Monarquia de Dinamarca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Monarquia da Dinamarca)
Ir para: navegação, pesquisa
Rainha da Dinamarca
Monarquia
Royal coat of arms of Denmark.svg
Real brasão de armas do Reino da Dinamarca
Drottning Margrethe av Danmark crop.jpg
Titular:
Margarida II
Título: Sua Majestade
Herdeiro aparente: Frederico, Príncipe Herdeiro da Dinamarca
Primeiro monarca: Ongendus (Segundo a lenda)
Gormo, o Velho (atestado)
Formação: 935
Dinamarca
National Coat of arms of Denmark.svg

Este artigo é parte da série:
Política e governo da
Dinamarca



Outros países · Atlas

A Monarquia da Dinamarca é uma monarquia constitucional do Reino da Dinamarca, que inclui a Dinamarca, a Groelândia e as ilhas Faroé.

Como uma monarca constitucional, a rainha Margarida II se limita a atos não-partidárias, e a funções cerimoniais. A autoridade executiva máxima sobre o governo da Dinamarca ainda é realizada pela prerrogativa real do monarca; na prática, esses poderes só são utilizados de acordo com leis aprovadas no parlamento ou dentro dos limites da constituição.

A família real dinamarquesa pode traçar sua linhagem até os reis Vikings Gormo, o Velho e Haroldo Dento-Azul do século X, fazendo com que a monarquia da Dinamarca seja a mais antiga na Europa. A atual Casa Real é um ramo da família principesca da Casa de Glücksburg, originalmente a partir de Schleswig-Holstein na Alemanha, a mesma casa real como na família real norueguesa e na ex-família real grega.

História[editar | editar código-fonte]

Da monarquia eletiva à hereditária[editar | editar código-fonte]

A monarquia dinamarquesa possui mais de 1000 anos de idade, tornando-a quarta mais antiga monarquia contínua no mundo ainda existente; a mais velha é a Casa Imperial do Japão.

A família real dinamarquesa remonta a Gormo, o Velho (enterrado em 958 em Jelling na Jutlândia) e o seu filho Haroldo I da Dinamarca, que transferiu a capital real para Zelândia. Esses são os dois primeiros reis que estão certamente relacionados à unificação da Dinamarca. Originalmente, a monarquia era eletiva, mas na prática o filho mais velho do monarca reinante era eleito. Mais tarde, uma carta coroação da Dinamarca foi assinada pelo rei para restringir os poderes do monarca dinamarquês. A Casa Real atingiu seu auge com os "Valdemars", cuja influência se estendeu na maior parte da região Báltica e, mais tarde, novamente com a Margarida I, que uniu a Escandinávia na União de Kalmar.

O último monarca da dinastia antiga dinamarquesa foi Cristóvão III, que morreu em 1448. O Duque de Oldemburgo foi escolhido como seu sucessor e se tornou-se o monarca da Dinamarca sob o nome de Cristiano I. O último monarca dinamarquês da dinastia real, Frederico VII, morreu sem herdeiros. De acordo com o ato de sucessão, o príncipe Cristiano de Glücksborg aderiria ao trono, sendo o primeiro monarca dinamarquês da casa de Glücksborg.

Depois que as linhagens diretas se extinguiram, o conde principesco Cristiano de Oldemburgo foi eleito, em 1448, rei da Dinamarca sob o nome de Cristiano I. Ele também era duque de Schleswig e conde de Holstein. Ele descendia da Casa Real dinamarquesa por linhas femininas em inúmeras gerações.

O absolutismo foi introduzido em 1660-1661, quando a monarquia eletiva foi transformada em uma monarquia hereditária. De tal forma, Sueno II, o sobrinho de Canudo II, o Grande, era filho da irmã de Canudo.

A velha monarquia dinamarquesa, com seus ritos eletivos tradicionais, existiu até 1661, quando Frederico III introduziu uma monarquia hereditária em sua descendência e de caráter político absolutista, tanto na Dinamarca, quanto na Noruega. Dentre outras coisas, a Lei Real de 1665 delimitou as condições relacionadas à Casa Real, e tais limitações mantiveram força mesmo após a introdução da monarquia constitucional por Frederico VII, sob os termos da constituição de 5 de Jjunho de 1849.

Gormo, o Velho um dos primeiros reis da Dinamarca.
Foto de 1903 com 4 gerações de reis dinamarqueses: Rei Cristiano IX (à esquerda), Frederico VIII (à direita), Cristiano X (traseira) Frederico IX (frente).

Monarquia constitucional[editar | editar código-fonte]

Com a morte de Frederico VII em 1863, sem sucessor direto ao trono, seu primo, o príncipe Cristiano de Glücksburgo , membro de um ramo colateral da Casa Real, reinante nos Ducados do norte da Alemanha e descendente direto da linhagem Real masculina, ascenderam ao trono como Cristiano IX. Assim, a dinastia passou a ser a Casa de Glücksborg.

Cristiano IX (1818 - 1906) e a rainha Luísa ficaram conhecidos como "Sogros da Europa", pois sua filha Alexandra era casada com o rei Eduardo VII da Grã-Bretanha , sua filha Dagmar era casada com o o czar Alexandre III da Rússia e a sua filha Tira era casada com o príncipe Ernesto Augusto, chefe da Casa Real de Hanôver e duque de Cumberland (na Inglaterra). Quando Vilhelm, o filho de Cristiano IX, tornou-se rei dos Helenos em 1863 sob o nome de Georgios I, quase todos os príncipes protestantes e ortodoxos da Europa podiam se encontrar no Palácio de Fredensborg para reuniões familiares na casa de Cristiano IX. Em 1905, seu neto Carl se tornou rei da Noruega sob o nome de Haquino VII.

Em 1906, Frederico VIII sucedeu seu pai, mas reinou apenas por um pequeno período, morrendo em 1912. Seu filho mais velho, Cristiano X (1870 - 1947), marcou a história como o rei que percorreu a fronteira da Jutlândia com a Alemanha em 1920, quando a Dinamarca recuperou parte do território perdido em 1864. Em decorrência disso, o rei se tornou foco do sentimento nacionalista durante a ocupação alemã de 1940 a 1945.

Em 1935, seu filho mais velho, o último Frederico direto, casou-se com a Princesa Ingrid da Suécia (1910 - 2000), filha do rei Gustav VI Adolf, ascendendo ao trono em 1947, como Frederico IX. Suas atividades como rei fortaleceram a monarquia constitucional, pois aceitou que o rei não tivesse papel político preponderante. Como chefe de estado, o monarca participa na formação de novos governos, se posiciona formalmente na direção do governo e representa a Dinamarca no exterior.

De acordo com o Ato de Sucessão, baixado a 27 de março de 1953, o direito de sucessão da Casa dos Glücksborgs foi confirmado e, assim, o trono passaria para os sucessores de Cristiano X. Dessa forma, os filhos têm preferencia sobre as filhas, mas, caso não haja filhos, o trono é herdado pela filha mais velha. Então, com a morte de seu pai, a princesa Margarida pôde suceder ao trono como Margarida II, primeira monarca mulher desde a morte de Margarida I, em 1412.

A rainha Margarida II se casou com Henrique, príncipe da Dinamarca, no dia 10 de junho de 1967. Henrique era conhecido antes como Henri-Marie-Jean-André, conde de Laborde de Monpezat na França. O casal real tem dois filhos, o príncipe real Frederico (1967) e o príncipe Joaquim (1968).

Em 1995, o príncipe Joaquim se casou com a então princesa Alexandra Christina Manley e, antes de se separarem em 2004, tiveram dois filhos: príncipes Nicolau Guilherme Alexandre Frederico (1999) e Félix Henrique Valdemar Cristão (2002). Voltou a casar em 2008 com Marie Cavallier e tiveram dois filhos Henrique e Atena.

Em 2004, o príncipe herdeiro Frederico casou-se com Mary Donaldson e tiveram quatro filhos: príncipe Cristiano Valdemar Henri John, nascido em 2005, Isabela, nascida em abril de 2007 e os gémeos Vicente e Josefina em 2011.

A rainha tem duas irmãs, a princesa Benedita que é casada com o príncipe titular Richard (Alemanha) e a princesa Anne-Marie casada com o ex-rei Constantino da Grécia.[1]

Papel constitucional[editar | editar código-fonte]

A Rainha Margaria e seu marido, o príncipe Henrique.

De acordo com a constituição dinamarquesa, o monarca dinamarquês, como chefe de estado, é a fonte do poder executivo e, conjuntamente com o parlamento, o poder legislativo [2]

O monarca mantém a capacidade de negar a assinar um projeto de lei, diferentemente da monarquia de Luxemburgo. O monarca também tem o poder de escolher e destituir o primeiro-ministro, embora em tempos modernos esta prerrogativa tenha se tornado improvável, pois poderia causar uma crise constitucional. Como chefe de Estado, o monarca participa na formação de um novo governo. O rei Cristiano X foi o último monarca a exercer o poder de demissão do primeiro- ministro por sua própria vontade, o que fez em 28 de março de 1920, provocando a Crise de Páscoa de 1920. Todos os poderes reais chamados de Prerrogativa Real, como o poder de nomear ministros e a capacidade de declarar guerra e fazer a paz, são exercidos pelo primeiro-ministro e pelo gabinete, mas com o consentimento formal da rainha. Após consulta com os representantes dos partidos políticos, o líder do partido que tem o apoio do maior número de assentos no Parlamento dinamarquês é convidado a formar um governo. Uma vez que foi formado, o monarca irá designar formalmente a criação do governo. [3]

Hoje, o soberano tem um papel essencialmente cerimonial restrito no exercício do poder por convenção e da opinião pública. Como uma figura pública, o monarca abre exposições, atende aniversários, inaugura pontes, etc. No entanto, o monarca faz continuar a exercer três direitos essenciais: o direito de ser consultado, o direito de aconselhar e o direito de alertar. Como conseqüência desses ideais, o primeiro-ministro e o gabinete assistem à reunião ordinária do conselho de Estado. O primeiro-ministro e o ministro dos negócios estrangeiros realizam relatórios regulares para o rei para aconselhá-la sobre os últimos desenvolvimentos políticos. A rainha recebe o rei sitas oficiais de chefes de estados estrangeiros.

Linha de sucessão[editar | editar código-fonte]

Rainha Margarida II da Dinamarca em Vágur, Ilhas Feroe, em 21 de junho de 2005.
Os príncipes herdeiros Frederico da Dinamarca e Maria Donaldson.
O príncipe Cristiano.
A princesa Isabela.
Os príncipes Joaquim e Maria.
Família real dinamarquesa
Casa de Schleswig-Holstein-Sonderburg-Glücksburg
Royal coat of arms of Denmark.svg

SM a Rainha
SAR o Príncipe Consorte


SAR a princesa Benedita
SAS o príncipe Richard


SM a Rainha dos Helenos
SM o Rei dos Helenos



A Sucessão Dinamarquesa ocorre através de primogenitura igualitária desde 2009. A Lei Dinamarquesa de Sucessão [4] , adotada em 27 de março de 1953 restringe o trono aos descendentes de Cristiano X e sua esposa Alexandrina de Mecklemburgo-Schwerin, através de casamentos aprovados.

Os membros das dinastias perdem o direito ao trono se casarem sem a permissão do monarca dada no conselho de Estado. Indivíduos nascidos de herdeiros não casados ou que se casaram sem permissão real são excluídos do trono. Além disso, ao aprovar o casamento, o monarca pode impor condições que devem ser atendidas para que qualquer prole resultante tenha direitos de sucessão. A Parte II, Seção 9 da Constituição dinamarquesa de 5 de junho de 1953 prevê que o parlamento eleja um rei e determine uma nova linha de sucessão em uma situação onde não haja descendentes elegíveis do rei Cristiano X e rainha Alexandrine.

O monarca da Dinamarca deve ser um membro do Igreja Nacional Dinamarquesa, ou da Igreja Evangélica Luterana da Dinamarca. A Igreja Nacional é pela lei a Igreja do Estado, embora o monarca não seja seu chefe supremo (diferente da Inglaterra, onde o governador supremo da Igreja da Inglaterra é o monarca do Reino Unido, atualmente a rainha Isabel II) (Const, I, 4)[5] .

Família real dinamarquesa[editar | editar código-fonte]

No Reino da Dinamarca, todos os membros da dinastia governante que detêm o titulo de príncipe ou princesa da Dinamarca são membros da família real dinamarquesa. Tal como acontece com outras monarquias europeias, distinguir quem é membro da família real nacional é difícil devido à falta de definição legal ou formal rigorosa de quem é ou não é um membro. A rainha e seus irmãos pertencem à Casa de Schleswig-Holstein-Sonderburg-Glücksburg, um ramo da Casa de Oldenburg. Os filhos da rainha do sexo masculino por patrilinearidade à família Laborde de Monpezat. [6]

Membros principais

A família real dinamarquesa:

  • Sua Majestadade a rainha Margarida II
    Sua Alteza Real o príncipe consorte Henrique (esposo de Margarida II)
    • Sua Alteza Real o príncipe herdeiro Frederico (filho mais velho da Rainha)
      Sua Alteza Real a princesa hereira Mary Elizabeth (esposa de Frederico)
      • Sua Alteza Real o príncipe Cristiano (filho mais velho dos príncipes herdeiros)
      • Sua Alteza Real a princesa Isabel (filha mais velha dos príncipes herdeiros)
      • Sua Alteza Real o príncipe Vicente (filho mais novo dos príncipes herdeiros)
      • Sua Alteza Real a princesa Josefina (filha mais nova dos príncipes herdeiros)
    • Sua Alteza Real o príncipe Joaquim (filho mais novo da rainha)
      Sua Alteza Real a princesa Maria (segunda esposa de Joaquim)
      • Sua Alteza Real o príncipe Nicolau (filho mais velho do príncipe Nicolau e de Alexandra, Condessa de Frederiksborg)
      • Sua Alteza Real o príncipe Félix (filho mais novo do príncipe Nicolau e de Alexandra, Condessa de Frederiksborg)
      • Sua Alteza Real o príncipe Henrique (filho do príncipe Nicolau e da princesa Maria)
      • Sua Alteza Real a princesa Atena (filha da princesa Nicolau e da princesa Maria)
  • Sua Alteza Real a princesa Benedita (irmã de Margarida II)
  • Sua Majestade a rainha Ana Maria dos Helenos (irmã de Margarida II)
  • Sua Alteza a princesa Isabel (prima de Margarida II)

Popularidade[editar | editar código-fonte]

Família real dinamarquesa, no Palácio de Amalienborg.

A família real é mais popular do que nunca na Dinamarca, onde oito em cada dez cidadãos são a favor da monarquia, segundo pesquisa publicada poucos dias antes do 40º aniversário do reinado de Margarida II, em 14 de janeiro de 2012.

A Dinamarca tem a monarquia mais popular da Europa, afirmou Lars Hovbakke Soerensen, da Universidade de Copenhague. Apesar de 16% dos dinamarqueses preferirem viver numa república, nada menos que 77% da população defende que o país tenha uma monarquia, segundo o estudo realizado pelo instituto Megafon para a revista política Politiken.[7] Este status é parcialmente atribuído ao fato de a monarquia ter se ancorado em tradições antigas, mas também na habilidade da realeza em se adaptar às condições contemporâneas de forma inteligente, sem abrir mão de valores como permanência, respeito pela tradição e senso de dever e responsabilidade pela nação.

Comparada a outras monarquias, a realeza dinamarquesa é relativamente modesta. O cerimonial é limitado ao básico e não há demonstrações extravagantes. A pompa tradicional é evidente apenas em ocasiões muito especiais, como visitas de chefes de estado, casamentos reais, aniversários importantes e datas comemorativas. .[8]

Finanças[editar | editar código-fonte]

Os tempos difíceis que se vivem um pouco por todo o lado têm feito com que as casas reais da Europa adotem uma postura de contenção económica. Além disso, são cada vez mais os países que exigem que a monarquia siga os princípios da transparência e que se modernize. Mas a Dinamarca não parece sentir essa necessidade.

De facto, a família real dinamarquesa até viu ser aprovado um aumento no orçamento deste ano. Assim a rainha Margarida recebe o equivalente a 9,7 milhões de euros este ano, mais 94.000 euros do que no ano passado; os príncipes herdeiros recebem 2,4 milhões, mais 27.000 euros do que em 2011 e o príncipe Joaquim recebe 3,2 milhões, mais 13.500. .[9]

Monogramas[editar | editar código-fonte]

Cada membro da família real dinamarquesa tem o seu monograma real próprio.

Brasões de armas[editar | editar código-fonte]

Cada membro da família real dinamarquesa tem o seu brasão de armas real próprio.

Tradições[editar | editar código-fonte]

Realeza Dinamarquesa
Casa de Glücksburg
Descendência
Royal Coat of Arms of Denmark (1948-1972).svg

Batizados[editar | editar código-fonte]

Nos batizados reais da Dinamarca, costumam estar presentes todos os membros da família real dinamarquesa. Na Dinamarca, obedece-se á tradição de que os nomes só podem ser dados no dia do sacramento do batismo.

A tradição dita que os bebés devem ter seis padrinhos. A tradição pede que a criança use o mandrião que pertence a família real, que é usado por todos os herdeiros, porém, só existe uma única peça.

Casamentos[editar | editar código-fonte]

Os casamentos reais também tem muitas tradições na Dinamarca. Normalmente nas casamentos reais da Dinamarca estão presentes representantes de todas as famílias reais da Europa e de algumas famílias reais de outras partes do mundo.

A cerimónia do casamento do príncipe Frederico com Mary Donaldson foi realizada a 14 de maio de 2004. Mary usou um vestido desenhado pelo estilista dinamarquês Uffer Frank, em tom marfim, de decote redondo e mangas três quartos em forma de lírio e uma longa cauda de 6 metros. Para a confeção do vestido foram utilizados 24 metros de cetim branco forrado com seda de organza. O cabelo estava penteado em mono e coberto por um véu, de encaixe irlandês bordado, é uma peça histórica. Foi usado por noivas reais dinamarquesas há mais de um século, destacando-se o casamento da princesa Margarida da Suécia, bisavó do noivo, a 15 de junho de 1905, o casamento da rainha Ingrid, avó do noivo, com Frederico IX a 24 de maio de 1935, em Estocolmo e o casamento da rainha Margarida II com Henrik Montpezat (pais do noivo) em 10 de junho de 1967. Os complementos: a tiara e os brincos de platina, de diamantes e pérolas do mar do Sul, desenhados por Marianne Dulong, foram oferecidos pela rainha à sua nora como presente de casamento. As alianças foram produzidas por Flemming Hertz, o joalheiro real, que utilizou ouro da Gronelândia.

Nos minutos que aguardou no altar por Mary, Frederik contou com o apoio do seu padrinho, o seu irmão - príncipe Joaquim. Esteve sempre muito emotivo durante toda a cerimónia, que foi oficializada por Erik Normann Svendsen, sob o rito luterano.

Após o casamento, Frederico e Mary percorreram as ruas de Copenhaga numa carruagem (Norregade, Jamers Plads, Andersens, Frderiksberggade e Ostergarde terminando em Amalienborg), apareceram depois na varanda de Amalienborg, trocando diversos beijos e abraços em frente da multidão que exibia bandeiras dinamarquesas e australianas. O banquete foi servido no Palácio de Fredensborg.

O casamento da actual rainha da Dinamarca, Margarida com Henri Marie Jean André Conde de Laborde de Monpezat, que, em ligação com o casamento tornou-se o príncipe consorte Henrique da Dinamarca foi a 10 de junho de 1967. A cerimónia teve lugar no Holmens Kirke, e as bodas foram realizadas no Palácio de Fredensborg.

No dia 18 de novembro de 1995, o príncipe Joaquim casou-se com Alexandra Christina Manley, agora Alexandra Christina, Condessa de Frederiksborg, uma ex-executiva-chefe de vendas e marketing nascida em Hong Kong, mas de origens chinesa, britânica, polonesa e austríaca. A cerimônia aconteceu em Frederiksborg Slotskirke. O casal separou-se me 2004 e divorciou-se em 2005.

O príncipe Joaquim casou depois com Marie Cavallier. O casamento teve lugar num sábado, dia 24 de maio de 2008, pelas 17 horas (hora local), na Igreja de Møgeltønder. A cerimónia foi realizada pelo Bispo Erik Norman Svendsen. O copo de água foi realizado na casa do casal, no Castelo de Schackenborg. Após o seu casamento com Joaquim, Maria passou a utilizar o título de Sua Alteza Real a princesa Maria da Dinamarca, Condessa de Monpezat. Maria, que tinha sido uma cidadã francesa e um membro da Igreja Católica Romana, tornou-se, em conexão com o casamento, uma cidadã dinamarquesa e um membro da Igreja Evangélica Luterana na Dinamarca.

Joias da coroa dinamarquesa[editar | editar código-fonte]

1. Coroa de Cristiano IV 1595. 2. Coroa de Cristiano V 1665-70. 3. A coroa das rainhas 1731. 4. Cetro. 5. Espada do Estado. 6. Globus cruciger.

As joias da coroa dinamarquesa são os símbolos da monarquia dinamarquesa. Elas consistem de três coroas, um cetro (que simboliza a autoridade suprema), uma esfera (a cruciger globus , simbolizando o reino terrestre encimado por uma cruz), uma espada de estado e uma ampola.

As insígnias reais dinamarquesas são mantidas no Castelo Rosenborg. A mais antiga delas é a espada de Estado de 1551 de Cristiano III. Elas incluem ainda o diamante do rei Cristiano IV ; pérola e ouro, bordados selas; objetos esculpidos em marfim e pedra de cristal, peças de lapidação de pedras preciosas, e broches em forma de animais fantásticos.

Durante o tempo dos monarcas eletivos , o clero e a nobreza colocaram a coroa sobre a cabeça do rei, na cerimônia de coroação.

Após a introdução do absolutismo, em 1660, a coroação do rei foi substituída por unção, para que o rei chegou na igreja com a coroa e foi consagrada a sua vocação de ser ungido com óleo. Para a unção de Cristiano V, uma nova coroa foi feita juntamente com um trono de dentes de narval (supostamente o mítico chifre de unicórnio) e três leões de prata, este último criado por Ferdinand Küblich. Isto foi inspirado pela descrição bíblica do trono do rei Salomão, que dizia ser composto de chifre de unicórnio de ouro e guardada por doze leões dourados.

Com a constituição de 1849, unção foi abandonada e, desde então, as joias da coroa foram apenas utilizadas por ocasião de um monarca falecido castrum doloris ("campo de aflição"), onde a coroa é colocada sobre o caixão, as outras regalias são colocadas ao pé do caixão, e o caixão rodeado pelos três leões. Os leões foram anteriormente também exibidos no parlamento na sessão de abertura anual, mas esta tradição foi interrompida há quase 100 anos. Eles também foram exibidos diante do trono na sala do trono do Palácio Christiansborg, quando os reis dinamarqueses concediam audiências particulares em ocasiões formais.

O Castelo Rosenborg também abriga quatro conjuntos ('parures') de joias da coroa ainda usados por Sua Majestade a Rainha da Dinamarca, e a Regalia Real que deu ao monarca a sua autoridade para governar. Ele inclui a coroa do rei Cristiano IV, que é um bom exemplo de obra da Renascença, a coroa mais conhecida do rei Cristiano V e uma pequena coroa de consorte do rei. A colecção real tem outros itens importantes e joias, bem como preciosos livros de orações e itens pertencentes à Ordem do Elefant e e a Ordem da Dannebrog (como o grande diamante e estrela pérola da Ordem do Elefante usada no manto da coroação).

Tiaras da família real dinamarquesa[editar | editar código-fonte]

  • Tiara Tocado Floral Esta tiara foi criada em meados do século XIX e foi um presente do rei Frederico IX que a comprou para a rainha Ingrid no início da década. O projeto consiste em três flexíveis broches florais que se juntam para formar uma coroa de flores. A rainha Margarida recebeu a tiara de sua mãe, no momento da sua segunda visita oficial à Suécia. É composta de três partes que podem ser juntas, o que dá uma grande ênfase a tiara, ou separadamente, para torná-la mais leve. A rainha Margarida II usou estas peças de muitas maneiras diferentes. As três pedras preciosas também pode ser ussadas como um broche e uma cabeça para segurar o cabelo.
  • Tiara das Lágrimas Uma peça que foi criada para a grã-duquesa Anastásia de Mecklemburgo-Schwerin, nascida na Rússia, (1860-1922) e herdada, posteriormente, por Alexandrina, sua filha maior, quando esta atingiu a sua maioridade. A valiosíssima joia passou a formar parte da colecção real da Dinamarca quando Adini, assim chamada familiarmente a duquesa Alexandrina, se casou o futuro rei Cristiano X da Dinamarca, en 1898. Após a morte da rainha Alexandrina, en 1952, a tiara foi herdada por o seu filho mais velho, Frederico IX e por a sua nora, a princesa Ingrid da Suécia que acabaria por oferecê-la à sua filha primogénita, a princesa Margarida, hoje em dia soberana da Dinamarca.
  • Tiara de Esmeraldas Tem 67 esmeraldas e diamantes, 2.650 compondo uma tiara. Tem um colar, brincos e broche. As 26 esmeraldas são de 1723, quando elas foram dadas por o rei Cristiano VI para a rainha Sofia Madalena para dar à luz o futuro Frederico V. O resto das esmeraldas pertenciam à princesa Charlotte da Dinamarca, e os diamantes utilizados também já pertenciam à família real. A tiara foi criada por Weisshaupt CM para a rainha Caroline Amalie para comemorar o seu aniversário de casamento com o rei Cristiano VIII em 1840.[10]
  • Tiara de Rubis A história desta tiara começa, como muitos outras, na corte de Napoleão Bonaparte. Ao planear a sua coroação como imperador dos franceses, em 1804, ele queria garantir que o evento fosse o mais grandioso possível. Ele foi tão longe para dar dinheiro aos seus marechais para que eles pudessem comprar a suas esposas a quantidade adequada de joias para a ocasião. Um desses homens, Jean-Baptiste Bernadotte, comprou um rubi, uma grinalda e uma tiara de diamantes de acompanhamento para a sua esposa, Désirée Clary, e ela usou-a naquele dia histórico. Este casal mais tarde se tornaria o rei Carlos XIV da Suécia e a rainha Desideria da Suécia, e as joias foram levadas para o novo lar sueco. A tiara veio da Suécia para a Dinamarca quando Luísa da Suécia se casou com o futuro Frederico VIII em 1869. Luísa recebeu a tiara como presente de casamento de sua avó, a rainha Josefina da Suécia porque os rubis e diamantes ecoaram as cores da bandeira dinamarquesa. A rainha Luísa deu a tiara para a noiva Alexandrina como presente de casamento de seu filho o príncipe Cristiano. Quando a rainha Ingrid morreu em 2000 ela deixou a tiara ao neto, o príncipe herdeiro Frederico, garantindo assim que a futura princesa teria um conjunto verdadeiramente grandioso e histórico de joias para usar. A princesa Mary costuma usar muito esta tiara. A tiara hoje inclui um colar enorme, um conjunto de brincos, um broche, uma pulseira e um anel.[11]
  • Tiara As Papoilas de Ouro A rainha Margarida II encomendou esta tiara ao artista dinamarquês Arje Griegst em 1976. As próprias flores são feitas de chapas finas marteladas de 21 quilates de ouro. Cada flor tem dentro pérolas barrocas e 4 diamantadas. O projeto é uma tradução literal de uma flor do jardim, incluindo pedras semipreciosas e águas-marinhas sobre as folhas para representar gotas de orvalho e insetos descritos em pérolas, cristais, opalas, pedras semipreciosas e diamantes que rastejam sobre. Diz-se também que há pequenas luzes envolvidas, para iluminar as flores. E também tem brincos e colar incluídos.[12]
  • Tiara do Casamento de Mary e Frederico Esta tiara fez a sua estreia real no casamento do príncipe herdeiro Frederico e Mary Donaldson. Foi um presente para a princesa Mary da rainha Margarida II e do príncipe Henrique, e pensa-se que terá sido comprada em um leilão. Em seu formato original, é um tanto pequena, como todos os diamantes. Mary também já voltou a usar esta tiara noutros eventos.[13]
  • Tiara da Meia Noite Esta tiara foi desenhada por Charlotte Lynggaard da empresa Lynggaard Ole, um joalheiro da corte real dinamarquesa, e foi feita à mão por ourives. Ela foi criada especialmente para uma exposição no Palácio Real de Amalienborg, em 2009, que combinava tiaras antigas com desenhos modernos, incluindo uma seleção de tiaras por empréstimo da família real dinamarquesa. Depois de vê-la na exposição, Mary usou a tiara para as celebrações do 75 aniversário do príncipe Henrique em junho de 2009. Ela também usava brincos combinando com a tiara e um broche (há uma coleção de jóias da meia-noite toda disponível, na verdade). Um acordo foi firmado: Mary não tinha que comprar a tiara e o joalheiro mantinha a propriedade da mesma, mas não ia vendê-la e Mary tinha direitos exclusivos de a usar emprestada. A experimentação de materiais não-tradicionais por si só diz que esta não é uma tiara normal. Ela inclui 31 botões florais criados com mais de 1.300 diamantes brilhantes, pequenas pedras semipreciosas e polidas definidas em uma estrutura de folhas e ramos de mão lavrou em 18 quilates rosa e ouro branco com prata oxidada preta. As cores, luz e efeitos de sombreamento replicar, um céu estrelado luar à meia-noite, e, portanto, é devidamente conhecida como a tiara da meia-noite.[14]
  • Tiara de diamantes Baden A tiara de diamantes consiste em sete palmas estilizadas em forma de coração, separados por margaridas. A tiara veio para a Dinamarca da Suécia, graças à Rainha Ingrid, que herdou de sua avó, a rainha Victoria de Baden. A tiara foi criada em 1900 pela empresa de joalheiros Koch de Frankfurt para a grã-duquesa Luísa de Baden, de origem prussiana. A rainha normalmente acompanha este diadem compôs algumas pendentes originais cinco peças) com um diamante em forma de pêra.[15]
  • Tiara Turquesa Esta joia é uma bracelete de treze margaridas formado com pétalas azul-turquesa, que também pode ser usada ​​como uma tiara. Foi criada no final do século XIX, e pertenceu á princesa Margaret, da Suécia. Estas jóias turquesas eram da Rainha Ingrid, que por sua vez tinha herdado de sua mãe, a princesa Margarida. Os dois broches de pedras de grandes dimensões pertenciam à imperatriz Catarina a Grande, da Rússia. As outras peças foram presentes de casamento para a princesa Margarida de vários membros da família. Quase todas as peças podem ser usadas em separado ou em conjunto.[16]
  • Tiara do Egipto A tiara é uma joia da Cartier, de 1904 é feita de diamantes em conjunto platina e pode ser utilizada também como um ornamento de cabelo. A peça foi um presente do egípcio Khedive Abbas Helmi II para a neta da rainha Vitória de Inglaterra, a princesa Margarida de Connaught que se prometeu maritalmente no Egito com o príncipe Gustavo Adolfo, futuro Gustavo VI Adolfo da Suécia. A rainha Ingrid herdou a tiara da sua mãe e usou-a ao longo da sua vida. Chegou-se a dizer que a princesa Mary Donaldson iria usar esta tiara no dia do seu casamento com o príncipe herdeiro Frederico mas tal não aconteceu.[17]
  • Tiara de Pérolas e Diamantes A parure de pérolas e diamantes da cartier é outra das tiaras da família real dinamarquesa. A rainha Margarida II costuma usá-la.
  • Tiara de diamantes con forma de flores Esta joia pertencia à princesa Dagmar de Dinamarca (1890-1961), filha do rei Frederico VIII e da rainha Luisa de Dinamarca, nascida princesa da Suécia, que se casou em 1922 com Jorgen Castenskiold. A tiara já foi usada por a rainha Margarida II. E foi usada por a princesa Marie Cavallier no dia do seu casamento com o príncipe Joaquim em maio de 2008.

Residências reais[editar | editar código-fonte]

O Palácio de Amalienborg é a residência da Família real dinamarquesa em Copenhaga . Foi entre 1750 e 1768 , a residência de famílias diferentes da nobreza dinamarquesa. O Palácio de Amalienborg tornou-se a residência real em 1794 , quando um incêndio destruiu o Palácio Real, em Copenhaga.

Já que o Palácio de Amalienborg é considerado pela rainha Margarida II da Dinamarca e da sua família como seu lar, seu verdadeiro lar, a família real dinamarquesa usa o Palácio de Christiansborg para todos os tipos de actos oficiais, as audiências, recepções e banquetes.

O Palácio de Fredensborg é outra das residências mais usadas da Família real dinamarquesa. Outro palácio usado pela ramília real é o Palácio de Sorgenfri. Atualmente o palácio é fechado ao público, sendo aberto somente a família real danesa, mas os jardins são acessíveis a visitantes. Os atuais inquilinos do palácio são os condes de Rosenborg.

O Palácio de Gravenstein é uma residência real de verão localizada em Sønderborg, na Dinamarca. O Palácio Eremitage tem sido o centro de caça real. Ele está à disposição da rainha Margarida II da Dinamarca e é usada por exemplo para almoços oficiais.

O Palácio de Marselisborg é a residência de verão da rainha Margarida II. Quando a rainha e a sua família ficam no palácio durante o verão, ocorre uma cerimônia de troca de guarda à tarde. O palácio não fica aberto ao público, mas o jardim, em especial o jardim das rosas da rainha, pode ser visitado quando a família real não está em Marselisborg.

O Château de Cayx é uma residência da família real da Dinamarca localizado a 20 km de Cahors, no sudoeste de França. O casal comprou o Château de Cayx em 1974. Os edifícios foram restaurados com grande cuidado e atenção ao detalhe, e o castelo tornou-se o ambiente descontraído para reuniões da família real dinamarquesa inteira e seus parentes franceses. O castelo não está aberto ao público.

O Castelo de Schackenborg é uma residência real do monarca dinamarquês situado em Moegeltoender, sul da Jutlândia.

Tiítulos[editar | editar código-fonte]

Brasão de Armas Real da Dinamarca

Os monarcas da Dinamarca têm uma longa história de títulos nobres e reais. Monarcas dinamarqueses também usado historicamente o Rei dos Vênedos" e “Rei dos Godos".

Após a sua ascensão ao trono em 1972, a rainha Margarida II abandonou todos os títulos, exceto "Rainha da Dinamarca". O monarca da Dinamarca e seu cônjuge são tratadas como "Vossa Majestade", enquanto que príncipes e princesas são referidos como Sua Alteza Real (“Hans” ou “Hendes Kongelige Højhed”).

  • Ao subir ao trono em 1972, a rainha Margarida II abandonou todos os títulos do monarca tradicional, exceto o título para a Dinamarca, daí o seu estilo Pela Graça de Deus, a rainha da Dinamarca .

Armas[editar | editar código-fonte]

Brasão de armas da Dinamarca

O brasão de armas da Dinamarca é constituído por três leões azuis coroados acompanhados por nove corações vermelhos, tudo em um escudo de ouro. A mais antiga representação conhecida da insígnia data a partir de um selo usado pelo rei Canuto VI c. 1194. A mais antiga documentação para as cores data de c. 1270. [20] Historicamente, os leões olhavam para quem via o brasão, e o número de corações não era regulamentada e poderia ser muito maior. Os historiadores acreditam que os corações era originalmente søblade [21] (literalmente: sea-leaves, em inglês), mas que este significado foi perdido durante a Idade Média. Um decreto real de 1972 especifica estas figuras como søblade mas os Dinamarqueses normalmente se referem a elas como corações. A versão atual foi adotada em 1819 durante o reinado do rei Frederico VI, que fixou o número de corações para nove e decretou que os animais heráldicos fossem leões. Uma versão rara existe a partir do reinado do rei Érico da Pomerânia, no qual os três leões conjuntamente seguram uma bandeira dinamarquesa. [22]

Groenlândia e Ilhas Faroé[editar | editar código-fonte]

Brasão de armas da Groenlândia

Esses dois estados dependentes possuem lei própria e tem como chefe de Estado o monarca da Dinamarca, em acordo com a constituição dinamarquesa. [23]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. [1] Retrieved 28 Dezembro 2011
  2. Lei Constitucional da Dinamarca, 05 de junho de 1953; Lei Constitucional da Dinamarca
  3. Tasks and Duties Danish monarchy. Visitado em 16 December 2008.
  4. ICL — Denmark — Succession to the Throne Act. Visitado em 2008-06-24. Cópia arquivada em 2008-05-30.
  5. The Royal Lineage Danish monarchy. Visitado em 16 December 2008. A linha específica de sucessão é a seguinte: Actual monarca: Margarida II da Dinamarca
    1. SAR o príncipe herdeiro Frederico (filho mais velho da rainha Margarida II)
    2. SAR o príncipe Cristiano (filho do príncipe Frederico e da princesa Mary)
    3. SAR a princesa Isabel (filha do príncipe Frederico e da princesa Mary)
    4. SAR o príncipe Vicente (filho mais novo do príncipe Frederico e da princesa Mary)
    5. SAR a princesa Josefina (filha mais nova do príncipe Frederico e da princesa Mary)
    6. SAR o príncipe Joaquim (filho mais novo da rainha Margarida II)
    7. SA o príncipe Nicolau (filho mais velho do príncipe Joaquim)
    8. SA o príncipe Félix (filho do príncipe Joaquim)
    9. SA o príncipe Henrique (filho mais novo do príncipe Joaquim)
    10. SAR a princesa Benedita (filha do rei Frederico IX e irmã da rainha Margarida II)
    11. SA a princesa Isabel (neta do rei Cristiano X através do seu segundo filho, o príncipe Canuto)
  6. The Royal House Danish monarchy. Visitado em 16 December 2008.
  7. noticias.r7.com Retrieved 28 Dezembro 2011
  8. visitdenmark.dk Retrieved 13 Outubro 2010
  9. caras.pt Retrieved 20 Maio 2012
  10. http://orderofsplendor-blog.blogspot.pt Retrieved 27 Outubro 2011
  11. http://orderofsplendor-blog.blogspot.pt Retrieved 21 Dezembro 2011
  12. http://regalmajesty.tumblr.com/ Retrieved 14 Agosto 2012
  13. http://orderofsplendor.blogspot.com/ Retrieved 17 Maio 2011
  14. http://orderofsplendor.blogspot.com/ Retrieved 17 Novembro 2011
  15. http://hola.com/ Retrieved 13 Maio 2004
  16. http://hola.com/ Retrieved 13 Maio 2004
  17. http://hola.com/ Retrieved 12 Maio 2004
  18. elevação do de Oldenburg também fundiu o título Delmenhorst no Oldenburg um
  19. dinamarquês: "Fyrste", em alemão: "Fürst"
  20. Danish National Archives. Valdemarernes våben (em dinamarquês). Visitado em 23 July 2007.
  21. Não tenho certeza se existe um termo Inglês ou em português. Consulte o artigo "Seeblatt" na Wikipédia em alemão para obter mais informações sobre este símbolo heráldico
  22. The Royal Coat of Arms Danish monarchy. Visitado em 16 December 2008.
  23. Facts about Greenlandhttp://www.gh.gl/uk/facts/frameset.htm

Ligações externas[editar | editar código-fonte]