Cristiano VII da Dinamarca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cristiano VII
Rei da Dinamarca e da Noruega, etc.
Pintor: Alexander Roslin
Governo
Reinado 14 de Janeiro de 176613 de Março de 1808
Consorte Carolina Matilde da Grã-Bretanha
Antecessor Frederico V
Sucessor Frederico VI
Casa Real Casa de Oldemburgo
Vida
Nascimento 29 de janeiro de 1749
Copenhague
Morte 13 de março de 1808 (59 anos)
Sepultamento Catedral de Roskilde, Dinamarca
Filhos Frederico VI
Luísa Augusta
Pai Frederico V
Mãe Luísa da Grã-Bretanha

Cristiano VII (Copenhague, 29 de janeiro de 1749Rendesburgo, 13 de março de 1808) foi rei da Dinamarca e da Noruega, duque de Eslésvico-Holsácia, Stormarn e Dithmarschen além de conde de Oldemburgo e Delmenhorst de 1766 a 1808.

"Gloria ex amore patriae" (O amor da pátria é a minha recompensa) foi o lema que ele escolheu para o seu reinado.

Juventude[editar | editar código-fonte]

Cristiano, quando príncipe-herdeiro. Retratista não identificado.

Em 1747 a Dinamarca se deparou com a morte do herdeiro do trono, também chamado Cristiano, que veio a falecer com apenas dois anos de idade, um mês anterior ao seu terceiro aniversario, portanto, grandes expectativas foram formadas em torno do anuncio do nascimento de um possível herdeiro varão em 1749. Durante as comemorações na corte celebrando o nascimento do novo príncipe-herdeiro, foi apresentada a composição de Christoph Willibald Gluck, "La Contesa dei Numi" (a contenção dos deuses) , Gluck que foi maestro da ópera da corte, entre os anos de 1748-1749, compôs a cena, onde os deuses do Olimpo se reuniam às margens do Grande Belt e discutiam quem, em particular, deveria proteger o novo príncipe.

Sua mãe, a rainha Luisa morreu aos 27 anos de idade, em 1751, dois anos após seu nascimento. No ano seguinte, seu pai casou-se com a duquesa Juliana-Maria de Brunsvique-Wolfenbüttel.

A educação do futuro rei foi confiada ao conselheiro de estado o Conde Christian Ditlev Frederik Reventlow ( 1712-1783 ), cujos métodos de ensino, xingamentos e agressões disciplinarias, não eram adequadas a frágil disposição e saúde do jovem príncipe. Portanto, Cristiano se encontrava altamente despreparado ao assumir o trono aos 16 anos de idade em 1766, quando seu pai alcoólatra o rei Frederico V, veio a falecer precocemente.

Reinado[editar | editar código-fonte]

Cristiano, retratado por Peder Als, por volta das décadas de 1776-79.

O jovem rei estava prometido a sua prima de quinze anos a princesa britânica Carolina-Matilda, irmã do rei Jorge III do Reino Unido, que estava ansioso com o casamento, porém não plenamente consciente de que o noivo era mentalmente doente. O casamento dinástico foi realizado no palácio real de Christiansborg em 08 de novembro de 1766, no mesmo ano em que o noivo foi coroado.

Após seu casamento, ele abandonou-se aos piores excessos, especialmente promiscuidade sexual. Ele desprezava Carolina-Matilda tendo declarado publicamente que ele não poderia ama-la, por ser "fora de moda amar a própria esposa."

Cristiano VII tinha birras violentas e participava de passeios atribuídos à vandalismo e tumultos à noite em Copenhague, na companhia de prostitutas tais como a cortesã Støvlet-Cathrine. Sintomas durante este período incluíram a paranóia, a auto-mutilação e alucinações.

De 1768 a 1769 Cristiano esteve em uma viagem ao exterior onde visitou estados do Sacro Império Romano-Germânico (atual Alemanha), a Holanda, a Inglaterra e a França. Onde se apresentou nas cortes extrangeiras de forma impecável, provavelmente sob a influência de Johann Friedrich Struensee médico que, eventualmente, tomou poder sobre ele e logo se tornou amante da rainha em Copenhague onde foi nomeado Livmedikus hos Christian VII (ou médico pessoal do rei), e introduzido como conde feudal na nobreza dinamarquersa. Struensee era protégé de um grupo de aristocratas do Iluminismo, rejeitados da corte copenhaguense, e ganhou a amizade do rei ao ter restaurado a sua saúde durante uma visita a região de Eslésvico-Holsácia.

Cristiano era um homem que sofria de doença mental, e de acordo com a psiquiatria moderna diagnosticará esquizofrenia. Sua loucura nunca foi oficialmente reconhecida.

Por isso, aqueles que tinham interesses ao seu redor mantinham a ilusão de que o rei governava pessoalmente. Qualquer documento havia portanto, ter de portar a assinatura do rei para ser válido. Porém a verdade era que o poder estava com aqueles que tinham acesso direto ao rei, e por esse motivo poderiam fornecer-lhe documentos a serem assinados, primeiro Struensee que mantinha um caso com a rainha que ocasionou o nascimento de Luísa Augusta, nascida a 7 de junho de 1771, rumores na corte indicavam que ela seria filha de Struensee, já que o rei não havia visitado os aposentos da rainha durante o período passado no palácio de veraneio de Hirschholm que a concebeu-a, além disso suas semelhanças com o médico reforçavam o fato. Por esse motivo o conselho dinamarquês em uma astuta estratégia a casaria mais tarde com o duque de Augustenborg, um príncipe de sangue real e de uma longa linhagem de sangue nobre dinamarquês. Em 1772 uma conspiração orquestrada pela rainha-viúva Juliana-Maria, levou à queda e a execução de Struensee e a deportação da rainha Carolina-Matilda sob a acusação de lesa-majestade, após isso o poder esteve nas mãos do hábil politico Ove Hoegh-Guldberg e Juliana-Maria, representando seu filho o herdeiro-presuntivo Frederico. Finalmente, em 14 de abril de 1784, o filho do rei com Carolina-Matilda, foi declarado de maioridade legal, e em um golpe de estado, assumiu a regência de seu meio-tio. Ele continuou como regente da Dinamarca, sob o nome de seu pai até a morte de Cristiano em 1808, quando foi coroado rei Frederico VI.

O sarcófago de Cristiano, na catedral de Roskilde.

Morte[editar | editar código-fonte]

Cristiano morreu aos 59 anos de um acidente vascular cerebral em 13 de março de 1808 em Rendesburgo, Eslésvico-Holsácia. Rumores dizem que o rei teria se assustado ao vê-auxiliares espanhóis, que ele alegou serem hostis, mas o historiador comtemporaneo Ulrik Langen, em sua biografia do rei, não indicou nenhum fato concreto que houve qualquer causa externa.

Cristiano VII foi enterrado na catedral de Roskilde.1

Legado[editar | editar código-fonte]

Cristiano VII, a história de seu casamento, e o caso extraconjugal de sua esposa com Struensee tem destaque em muitos exemplos de representações artísticas:

O Amante da Rainha (dinamarquês: En Kongelig Affære) - uma película de 2012 nomeada a melhor filme estrangeiro na oitogésima-quinta edição do Óscar em que o rei Cristiano é interpretado por Mikkel Følsgaard. Além de Caroline Mathilde - de 1991 balé em dois atos encenado pelo Balé Real Dinamarquês e coreografado por Flemming Flindt com música de Sir Peter Maxwell Davies. Esses dois sendo os exemplos mais populares entre o grande publico.

Em 1769, Cristiano VII contribuirá também para ciência quando convidou o astrônomo húngaro Miksa Hell à Vardø, na Noruega. Ele observou a tramitação de Vênus, e seus cálculos da distância entre a Terra e o Sol foram os mais precisos até aquele momento (cerca de 151.000 mil quilômetros).

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Den afmægtige: en biografi om Christian 7, Ulrik Langen.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Cristiano VII da Dinamarca
Precedido por
Frederico V
Rei da Noruega e da Dinamarca
1766 - 1808
Sucedido por
Frederico VI