Morbidade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Em epidemiologia, morbidade ou morbilidade é a taxa de portadores de determinada doença em relação à população total estudada, em determinado local e em determinado momento. A quantificação das doenças ou cálculo das taxas e coeficientes de morbidade e morbi-mortalidade são tarefas essenciais para Vigilância epidemiológica e controle das doenças que, por sua vez para fins de organização dos serviços de saúde e intervenção nos níveis de saúde publica podem ser divididas em doenças transmissíveis e Doenças e Agravos Não Transmissíveis - DANTs.

Introdução[editar | editar código-fonte]

A palavra morbilidade provém da palavra latina morbus, que significa tanto doença física, enfermidade, como doença do espírito, paixão. A medida de morbidade é um dos temas centrais da epidemiologia, sendo que sua obtenção apresenta diferentes graus de dificuldade. Também é a taxa de portadores de determinadas doenças em relaçao ao número de habitantes sãos em determinado local ou em determinado doente.

Medidas de Freqüência das Doenças[editar | editar código-fonte]

O termo “freqüência” necessita ser bem definido na epidemiologia, sofrendo distinção entre incidência e prevalência, no intuito de separar determinados aspectos que, se não levados em conta, dificultam as comparações de “freqüências”.

Incidência e Prevalência:

  • A incidência de uma doença refere-se aos casos novos e a prevalência aos casos existentes.

Comparando, a incidência é como se fosse um “filme” sobre a ocorrência da doença, constitui-se como uma sucessão de ocorrências de adoecimentos e curas ou óbitos,

  • Prevalência produz um “retrato” dela na coletividade.

Assim uma é dinâmica, a outra é estática.

Para conhecimento da incidência, especifica-se a duração do tempo de observação de surgimento de casos novos, como por exemplo, a incidência de casos de dengue durante um mês. A prevalência informa o número de casos existentes, como por exemplo, a prevalência de casos de tuberculose nos dias de hoje. Nos seus resultados estão misturados casos novos e antigos.

O que medem incidência e prevalência?[editar | editar código-fonte]

A incidência reflete a dinâmica com que os casos aparecem no grupo. Por exemplo, ela informa quantos, entre os sadios, se tornam doentes em um dado período de tempo; ou ainda quando, entre os doentes, apresentam uma dada complicação ou morrem decorrido certo período de tempo. Por isso se costuma dizer que a incidência reflete a “força de morbidade” (ou “força de mortalidade", quando referente aos óbitos).

A incidência é um dos fatores determinantes do nível de prevalência. Essa ultima representa o estoque de casos, ou seja, a proporção da população que apresenta uma dada doença. Ela aumenta com os casos novos e diminui com a cura e o óbito.

A melhoria no tratamento médico de uma afecção crônica, fazendo prolongar a vida, mas sem curar a doença (exemplo: AIDS), aumenta o número de casos na população, o que eleva a taxa de prevalência. Não tratar doenças curáveis (exemplo hanseníase) faz também aumentar a prevalência. Ao contrário, as condições de evolução lenta, ou as rapidamente fatais, têm baixa prevalência na população. Os exemplos ilustram o fato de que a prevalência e a incidência dependem da duração da afecção.

Usos de Incidência e Prevalência[editar | editar código-fonte]

A observação da freqüência e da distribuição do evento, sob forma de incidência ou prevalência, informa a magnitude e a importância dos danos à saúde da população, sendo que em pesquisas epidemiológicas ambas são determinadas de modo que sobre elas se baseiem as conclusões do estudo.

Doenças transmissíveis[editar | editar código-fonte]

Doenças Infecciosas e parasitárias; Doenças Transmissíveis; Doença Contagiosa; Doença Infecto-Contagiosa; Doença Tropical são termos que designam o grupo de doenças causadas por agentes biológicos.

Os agentes biológicos das principais doenças transmissíveis conhecidas são os vírus; riquétsias; espiroquetídeos; bactérias; protozoários; fungos e helmintos, algumas classificações incluem as riquétsias e Espiroquetas no grupo das bactérias e incluem os protozoários juntos como os helmintos nos grupo dos parasitos. Os vírus também podem ser subdivididos e distinguidos dos virions e prions ou classificados juntamente com os outras agentes segundo o seu modo de transmissão e características epidemiológicas a exemplo das doenças sexualmente transmissíveis, transmissíveis pela água etc.

As primeiras explicações sobre as epidemias e tentativas de controle não mágico-religioso já ser referidos desde os gregos com revele o texto de Hipócrates "Sobre os Ares, Águas e Lugares", que identificava a influência da localização geográfica e dos elementos físicos (clima, disponibilidade, qualidade e facilidade de acesso à água, presença de vegetação), à saúde, quantidade de doentes e estereotipo dos habitantes de cada lugar, a teoria do contágio só se desenvolveu nos finais do século XIX com as descobertas dos microorganismos por Louis Pasteur (1822 - 1895).

Infelizmente as descobertas do célebre químico, fundador da Bacteriologia tiveram um impacto negativo avanços na interpretação das doenças e epidemias com seus determinantes nas condições de vida das populações e mesmo sobre as conquistas que vinham desde o mundo grego reinterpretadas por Samuel Hahnemann {1755-1843) como teoria miasmática, que na realidade distinguia a diversidade da susceptibilidade e características individuais com as proposições de intervenção da Homeopatia do que hoje foi retomado com constituição epidêmica nos finais do século XX com o desenvolvimento da epidemiologia moderna e concepções de saúde ambiental.

Doenças e Agravos Não Transmissíveis[editar | editar código-fonte]

As doenças e agravos não transmissíveis - DANTs; doenças não infecciosas ou não transmissíveis também recebem vários nomes e podem ser classificadas de diversas formas. As principais distinções referem-se á condição de se caracterizarem como um estado crônico ou irreversível nos indivíduos afetados, possuírem uma determinação multi-fatorial ou relacionado às causas externas. As primeiras, crônico-degenerativas, geralmente são associadas aos problemas decorrentes do envelhecimento dos indivíduos e populações e o segundo grupo das violências dos acidentes e agressões - agravos decorrentes de causas externas não biológicas associado às más condições de vida, urbanização desorganizada e problemas sócio-econômicos que expõem grandes segmentos da população condições de carência e demanda de consumo não satisfeito ou fatores geradores da criminalidade.

Referências[editar | editar código-fonte]

Veronesi, Ricardo. Doenças infecciosas e parasitárias. RJ, Guanabara – Koogan, 1976

Brasil, Ministério da saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de vigilância epidemiológica – Série A. Normas e manuais Técnicos. DF, MS, 2005

Fry, John Doenças comuns: incidência, natureza e tratamento. SP, Manole, 1977


Veja também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]