Azerbaijão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2012). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Trechos sem fontes poderão ser removidos.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Azərbaycan Respublikası
República do Azerbaijão
Bandeira do Azerbaijão
Brasão de Armas do Azerbaijão
Bandeira Brasão de armas
Lema: Não tem
Hino nacional: Azərbaycan Marşı
("Marcha do Azerbaijão")
Gentílico: Azeri1

Localização do Azerbaijão

Localização do Azerbaijão (em verde)
Capital Baku
40°22'N 49°53'E
Cidade mais populosa Baku
Língua oficial Azeri
Governo República semipresidencialista
 - Presidente Ilham Aliyev
 - Primeiro-ministro Artur Rasizade
Formação do Estado  
 - Eldiguzids (Atabegs do Azerbaijão) 1135 
 - República Democrática do Azerbaijão 28 de Maio de 1918 
 - República Socialista Soviética do Azerbaijão 28 de Abril de 1920 
 - Independência, da União Soviética 30 de Agosto de 1991 (declarada)
18 de Outubro de 1991 (reconhecida) 
Área  
 - Total 86.600 km² (113.º)
 - Água (%) 1,6
População  
 - Estimativa de 2014 9 511 100[1] [2] hab. (90.º)
 - Censo 2009 8 922 447 hab. 
 - Densidade 110[1] hab./km² (104.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2011
 - Total US$ 94,318 mil milhões*[3]  
 - Per capita US$ 10 340[3]  
IDH (2013) 0,747 (76.º) – elevado[4]
Moeda Manat azeri (AZN)
Fuso horário (UTC+4)
 - Verão (DST) (UTC+5)
Cód. ISO AZ
Cód. Internet .az
Cód. telef. +994

Mapa do Azerbaijão

1. Outros gentílicos também são utilizados: Azéri, Azerbaidjano, Azerbaijano, Azerbeijano, Azerbaidjanês, Azerbaijanês, Azerbeijanês

O Azerbaijão[5] (em azerbaijanês: Azərbaycan), oficialmente República do Azerbaijão (em azerbaijanês: Azərbaycan Respublikası), é um país localizado no Cáucaso, na fronteira entre a Europa e a Ásia. Inclui uma área principal, junto ao Mar Cáspio, e o enclave de Nakichevan, a sudoeste. O território principal limita a norte com a Geórgia e a Rússia, a leste com o Mar Cáspio, do outro lado do qual se encontram as costas do Turquemenistão, a sul com o Irã / Irão e a oeste com a Arménia e o enclave de Nakichevan da Turquia. A sua capital é Baku.

Considerada uma nação transcontinental, é membro do Conselho da Europa desde 25 de janeiro de 2001.

História[editar | editar código-fonte]

A região nunca foi unificada, sendo composta por várias tribos que foram islamizadas. Pertenceu ao Estados islâmicos persas entre os séculos XI e XVIII e, a partir do século XX, integrou a extinta União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, da qual se emancipou finalmente como unidade nacional independente em 1991.

Antiguidade[editar | editar código-fonte]

As evidências mais antigas do estabelecimento humano no território do Azerbaijão datam do fim da Idade da Pedra e estão relacionadas à cultura Guruchay, da caverna de Azykh. As culturas do Paleolítico Superior e do fim da Idade do Bronze são testemunhadas pelas cavernas de Tağılar, Damcılı, Zar, Yataq-yeri e pelas necrópoles de Leylatepe e Saraytepe.

No século IX a.C. os Citas se assentaram na região. Depois deles, os Medos vieram a dominar a região ao sul do Rio Arax, tecendo um vasto império entre 900-700 a.C., que foi integrado ao Império Aquemênida por volta de 550 a.C, o qual contribuiu na propagação do zoroastrismo. Mais tarde, a região se tornou parte do império de Alexandre, o Grande e de seu sucessor, o Império Selêucida. Durante esse período o zoroastrismo se espalhou pela região do Cáucaso e da Atropatene. Os habitantes da Albânia caucásica, originários do nordeste do Azerbaijão, controlaram a área por volta do século IV a.C. e estabeleceram um reino independente sob influência cultural dos armênios.

No século II a.C., entre os anos de 189 a.C. e 428 d.C., a metade oeste do Azerbaijão, incluindo as regiões de Artsach, Uti, Siunique, Vaspuracan e Paitacaran, foi conquistada pelos Medos sob o comando do Reino da Armênia, governado pelas dinastias Artaxiad e Arsácida. Depois da divisão do Reino da Armênia pela Pérsia e pelo Império Bizantino, em 387 d.C., as províncias de Artsach e Uti, que tinham populações etnicamente misturadas, passaram à Albânia caucásica.

Era Feudal[editar | editar código-fonte]

Os persas sassânidas transformaram a Albânia caucásica em um Estado vassalo no ano de 252 d.C., enquanto o rei Urnayr adotou o cristianismo como religião oficial no século IV. Apesar das numerosas conquistas dos sassânidas e dos bizantinos, a Albânia permaneceu como individualidade até o século IX. O califado islâmico de Omíada rechaçou os sassânidas e os bizantinos da região e transformou a Albânia caucásica em um Estado vassalo, após a resistência cristã, liderada pelo rei Javanshir, que foi suprimida em 667. O vácuo político deixado pelo declínio do Califado Abássida foi preenchido por numerosas dinastias locais. No início do século XI, o território foi gradualmente dominado por ondas de tribos Oguzes, vindas da Ásia Central. A primeira dessas dinastias turcas a se estabelecer foi a dos Gaznévidas, que adentraram a área hoje conhecida como Azerbaijão em 1030.

As populações pré-turcas que viviam no território da moderna República do Azerbaijão falavam diversos dialetos indo-europeus e caucasianos, entre eles a língua armênia e uma língua iraniana chamada de azeri arcaico, que foi gradualmente substituída pela língua turca, precursora da língua azeri de hoje.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Situado na parte oriental da Transcaucásia, o Azerbaijão divide fronteiras com o Irão ao sul, com a Armênia a oeste, com a Geórgia a noroeste, com a Rússia a norte e com o mar Cáspio, que banha sua costa oriental. Inclui também o exclave de Nakichevan. As montanhas da cordilheira do Cáucaso ocupam a metade do território; ao norte fronteiriço com a Rússia, encontra-se o seu ponto mais elevado no Bazarduzu Dagi (4.485 m); no centro encontra-se o vale do Kura-Araks e no sudeste o vale de Lenkoran, formando uma depressão absoluta (em relação ao nível do mar oceânico exterior) até o Mar Cáspio, com -28 metros. Ao sul e sudoeste, nas fronteiras com o Irão e Armênia (incluindo as do enclave de Nakichevan), também caracteriza-se por terrenos montanhosos e vales férteis.

O clima, entre moderado e subtropical, é seco nas montanhas e úmido nas planícies. As temperaturas variam com a estação do ano. Nas terras baixas do sudeste, as temperaturas médias variam entre 4 graus no inverno e 27 no verão. Nas cadeias montanhosas do norte e do ocidente, as temperaturas variam entre -7 graus no inverno e 13 graus no verão. Os seus principais rios são o Kura e o Araks. A vegetação de estepes áridas e semidesérticas é combinada com prados tipo alpinos. As montanhas estão cobertas por matas.

O país tem importantes jazidas de petróleo, cobre e ferro.

O Azerbaijão apresenta problemas de contaminação do solo devido ao uso de pesticidas. Desfolhantes altamente tóxicos foram usados extensivamente nos cultivos de algodão. A contaminação da água é outro problema grave; aproximadamente a metade da população não é servida de esgotos e só um quarto de toda a água servida recebe tratamento.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Composição étnica (2009)[6]
Azeris 91,6%
Lezguianos 2,0%
Russos 1,3%
Armênios 1,3%
Talysh 1,3%
Turcos 0,4%
Outras etnias 2,1%

Da população total do país de cerca de 9,16 milhões de pessoas (julho de 2011)[7] , cerca de 4 380 000 (quase 51%) moravam em cidades, enquanto 4 060 000 (49%) habitavam áreas rurais.[8] 51% da população total eram mulheres.[8] A proporção existente entre os sexos naquele ano era de 0,94 homens para cada mulher.[9]

A taxa de crescimento populacional de 2006 foi de 0,66%, comparada com 1,14% da média mundial.[9] Um fator significativo na restrição deste crescimento populacional é um alto nível de migração; até 3 milhões de azeris, muitos deles contratados como trabalhadores temporários, vivem na Rússia.[10] No mesmo ano o Azerbaijão teve uma taxa migratória de -4,38/1000 pessoas.[9]

A maior causa de mortalidade em 2005 foram as doenças respiratórias (806,9 casos a cada 10 000 indivíduos da população total).[11] A estimativa da expectativa de vida para 2007 era então de 66 anos, 70,7 para as mulheres e 61,9 para os homens.[12] Com 800 000 refugiados (internos e externos), o Azerbaijão tem uma das maiores populações internas desalojadas da região, e, até 2006, tinha a maior população de refugiados internos per capita do mundo.[13]

A composição étnica da população, de acordo com o censo populacional de 2009 é a seguinte:[6] 91,6% de azeris, 2,0% lezguianos, 1,3% de russos, 1,3% de arménios (quase todos na região separatista de Nagorno-Karabakh), 1,3% talysh (número tido como excessivamente baixo pelos nacionalistas talysh),[14] [15] 0,6% ávaros, 0,5% de turcos, 0,4% de tártaros, 0,4% ucranianos, 0,2% tsakhur, 0,2% de georgianos, 0,13% de curdos, 0,13% de tats, 0,1% de judeus, 0,05% de udins, e 0,2% de outras etnias. Muitos russos abandonaram o Azerbaijão durante a década de 1990; de acordo com o censo de 1989, havia 392 000 indivíduos de etnia russa no país então, cerca de 5,6% da população.[16] De acordo com as estatísticas, cerca de 390.000 arménios vivam no país em 1989.[17]

Embora o azeri seja o idioma mais falado no país (além de ser falado por um quarto da população do Irã), existem 13 outros idiomas falados como língua materna no país.[18] Algumas destas línguas são faladas por comunidades muito pequenas, enquanto outras são mais representativas.[19] O azeri é uma língua turcomana que pertence à família altaica, mutualmente inteligível com o turco. O idioma é escrito com uma versão modificada do alfabeto latino atualmente, porém já foi escrito no alfabeto árabe (até 1929), no alfabeto turcomano uniformizado (1929-1939) e no alfabeto cirílico (1939-1991).[20] As mudanças ocorridas nos alfabetos utilizados foram moldadas, em grande parte, pelas forças políticas e religiosas em jogo no país.

Os azeris iranianos formam a maior minoria daquele país; o CIA World Factbook estima que os azeris iranianos formem cerca de 16 milhões, 24% da população total iraniana.[21]

O Islão é a religião dominante no país em número de seguidores com 95%.[22] 85% da população são muçulmanos xiitas e 15% são muçulmanos sunitas.[23] O Azerbaijão é um estado secular, sem religião oficial; a constituição consagra a liberdade religiosa e de consciência.[24]


Política[editar | editar código-fonte]

O Azerbaijão é uma república presidencialista. A chefia de Estado e a chefia de Governo são separadas do legislativo. O presidente da república é eleito pelo povo para um mandato de 5 anos. Há sufrágio universal para maiores de 18 anos.

Símbolos nacionais[editar | editar código-fonte]

A bandeira nacional é uma bandeira tricolor composta por três faixas horizontais de tamanho igual, de ordem e significado: azul a superior (origem turca da nação azerbaidjana), vermelha a central (modernização e o progresso) e verde a inferior (civilização islâmica). No centro da faixa vermelha, aparecem uma lua crescente branca e uma estrela de oito pontas também de cor branca.

O brasão de armas consiste na mistura de símbolos tradicionais e modernos. O ponto focal do emblema é o símbolo de fogo, que é um antigo símbolo da terra Azeri, e daí vem o nome da nação. As cores usadas que compõem o emblema são tomadas a partir da bandeira nacional. Estas cores são encontradas no fundo por detrás da estrela de oito pontas (۞ Rub El Hizb) em que a chama se mostra. A própria estrela própria encima os oito ramos dos povos Turcos, e entre cada ponta da estrela, há uma menor. Na parte inferior do emblema, existe um caule de trigo, o que representa o principal produto agrícola do país, que também fazia parte do anterior brasão. A outra planta representada no fundo é carvalho.

"Azərbaycan Respublikasının Dövlət Himni" é o hino nacional do Azerbaijão, cujo título original é Marcha do Azerbaijão. Com letra do poeta Ahmed Javad e música de Uzeyir Hajibeyov foi adoptado em 1978.

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Azerbaijão é dividido em 59 rayons (rayonlar, singular rayon), 11 cidade distritos (şəhərlər, singular şəhər), e um república autônoma (muxtar respublika) de Nakhchivan,[25] que divide-se em 7 rayons e uma cidade. O Presidente do Azerbaijão nomeia os governadores dessas unidades, enquanto o governo do Nakhchivan é eleito e aprovado pelo parlamento da República Autônoma Nakhchivan.

Economia[editar | editar código-fonte]

Unidade de bombeamento para a extração mecânica de óleo, nos arredores de Baku.

A economia do Azerbaijão continua num processo de transição, na qual o estado continua a exercer um papel importante. Possui grandes reservas de petróleo e um grande potencial agrícola, graças aos seus variados climas. Desde 1995 o Azerbaijão coopera com o FMI, e tem conseguido êxito com o seu programa econômico de estabilização, que reduziu sua inflação a 1,8% ao ano em 2000, contra 1800% ao ano em 1994. Em 2000, o PIB cresceu mais de 11% ao ano, a quinta alta consecutiva. A moeda nacional, o manat, ficou estável em 2000, depreciando-se 3,8% em relação ao dólar.

Cultura[editar | editar código-fonte]

A cultura do Azerbaijão surge como o resultado de muitas influências, desde a soviética, dos tempos em que era um das repúblicas da União, até às suas raízes turcas, persas, islâmicas e da Ásia Central. Hoje em dia as influências ocidentais fazem-se sentir, incluindo a cultura de consumo decorrente da globalização.

Quanto a personalidades, o jogador de xadrez Garry Kasparov nasceu em Baku, nos tempos da República Socialista Soviética do Azerbaijão sendo de longe a personalidade mais conhecida deste país.

Feriados do Azerbaijão
Data Nome em azeri Nome em português Observações
1 de janeiro Yeni İl Ano-Novo
20 - 21 de março Novruz bayramı Noruz Antigo Ano Novo tradicional.
9 de maio Qələbə günü Dia da Vitória Aniversário da Capitulação da Alemanha na Segunda Guerra Mundial.
28 de maio Respublika günü Dia da República Aniversário da proclamação da República Democrática do Azerbaijão em 1918.
15 de junho Milli Qurtuluş günü Dia da Salvação Nacional
26 de junho Azərbaycan Silahlı Qüvvələr günü Dia das Forças Armadas do Azerbaijão Aniversário da Fundação das Forças Armadas da República Democrática do Azerbaijão em 1918.
18 de outubro Müstəqillik günü Dia da Independência Aniversário da Independência do Azerbaijão.
12 de novembro Konstitusiya günü Dia da Constituição Adoção da Constituição em 1995.
17 de novembro Milli Dirçəliş günü Dia da Renovação Nacional
31 de dezembro Dünya Azərbaycanlılarının Həmrəyliyi günü Dia da Solidariedade dos Azerbaijanos do Mundo

Referências

  1. a b Trend informasiya agentliyi: Azərbaycan əhalisinin sayı 9511,1 min nəfərə çatıb — xəbərin yayınlanma tarixi: 14.06.2014
  2. População de acordo com a CIA (julho de 2011) (em inglês)
  3. a b Azerbaijan:Report for Selected Countries and Subjects International Monetary Fund. Visitado em April 12, 2011.
  4. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD): Human Development Report 2014 (em inglês) (24 de julho de 2014). Visitado em 2 de agosto de 2014.
  5. Código de Redacção Interinstitucional da União Europeia
  6. a b The State Statistical Committee of the Republic of Azerbaijan, Censuses of Republic of Azerbaijan 1979, 1989, 1999, 2009 (Compilação de censos populacionais do Azerbaijão feitos em 1979, 1989, 1999 e 2009).
  7. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas Azstat
  8. a b População Centro de Informação sobre Gêneros do Azerbaijão. Visitado em 27-5-2007.
  9. a b c População e demografia Intute. Visitado em 27-5-2007.
  10. Azerbaijan Acts to Limit the Discrimination Against Azeris in Russia, Nailia Sohbetqizi. Eurasianet.org. 11 de novembro de 2002. (visitado em 15-10-2006)
  11. Population morbidity by main diseases groups Ministério da Saúde do Azerbaijão. Visitado em 27-5-2007.
  12. Azerbaijan Facts and Figures MSN Encarta. Visitado em 27-5-2007.
  13. Educação no Azerbaijão (PDF). UNICEF. (em inglês)
  14. Inspired from Abroad: The External Sources of Separatism in Azerbaijan cria-online.com. Visitado em 8 de janeiro de 2012. (em inglês)
  15. Minahan, James. Reasons for the dispute around the number of Talysh in Azerbaijan: One Europe, Many Nations: A Historical Dictionary of European National Groups, Greenwood, 2000, ISBN 0-313-30984-1, ISBN 978-0-313-30984-7, p. 674 (no Google Books).
  16. Southern Caucasus: Facing Integration Problems, Ethnic Russians Long For Better Life. EurasiaNet.org. 30 de agosto de 2003.
  17. Azerbaijan: The Status of Armenians, Russians, Jews and other minorities (PDF). Serviço de Imigração e Cidadania dos Estados Unidos (USCIS).
  18. Ethnologue report for Azerbaijan Ethnologue.com. Visitado em 3-1-2009.
  19. Clifton, John M., editor. 2002 (vol 1.), 2003 (vol. 2). Studies in languages of Azerbaijan. Baku, Azerbaijão e São Petersburgo, Rússia: Instituto de Relações Internacionais, Academia de Ciências do Azerbaijão e Grupo Norte-Eurásio, SIL International.
  20. Hatcher, Lynley. 2008. "Script change in Azerbaijan: acts of identity". International Journal of the Sociology of Language 192:105-116.
  21. "Iran", The World Factbook - CIA (em inglês)
  22. Mapping The Global Muslim Population (PDF). (em inglês)
  23. Administrative Department of the President of the Republic of Azerbaijan – Presidential Library – Religion (em inglês)
  24. The Constitution of the Republic of Azerbaijan. (em inglês)
  25. CIA World Factbook Azerbaijan 2007. (em inglês)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Azerbaijão