Governo no exílio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde março de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Um Governo no exílio é um grupo político que clama ser o governo legítimo de um país, e que por inúmeras razões é incapaz de exercer seu poder legal e acaba residindo em um país estrangeiro. Governos no exílio geralmente têm a premissa de que algum dia irão retornar ao poder de seus países de origem.

Esse tipo de governo geralmente surge durante a ocupação em tempos de guerra. Como exemplo, durante a Segunda Guerra Mundial, muitos governos de países ocupados pela Alemanha Nazista buscaram refúgio na Inglaterra. As Forças Francesas Livres, fundadas por Charles de Gaulle, foram um desses governos, e participou na Segunda Guerra Mundial contra o eixo formado pela Alemanha, Itália e Japão.

Depois da Segunda Guerra Mundial e com o avanço do comunismo no leste europeu, vários governos que estavam no exílio durante a guerra perduraram até o fim dos anos 80. A Polônia foi um destes países. Seu governo no exílio perdurou muito além de 1945, até a época da transição democrática com o fim do governo socialista.

Outro exemplo é o governo no exílio do Tibete, após a fuga do Dalai Lama para a Índia em 1959. Este governo de inspiração teocrática considera como ocupação ilegítima a presença da China em seu território, iniciada em 1951. No entanto, o governo tibetano de Dalai Lama não é reconhecido como tal pela maior parte da comunidade internacional.

No entanto, alguns governos no exílio gozam de maior status, como o governo da Saara Ocidental, que é reconhecido por 50 países, além de ter assento pleno na União Africana.