que havia declarado neutralidade no conflito.

Mais tarde, nesse mesmo ano, as forças britânicas e soviéticas ocuparam o Irã em uma invasão militar, forçando Reza Shah a abdicar. Mohammad Reza o substituiu no trono em 16 de setembro de 1941. Após a sua sucessão como rei, o Irã tornou-se um importante canal para, mais tarde, a ajuda americana e britânica, à URSS durante a guerra. Este esforço maciço ficou conhecido como o Corredor persa.

Grande parte do crédito por orquestrar uma transição suave de poder do Rei para o príncipe herdeiro foi devido aos esforços de Mohammad Ali Foroughi. Sofrendo de angina, Foroughi foi chamado ao Palácio e nomeado primeiro-ministro quando Reza Shah temia o fim da dinastia Pahlavi, uma vez que os Aliados invadiram o Irã em 1941. Quando Reza Shah procurou sua ajuda para garantir que os Aliados não estimulariam o fim da dinastia Pahlavi, Foroughi pôs de lado seus sentimentos pessoais adversos por ter sido politicamente marginalizado desde 1935. o príncipe confidenciou com espanto ao Ministro britânico, que Foroughi não "esperava que qualquer filho de Reza Shah fosse ser um ser humano civilizado", mas Foroughi descarrilou com sucesso pensamentos de que os Aliados pudessem empreender uma mudança mais drástica na infraestrutura política do Irã.

A anistia geral foi emitida dois dias após a adesão da Mohammad Reza Shah ao trono, em 19 de setembro de 1941. Todas as personalidades políticas que tinham sofrido desgraça durante o reinado de seu pai foram reabilitadas, e a política de desvelamento forçada, inaugurada por seu pai, em 1935, foi anulada. Apesar das decisões esclarecidas, o ministro britânico em Teerã informou a Londres que "o jovem Shah recebeu uma recepção bastante espontânea em sua primeira experiência pública.

Apesar das expressões públicas de admiração em anos posteriores, Mohammad Reza tinha sérias dúvidas a respeito não só dos meios políticos adotados por seu pai, mas também a sua abordagem pouco sofisticada para os assuntos do Estado. O jovem Xá possuía um temperamento mais refinado, e entre os desenvolvimentos desagradáveis que iriam assombrá-los quando ele tornou-se o rei, estavam a desgraça política trazida por seu pai em Teymourtash; a demissão de Foroughi em meados da década de 1930; e da decisão de Ali Akbar Davar em cometer suicídio em 1937.[3] Uma decisão ainda mais significativa que uma longa sombra, foi o acordo desastroso e unilateral que seu pai tinha negociado com a APOC em 1933, o que comprometeu a capacidade do país em receber mais retornos favoráveis a partir do petróleo extraído do país.

Tentativas de assassinato[editar | editar código-fonte]

Imagem de Mohammad Reza no hospital após a fracassada tentativa de assassinato contra ele em 1949.

Mohammad Reza Pahlavi foi alvo de pelo menos duas tentativas de assassinato sem sucesso. Em 4 de fevereiro de 1949, ele participou de uma cerimônia anual para comemorar a fundação da Universidade de Teerã.[4] Na cerimônia, Fakhr-Arai disparou cinco tiros contra ele a uma distância de 10 metros. Apenas um dos tiros atingiu o rei, pastando sua bochecha. Fakhr-Arai foi imediatamente baleado por policiais nas proximidades. Após uma investigação, pensava-se que Fakhr-Arai era um membro do Partido Tudeh,[5] que foi banido.[6] No entanto, há evidências de que o suposto assassino não era um membro do Tudeh, mas um fundamentalista religioso membro da sociedade secreta Fada'iyan-e Islam.[7] [8] O Tudeh foi, no entanto, considerado culpado e perseguido.[9]

O segundo atentado contra a vida do Xá ocorreu em 10 de abril de 1965.[10] Um soldado atirou em sua direção, no Palácio de Mármore. O assassino foi morto antes que ele alcançasse os aposentos reais. Dois guardas civis morreram protegendo o Xá.[11]

De acordo com Vladimir Kuzichkin - um ex-oficial da KGB que desertou para o MI6 - o Xá foi também supostamente um alvo da União Soviética, que tentou usar um controle remoto da TV para detonar uma bomba no Volkswagen Fusca. O controle remoto da TV não funcionou.[12]

  1. "Mohammad Reza Pahlavi - biography". Página acessada em 4 de agosto de 2013.
  2. Mohammad Reza Pahlavi (em inglês) no Find a Grave.
  3. Gholam Reza Afghami, The Life and Times of the Shah (2009), pp. 34–35
  4. Ali Vazir Safavi Web Archive (27 de outubro de 2009). Visitado em 6 de dezembro de 2014. Cópia arquivada em 27 de outubro de 2009.
  5. The Shah Persepolis. Visitado em 6 de dezembro de 2014.
  6. Mohammad Reza Shah Pahlavi Iran Chamber. Visitado em 6 de dezembro de 2014.
  7. Stephen Kinzer, All The Shah's Men: An American Coup and the Roots of Middle East Terror, John Wiley & Sons, 2003, ISBN 0-471-26517-9
  8. Dreyfuss, Robert. Devil's Game: How the United States Helped Unleash Fundamentalist Islam. [S.l.]: Owl Books, 2006. ISBN 0-8050-8137-2.
  9. Behrooz writing in Mohammad Mosaddeq and the 1953 Coup in Iran, Edited by Mark j. Gasiorowski and Malcolm Byrne, Syracuse University Press, 2004, p.121
  10. The Journal of Politics: Vol. 32, No. 1 (February 1970) JSTOR. Visitado em 6 de fevereiro de 2014.
  11. Musel, Robert. "The rise of Shah Mohammad Reza Pahlevi", 16 July 1975. Página visitada em 23 July 2013.
  12. Kuzichkin, Vladimir. Inside the KGB: My Life in Soviet Espionage. [S.l.]: Ballantine Books, 1990. ISBN 0-8041-0989-3. </ref Um desertor romeno do alto escalão, Ion Mihai Pacepa, também apoiou esta alegação, afirmando que ele havia sido alvo de várias tentativas de assassinato por agentes soviéticos por muitos anos.

    Referências

    1. "Mohammad Reza Pahlavi - biography". Página acessada em 4 de agosto de 2013.
    2. Mohammad Reza Pahlavi (em inglês) no Find a Grave.
    3. Gholam Reza Afghami, The Life and Times of the Shah (2009), pp. 34–35
    4. Ali Vazir Safavi Web Archive (27 de outubro de 2009). Visitado em 6 de dezembro de 2014. Cópia arquivada em 27 de outubro de 2009.
    5. The Shah Persepolis. Visitado em 6 de dezembro de 2014.
    6. Mohammad Reza Shah Pahlavi Iran Chamber. Visitado em 6 de dezembro de 2014.
    7. Stephen Kinzer, All The Shah's Men: An American Coup and the Roots of Middle East Terror, John Wiley & Sons, 2003, ISBN 0-471-26517-9
    8. Dreyfuss, Robert. Devil's Game: How the United States Helped Unleash Fundamentalist Islam. [S.l.]: Owl Books, 2006. ISBN 0-8050-8137-2.
    9. Behrooz writing in Mohammad Mosaddeq and the 1953 Coup in Iran, Edited by Mark j. Gasiorowski and Malcolm Byrne, Syracuse University Press, 2004, p.121
    10. The Journal of Politics: Vol. 32, No. 1 (February 1970) JSTOR. Visitado em 6 de fevereiro de 2014.
    11. Musel, Robert. "The rise of Shah Mohammad Reza Pahlevi", 16 July 1975. Página visitada em 23 July 2013.
    12. Kuzichkin, Vladimir. Inside the KGB: My Life in Soviet Espionage. [S.l.]: Ballantine Books, 1990. ISBN 0-8041-0989-3. </ref Um desertor romeno do alto escalão, Ion Mihai Pacepa, também apoiou esta alegação, afirmando que ele havia sido alvo de várias tentativas de assassinato por agentes soviéticos por muitos anos.

      Referências

      <references></references>

      Ligações externas[editar | editar código-fonte]

    Ligações externas[editar | editar código-fonte]