Euronews

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Euronews
Euronews, SA
Canal internacional de notícias.
País  França
Fundação 1 de janeiro de 1993 (21 anos)
por SOCEMIE
Pertence a SECEMIE
Slogan Euronews, Pure
Cobertura União Europeia Europa
 Estados Unidos
 Austrália
Página oficial www.euronews.net
Disponibilidade por cabo
TVN
Canal 101 (Canoas)

A Euronews é um canal multilingue pan-europeu de notícias, o primeiro do mundo a difundir em várias línguas.[1]

A missão da Euronews é a cobertura internacional dos eventos numa perspectiva europeia [2] , evitando o uso do sensionalismo permitindo que cada espectador possa criar uma opinião livre sobre o Mundo[3] . É difundido em grande parte da Europa, na América do Norte, América do Sul e no Norte de África. Em 2008, o canal era distribuído em 135 países em todo o mundo. Chegava a 177 milhões de lares europeus por cabo, satélite e TDT. A EuroNews é a líder de difusão internacional de notícias na Europa, ultrapassando a CNN International (167 milhões de lares europeus), a BBC World News (124 milhões de lares europeus) e a CNBC Europe (65 milhões de lares europeus).[4]

A Euronews emite 24 horas por dia, em nove idiomas fixos: alemão, espanhol, francês, inglês, italiano, português (desde 1999), russo (desde 2001), árabe (desde 2008) e em turco (desde 2010). Para além destes, emite também em vários blocos esporádicos em ucraniano e romeno para a Ucrânia e a Roménia, respectivamente. A EuroNews venceu o concurso público para emissão em farsi [5] O canal é difundido em diversas plataformas: rede analógica, rede digital de televisão (TDT), por cabo coaxial, em aviões e hotéis; através de IPTV e por telemóvel.

Em Portugal, a EuroNews pode ser visto 24h por dia em todos os operadores de televisão em português (como padrão), em espanhol ou ainda em inglês, bastando escolher o áudio pretendido. Na RTP, a RTP2 realiza no horário da madrugada um simulcast do canal. Antes, do tempo da 2:, também tinha emissão a tarde. A partir do dia 3 de novembro de 2008, a RTP1 também começou a emitir a Euronews de madrugada.

No dia 24 de Novembro de 2010 a RTP1 foi obrigada a fazer um simulcast deste canal durante aproximadamente 20 minutos devido à falta de técnicos de iluminação e som para transmitir o Bom Dia Portugal por causa da Greve Geral marcada para esse dia.

História[editar | editar código-fonte]

O canal foi criado em 1993. Na altura, era difundido em cinco línguas: inglês, espanhol, alemão, italiano e francês. Foi a primeira experiência mundial de uma televisão multilingue e uma nova abordagem político-linguística na Europa. A cidade de Lyon acolhe a sede principal do canal, em detrimento de Munique, Bolonha (Itália) e Valência (Espanha). Tratou-se de uma vitória para França e para a língua francesa, tornando-se assim a lingua franca, no início.

Três emissoras públicas europeias formaram o núcleo duro do canal: France 2 e France 3 (actualmente, France Télévisions), a italiana RAI e a espanhola RTVE. A BBC do Reino Unido e a ARD e ZDF da Alemanha, não participaram no projecto. Tal permitiu à língua francesa ocupar um lugar proeminente nos primeiros anos de vida do canal, dando assim supermacia editorial. Os fundadores da Euronews pensaram que os textos redigidos nas outras línguas seriam apenas traduções dos comentários de base e das referências escritas em francês - uma ideia bem aceita pelos jornalistas gauleses, mas severamente posto em causa pelos jornalistas das outras línguas.

No início da fundação do canal, apenas duas agências de notícias escritas tinha disponibilidade para todo o público: a France Presse e a Reuters. Após várias exigências dos jornalistas de língua que não o francês e o inglês, a Euronews torna-se cliente da agência espanhola EFE, da alemã DPA e da italiana ANSA. Tal acção fez com que surgissem diferentes abordagens de cada agência noticiosa nacional. Por exemplo, os conflitos na ex-Jugoslávia, no Kosovo e no Médio Oriente não eram analisadas da mesma maneira.

Em Novembro de 1997, a sociedade britância ITN adquire 49% do capital da EuroNews, obtendo assim o controlo operacional do canal europeu. Uma nova mentalidade se instala, mas a guerra linguística recomeça. Apesar dos responsáveis britânicos terem respeitado as particularidades de cada língua da Euronews, foi necessária recriar um modo de utilizar as línguas nos diversos grafismos do canal. Uma das facilidades era o facto do canal ser todo em imagens e sem apresentador. Após várias discussões, a EuroNews decidiu utilisar - para os nomes escritos - as línguas do canal: francês, inglês, alemão, espanhol, italiano e português. A chegada da ITN revolucionou o modus operandi do canal e os seus administradores quiseram multiplicar o número de emissões directas. Porém, as agências internacionais que forneciam as informações, APTN e Reuters TV, eram anglófonas, e os seus directos eram ocupados em 95% por personalidades anglófonas. A EuroNews tenta também encontrar imagens de outras personalidades, não anglófonas, pois a diversidade linguística permitia e uma diversidade cultural e linguística. A ITN abandona a EuroNews em 2003 e sob o seu mandato, duas novas línguas surgiram: o português em Novembro de 1999 e o russo em 2001.

Com o alargamento da União Europeia de 2004, onde 10 novos países integraram o bloco economico-político, as televisões europeias centrais e de Leste manifestavam a sua entrada na EuroNews, tendo recebidos pedidos de polacos, bielorrussos, ucranianos, húngaros e romenos.[6]

Em 21 de Fevereiro de 2005, a EuroNews assina uma convenção com a União Europeia, que exige ao canal emitir informações sobre a UE num mínimo de 10% da sua programação total. Tal facto dá assim à Euronews o estatuto de Serviço Público Europeu de Informação e uma ajuda anual de 5 milhões de euros, bem como ver a sua difusão chegar aos 27 países da UE.[7]

Difusão[editar | editar código-fonte]

Em 2009, a Euronews foi recebida em 150 países e 294 milhões de moradas através da difussão digital por satélite, redes de cabo e parabólicas, destacando o Nouveau CanalSat na França; o Digital+ na Espanha; a TV Cabo em Portugal; o Sky no Reino Unido, Irlanda e Itália; a Dish Network nos Estados Unidos, a Select TV em Austrália, Digiturk na Turquia e Orbit no Médio Oriente. Do mesmo modo, é recebida em 120 milhões de moradias por via terrestre através de 41 canais estatais de 29 países, destacando o canal público TVR, que exibe um boletim EuroNews em romeno de segunda-feira a sexta-feira às 22h00, atingindo oito milhões de espectadores. Desde 2004, também pode ser acessada desde podcast, redes digitais como o ADSL e a Televisão Digital Terrestre. Desde Outubro de 2007, o seu programa No comment tem sido posto ao dispor dos internautas através da plataforma Youtube.

Televisões que incorporaram a Euronews à sua programação ordinária[editar | editar código-fonte]

Audiência[editar | editar código-fonte]

A Euronews está subscrita a estudos audiométricos de diferentes países, como MédiaCabSat na França ou Sofres AM na Espanha. Segundo tais estudos, a EuroNews é o primeiro canal de informação na Europa, seguido diariamente por perto de 2,9 milhões de espectadores europeus via cabo e por perto de 3,7 milhões via redes parabólicas. Assim, a EuroNews duplica a cada dia o número de telespectadores de CNN Internacional e quintuplica os da BBC Internacional.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]