Dubai

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Dubai (Emirado de Dubai)
إمارة دبيّ
Dubaicollage.jpg
Bandeira oficial de Dubai
Bandeira
Localização de Dubai nos Emirados Árabes Unidos
Localização de Dubai nos Emirados Árabes Unidos
País  Emirados Árabes Unidos
Emirado Dubai
Área  
  Total 4.114 km²
  Metropolitana 1287,4 km²
População  
  Cidade (2008) 2 262 000
  Metro 2 262 000
   -Densidade metropolitana   408,18/km²
  [1]
Website: [http://
Emirado de Dubai
Município de Dubai
Emirado de Dubai
Município de Dubai]

Dubai (em árabe: دبيّ, Dubayy) é uma cidade correspondente ao emirado de mesmo nome e que está localizada nos Emirados Árabes Unidos (uma federação de monarquias absolutas hereditárias árabes).[2] O Emirado de Dubai está localizado na costa do Golfo Pérsico, sendo um dos sete emirados que compõem o país. Dubai é o emirado mais populoso entre os sete emirados, com aproximadamente 2 262 000 habitantes. Está localizada ao longo da costa sul do Golfo Pérsico na Península Arábica na Ásia. O município muitas vezes é chamado de "Cidade de Dubai" para diferenciá-lo do emirado homônimo. A cidade é conhecida mundialmente por ser extremamente desenvolvida e por seus enormes arranha-céus e largas avenidas.

Existem registros da existência da cidade pelo menos 150 anos antes da formação dos EAU. Dubai divide funções jurídicas, políticas, militares e econômicas com os outros emirados, embora cada emirado tenha jurisdição sobre algumas funções, tais como a aplicação da lei civil e fornecimento e manutenção de instalações locais. Dubai tem a maior população e é o segundo maior emirado por área, depois de Abu Dhabi.[3] Dubai e Abu Dhabi são os únicos emirados que possuem poder de veto sobre questões de importância nacional na legislatura do país. Dubai tem sido governado pela dinastia Al Maktoum desde 1833. O atual governante de Dubai, Mohammed bin Rashid Al Maktoum, é também o Primeiro-Ministro e Vice Presidente dos Emirados Árabes Unidos.

A receita do emirado é proveniente do turismo, do comércio, do setor imobiliário e dos serviços financeiros.[4] As receitas de petróleo e gás natural contribuem com menos de 6% (2006)[5] do PIB de 37 bilhões de dólares em 2005.[6] O setor imobiliário e da construção civil, por outro lado, contribuiu com 22,6% da economia em 2005, antes do atual boom da construção em larga escala.[7] Dubai tem atraído a atenção mundial por seus projetos imobiliários [8] e acontecimentos esportivos.

O destaque de Dubai como centro mundial de negócios contrasta com a situação de miséria e de violação de direitos humanos dos trabalhadores na construção civil - grande parte deles migrantes provenientes da Índia, Bangladesh, Paquistão, Afeganistão, Yemen, Sri Lanka, Etiópia, Filipinas, China ou Síria. Mal pagos e mal alojados, têm sido submetidos a formas de exploração comparáveis às vigentes durante a Revolução Industrial, sendo muitas vezes obrigados a trabalhar sob temperaturas que podem superar 50 °C. São frequentes os casos de suicídio entre os operários.[9] Segundo Sharla Musabih, diretora do abrigo Casa da Esperança, destinado a mulheres vítimas de violência, Dubai progrediu muito economicamente nos últimos 10 anos, mas as condições dos trabalhadores são semelhantes às do século XIX.[10] [11] [12]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Arabic albayancalligraphy.svg Este artigo contém texto em árabe, escrito da direita para a esquerda. Sem suporte multilingual apropriado, você verá interrogações, quadrados ou outros símbolos em vez de letras árabes.

Em 1820, Dubai era conhecida como Al Wasl por historiadores britânicos. No entanto, poucos registros referentes à história cultural dos Emirados Árabes Unidos ou seus componentes existem devido à tradição oral da região em passar suas tradições através do folclore e de mitos. As origens linguísticas da palavra Dubai também estão em disputa, alguns acreditam que a palavra possa ter origem persa, enquanto alguns acreditam que o árabe seja a raiz linguística da palavra. De acordo com Fedel Handhal, pesquisador da história e da cultura dos Emirados Árabes Unidos, a palavra Dubai pode ter vindo da palavra Daba (um derivado do Yadub), que significa rastejar; a palavra pode ser uma referência ao fluxo da enseada de Dubai para o interior.

História[editar | editar código-fonte]

Forte Al Fahidi, construído em 1799, é o mais antigo edifício existente em Dubai - agora parte do Museu de Dubai.[13]
Bairro histórico de Al Bastakiya.

Muito pouco se sabe sobre a cultura pré-islâmica no sudeste da Península Arábica, sabe-se apenas que muitas das cidades antigas na área eram centros de comércio entre os mundos Oriental e Ocidental. Os restos de um antigo manguezal, datados em sete mil anos, foram descobertos durante a construção de linhas de esgoto perto de Dubai Internet City. A área foi coberta com areia cerca de cinco mil anos atrás, como o litoral recuou para o interior, tornando-se uma parte da costa atual da cidade.[14] Antes do Islã, o povo desta região adoravam Bajir (ou Bajar).[15] Os impérios Bizantino e Sassânida constituídas as grandes potências da época, com o Sassânidos controlando grande parte da região. Após a expansão do islamismo na região, o califa omíada, do mundo oriental islâmico, invadiu o sudeste da Arábia e expulsou os Sassânidas. As escavações realizadas pelo Museu de Dubai, na região de Al-Jumayra (Jumeirah) indicam a existência de diversos artefatos a partir do período omíada.[16] A mais antiga menção de Dubai é de 1095, no "Livro de Geografia" pelo geógrafo árabe-Al-Andalus Abu Abdullah al-Bakri. O mercador veneziano de pérolas Gaspero Balbi visitou a área em 1580 e mencionou Dubai (Dibei) para a sua indústria de pérolas.[16] Registros documentais da cidade de Dubai só existem depois de 1799.[16] [17]

No início do século XIX, o clã Al Abu Falasa (Casa da Al-Falasi) da tribo Bani Yas estabeleceu-se em Dubai, que ficou sob controle de Abu Dhabi até 1833.[18] Em 8 de janeiro de 1820, o xeque de Dubai e outros xeques na região assinaram o "Tratado de Paz Geral Marítima", com o governo britânico.[14] No entanto, em 1833, a dinastia Al Maktoum (também descendentes da Casa de Al-Falasi) da tribo Bani Yas assumiu o controle de Abu Dhabi e tomou Dubai do clã Abu Fasala sem encontrar resistência.[18] Com a assinatura do "Acordo Exclusivo" de 1892, Dubai pasou a ter a protecção do Reino Unido contra qualquer ataque vindo do Império Otomano.[18] Duas catástrofes atingiram a cidade durante os anos 1800. Primeiro, em 1841, uma epidemia de varíola irrompeu na localidade de Bur Dubai, obrigando a população a deslocar-se para leste de Deira. Em 1894, um grande incêndio em Deira destruiu a maioria das casas.[19] No entanto, a localização geográfica da cidade continuou a atrair comerciantes e mercadores de toda a região. O emirado de Dubai reduziu então a carga fiscal sobre o comércio, o que atraiu comerciantes de Sharjah e Lengeh Bandar, que eram os principais centros comerciais da região na época.[19] [20]

A proximidade geográfica de Dubai com a Índia tornou a cidade um local importante. A cidade de Dubai foi um importante porto de escala para os comerciantes estrangeiros, principalmente os vindos da Índia, muitos dos quais acabaram por se instalar na cidade. Dubai era conhecida por suas exportações de pérolas até os anos 1930. No entanto, a indústria de pérolas de Dubai foi irremediavelmente danificada pelos acontecimentos da Primeira Guerra Mundial e, posteriormente, pela Grande Depressão na década de 1920. Consequentemente, a cidade assistiu a uma migração em massa de pessoas para outras partes do Golfo Pérsico.[14] Desde a sua criação, Dubai entrava constantemente em desacordo com Abu Dhabi. Em 1947, uma disputa de fronteira entre Dubai e Abu Dhabi, no setor norte de sua fronteira comum, gerou uma guerra entre os dois estados.[21] A arbitragem feita pelos ingleses e a criação de uma fronteira do leste ao sul da costa de Ras hasian resultou em uma cessação temporária das hostilidades.[22]

Dubai, na década de 1960.

No entanto, as disputas fronteiriças entre os emirados continuaram mesmo após a formação dos Emirados Árabes Unidos, foi somente em 1979 que um compromisso formal foi alcançado, o que terminou com as hostilidades e com as disputas fronteiriças entre os dois estados.[23] Eletricidade, serviços de telefone e um aeroporto foram criados em Dubai em 1950, quando os ingleses moveram seus escritórios administrativos locais de Sharjah para Dubai.[24] Em 1966, a cidade se juntou ao país recém-independente do Catar para criar uma nova unidade monetária, o Riyal qatarí, após a desvalorização da Rupia do Golfo Pérsico.[17] No mesmo ano, foi descoberto petróleo em Dubai, após o qual a cidade de concessões para companhias internacionais de petróleo. A descoberta do petróleo levou a um afluxo maciço de trabalhadores estrangeiros, sobretudo indianos e paquistaneses. Como resultado, a população da cidade entre 1968 e 1975 cresceu mais de 300%, segundo algumas estimativas.[25]

Em 2 de dezembro de 1971 Dubai, juntamente com Abu Dhabi e outros cinco emirados, formaram os Emirados Árabes Unidos após o fim do protetorado-britânico no Golfo Pérsico, em 1971.[26] Em 1973, Dubai se juntou a outros emirados para adotar uma moeda única: o dirham dos Emirados. Na década de 1970, Dubai continuou a crescer a partir de receitas geradas com o petróleo e com o comércio. Nesse período a cidade teve um grande afluxo de imigrantes libaneses que fugiam da guerra civil.[27] O porto de Jebel Ali (supostamente o maior porto do mundo construído pelo homem) foi estabelecido em 1979. Jafza (Zona Franca de Jebel Ali) foi construída em torno do porto, em 1985, para proporcionar às empresas estrangeiras de importação irrestrita de trabalho e capital exportação.[28]

Dubai em 2009.

A Guerra do Golfo Pérsico, de 1990, teve um enorme impacto sobre a cidade. Economicamente, os bancos de Dubai experimentaram uma retirada maciça de fundos devido à incerteza das condições políticas na região. Durante o decorrer da década de 1990, no entanto, muitas comunidades de comércio exterior - primeiro do Kuwait, durante a Guerra do Golfo Pérsico e, posteriormente, do Bahrein, durante o levante xiita, mudaram seus negócios para Dubai.[20] Dubai foi uma base de reabastecimento para as forças aliadas na Zona Franca de Jebel Ali, durante a Guerra do Golfo Pérsico e, novamente, durante a Invasão do Iraque em 2003. Os grandes aumentos no preço do petróleo após a Guerra do Golfo Pérsico incentivou Dubai a continuar a centrar-se no livre comércio e no turismo.[29] O sucesso da Zona Franca de Jebel Ali permitiu que a cidade pudesse replicar seu modelo de desenvolvimento para novas zonas francas, incluindo Dubai Internet City, Dubai Media City e Dubai Maritime City. A construção do Burj Al Arab, o hotel autônomo mais alto do mundo, bem como a criação de novos empreendimentos residenciais, foram usados pelo mercado de Dubai, para fins turísticos. Desde 2002, a cidade tem visto um grande aumento do investimento imobiliário privado na recriação skyline de Dubai,[29] com projetos como o Palm Islands, The World, o Burj Dubai e o The Dynamic Tower. No entanto, o crescimento econômico robusto nos últimos anos tem sido acompanhado por aumento das taxas de inflação (de 11,2% em 2007, quando medido contra o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que é atribuído, em parte devido à quase duplicação do consumo comercial e residencial de renda, resultando em uma substancial aumento do custo de vida para os residentes da cidade.[30]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Imagem de satélite mostrando parte de Dubai em 5 de fevereiro de 2009.

Dubai está situada na costa do Golfo Pérsico, nos Emirados Árabes Unidos e está praticamente ao nível do mar (16 metros acima). O emirado de Dubai divide suas fronteiras com Abu Dhabi, ao sul, Sharjah, ao nordeste e com o Sultanato de Omã ao sudeste. Hatta, um enclave menor do emirado, é cercado em três lados por Omã e pelos Emirados de Ajman (ao oeste) e Ras Al Khaimah (ao norte). Dubai está posicionada a 25° 26′ N 55° 30′ Ee ocupa uma área de 4.114 quilômetros quadrados.

Dubai situa-se dentro do deserto da Arábia. No entanto, a topografia de Dubai é, significativamente, diferente da topografia encontrada na porção sul dos EAU, visto que grande parte da paisagem de Dubai é destacada por padrões de deserto de areia e cascalho, enquanto os desertos dominam grande parte da região sul do país.[31] A areia é composta principalmente de conchas e corais esmagados. Ao leste da cidade, o sal em crosta de planícies costeiras, conhecido como sabkha, dá lugar a uma linha de dunas. Mais ao leste, as dunas são maiores e vermelhas, graças ao óxido de ferro.[25] A areia do deserto dá lugar às Montanhas Ocidentais Hajar, que correm ao lado do Dubai na fronteira com Omã em Hatta. A cadeia Ocidental Hajar tem uma paisagem árida, irregular e quebrada, cujas montanhas chegam a cerca de 1.300 metros em alguns lugares.

Dubai não tem nenhum rio ou oásis natural, no entanto, possui um estuário natural, a Enseada de Dubai, que foi dragada para torná-la suficientemente profunda para que navios de grande porte possam atravessá-la. Um vasto mar de dunas de areia cobre grande parte do sul de Dubai e, eventualmente, leva para o deserto, conhecido como Rub' al-Khali. Sísmicamente, Dubai está situada numa zona muito estável - a falha sísmica mais próxima, a Falha Zargos, está a 120 km dos EAU e é improvável que tenha qualquer impacto sísmico em Dubai. Os especialistas também prevêem que a possibilidade de um tsunami na região também é mínima, porque as águas do Golfo Pérsico não são profundas o suficiente para desencadear um tsunami.

O deserto de areia que rodeiam a cidade suporta gramíneas selvagens e, ocasionalmente, tamareiras. No deserto, jacintos crescem nas planícies sabkha, ao leste da cidade, enquanto as acácias e árvores ghaf crescem nas planícies próximas das Montanhas Ocidentais Al Hajar. Várias árvores autóctones, como as tamareiras e neem, além das árvores importadas, como o eucalipto crescem no parques naturais de Dubai. Abetarda, hiena listradas, caracal, a raposa do deserto, falcão e Órix-da-Arábia são espécies comuns no deserto de Dubai. Dubai está no caminho de migração de aves entre a Europa, Ásia e África, e mais de 320 espécies de aves migratórias passam pelo emirado, na Primavera e no Outono. As águas de Dubai são o lar de mais de 300 espécies de peixes, incluindo a garoupa.

Imagem de satélite da área metropolitana de Dubai-Sharjah-Ajman à noite.

O Estuário de Dubai está localizado do nordeste ao sudoeste da cidade. A seção leste da cidade onde está localidade de Deira, é ladeada pelo Emirado de Sharjah no leste e pela cidade de Al Aweer no sul. O Aeroporto Internacional de Dubai está localizado no sul da cidade, enquanto a Palm Deira está localizada no norte de Dubai, no Golfo Pérsico. Grande parte do boom imobiliário de Dubai, está concentrada na região oeste do Estuário de Dubai, nas proximidades costeiras de Jumeirah. Porto Rashid, Jebel Ali, Burj Al Arab, a Palm Jumeirah e as zona francas, tais como Business Bay estão todos localizados nesta região da cidade. Cinco eixos principais - E 11 (Sheikh Zayed Road), E 311 (Emirates Road), E 44 (Dubai-Hatta Highway), E 77 (Dubai-Al Habab Road) e E 66 (Oud Metha Road) - executado através de Dubai, que ligam a cidade a outras cidades e emirados. Além disso, várias importantes rotas de troca da cidade, como a D 89 (Al Maktoum Road / Estrada do Aeroporto), D 85 (Baniyas Road), D 75 (Sheikh Rashid Road), D 73 (Al Dhiyafa Road), D 94 (Jumeirah Road ) e a D 92 (Al Khaleej / Al Wasl Road) ligam as várias localidades da cidade. As seções a leste e oeste da cidade são ligados pela pontes Al Maktoum, Garhoud Al, Business Bay Bridge Crossing, pela Ponte Flutuante de Dubai e pelo túnel Al Shindagha.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Este vídeo mostra o crescimento de Dubai em um quadro por ano no período entre 2000 e 2011.
Ano População
18221 1200 [32]
19001 10 000 [33]
19301 20 000 [34]
19401 38 000 [32]
19541 20 000 [32]
19601 40 000 [35]
1968 58 971 [36]
1975 183 000 [37]
1985 370 800 [38]
1995 674 000 [38]
2005 1 204 000
1 A cidade de Dubai realizou seu primeiro censo em 1968. Todos os números da população nesta tabela antes de 1968 são estimativas obtidas a partir de várias fontes.

De acordo com o censo realizado pelo Centro de Estatísticas de Dubai, a população do emirado era de 1 422 000 de habitantes em 2006, sendo 1 073 000 homens e 349 000 mulheres.[39]

A região abrange 1287,4 km². A densidade populacional é 408,18/km² mais de oito vezes maior do que todo o país. Dubai é a segunda cidade mais cara da região, e 20ª cidade mais cara do mundo.[40]

Em 1998, 17% da população do emirado era composta por pessoas nascidas nos EAU. Aproximadamente 85% da população de expatriados (e 71% da população total do emirado) eram asiáticos, principalmente indianos (51%), paquistaneses (15%), [[bengalis (10%) e outros (10%).[41] Um quarto da população no entanto tem vestígios em suas origens de ancestrais iranianos.[42] Além disso, 16% da população (ou 288.000 pessoas) vivem em habitações coletivas de trabalho e não foram identificados por etnia ou nacionalidade, apesar de terem sido considerados como asiáticos.[43] A idade mediana no emirado foi de cerca de 27 anos. A taxa de natalidade, em de 2005, foi de 13,6%, enquanto a taxa de mortalidade foi de cerca de 1%.[44]

Embora o árabe seja a língua oficial de Dubai, o urdu, o persa, o hindi, o malaiala, o bengali, o tamil, o tagalo, o chinês e outros idiomas são também falados em Dubai. O inglês é a língua franca da cidade e é muito falada pelos moradores.

O Artigo 7º da Constituição Provisória dos EAU declara o Islã como a religião oficial do país. O governo subsidia cerca de 95% das mesquitas e emprega todos os imames, aproximadamente 5% das mesquitas são totalmente privadas, e várias grandes mesquitas recebem grandes doações privadas.[45]

Dubai tem também grandes grupos de cristãos, hindus, sikhs, budistas e outras comunidades religiosas que residem na cidade. Grupos não-muçulmanos podem possuir suas próprias casas de culto, onde eles podem praticar sua religião livremente, solicitando uma concessão de terras e permissão para construir um templo. Os grupos que não têm os seus próprios edifícios devem utilizar as instalações de outras organizações religiosas ou de culto em casas particulares.[46] Grupos não-muçulmanos estão autorizados a anunciar abertamente funções de grupo, no entanto, proselitismo ou distribuição de literatura religiosa é estritamente proibida, sob pena do procedimento penal, prisão e deportação para se engajar em conduta ofensiva ao Islã.[45]

Política[editar | editar código-fonte]

Cidades irmãs[editar | editar código-fonte]

Dubai possui 27 cidades-irmãs:

Economia[editar | editar código-fonte]

O Burj Khalifa, a maior estrutura feita pelo homem no mundo, com mais de 800 metros de altura.

O Produto Interno Bruto (PIB) de Dubai em 2005 foi 37 bilhões de dólares.[6] Embora a economia de Dubai tenha sido construída através da indústria do petróleo,[51] as receitas de petróleo e gás natural representam atualmente menos de 6% das receitas do emirado.[5] Estima-se que Dubai produz 240.000 barris de petróleo por dia e quantidades substanciais de gás em campos. O emirado possui 2% das reservas de gás dos EAU. As reservas de petróleo de Dubai diminuíram significativamente e estima-se que se esgotarão em 20 anos.[52] Os setores Imobiliário e de Construção (22,6%),[7] Comércio (16%), entreposto (15%) e de serviços financeiros (11%) são os maiores contribuintes para a economia de Dubai.[53]

Um levantamento da City Mayors classificou Dubai com a 44ª melhor cidade financeira do planeta,[54] enquanto outro relatório da City Mayors indicou que Dubai é a 27ª cidade mais rica do mundo, em termos de paridade do poder de compra (PPC).[55]

Entre os principais destinos de re-exportação de Dubai incluem-se o Irã (US$ 790 milhões), Índia (US$ 204 milhões) e Arábia Saudita (E.U. 194 milhões dólares). As principais fontes de importação do emirado são Japão (US$ 1,5 bilhão), China (US$ 1,4 bilhão) e os Estados Unidos (US$ 1,4 bilhão).[4]

Historicamente, Dubai e o seu irmão gêmeo, Deira (independente da cidade de Dubai na época), tornaram-se importantes portos de escala para os fabricantes ocidentais. A maioria dos novos bancos e centros financeiros da cidade estão localizados na área portuária. Dubai manteve a sua importância como uma rota de comércio nos anos 1970 e 1980. Dubai possui livre-cambismo em ouro e até a década de 1990, foi um importante centro de "comércio de contrabando ativo"[56] de lingotes de ouro a Índia, onde a importação de ouro era restrita.

O Porto Jebel Ali de Dubai, construído na década de 1970, é o maior porto artificial do mundo e estava em oitavo lugar a nível mundial no volume de tráfego de containers.[57] Dubai também está se desenvolvendo como como um centro para indústrias de serviços, como a TI e finanças, com a criação de zonas francas específicas em toda a cidade. A Dubai Internet City, combinada com a Dubai Media City, como parte de TECOM (Dubai Technology, Electronic Commerce and Media Free Zone Authority) é um enclave, como TI, cujos membros incluem empresas como a EMC Corporation, Oracle Corporation, Microsoft e IBM, e as organizações de mídia como o MBC, CNN, BBC, Reuters, Sky News e AP.

A Bolsa de Valores de Dubai (Dubai Financial Market - DFM) foi criada em Março de 2000 como um mercado secundário para negociação de títulos e obrigações, tanto locais como estrangeiros. No quarto trimestre de 2006, o seu volume de negócios situou-se em cerca de 400 bilhões de ações, valor de 95 bilhões de dólares no total. A DFM tinha uma capitalização bolsista de cerca de US$ 87 bilião.[44]

A Dubai Marina, um bairro residencial, a segunda maior marina artificial do planeta.

A decisão do Governo de sair de uma economia baseada no comércio, mas dependente do petróleo, para uma baseada nos serviços e orientada para o turismo fez do setor imobiliário mais valioso, resultando no apreço de propriedade no período 2004-2006. A avaliação de longo prazo do mercado de propriedades de Dubai, porém, mostrou depreciação; algumas propriedades perderam 64% do seu valor de 2001 a novembro de 2008.[58] A grande escala de projetos de desenvolvimento imobiliário levaram à construção de alguns dos mais altos arranha-céus e inovadores projetos do mundo, como o Burj Khalifa, o Emirates Towers, o Palm Islands e o mais caro e segundo mais alto hotel, o Burj Al Arab.[59]

O mercado imobiliário de Dubai tem experimentado uma grande recessão entre 2008/2009, como resultado do clima de abrandamento econômico.[60] O conselho do xeque Mohammed al Abbar, disse à imprensa internacional em dezembro de 2008, que tinha créditos de Emaar 70 bilhões de dólares o Estado de Dubai possuía 10 bilhões de dólares adicionais, mantendo cerca de 350 bilhões em ativos imobiliários. Ao início de 2009, a situação piorou com a crise econômica mundial, tendo um pedágio pesado em valores imobiliários, construção e emprego.[61]

Em fevereiro de 2009 a dívida externa de Dubai foi estimada em aproximadamente US$ 100 bilhões, deixando a cada 250.000 cidadãos do emirado dos EAU responsável por US$ 400.000 dólares em dívida externa.[62]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Transportes[editar | editar código-fonte]

O Metrô de Dubai no dia de sua inauguração.

O transporte em Dubai é controlado pela Autoridade de Estradas e Transportes. A rede de transporte pública enfrenta enormes congestionamentos e problemas de confiabilidade que um grande programa de investimento está tentando resolver, incluindo mais de mil AED70 bilhões em melhorias previstas para a conclusão, até 2020, quando a população da cidade está projetada para exceder 3,5 milhões de habitantes.[63]

O Aeroporto Internacional de Dubai (IATA: DXB), o hub da companhia aérea Emirates Airlines, dos serviços da cidade de Dubai e outros emirados do país. O Aeroporto Internacional de Dubai serviu um total de mais de 37 milhões de passageiros e movimentou mais de 1,8 milhões de toneladas de carga em 2008.[64] Em 2008, o Aeroporto Internacional de Dubai foi o 20º aeroporto mais movimentado do mundo, com mais de 35 milhões de passageiros internacionais, e o 6º aeroporto internacional mais movimentado do mundo, em termos de tráfego internacional de passageiros. Além de ser um importante centro do tráfego de passageiros, o aeroporto é um dos mais movimentados de carga do mundo; a manipulação de 1,824 milhões de toneladas de carga em 2008, tornou o aeroporto o 11º mais movimentado do mundo, um aumento de 9,4% em relação a 2007. A Emirates Airlines é a companhia aérea nacional de Dubai, e opera internacionalmente para 101 destinos em 61 países em 6 continentes.

Imagem aérea de um trevo rodoviário em Dubai.

O desenvolvimento do Aeroporto Internacional Al Maktoum, atualmente em construção, em Jebel Ali, foi anunciado em 2004. A primeira fase está prevista para ser concluída em 2010, e uma vez em funcionamento o novo aeroporto vai acolher companhias aéreas estrangeiras e de outros emirados com um terminal exclusivo para eles.[65]

A Administração Pública Sistema de Transportes em Dubai é gerido pela Autoridade de Estradas e Transporte (AET). O sistema de barramento de serviços possui 140 rotas e transportou cerca de 109,5 milhões de pessoas em 2008. No final de 2010, vai haver 2.100 ônibus em serviço em toda a cidade.[66] A Autoridade de Estradas e Transporte anunciou a construção de 500 pontos de ônibus com ar condicionado (C/A) e tem plano para 1000 a mais em toda o emirado em uma movimentação para incentivar a utilização de ônibus públicos.

O projeto de 3,89 bilhões dólares do Metrô de Dubai está em construção para o emirado. O sistema de metro entrou parcialmente em operação em Setembro de 2009 e deverá estar plenamente operacional em 2012. O metrô será constituído por quatro linhas: a Linha Verde do Al Rashidiya para o centro principal da cidade e a Linha Vermelha a partir do aeroporto de Jebel Ali. Ele também tem uma azul e uma linha roxa. O metro de Dubai (Linhas Verde e Azul) terá 70 km de trilhos e 43 estações, 37 acima do solo e 10 no subsolo.[67] O metrô de Dubai é a primeira rede de comboios urbanos da Península Arábica.[68] Todos os trens e estações possuem ar condicionado com portas na extremidade da plataforma para tornar isso possível.

Abras é o modo tradicional de transporte entre Deira e Bur Dubai.

O monotrilho em Palm Jumeirah foi inaugurado em 2009. É o primeiro monotrilho a ser construído na região. Dois carros elétricos são esperados para serem construído em Dubai em 2011. O primeiro é o Downtown Burj Dubai Tram System e o segundo é o Al Sufouh Tram. O Downtown Burj Dubai Tram System terá 4,6 km e foi planejado para atender a área ao redor do Burj Dubai, o segundo será executado ao longo de 14,5 quilômetros pela Sheikh Zayed Road em Dubai Marina para o Burj Al Arab e o Mall of the Emirates.

Um dos métodos mais tradicionais de transporte entre Bur Dubai e Deira é através de abras, pequenos barcos que os passageiros usam para atravessar o Estuário de Dubai, entre as estações abra em Bastakiya e Baniyas Road.

Existem dois principais portos comerciais em Dubai, o Porto Rashid e o Porto Jebel Ali. O Porto de Jebel Ali é o 7º porto mais movimentado do mundo. Jebel Ali é o maior porto do mundo feito pelo homem e o maior do Oriente Médio.

O governo tem investido fortemente na infra-estrutura rodoviária de Dubai, embora este investimento não tenha acompanhado o aumento do número de veículos. Isso, juntamente com o fenômeno do tráfego induzido, tem levado a crescentes problemas de congestionamento.[69]

Dubai tem também um extenso sistema de táxi, de longe o meio de transporte público mais utilizado no emirado. Há tanto empresas públicas e privadas de táxi. Existem cerca de 7.500 táxis que operando no emirado.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Arquitetura[editar | editar código-fonte]

Mapa destacando os principais projetos que serão construídos ou que já estão concluídos em Dubai. Entre eles estão as Palm Islands (Palm Jebel Ali, Palm Jumeirah, Palm Deira), The World, The Universe e Dubai Waterfront.
Vista da Madinat Jumeirah com o Burj Al Arab ao fundo, um dos principais símbolos de Dubai.

Dubai é famosa por suas obras grandiosas e de forte apelo turístico. Dentre elas, podemos destacar as Palm Islands, o arquipélago The World, o hotel Burj Al Arab e o edifício Burj Khalifa.

Palm Islands[editar | editar código-fonte]

Palm Islands são três arquipélagos artificiais no formato de palmeiras. Um audacioso projeto construído pela Al Nakheel Properties, é um grande ponto atrativo da cidade e tem como objetivo aumentar o turismo no Dubai. Mesmo sendo artificial, foram usados apenas materias naturais (areia e pedras) para a construção do arquipélago, em vez de concreto e aço, mais aconselhados para o tipo de estrutura. Uma segunda ilha artificial com formato de palmeira está em construção, já em estágio avançado. É prevista a construção de uma terceira ilha artificial no formato de palmeira. Em cada braço desta palmeira, estão sendo construídos elegantes hotéis e grandes residências. Moradores podem ter o direito de atracar sua lancha na frente de algumas construções[carece de fontes?].

The World[editar | editar código-fonte]

The World é um arquipélago artificial, ainda em construção, que forma o desenho do mapa-múndi. Estas ilhas estão sendo vendidas com valores entre 6,2 a 36,7 milhões de dólares. A maior parte das ilhas já foi comprada por investidores de todo o mundo. Por exemplo, o casal de atores Angelina Jolie e Brad Pitt já comprou a ilha que representa a Etiópia, e um hotel deve ficar com o conjunto formado por várias ilhas que formam o desenho da Europa[carece de fontes?].

Burj Al Arab[editar | editar código-fonte]

O Burj Al Arab é um dos hotéis mais luxuosos de Dubai. Foi construído sobre uma ilha artificial, com 321 metros de altura, sendo a 2ª estrutura mais alta usada como hotel, após perder o título para a Rose Tower, edificada também em Dubai. O edifício imita a vela de um barco, e hoje é um dos principais cartões postais da cidade e do país.

Burj Khalifa[editar | editar código-fonte]

O Burj Khalifa (em árabe: برج خليفة; "Torre de Khalifa") - anteriormente conhecido como Burj Dubai (em árabe: برج دبي; Torre de Dubai) - é o arranha-céu mais alto do mundo. Foi inaugurado no dia 4 de janeiro de 2010. Tem uma altura de 828 m , o que o torna na estrutura mais alta do mundo: ao atingir sua altura máxima, o Burj Khalifa superou não somente o maior arranha-céu do mundo, Taipei 101, mas também a estrutura não suspensa por cabos em terra firme mais alta do mundo, a Torre CN, e a estrutura mais alta do mundo, a Torre da KVLY-TV.[70]

Demorou mais de cinco anos a construir. Custou US$ 1,5 bilhões, segundo seus construtores,[71] e pode ser visto a cerca de 100 km de distância.

O Burj Khalifa foi desenhado por Skidmore, Owings, & Merrill, que também desenharam as Sears Tower em Chicago e a Freedom Tower em Nova Iorque, entre outros famosos edifícios. O interior será decorado por Giorgio Armani. Um Hotel Armani (o primeiro deste tipo) ocupa os primeiros 37 andares. Do 45º ao 108º andar há cerca de 700 apartamentos privados em 64 andares (que, segundo o responsável, foram vendidos em oito horas). As corporações e as suítes completam a maior parte dos andares restantes. Também tem o elevador mais rápido, a 18 m/s (65 km/h, 40 mph). Atualmente, o elevador mais rápido do mundo encontra-se no Taipei 101, Taipei, Taiwan, a 16,83 m/s (60,6 km/h, 37,5 mph).

O Burj Khalifa deverá incluir 30 mil residências, nove hotéis, dezenove torres residenciais e doze hectares ao seu redor. A torre vai cobrir uma área de 334 000 metros quadrados de desenvolvimento.[72]

Panorama urbano de Dubai em junho de 2013

Referências

  1. "Dubai: Profile of geographical entity including name variants. World Gazetteer.
  2. Where is Dubai and why is it so special?
  3. United Arab Emirates: metropolitan areas. Cópia arquivada em 2012-12-04.
  4. a b An Economic Profile of Dubai Dubai Healthcare City. 2000
  5. a b Oil share dips in Dubai GDP AMEInfo (9 de junho de 2007).
  6. a b Dubai economy set to treble by 2015 ArabianBusiness.com (3 de fevereiro de 2007).
  7. a b Dubai diversifies out of oil AMEInfo (2005-09-07). Visitado em 2008-08-12.
  8. Dubai map with upcoming freehold developments
  9. Dubaï - Les ouvriers immigrés se rebiffent. Por Olivia Marsaud. RFI, 23 de março de 2006.
  10. Mike Davis (2006) Fear and Money in Dubai, New Left Review 41, pp. 47-68
  11. 'We need slaves to build monuments'. Por Ghaith Abdul-Ahad. The Guardian, 8 de outubro de 2008.
  12. [1]
  13. The old...turned new Gulf News (2001-10-25). Visitado em 2008-03-15.
  14. a b c 030_hist_trad06_amend (PDF). Visitado em 2009-07-31.
  15. CHAPTER 2: HISTORY AND BACKGROUND OF THE UAE (PDF). Visitado em 2009-07-31.
  16. a b c The Coming of Islam and the Islamic Period in the UAE. King, Geoffrey R.
  17. a b Economic and Environmental Impacts of tourism on Dubai and Hawaii. McEachern, Nadeau, et al.
  18. a b c United Arab Emirates (PDF). Visitado em 31 de julho de 2009.
  19. a b Modernity and tradition in Dubai architecture. Karim, Luiza Alshindagah.com. Visitado em 2009-07-31.
  20. a b Davidson, Christopher, The Emirates of Abu Dhabi and Dubai: Contrasting Roles in the International System. March 2007.
  21. The UAE: Internal Boundaries And The Boundary With Oman. Archived Editions. Walker, J.
  22. The Middle East and North Africa. Schofield, C. p 175
  23. Dubai. Carter, T and Dunston, L. Lonely Planet Publications
  24. Dubai City. Melamid, Alexander. Jul 1989
  25. a b Historic population statistics (PDF). Visitado em 2009-07-31.
  26. "Six Persian Gulf Emirates Agree to a Federation". New York Times. Jul 19, 1971. pg. 4
  27. "Beirut Showing Signs of Recovery From Wounds of War". New York Times. 26 de maio de 1977. pg.2
  28. [2]. UAEFreeZones.com.
  29. a b Microsoft Word - DUBAI FOCUS.doc (PDF). Visitado em 2009-07-31.
  30. Robust growth poses threat of inflation to high-flying Dubai. Kuwait Times. Mar. 8, 2007
  31. Environmental Development and Protection in the UAE. Aspinall, Simon
  32. a b c Historic population statistics
  33. Historic population statistics
  34. Historic population statistics
  35. Historic population statistics
  36. Historic population statistics
  37. Historic population statistics
  38. a b Historic population statistics
  39. Dubai in Figures 2006. Government of Dubai. Statistical Center[ligação inativa]
  40. Cost of living — The world's most expensive cities City Mayors.
  41. "Country and Metropolitan Stats in Brief. MPI Data Hub
  42. "Young Iranians Follow Dreams to Dubai" The New York Times, by HASSAN M. FATTAH. Published: 4 December 2005
  43. The Changing Demographics of the UAE[ligação inativa]
  44. a b Basic Vital Statistical Indicators - Emirate of Dubai[ligação inativa]
  45. a b Country Profile: United Arab Emirates (UAE). United States Library of Congress
  46. International Religious Freedom Report 2007 - United Arab Emirates State.gov. Visitado em 2009-07-31.
  47. UAEinteract.com. Twinning agreement brings a taste of Spain to Dubai UAE - The Official Web Site - News Uaeinteract.com. Visitado em 2009-07-14.
  48. Barcelona internacional - Ciutats agermanades (em spanish) © 2006-2009 Ajuntament de Barcelona. Visitado em 2009-07-13.
  49. UAEinteract.com. Dubai, Granada discuss cooperation UAE - The Official Web Site - News Uaeinteract.com. Visitado em 2009-07-14.
  50. Dynamic Busan - City Government - Sister Cities - Dubai English.busan.go.kr. Visitado em 2009-07-14.
  51. "Dubai - Overview:", USAToday.com. Retrieved 22 July 2007.
  52. "UAE Oil and Gas" Uae.gov.ae (1999-06-19). Visitado em 2009-07-31.
  53. Prospects of Dubai Economic Sectors. Dubai Chamber of Commerce. 2003
  54. Citgy Mayors: World's best financial cities Citymayors.com (2008-06-10). Visitado em 2009-08-26.
  55. World's richest cities by purchasing power City Mayors. Visitado em 2009-08-26.
  56. "Dubayy". Encyclopedia Britannica. 2008
  57. World Port Rankings - 2006. American Association of Port Authorities. 2006
  58. Dubai's Palm Jumeirah sees prices fall as crunch moves in The Daily Telegraph (2008-11-20). Visitado em 2008-11-20.
  59. World's Tallest Hotel Opens Its Doors BBC News (1 de dezembro de 1999). Visitado em 31 de julho de 2009.
  60. Job losses hasten property decline in Dubai but medium-long term outlook upbeat | Middle East | News Propertywire.com (2008-12-03). Visitado em 2009-07-14.
  61. "Laid-Off Foreigners Flee as Dubai Spirals Down" article by Robert F. Worth in The New York Times February 11, 2009
  62. Dubai Economy | The Economy of Dubai Dubai-livethedream.com. Visitado em 2009-08-26.
  63. Gulfnews: Dubai traffic woes inflict losses of Dh4.6b a year Archive.gulfnews.com. Visitado em 2009-07-14.
  64. Dubai International - world's fastest growing airport in 2007 AMEInfo (2008-01-09). Visitado em 2008-01-10.
  65. Emirates for corridor between DIA and new mega airport Gulf News (27 October 2007). Retrieved on 3 November 2007.
  66. Dubai buses may be privatised - The National Newspaper Thenational.ae (2009-06-08). Visitado em 2009-07-14.
  67. Dubai Municipality signs Dhs12.45 billion Metro contract. Dubai Metro. 29 May 2005
  68. Will metro change Dubai car culture? BBC News (2009-09-11).
  69. Dubai Overtakes Cairo in Traffic Congestion - GulfTalent.com GulfTalent.com<! (2007-02-07). Visitado em 2009-07-14.
  70. Bianchi, Stefania (4 de janeiro de 2010). World's Tallest Skyscraper Opens in Dubai The Wall Street Journal. Visitado em 5 de janeiro de 2010.
  71. Stanglin, Doug (4 de janeiro de 2010). Dubai opens world's tallest buildingDubai opens world's tallest building USA Today. Visitado em 5 de janeiro de 2010.
  72. Burj Dubai. Visitado em 5 de janeiro de 2009.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikivoyage
O Wikivoyage possui o guia Dubai
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Dubai