Luxemburgo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Grand-Duché de Luxembourg
Großherzogtum Luxemburg
Grousherzogdem Lëtzebuerg

Grão-Ducado do Luxemburgo
Bandeira do Luxemburgo
Brasão de armas do Luxembutgo
Bandeira Brasão de armas
Lema: Mir wëlle bleiwe wat mir sin (Luxemburguês), Queremos ficar o que somos
Hino nacional: Ons Hémécht
Gentílico: Luxemburguês

Localização do Luxemburgo

Localização de Luxemburgo (em vermelho)
Localização na União Europeia (em branco)
Localização na Europa (em cinza)
Capital Luxemburgo
49°36 N 6°8 E
Cidade mais populosa Luxemburgo
Língua oficial Luxemburguês, Francês e Alemão
Governo Monarquia constitucional
 - Grão-duque Henrique
 - Primeiro-ministro Xavier Bettel
Independência História 
 - do Império Francês (Tratado de Paris) 9 de junho de 1815 
 - 1º tratado de Londres 19 de abril de 1839 
 - 2º tratado de Londres 11 de maio de 1867 
 - União pessoal 23 de novembro de 1890 
Entrada na UE 25 de março de 1957 (membro co-fundador)
Área  
 - Total 2 586 km² (166.º)
 - Água (%) Desprezível
População  
 - Estimativa de 2010 505 500[1] hab. (162.º)
 - Densidade 186 hab./km² (45.º)
PIB (base PPC) Estimativa de 2006
 - Total US$ 30,068 bilhões (91.º)
 - Per capita US$ 80 431 (2.º)
IDH (2013) 0,881 (21.º) – muito elevado[2]
Moeda Euro¹, moedas de euro luxemburguesas (EUR)
Fuso horário (UTC+1)
 - Verão (DST) (UTC+2)
Clima Temperado
Org. internacionais EFTA, OMC, Conselho da Europa, ONU, UE
Cód. ISO LUX
Cód. Internet .lu
Cód. telef. +352
Website governamental www.gouvernement.lu

Mapa do Luxemburgo

(1) Antes de 1999: franco luxemburguês

Luxemburgo, oficialmente Grão-Ducado do Luxemburgo[3] [4] ou de Luxemburgo[Nota 1] [5] [6] [7] (em luxemburguês: Groussherzogtum Lëtzebuerg, em francês: Grand-Duché de Luxembourg, em alemão: Großherzogtum Luxemburg), é um pequeno Estado soberano situado na Europa Ocidental, limitado pela Bélgica, França e Alemanha. O Luxemburgo tem uma população de pouco mais de meio milhão de pessoas[8] e uma área de aproximadamente 2586 km².[9]

Sendo uma democracia representativa parlamentar com um grão-duque como monarca constitucional, o Luxemburgo é o único grão-ducado ainda existente. O país tem uma economia altamente desenvolvida, com um dos maiores PIB per capita do mundo.[9] A sua importância histórica e estratégica remonta aos tempos da sua fundação, como uma fortaleza romana, no início da Idade Média. Foi um importante bastião espanhol enquanto a Espanha foi a principal potência europeia, influenciando todo o hemisfério ocidental e para além dos séculos XVI e XVII.

O Luxemburgo é um membro fundador da União Europeia, NATO, OCDE, Nações Unidas, Benelux e da União da Europa Ocidental, o que reflete o consenso político em favor da coesão econômica, política e integração militar. A cidade do Luxemburgo, a capital e maior cidade, é sede de várias instituições e organismos da União Europeia.

O Luxemburgo está no ponto de encontro entre a Europa Românica e a Europa Germânica, empregando costumes de cada uma das diferentes tradições. Trata-sede um país trilingue, onde o alemão, o francês e o luxemburguês são línguas oficiais. Embora seja um Estado laico, a religião predominante no país é o Catolicismo.

História[editar | editar código-fonte]

Carlos IV, do século XIV, Sacro Imperador de Roma e rei da Bohemia da Casa de Luxemburgo.[10]
As três Partições do Luxemburgo reduziram muito o território de Luxemburgo.

A história de Luxemburgo começa com a aquisição de Lucilinburhuc[11] (hoje Castelo de Luxemburgo) por Siegfried, conde de Ardennes, em 963. Em torno desta fortaleza, uma cidade foi desenvolvida gradualmente, que se tornou o centro de um pequeno estado de grande valor estratégico. Nos séculos XIV e XV os três primeiros membros da Casa de Luxemburgo reinaram sucessivamente como Sacro Imperador Romano. Em 1437, a Casa de Luxemburgo sofreu uma crise sucessória, precipitado pela falta de um herdeiro masculino para assumir o trono, que levou a venda do território para Filipe, o Bom de Borgonha.[12] Nos séculos seguintes, a fortaleza de Luxemburgo foi continuamente alargada e reforçada pelos seus sucessivos ocupantes, das casas dos Bourbons, Habsburgo, Hohenzollern e da França, entre outros. Após a derrota de Napoleão em 1815, Luxemburgo foi disputada entre a Prússia e os Países Baixos. O Congresso de Viena formou um Grão-Ducado de Luxemburgo, em sua união com a Holanda. Luxemburgo também se tornou um membro da Confederação Alemã, como uma fortaleza confederada ocupada por tropas prussianas.[13]

A Revolução Belga de 1830-1839 reduziu o território de Luxemburgo por mais da metade, enquanto os predominantemente francófonos da parte ocidental do país foram transferidos para a Bélgica. A independência de Luxemburgo foi reafirmada em 1839 pelo Primeiro Tratado de Londres. No mesmo ano, Luxemburgo juntou-se a Zollverein.[14] A independência e neutralidade de Luxemburgo foram novamente afirmada pelo Segundo Tratado de Londres em 1867, após a Crise de Luxemburgo, que quase levou à guerra entre a Prússia e a França.[15] Depois do último conflito, a fortaleza da confederação foi desmantelada.[16]

O Rei dos Países Baixos se manteve Chefe de Estado, bem como Grão-Duque de Luxemburgo, mantendo sua união entre os dois países até 1890. Com a morte de William III, o trono holandês passou a sua filha Guilhermina, enquanto em Luxemburgo (tempo em que o trono era restrito aos herdeiros do sexo masculino pelo Pacto da Família Nassau) passou a Adolfo de Nassau-Weilburg.[17]

Luxemburgo foi invadido e ocupado pela Alemanha durante a Primeira Guerra Mundial, mas foi autorizado a manter a sua independência e mecanismos políticos. Ele foi novamente invadido e sujeito a ocupação alemã na Segunda Guerra Mundial em 1940, e foi formalmente anexada ao Terceiro Reich, em 1942.

Durante a II Guerra Mundial, o abandonou sua política de neutralidade, quando se juntou aos Aliados na luta contra a Alemanha. Seu governo, exilado em Londres, criou um pequeno grupo de voluntários que participaram na invasão da Normandia. Tornou-se um membro fundador da Organização das Nações Unidas em 1946 e da NATO em 1949. Em 1957, Luxemburgo se tornou um dos seis países fundadores da Comunidade Econômica Europeia (mais tarde União Europeia), e em 1999, ele aderiu ao euro. Em 2005, um referendo sobre o tratado da UE, que estabelece uma constituição para a Europa teve lugar em Luxemburgo.[18]

Geografia[editar | editar código-fonte]

O Luxemburgo , a leste faz fronteira com os estados alemães de Renânia-Palatinado e Sarre, e ao sul com a região da Lorena na França. A oeste e a norte faz fronteira com as províncias belgas do Luxemburgo, que tem quase o dobro do tamanho do país (4433 km²) e Liège.

Campo em Alscheid.

A região norte do país é conhecida como o 'Oesling', e faz parte das Ardenas. Ela é dominada por colinas e montanhas de baixa altitude, incluindo a Kneiff, que é o ponto mais alto, com 560 metros (1 837 pés). A região é pouco povoada, com apenas uma cidade (Wiltz), com uma população de pouco mais de quatro mil habitantes.

Dois terços do sul do país é chamado de "Gutland", e é mais densamente povoada do que o Oesling. É também mais diversificada, e pode ser dividida em cinco sub-regiões geográficas. O planalto do Luxemburgo, no centro-sul do Luxemburgo, é um grande e achatado, com arenito formação e na região da cidade de Luxemburgo. A Pequena Suíça, no leste do Luxemburgo, tem terreno rochoso e espessas florestas. O vale Mosela é a mais baixo leito da região, que corre ao longo da fronteira sul-oriental. As terras vermelhas, no extremo sul e sudoeste, são o centro industrial do Luxemburgo e sede de muitas das maiores cidades do Luxemburgo.

A fronteira entre o Luxemburgo e a Alemanha é formada por três rios: o Mosela, o Sûre e Our. Outros rios importantes são o Alzette, o Attert, o Clerve e o Wiltz. Os vales entre o rio Sauer e o rio Attert formam a fronteira entre a Gutland e da Oesling.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Estrangeiros residentes em Luxemburgo, por nacionalidade (dados de 1999).

Cerca de 32,5%* da população luxemburguesa é de origem estrangeira: 16% portugueses (sendo o português uma das cinco línguas mais faladas no país depois do francês, luxemburguês, alemão mas provavelmente à frente do inglês); 6,6% franceses; 4,3% italianos; 3,4% belgas e 2,2% alemães. (Fonte: Instituto luxemburguês de estatísticas, Statec)

Etnias[editar | editar código-fonte]

Os habitantes de Luxemburgo são chamados luxemburgueses.[19] A população nativa é de origem germânica, com possivelmente alguns elementos celtas.[20] Houve aumento da população imigrante no século XX, devido à chegada de imigrantes a partir da Bélgica, França, Alemanha, Itália e Portugal, com a maioria proveniente deste último país. No censo de 2001, havia 58 657 habitantes com nacionalidade portuguesa.[21] Desde o início da guerra da Jugoslávia, Luxemburgo tem recebido muitos imigrantes oriundos da Bósnia e Herzegovina, da Sérvia e de Montenegro. Anualmente, mais de 10 000 novos imigrantes chegam, em Luxemburgo, na sua maioria de estados-membros da União Europeia, bem como da Europa Oriental. Em 2000 havia 162 000 imigrantes em Luxemburgo, representando 37% do total da população. Houve um número estimado de 5000 imigrantes ilegais, incluindo os requerentes de asilo, a partir de 1999.[22]

Idiomas[editar | editar código-fonte]

Três línguas são reconhecidas como oficiais em Luxemburgo: francês, alemão e luxemburguês, uma língua falada na região do rio Mosela, muito semelhante ao dialeto alemão falado na parte vizinha da Alemanha, que não inclui mais empréstimos do francês. Então, em princípio luxemburguês é um dialeto alemão com o estatuto de uma língua nacional. Além de ser uma das três línguas oficiais, o luxemburguês é também considerado a língua oficial do grão-ducado, é a língua materna ou "linguagem do coração" para quase todos os luxemburgueses.

Cada um dos três idiomas é usado como o idioma principal em determinados domínios. Luxemburguês é a língua que os luxemburgueses geralmente falam uns com os outros, mas não é muitas vezes escrito. A maioria dos documentos oficiais das empresas é realizado escrito em francês. O alemão é normalmente a primeira língua ensinada na escola e é a língua de grande parte da mídia e da Igreja.[23] De fato, cerca de 85% de todos os artigos publicados em Luxemburgo estão no idioma alemão, 12% são em francês e apenas 3% em luxemburguês.

O sistema de ensino de Luxemburgo é trilingue: os primeiros anos da escola primária são em luxemburguês, antes de se mudar para alemão, enquanto a escola secundária, a língua de instrução muda para francês.[24] Todavia, como proficiência em todas as três línguas é exigido para a graduação da escola secundária, metade dos estudantes deixam a escola sem uma qualificação certificada, com os filhos de imigrantes sendo particularmente desfavorecidas.[25]

Além das três línguas oficiais, o inglês é ensinado nas escolas de forma obrigatória e grande parte da população de Luxemburgo fala inglês, em qualquer caso, na cidade de Luxemburgo. O português e italiano, as línguas das duas maiores comunidades de imigrantes, também são falados por grande parte da população, mas em um número relativamente pequeno fora das respetivas comunidades.

Religião[editar | editar código-fonte]

Luxemburgo é um Estado laico, mas o estado reconhece determinadas religiões como oficiais para o país. Isso dá ao Estado um certo poder para administrar a religião e nomear clérigos, em troca de que o Estado pague certos custos e salários. Atualmente, os acordos são abrangidos pelo catolicismo romano, judaísmo, ortodoxa grega, anglicanismo, ortodoxa russa, protestantismo e o islamismo.[26]

Desde 1980, é ilegal por parte do governo coletar estatísticas sobre práticas ou crenças religiosas.[27] Estima-se pela CIA Factbook que 87% dos luxemburgueses são católicos, os restantes 13% são constituídos por protestantes, ortodoxos, judeus, muçulmanos, os de outras religiões e ateus.[28]

Segundo a mais recente sondagem do Eurobarómetro de 2005,[29] 44% dos cidadãos de Luxemburgo responderam que "acreditam que há um Deus", enquanto 28% responderam que "acreditam que exista algum tipo de espírito ou força vital" e 22% que "eles não acreditam exista qualquer tipo de espírito, deus, ou força vital".

Política[editar | editar código-fonte]

Luxemburgo é uma democracia parlamentar, liderada por um monarca constitucional. Nos termos da Constituição de 1868, o poder executivo é exercido pelo grão-duque e pelo gabinete, que é composto de vários outros ministros. O governador tem o poder de dissolver o legislativo e restabelecer um novo, enquanto o grão-duque tem aprovação judicial. No entanto, desde 1919, a soberania tem residido na Corte Suprema.[30]

O poder legislativo é investido na Câmara dos Deputados, uma legislatura unicameral de sessenta membros, que são eleitos diretamente para cinco anos a partir de quatro círculos eleitorais. Um segundo corpo, o Conselho de Estado (Conseil d'Etat), composto por vinte e um cidadãos nomeados pelo Grão-Duque, assessora a Câmara dos Deputados na elaboração da legislação.[31]

O Grão-Ducado tem três tribunais inferiores (juízes de paz, em Esch-sur-Alzette, a cidade do Luxemburgo e Diekirch), dois tribunais distritais (Luxemburgo e Diekirch) e um Tribunal Superior de Justiça (Luxemburgo), que inclui o Corte de Justiça e o Corte de Cassação. Há também um Tribunal Administrativo e uma Corte Administrativa, bem como um Tribunal Constitucional, todos os quais estão localizados na capital. O atual chefe do Estado é o Grão-Duque Henrique do Luxemburgo.

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Distritos do Luxemburgo.

O Luxemburgo é dividido em 3 distritos que, por sua vez, estão subdivididos em 12 cantões, cada um com 116 comunas.

Os distritos são:

  1. Diekirch
  2. Grevenmacher
  3. Luxemburgo

Economia[editar | editar código-fonte]

Luxemburgo caracteriza-se por uma economia de boa renda e crescimento contínuo; tem o maior PNB (Produto Nacional Bruto) per capita do mundo com 61 220 dólares, além de baixos índices de inflação e desemprego. O setor industrial era dominado inicialmente pelo aço, mas tornou-se diversificado ao incluir os ramos químico e de borracha. O crescimento no setor financeiro corresponde a aproximadamente 22% do PIB e compensou o declínio do aço. A maioria de bancos tem amplas transações estrangeiras.

A agricultura é baseada em pequenas fazendas de familiares. Boa parte da economia de Luxemburgo depende dos trabalhadores estrangeiros. Embora Luxemburgo, como todos os membros da União Europeia, tenha sofrido influência das dificuldades da economia mundial, o país manteve uma taxa de crescimento razoavelmente forte e usufrui de um alto padrão de vida.[32]

Infraestrutura[editar | editar código-fonte]

Transporte[editar | editar código-fonte]

Estação de Luxemburgo.

Luxemburgo possui sistemas eficientes de transporte rodoviário, ferroviário e aéreo, além de facilidades de transportes públicos e serviços. A rede rodoviária tem passado por uma significativa modernização nos últimos anos, com 147 km de estradas ligando a capital aos países limítrofes. O advento da ligação de alta velocidade TGV até Paris levou à renovação da estação ferroviária da cidade, e um novo terminal de passageiros do Aeroporto de Luxemburgo foi recentemente inaugurado. Há ainda planos para introduzir bondes na capital e linhas de trens leves nas zonas adjacentes, nos próximos anos.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Edward Steichen, fotógrafo e pintor luxemburguês.

A produção cultural de Luxemburgo foi ensombrada pela de seus vizinhos, mas continua viva e vibrante, sobretudo por ter sido durante a maior parte de sua história um país profundamente rural e, portanto, capaz de manter uma série de tradições populares que deram lastro à produção atual. Existem vários museus notáveis, localizados principalmente na capital, entre eles o Museu Nacional de História e Arte (MNHA), o Museu Histórico da Cidade de Luxemburgo e o novo Grão-Duque Jean Museu de Arte Moderna (Mudam). O Museu Nacional de História Militar (MNHM), em Diekirch, é especialmente conhecido por suas representações da Batalha do Bulge. A própria cidade do Luxemburgo é um bem a ser preservado: está na Lista do Patrimônio Mundial da UNESCO, em função da importância histórica de suas fortificações.

O país tem dado ao mundo alguns artistas de renome internacional, incluindo os pintores Joseph Kutter e Michel Majerus, bem como o fotógrafo Edward Steichen. A exposição de Steichen The Family of Man (A Família do Homem) está agora instalada em caráter permanente em Clervaux e foi registrada no Programa Memória do Mundo da UNESCO.

Luxemburgo foi a primeira cidade a ser designada Capital Europeia da Cultura duas vezes. A primeira vez foi em 1995. Em 2007, a Capital Europeia da Cultura foi estabelecida em uma imensa zona transfronteiriça, constituída pelo Grão-Ducado de Luxemburgo; o Sarre e a Renânia-Palatinado, na Alemanha; a região da Valónia e da parte de língua alemã da Bélgica; e a região de Lorena, na França. O evento foi uma tentativa de promover a mobilidade e o intercâmbio de ideias atravessando fronteiras em todos os domínios: físico, psicológico, artístico e emocional.

Feriados
Data Nome em português Local Observações
23 de Junho Feriado nacional Por todo o país A Festa nacional luxemburguesa celebra o aniversário do soberano. Em 1961, um decreto grão-ducal fixa o dia da festa nacional a 23 de junho, independentemente do dia-aniversário do soberano. Embora a soberana da altura, a grã-duquesa Charlotte, festejasse o seu aniversário a 23 de janeiro, foi decidido celebrar o aniversário a 23 de junho, quando a meteorologia mais se apropria às festividades nacionais. O seus sucessores, os grão-duques Jean (aniversário a 5 de Janeiro, reinou entre 1964 e 2000) e Henri (aniversário a 16 de abril), não alteraram a data, que já entrou nos costumes da população.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. O uso de artigo no nome próprio Luxemburgo é mais comum no português europeu, sendo mais raro no português brasileiro, como afirma o linguista Carlos Rocha no Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. Existem exceções à regra, como o caso do Dicionário Michaelis (brasileiro) que usa Luxemburgo com artigo.

Referências

  1. Au 1er janvier 2009 le Luxembourg compte 493 500 habitants. Le Portail des Statistiques du Grande-Duché de Luxembourg (2009). Página visitada em 2009-05-05.
  2. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD): Human Development Report 2014 (em inglês) (24 de julho de 2014). Página visitada em 2 de agosto de 2014.
  3. Serviço das Publicações da União Europeia. Anexo A5: Lista dos Estados, territórios e moedas. Código de Redacção Interinstitucional. Página visitada em 19 de dezembro de 2012.
  4. Substituição do Representante Permanente do Grão Ducado do Luxemburgo junto da UE. europa.eu (18 de dezembro de 2012). Página visitada em 18 de dezembro de 2012.
  5. Rocha, Carlos (18 de dezembro de 2012). O uso de artigo definido com Mónaco e outros nomes de países. Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. Página visitada em 18 de dezembro de 2012. "No português do Brasil todos os nomes em questão [onde se inclui Luxemburgo] se usam efetivamente sem artigo, pelo que se infere das definições dos gentílicos correspondentes que estão disponíveis em dicionários elaborados nesse país."
  6. Verbete "luxemburguês". iDicionário Aulete. Lexikon Editora Digital. Página visitada em 19 de dezembro de 2012. "(lu.xem.bur.guês) sm. 1. Pessoa nascida no grão-ducado de Luxemburgo a. 2. De Luxemburgo; típico dessa grão-ducado ou de seu povo."
  7. Verbete "luxemburguês". Dicionário de Português Online Michaelis. Editora Melhoramentos / UOL. Página visitada em 19 de dezembro de 2012. "lu.xem.bur.guês adj (top Luxemburgo+ês) 1 Que diz respeito ao Luxemburgo, grão-ducado entre a Alemanha, a França e a Bélgica. 2 Natural do Luxemburgo. sm Habitante ou natural do Luxemburgo."
  8. World Bank (em inglês). World Bank (2012). Página visitada em 14 de setembro de 2013.
  9. a b Luxembourg (em inglês). CIA World Factbook (24 de junho de 2010). Página visitada em 10 de julho de 2010.
  10. Emperor Charles IV elected Greatest Czech of all time, Radio Prague
  11. Kreins (2003), p. 20
  12. Kreins (2003), p. 39
  13. Kreins (2003), p. 70
  14. Kreins (2003), p. 76
  15. Kreins (2003), pp. 80–81
  16. Kreins (2003), p. 81
  17. Kreins (2003), p. 84
  18. Timeline: Luxembourg - A chronology of key events BBC News Online, 9 September 2006. Retrieved 8 October 2006.
  19. Luxembourg Presidency - Being a Luxembourger
  20. CIA World Factbook: Luxembourg Acesso em 14 de outubro de 2007.
  21. (francês) Population totale par nationalité 1875 - 2001. Statec. Página visitada em 2007-07-01.
  22. Amanda Levinson. The Regularisation of Unauthorised Migrants: Literature Survey and Country Case Studies - Regularisation programmes in Luxembourg (PDF). Centre on Migration, Policy and Society, University of Oxford. Página visitada em 2006-09-02.
  23. (francês) À propos des langues (PDF). Service Information et Presse. Página visitada em 2006-08-01.
  24. The Trilingual Education system in Luxembourg. Tel2l - Teacher Education by Learning through two languages, University of Navarra. Página visitada em 2007-06-09.
  25. Immigration in Luxembourg: New Challenges for an Old Country. Migration Information Source. Página visitada em 2007-06-09.
  26. (francês) D'Wort article (German). www.wort.lu. Página visitada em 2007-07-24.
  27. (francês) Mémorial A, 1979, No. 29 (PDF). Service central de législation. Página visitada em 2006-08-01.
  28. World Factbook - Luxembourg. Central Intelligence Agency (19 de dezembro de 2006). Página visitada em 2007-01-13.
  29. Eurobarometer on Social Values, Science and technology 2005 - page 11 (PDF).
  30. Constitution of Luxembourg (PDF). Service central de législation (2005). Página visitada em 2006-07-23.
  31. Structure of the Conseil d'Etat. Conseil d'Etat. Página visitada em 2006-07-23.
  32. Economic Survey of Luxembourg 2006. OECD (2006). Página visitada em 2006-07-23.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o
Portal do Luxemburgo

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Luxemburgo
Bandeira de Luxemburgo Luxemburgo
Brasão • Culinária • Cultura • Forças Armadas • Geografia • História • Portal • Subdivisões • Imagens