Armênios

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Armênios (PB) / arménios (PE)
População total

7,3 a 7,4 milhões (est. 2002)[1]

Regiões com população significativa
Arménia Armênia:
   2.500.000 (2007)[1]

 Rússia:
   2.000.000 (2007)[1]

 Estados Unidos:
   800.000 (2007)[1]

 Síria:
   500.000 (2007)[1]

 Geórgia:
   300.000 (2007)[1]

 França:
   250.000 (2002)[2]

América do Sul e Central:
   200.000 (2007)[1]

Europa do Leste e Bálcãs:
   165.000 (2007)[1]

 Bielorrússia e  Ucrânia:
   160.000 (2007)[1]

Europa Ocidental (sem França e Europa do Norte):
   150.000 (2007)[1]

 Azerbaijão (Nagorno-Karabakh):
   120.000 (2007)[1]
(excetuando-se o Nagorno-Karabakh):
   645 (2001)[3]

Líbano:
   110.000 (2007)
[1]

 Brasil:
   100.000

 Canadá:
   100.000 (2007)
[1]

 Irã:
   100.000 (2007)
[1]

Outros países do Oriente Médio:
   85.000 (2007)[1]

Ásia Central:
   80.000 (2007)[1]

 Austrália:
   60.000 (2007)[1]

Ásia:
   30.000 (2007)
[1]

África:
   15.000 (2007)
[1]

Línguas
Armênio
Religiões
Cristianismo:
Igreja Apostólica Armênia (maioria)
Igreja Católica Armênia
Grupos étnicos relacionados
Hamshenis e outros indo-europeus

Tópicos indo-europeus

Línguas indo-europeias
Albanês · Anatólio · Armênio
Báltico · Céltico · Dácio · Germânico
Grego · Indo-iraniano · Itálico · Frígio
Eslavo · Trácio · Tocariano
 
Povos indo-europeus
Albaneses · Anatólios · Armênios
Bálticos · Celtas · Germanos
Gregos · Indo-arianos · Indo-iranianos
Iranianos · Ítalos · Eslavos
Trácios · Tocarianos
 
Proto-indo-europeus
Língua · Sociedade · Religião
 
Hipóteses Urheimat
Hipótese Kurgan · Hipótese anatólia
Hipótese armênia · Hipótese indiana · TCP
 
Estudos indo-europeus


Os armênios (português brasileiro) ou arménios (português europeu) (em armênio: Հայեր, transl. Hayer) formam uma nação e um grupo étnico originário do Cáucaso e do Planalto Armênio. Enquanto uma grande quantidade deles permaneceu no local, especialmente na Armênia, muitos espalharam-se por todo o mundo, como resultado da diáspora armênia. Historicamente os armênios têm uma presença significativa em países como a Geórgia, Irã, Rússia e Ucrânia, devido à proximidade entre seus territórios. Depois do genocídio armênio um grande influxo de sobreviventes deslocou-se à França, aos Estados Unidos, Argentina, Brasil, ao Levante e a outros países que lhes acolheram. Estima-se que existam cerca de 8 milhões de armênios ao redor do mundo.[4]

Cristianizada no início do século IV, a Armênia arsácida tornou-se a primeira nação cristã, embora o cristianismo tenha começado a se espalhar no país logo depois da morte de Cristo, devido aos esforços de dois de seus apóstolos, São Tadeu e São Bartolomeu;[5] [6] a maior parte dos armênios segue a Igreja Apostólica Armênia, uma igreja não-calcedoniana. Falam dois dialetos diferentes, porém mutualmente inteligíveis do armênio: o armênio oriental é falado principalmente na Armênia, no Irã e nas repúblicas da antiga União Soviética, e o armênio ocidental é falado principalmente por imigrantes armênios ao redor do mundo.

No Brasil a comunidade armênia reúne entre 90 e 130 mil pessoas, que se concentram principalmente nas cidades de São Paulo e Osasco, onde se dedicam sobretudo ao comércio, especialmente de calçados.[carece de fontes?]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Historicamente, o nome armênio foi usado para designar internacionalmente este grupo de pessoas; foi usado pela primeira vez pelos países vizinhos da antiga Armênia, e é tido tradicionalmente como derivado de Armenak, ou Aram, bisneto do bisneto de Haik, líder que, de acordo com a tradição armênia, seria o ancestral de todos os armênios, e que daria origem ao termo usado pelos próprios armênios para designar a si próprios: Hay (Հայ; plural: Հայեր, Hayer). Haik também é um nome popular armênio atualmente.[7] [8]

Origens[editar | editar código-fonte]

The Kingdom of Urartu during the time of Sarduris II in 743 BC.

A Armênia se encontra sobre um planalto que cerca as montanhas bíblicas do Ararate - que, de acordo com a tradição judaico-cristã, seria o ponto onde a arca do patriarca Noé teria aportado após o Dilúvio.[9] Na Era do Bronze diversos Estados floresceram na região da Grande Armênia, incluindo o Império Hitita (no auge de seu poder), Mitanni (no sudoeste da Armênia histórica) e Hayasa-Azzi (1600-1200 a.C.). Logo em seguida vieram os nairis (1400-1000 a.C.) e o Reino de Urartu (1000-600 a.C.) que estabeleceram sucessivamente seus domínios sobre o Planalto Armênio. Cada uma destas nações e tribos participou da etnogênese do povo armênio.[10] Erevan, a atual capital da Armênia, foi fundada em 782 a.C. pelo rei Argistis I.

Em 1984, o linguista Thomas Gamkrelidze e o filólogo Vyacheslav V. Ivanov propuseram a teoria de que a urheimat do proto-indo-europeu seria localizada no Planato Armênio.[11]

Personalidades de etnia armênia[editar | editar código-fonte]

Brasileiros[editar | editar código-fonte]

No mundo[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s Predefinição:Astourian 2007
  2. Armênios na França - Projeto 3noor
  3. http://intersci.ss.uci.edu/wiki/eBooks/Articles/National%20Identity%20in%20Postco%20AZ%20Tokluoglu.pdf Definitions of national identity, nationalism and ethnicity in post-Soviet Azerbaijan in the 1990s
  4. Minahan, James B. Miniature Empires: A Historical Dictionary of the Newly Independent States - pág. 3
  5. ver Hastings, Adrian. A World History of Christianity. [S.l.]: Wm. B. Eerdmans Publishing, 2000. 289 pp. ISBN 0802848753.
  6. Armenia first nation to adopt Christianity as a state religion.. Visitado em 27-2-2007.
  7. Haik and Hayastan. Visitado em 4-3-2007.
  8. Armenia Provinces.
  9. Gênesis, 8:4.
  10. Kurkjian, Vahan. History of Armenia, Michigan, 1968; Armenian Soviet Encyclopedia, v. 12, Ierevan 1987; Movsisyan, Artak. Sacred Highland: Armenia in the spiritual conception of the Near East, Ierevã, 2000; Kavoukjian, Martiros. The Genesis of Armenian People, Montreal, 1982
  11. "The Early History of Indo-European Languages", Thomas V. Gamkrelidze e V. V. Ivanov. Scientific American, Março de 1990, p.110

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bornoutian, George A., A History of the Armenian People, 2 vol. (1994)
  • Bournoutian, George A., A Concise History of the Armenian People (Mazda, 2003, 2004).
  • Diakonoff, I. M., The Pre-History of the Armenian People (revised, trans. Lori Jennings), Caravan Books, New York (1984), ISBN 0-882067-039-2.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]